Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Resquícios de Pecado em Crentes – Introdução e Prefácio
John Owen


John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

INTRODUÇÃO PELO TRADUTOR:

O que é o bem, conforme ele se encontra em perfeição na pessoa de Deus?
O caráter e os atributos perfeitíssimos de Deus são a resposta para tal pergunta.
Destaquemos por exemplo a sua paciência ou longanimidade, pela qual suporta ofensas e provocações e todo o mal da parte dos seres morais caídos (demônios e pecadores) retendo a ira por causa do atributo da justiça, e adiando os seus juízos para o tempo determinado, sem que tenha qualquer exasperação ou ódio em sua natureza divina.
Os crentes, pela natureza divina que neles habita têm tal paciência e longanimidade por alvo. Desejam e inclinam-se para isto pela natureza celestial que receberam na conversão. Mas, em razão dos resquícios do pecado original que também neles habita, e pelo estado de ignorância e incapacidade relativa aos atributos divinos, que ficaram desfigurados no homem, desde a queda, são naturalmente incapacitados para a realização perfeita deste bem divino ao qual aspiram, e daí se dizer que quando querem fazer o bem, não o fazem, pois não podem atendê-lo na plenitude em que se encontra no próprio Deus.
Pelo mesmo raciocínio, isto pode ser aplicado ao amor, à bondade, à paz, à fé, ao domínio próprio, à misericórdia, e a tudo o mais que se encontra em perfeição em Deus, e que foi perdido pelo homem em razão do pecado original.
Daí Jesus dizer que tudo o que procede do coração do homem é somente o mal, pois está incapacitado por sua natureza terrena decaída, a fazer o bem conforme ele é definido na pessoa do próprio Deus. E os crentes são incentivados a serem imitadores de Deus, levando à cruz o velho homem, para que atuem pela nova inclinação que neles está, pelo Espírito, exercitando-se em amar seus inimigos, em oferecerem a outra face quando feridos em uma delas, a caminharem a segunda milha, a orarem pelos seus perseguidores, a abençoarem os que os amaldiçoam, pois nisto é que se manifesta o quanto têm aprendido e praticado a genuína misericórdia, amor, longanimidade etc, conforme se encontram em Deus.
Os próprios atos de benignidade pensados e atuados pelos homens, em razão dos resquícios da obra da lei escrita em seus corações, conforme o homem foi dotado pelo Senhor na criação (Rom 2.15), são manchados pelo pecado, pois esta inscrição da criação original foi corrompida pelo pecado, de modo que o h0mem não somente não entende de modo perfeito o que é o bem, como também não pode realiza-lo de forma perfeita, pelos motivos e inclinações corretos, em harmonia com todos os demais atributos que compõem o caráter e a sua personalidade, os quais, a propósito, também não são perfeitos.
A razão disso é explicada pelo apóstolo, ao dizer que mesmo querendo fazer o bem, o mal está presente com ele (Rom 7.21).
Há assim, mesmo nos crentes, essa imperfeição na realização do bem, por conta da natureza imperfeita que neles habita ao lado da perfeita (nova natureza) que receberam na conversão.
Todo o conhecimento deles é em parte, mesmo o relativo ao bem, e aos atributos de Deus. E não podem avançar neste conhecimento sem que estejam em plena comunhão com Deus, pois aprende-se por osmose, recebendo da fonte, assim como os ramos recebem a seiva estando ligados ao caule da videira.
Eis a razão de serem instados à oração e à vigilância permanentes e constantes, para poderem avançar em direção àquela perfeição celestial e espiritual à qual são movidos pela nova natureza divina que neles habita, e pela qual aspiram, segundo o mover do Espírito Santo. Ainda que esta não seja alcançada em sua perfeição gloriosa enquanto aqui viverem, todavia é possível aumentar em graus cada vez maiores por meio da diligência em santificação.
O trabalho da santificação deve permanecer durante toda a jornada terrena, pois se não houver avanços, os recuos serão inevitáveis, pois ainda que a raiz do pecado seja enfraquecida pelas maiores infusões da graça, ela nunca morre definitivamente enquanto estivermos aqui deste outro lado do céu, e o trabalho de mortificação deve ser contínuo, porque ainda que fraco, o pecado mantém o seu poder mortal e destruidor.
A lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, livrou o crente da lei do pecado e da morte (Rom 8.2). Mas esta libertação se mostra eficaz aqui embaixo somente quando o crente se santifica. A libertação será completa e final, somente a partir da ida do crente para o céu, quando deixar o corpo desta morte. Até lá, há de servir à lei de Deus com a sua mente e vontade, mas com a carne à lei do pecado (Rom 7.25), porque a lei do pecado há de estar nos seus membros até o dia da sua morte, ao lado da lei do Espírito que habita também nele operando em sua mente, e opondo-se à lei do pecado.
Mas, ao se dizer que servirá à lei do pecado com a carne, isto não significa que deve se render à ação desta lei, deste princípio vivo e mortal que opera nos seus membros, mas que deve vigiar contra isto e mortificar o pecado, para que em vez de ser dominado por esta lei, seja dirigido pela nova lei do Espírito que inclina a sua mente para aquilo que é aprovado por Deus e agradável a Ele.

