Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Conta
T. Richter

- Posso te fazer uma pergunta?- perguntou-me a moça do caixa ao estender a máquina do cartão de débito. - É como se fosse uma pesquisa.
     Era o aniversário de um amigo de infância e ele escolhera aquele restaurante no Largo do Moutela, na Freguesia, para comemorar a data. Estranhei um pouco o tom de voz dela, bem diferente de quando algum funcionário de restaurante pediu minha opinião sobre o serviço ou sobre algum prato.
- Claro- respondi enquanto digitava a senha.
- Se você estivesse no banheiro e garçom entregasse a conta para a moça que está com você, você veria algum problema nisso? Acharia errado ou qualquer coisa assim?
- Não- respondi, já franzindo o cenho- Qual problema teria isso? Não vejo nada demais nisso, e tenho certeza que ela também não.
- Pois é- a moça do caixa pareceu aliviada- O cliente que veio pagar antes do senhor, um que estava em uma mesa próxima de vocês, teve um ataque aqui e me deu o maior esporro porque ele havia pedido a conta e ido ao banheiro, e o garçom trouxe ela antes dele voltar e entregou para a mulher dele.
- Sério isso?- perguntei, meio incrédulo, meio indignado- Eu acho que vi quem era... um cara um pouco gordinho, com uma moça loura?
- Ele mesmo... chegou aqui falando alto, na maior grosseria, dizendo que isso era um absurdo, que uma mulher nunca deve receber a conta do restaurante, que uma mulher não deve nem saber o valor da conta, que isso é assunto do homem...
- Olha... tanto ela quanto eu discordamos disso... já teve vezes de eu pagar a conta sozinho, teve vezes dela pagar a conta sozinha, nós dividimos a conta também... varia muito, dependendo da situação... já teve vezes do salário dela atrasar, já teve vezes de ser o meu... coisas assim... salários atrasam, imprevistos acontecem e estamos já em 2018, não? Em geral nós dividimos tudo.
- Pois é- ao ver-se apoiada a moça animou-se - Eu penso assim também! Divido conta, já paguei quando meu marido estava sem dinheiro! Não tem nada demais nisso, né?
- Não... nada demais- concordei
- O outro cliente ficou indignado! Me destratou, reclamou do garçom...
- E por acaso ele queria que o garçom ficasse parado ao lado da mesa esperando ele ter a boa vontade de voltar? E os outros clientes? Tem gente querendo fazer o pedido, ou pedir a conta, e por aí vai! O garçom deveria atrasar o lado de todo mundo por causa do ego tacanho dele?
- Pois é! Vê se pode! Acho que ele queria sim! Só pode ser!
Enquanto conversávamos, ela aproximou-se, tendo demorado um pouco em despedir-se do pessoal. Contei-lhe o ocorrido.
- Que absurdo!- Ela exclamou.
- E a mulher que estava com ele? A esposa, noiva, ou o que for?- perguntei.
- Não falou nada- a moça do caixa deu de ombros- Ficou na dela, calada como se não estivesse acontecendo nada.
- Ah, eu teria falado- ela comentou, indignada como eu sabia que ficaria- Ele também faz isso porque ela aceita.
Trocamos ainda mais algumas palavras sobre o ocorrido, o qual, se não é surpreendente, não deixa de ser grotesco. A moça do caixa pareceu mais aliviada, mais certa de que, de fato, o erro não era dela ou do garçom, e sim da tacanhice alheia. Despedimo-nos e fomos buscar o carro no estacionamento, ainda comentando sobre tal disparate anacrônico.
Foi uma pena o tal cliente já ter ido embora. Fiquei curioso para ver se ele tinha partido de carro ou de carruagem. Acredito que ele se sentiria bem à vontade no século XIX, bem vitoriano. Uma máquina do tempo a lá H.G Wells anda realmente fazendo falta.
                                        
                                Fevereiro, 2018

Número de vezes que este texto foi lido: 168


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Campinho, Estação Apostólica T. Richter
Crônicas Saúde Privada T. Richter
Crônicas Mapas T. Richter
Crônicas Livrarias T. Richter
Crônicas Obrigado por utilizar nosso atendimento on-line T. Richter
Crônicas O Fator Tempo T. Richter
Contos Desagradabilíssimo #5 T. Richter
Crônicas Frida Kahlo T. Richter
Crônicas O pangaré de Cosme e Damião T. Richter
Crônicas Miojo T. Richter

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 28.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184898 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 160323 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 160012 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 130122 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 113383 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 75405 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 69348 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 63423 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 59549 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 55170 Visitas

Páginas: Próxima Última