Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 1
John Owen



John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 1.
O pecado interior em crentes tratado pelo apóstolo, em Romanos 7:21: “Acho então esta lei em mim, que, mesmo querendo eu fazer o bem, o mal está comigo.”
É do pecado residente, e dos resquícios dele em pessoas após a conversão a Deus, com seu poder, eficácia e efeitos, que pretendemos tratar. Este também é o grande desígnio do apóstolo ao manifestá-lo e evidenciá-lo no capítulo 7 da Epístola aos Romanos. Muitos, de fato, são os pareceres sobre o escopo principal do apóstolo nesse capítulo, e em que estado está a pessoa, se sob a lei ou sob a graça, cuja condição ele expressa nele. Na verdade, não devo entrar nesta disputa, mas digo aquilo que por certo pode ser provado e evidenciado inequivocamente, ou seja, que é a condição de uma pessoa regenerada, com respeito ao poder restante do pecado residente que é proposto e exemplificado, por e na pessoa do próprio apóstolo. Nesse discurso, portanto, dele, será estabelecido o fundamento do que temos a oferecer sobre esse assunto. Não que eu proceda a uma exposição de sua revelação desta verdade, pois ela se encontra em seu próprio contexto, mas apenas faço uso do que é entregue na ocasião. E aqui ocorre primeiro o que ele afirma, versículo 21: “Encontro então esta lei em mim, que, mesmo querendo eu fazer o bem, o mal está comigo.”
Há quatro coisas observáveis nessas palavras:
Primeiro, a denominação que ele dá ao pecado interior, pela qual ele expressa seu poder e eficácia: é "uma lei"; porque o que ele afirma ser "uma lei" neste versículo, ele chama no que precede, "pecado que habita nele".
Em segundo lugar, o caminho pelo qual ele chegou à descoberta desta lei; não absolutamente e em sua própria natureza, mas em si mesmo ele a encontrou: "Eu acho uma lei".
Em terceiro lugar, a condição de sua alma e do homem interior com esta lei do pecado, e sob sua descoberta: "ele faria o bem".
Em quarto lugar, o estado e a atividade desta lei quando a alma está nesse quadro quando faria o bem: "está presente com ele".
A primeira coisa observável é a expressão aqui usada pelo apóstolo, ele chama o pecado residente de "uma lei".
É uma lei. Uma lei é tida adequadamente como sendo uma regra diretiva, ou como um princípio operacional efetivo, que parece ter força de uma lei. Em seu primeiro sentido, é uma regra moral que direciona e ordena, e diversos comportamentos se movem e regulam a mente e a vontade quanto às coisas que exige ou proíbe. Esta é, evidentemente, a natureza geral e o trabalho de uma lei. Algumas coisas que ela manda, algumas coisas que proíbe, com recompensas e penalidades, que se movem e impulsionam os homens a fazerem um e a evitar o outro. Assim, em um sentido secundário, um princípio interno que se move e se inclina constantemente para qualquer ação é chamado de lei. O princípio que há na natureza de cada coisa, movendo-a e levando-a para seu próprio fim e descanso, é chamado de lei da natureza. A este respeito, todo princípio interno que inclina e urge em operações ou atua adequadamente para si é uma lei. Então, em Romanos 8: 2, o poderoso e eficaz trabalho do Espírito e a graça de Cristo nos corações dos crentes é chamado de "A lei do Espírito da vida". E por este motivo, o apóstolo aqui denomina o pecado residente uma lei. É um princípio poderoso e eficaz, que inclina e pressiona para ações adequadas à sua própria natureza. Esta, e nenhuma outra, é a intenção do apóstolo nesta expressão: pois, embora esse termo, "uma lei", às vezes possa denotar um estado e condição, e, se aqui for usado, o significado das palavras deve ser "Eu acho que esta é a minha condição, este é o estado das coisas comigo, que, quando eu faço o bem, o mal está presente comigo", o que não faz grande alteração na principal intenção, - ainda que apropriadamente possa denotar nada aqui, senão o assunto principal tratado; pois, embora o nome de uma lei seja usado de forma variada pelo apóstolo neste capítulo, no entanto, quando se relaciona com o pecado, ele não é aplicado por ele à condição da pessoa, mas apenas para expressar a natureza ou o poder do próprio pecado. Então, lemos em 7:23: "mas vejo nos meus membros outra lei guerreando contra a lei do meu entendimento, e me levando cativo à lei do pecado, que está nos meus membros." O que ele aqui chama de "lei de