PREFÁCIO

Que a doutrina do pecado original é uma das verdades fundamentais da nossa profissão cristã sempre foi admitido na igreja de Deus; e toda parte especial é dessa possessão peculiar da verdade que apreciam aqueles, cuja religião para com Deus é construída e resolvida em revelação divina. Como o mundo, por sua sabedoria, nunca conheceu a Deus corretamente, então os sábios do mundo sempre ignoraram completamente esse mal da raça em si e em outros. Mas para nós a doutrina e a convicção dela estão no próprio fundamento de tudo com o que temos que lidar com Deus, em referência ao nosso agrado dele aqui, ou para obter o gozo dele mais adiante, também é conhecida a influência que ela tem nas grandes verdades sobre a pessoa de Cristo, sua mediação, os frutos e os efeitos dela, com todos os benefícios dos quais somos feitos participantes. Sem uma suposição disso, nenhum deles pode ser verdadeiramente conhecido ou crido. Esse assunto tem sido amplamente tratado por muitos homens santos e sábios, tanto dos tempos antigos quanto dos últimos dias. Alguns têm trabalhado na descoberta de sua natureza, de sua culpa e demérito; por quem também a verdade sobre isso foi reivindicada pela oposição feita nas eras passadas e presentes. Porque a maioria dessas coisas foi considerada em toda a extensão e latitude, com respeito a todos os homens por natureza, com a propriedade e condição de todos que estão totalmente sob o poder e a culpa do pecado original. Como, os homens são assim incapacitados em si mesmos para responder à obediência exigida na lei ou no evangelho, de modo a libertar-se da maldição de um ou se tornar participantes da bênção do outro, tem sido por muitos também plenamente evidenciado. Além disso, como há resquícios de pecado que permanecem nos crentes após a sua regeneração e conversão a Deus, como a Escritura testifica abundantemente, então foi completamente ensinado e confirmado; como também que a culpa é perdoada a eles, e por que meios o poder dele está enfraquecido neles. Todas essas coisas, digo, foram amplamente tratadas, para o grande benefício e edificação da igreja. No que temos agora em desígnio, consideramos todos estes resquícios e esforçamo-nos mais para continuar a descobri-los em suas atuações e oposições à lei e à graça de Deus nos crentes. Também não pretendo discutir qualquer coisa que tenha sido controvertida sobre isso. O que as Escrituras claramente revelam e ensinam sobre isso, o que os crentes evidentemente acham pela experiência em si mesmos, o que eles podem aprender com os exemplos dos outros, deve ser representado de forma adequada à capacidade do mais fraco que esteja preocupado com isso. E muitas coisas parecem tornar o seu tratamento nesse tempo não desnecessário. Os efeitos e os frutos disso, que vemos nas apostasias e nas costas de muitos pecados escandalosos e os erros de alguns, e o curso e a vida, mais parecem exigir uma consideração devida. Além disso, de quão grande interesse um conhecimento completo e claro do poder deste pecado interior (o assunto destinado a ser aberto) deve levar os crentes, à vigilância e diligência, fé e oração, para chamá-los ao arrependimento, humildade e autoabatimento, aparecerão em nosso progresso. Esses, em geral, foram os fins visados no discurso que se segue, que, sendo primeiro composto e entregue para o uso e benefício de alguns, é agora pela providência de Deus tornado público. E se o leitor receber alguma vantagem por esses fracos esforços, que ele saiba que é seu dever, dar glória a Deus, para ajudar por suas orações aqueles que, em muitas tentações e aflições, estão dispostos a trabalhar na vinha do Senhor, o trabalho a que são chamados.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 90


Outros títulos do mesmo autor

Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P1 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 John Owen
Artigos John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 John Owen

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 86.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184137 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157406 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157399 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129500 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 75590 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 70040 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68794 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 61860 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58723 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54546 Visitas

Páginas: Próxima Última