sua mente", do sujeito principal e do assento dela, não é em si mesmo senão a "lei do Espírito da vida que está em Cristo Jesus", cap. 8: 2; ou o poder efetivo do Espírito de graça, como foi dito. Mas "a lei", como aplicada ao pecado, tem um duplo sentido: porque como, em primeiro lugar, "vejo uma lei em meus membros", denota o ser e a natureza do pecado; assim, no último, "Levando em cativeiro para a lei do pecado que está em meus membros", significa seu poder e eficácia. E ambos estão incluídos no mesmo nome, usado individualmente, no cap. 7:21. Agora, o que observamos a partir deste nome ou termo uma "lei" atribuído ao pecado é: que existe uma eficácia e poder superiores aos resquícios do pecado residente nos crentes, com um constante trabalho para o mal. Assim é nos crentes; uma lei neles próprios, embora não para eles. Embora sua regra seja quebrada, sua força enfraquecida e prejudicada, sua raiz mortificada, mas é uma lei ainda de grande força e eficácia. Lá, onde é menos sentida, é muito poderosa. Os homens carnais, em referência aos deveres espirituais e morais, não são senão esta lei; eles não fazem nada além disso e por meio disso. É neles um princípio dominante e predominante de todas as ações morais, com referência a um fim sobrenatural e eterno. Não o considerarei neles em quem tem mais poder, mas naqueles em quem o seu poder é principalmente descoberto e discernido, isto é, nos crentes; nos outros apenas para a maior convicção e manifestação dele. Em segundo lugar, o apóstolo propõe o caminho pelo qual ele descobriu essa lei em si mesmo: Ele encontrou “uma lei”. Foi-lhe dito que havia tal lei; tinha sido pregado para ele. Isso o convenceu de que havia uma lei do pecado. Mas uma coisa é que um homem conheça em geral que existe uma lei do pecado; outra coisa que um homem tenha uma experiência do poder desta lei do pecado em si mesmo. É pregado a todos; todos os homens que possuem a Escritura reconhecem isso, como sendo declarado na mesma. Mas são poucos aqueles que conhecem isto em si mesmos; deveríamos ter mais lutas contra isso, e menos frutos do mundo. Mas isto é o que o apóstolo afirma, - não que a doutrina dele tenha sido pregada a ele, mas que ele a encontrou por experiência em si mesmo. "Eu acho uma lei"; "Tenho experiência de seu poder e eficácia". Para que um homem encontre sua doença, e o perigo dos efeitos dela, é outra coisa diferente de ouvir falar sobre uma doença e suas causas. E essa experiência é o grande conservador de toda a verdade divina na alma. Isto é conhecer uma coisa na realidade, conhecê-la, quando, como somos ensinados a partir da Palavra, então a encontramos em nós mesmos. Daí observamos, em segundo lugar, que os crentes têm experiência do poder e da eficácia do pecado residente. Eles encontram-no em si mesmos; eles acham isso como uma lei. Eles têm uma eficaz autoprova para eles que estão vivos para discerni-lo. Os que não encontram seu poder estão sob seu domínio. Todo aquele que se opuser a ele deve saber e achar que está presente com eles, que é poderoso neles. Ele deve encontrar o fluxo forte que nada contra ele, embora aquele que rola junto com ele seja insensível a ele.
Em terceiro lugar, o quadro geral dos crentes, apesar da habitação desta lei do pecado, também é expresso. Eles "fazem o bem". Esta lei está no tempo presente: A inclinação habitual de sua vontade é boa. A lei neles não é uma lei, como é para os incrédulos. Eles não são totalmente inadequados ao seu poder, nem moralmente aos seus mandamentos. A graça tem a soberania em suas almas: isto lhes dá uma vontade para o bem. Eles "querem fazer o bem", isto é, sempre e constantemente. 1 João 3: 9 - “Aquele que é nascido de Deus não peca habitualmente; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode continuar no pecado, porque é nascido de Deus.” e, "cometer o pecado", é fazer um comércio de pecados, para tornar o negócio de um homem pecar. Então, é dito que um crente "não vive em pecado"; e assim "faz o que é bom". A vontade de fazê-lo - é ter a inclinação habitual e a inclinação da vontade definida sobre o que é bom, isto é, moral e espiritualmente bom, que é o assunto apropriado aqui tratado: de onde vem a nossa terceira observação: existe, e há através da graça, mantida nos crentes uma vontade constante e comum de fazer o bem, não obstante o poder e a eficácia do pecado residente atue em contrário.
Isso, em sua pior condição, os distingue dos incrédulos no melhor deles. A vontade nos incrédulos está sob o poder da lei do pecado. A oposição que fazem ao pecado, seja na raiz ou nos ramos, é nula, pois a vontade de pecar neles nunca é tirada. Retire todas as outras considerações e obstáculos, dos quais trataremos depois, e eles pecarão de bom grado sempre. Os fracos esforços para responder às suas convicções estão longe de ser uma vontade de fazer o que é bom. Eles vão afirmar, na verdade, que eles deixariam seus pecados se pudessem, e eles agiriam melhor do que têm agido. Mas isto é o trabalho de suas luzes e convicções naturais, sem qualquer inclinação espiritual de suas vontades, que eles pretendem por essa expressão: porque onde há vontade de fazer o bem, há uma escolha daquilo que é bom para o bem da sua própria excelência, porque é desejável e adequado à alma e, portanto, é preferível antes do que é contrário. Agora, isso não está em nenhum incrédulo. Eles não podem, então escolher o que é espiritualmente bom, nem é tão excelente ou adequado a qualquer princípio que esteja neles. E estes também são, na maior parte, tão fracos e lânguidos em muitos deles, que não os colocam em esforços consideráveis. Testemunhe esse luxo, preguiça, mundanismo e justiça própria, em que a generalidade dos homens se afogou. Mas nos crentes há vontade de fazer o bem (conforme definido por Deus nas Escrituras), disposição e inclinação habitual em suas vontades para o que é espiritualmente bom; e onde está, é acompanhado com efeitos responsáveis. A vontade é o princípio de nossas ações morais; e, portanto, para a disposição prevalecente, o curso geral de nossas atuações será adequado. As coisas boas fluem dos bons tesouros do coração. Nem esta disposição pode ser comprovada em nenhum dos seus frutos. A vontade de fazer o bem, sem fazer o bem, é fingida.
Em quarto lugar, há ainda outra coisa restante nessas palavras do apóstolo, decorrente da relação que a presença do pecado tem no tempo e na época do dever: "Quando eu quero fazer o bem", diz ele, "o mal está presente comigo".
Há duas coisas a serem consideradas na vontade de fazer o bem que está nos crentes:
1. Existe a sua residência habitual neles. Eles sempre têm uma inclinação habitual de vontade para o que é bom. E esta preparação habitual para o bem está sempre presente com eles; como o apóstolo expressa, no versículo 18 deste capítulo: “com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está.”
2. Há tempos e estações especiais para o exercício desse princípio. Há um "Quando eu quero fazer o bem", uma estação em que este ou aquele bem, esse ou aquele dever, deve ser realizado adequadamente para a preparação habitual e a inclinação da vontade.
A estes dois, há duas coisas em que o pecado residente faz oposição. Ao princípio gracioso que reside na vontade, inclinando-a para o que é espiritualmente bom, é oposto como é uma lei, isto é, a um princípio contrário, inclinando para o mal, com uma aversão daquilo que é bom. Para o segundo, ou a vontade real de tal ou de tudo em particular, para isto "Quando eu quero fazer o bem", se opõe à presença desta lei: "O mal está presente comigo" porque o mal está à mão e pronto para se opor à realização real do bem a que me proponho. De onde, em quarto lugar, o pecado interior é efetivamente operacional na rebelião e inclinação ao mal, quando a vontade de fazer o bem está de uma maneira particular ativa e inclinada à obediência.
E esta é a descrição daquele que é um crente e um pecador, como cada um que é o primeiro é o último também. Estes são o princípio contrário e as operações contrárias que estão nele. Os princípios são, uma vontade de fazer o bem, por um lado, da graça e uma lei do pecado, por outro. Suas atuações e operações adversas são insinuadas nessas expressões: "Quando eu quero fazer o bem, o mal está presente comigo". E estes dois são mais plenamente expressados pelo apóstolo, Gálatas 5:17: "Porque a carne luta contra o Espírito e o Espírito contra a carne; e estes são contrários um ao outro, de modo que não façais o que seja do vosso querer." E aqui estão as origens de todo o curso da nossa obediência. Um conhecimento desses vários princípios e suas atuações é a principal parte da nossa sabedoria. Eles estão sobre o assunto, ao lado da graça livre de Deus em nossa justificação pelo sangue de Cristo, as únicas coisas em que a glória de Deus e nossas próprias almas estão preocupadas. Estas são as origens da nossa santidade e dos nossos pecados, das nossas alegrias e dificuldades, dos nossos refrigérios e tristezas. É, então, todo o nosso interesse conhecer completamente essas coisas, para aqueles que pretendem caminhar com Deus e glorificá-lo neste mundo. E, portanto, podemos ver que a sabedoria é necessária na orientação e gestão de nossos corações e caminhos diante de Deus. Onde os súditos de um governante estão em feudos e oposições um contra o outro, a menos que grande sabedoria seja usada no governo do todo, todas as coisas rapidamente serão ruinosas nesse estado. Existem estes princípios contrários no coração dos crentes. E se eles trabalharem para serem espiritualmente sábios, como eles poderão orientar seu curso corretamente? Muitos homens vivem no escuro para si mesmos todos os dias; o que quer que eles saibam, eles não conhecem em si mesmos. Eles conhecem seus estados externos, quão ricos são eles, e a condição de seus corpos quanto à saúde e à doença que eles têm o cuidado de examinar; mas quanto ao seu homem interior, e seus princípios quanto a Deus e à eternidade, eles sabem pouco ou nada de si mesmos. De fato, poucos trabalham para se tornarem sábios neste assunto, poucos se estudam como deveriam, para estarem familiarizados com os males de seus próprios corações como deveriam; sobre o qual ainda todo o curso de sua obediência, e consequentemente de sua condição eterna, dependerá. Isto, portanto, é nossa sabedoria; e é uma sabedoria necessária, se tivermos algum propósito para agradar a Deus, ou para evitar o que é uma provocação para os olhos da Sua glória. Também encontraremos, no nosso inquérito aqui, qual a diligência e a vigilância necessárias para um comportamento cristão. Há um inimigo constante no coração de cada um; e o que é este inimigo, devemos mostrar depois, pois este é o nosso desígnio, para o descobrir ao máximo. Enquanto isso, podemos muito bem lamentar a preguiça e negligência que é muito observada, mesmo em professantes. Eles vivem e caminham como se quisessem ir para o céu com um capuz - e adormecem, como se não tivessem inimigos para lutar com eles. Seu erro, portanto, e loucura será totalmente aberto em nosso progresso.
Aquilo que eu consigo fixar principalmente, em referência à nossa exposição presente, desta afirmação do apóstolo, é o que foi estabelecido pela primeira vez, a saber, que existe uma eficácia e poder superiores nos resquícios do pecado que habita nos crentes, com uma inclinação constante e trabalhando para o mal.
Despertem, portanto, todos vocês em cujo coração há qualquer coisa dos caminhos de Deus! Seu inimigo não é apenas sobre você, como foi sobre Sansão no passado, mas está em você também. Ele está no trabalho, por todos os modos de força e artifício, como veremos. Você não deve desonrar Deus e seu evangelho; você não deve escandalizar os santos e os caminhos de Deus; você não deve ferir sua consciência e por em perigo sua alma; você não deve entristecer o santo Espírito de Deus, o autor de todos os seus confortos; você deve manter suas roupas imaculadas, e escapar das tentações e poluições humilhantes dos dias em que vivemos; você deve ser preservado do número dos apóstatas nestes últimos dias; - acordado para a consideração deste inimigo amaldiçoado, que é a fonte de todos estes e inúmeros outros males, como também da ruína de todas as almas que perecem neste mundo!


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 90


Outros títulos do mesmo autor

Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P1 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 86.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184137 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157406 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157399 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129500 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 75590 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 70040 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68794 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 61860 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58723 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54546 Visitas

Páginas: Próxima Última