Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SUSSURROS 16 TERROR
DE PAULO FOG E IONE AZ
ricardo fog

Resumo:
BOM DEMAIS

19


    Edileuza sai da cama deixando Luan dormindo, veste sua roupa e sai do quarto dele, no corredor perfeito silêncio até ela passar por outro que dá acesso a ala dos guardas e funcionários, ouve uma voz conhecida vindo das salas.
- Kaique. Ela segue o som até parar próximo a uma porta entreaberta, cuidadosamente leva a cabeça a esta e vê algo que a deixa surpresa, Kaique negociando com os 3 homens, drogas sintéticas em troca de alguns comprimidos sedativos.
- Bom, bom, finalmente conseguiram dos bons.
- Não sabe como foi dificil.
- Só espero que não tenha colocado na cueca de novo.
- E daí, garanto que as tias lá adoram.
- Deixe de ser imbecil.
- Veja bem como fala comigo, frutinha. Kaique tira do bolso um canivete.
- O que disse?
- Olhe Kaique, foi mal, mais você também tem este hábito de ficar ai me zoando.
- Pega tua grana. O homem pega 3 notas e as guarda rapidamente.
- Obrigado hein.
- Vê bem o que vai fazer com estes comprimidos.
- Já tenho comprador.
Logo ele pega os outros e os dá os sintéticos.
- Quando vai querer mais?
- Agora vamos ficar umas 3 semanas no limpo.
- Falou.   Kaique sai dali, confere o corredor, normal, segue para a ala dos quartos.
- Então é este teu jogo?
- O que diz?
- Não se faz de tolo Kaique, eu vi tudo ali na sala com os 3 caras.
Kaique em gesto rápido leva a mão ao pescoço de Edileuza.
- Se viu fica piano, bem pianinho.
- Tú não é viado, cara tú é bem safado isso sim.
- Cale a boca.
- Enganando até o Luan.
- Será. Edileuza ensaia um cuspe mais é surpreendida por Kaique que levanta a mão em gesto a soco.
- Pare. Ali na frente deles, Luan, Edileuza sai da mão de Kaique e vai até o amado.
- Ele quis me matar.
- E deveria ter feito.
- O quê?
- Vamos para o quarto ou querem ir todos para a cadeia?
Em silêncio eles seguem para o quarto.
- O que, você também faz parte disso?
- Fale baixo, Edileuza, minha família é rica mais não me dão tudo que eu preciso.
- Como não, olhe você esta internado numa das melhores clinicas eles se preocupam contigo, você não faz nada.
- Por isso, eles me deixam aqui para que eu não atrapalhe os planos deles.
- Não pode ser.
- Mais é, eu sei o que já passei na mão deles, eles me odeiam, ódio velado, o pior de todos.
- Mais isso é razão é para tráfico?
- O que você sabe da vida, nada, cara a gente faz grana e muita grana aqui.
- Destruindo a vida de outros?
- Tudo termina em destruição talvez a gente só aplaine este caminho.
- Eu não acho certo.
- Quem é você para achar alguma coisa, uma dondoquinha que só sabe beber, sexo, homens, uma verdadeira puta, isso que você é.
Edileuza dá um tapa na cara de Luan e tenta outro mais ela é contida por ele.
- Eu vou contar tudo para o diretor.
Kaique leva um lenço umedecido em produto sedativo a narina de Edileuza, ela desmaia.
- E agora?
- Chame o pessoal.
- Sim.
- Ela não pode pôr tudo a perder.
- Certo.
Celso sai do banho e olha um envelope no chão do quarto, pega este, fotos dele e Pietra, senta na cama e fica a olha-las enquanto seca os cabelos com a toalha.
- A gente se dava bem. Coloca as fotos em uma gaveta, joga a toalha no cesto e cai na cama.
Edileuza ali na maca é injetada 2 doses de um preparo tipo coktel de medicamentos nela, aos poucos ela acorda meio tonta, Luan ali na frente dela.
- O que houve?
- Suas coisas, vão te levar embora.
- Sério, mas meu pai disse...
- Ele mandou te buscar.
- Nossa, cara eu sinto que preciso falar algo, mas não me lembro o quê.
- Na sua casa você diz.
- Cara eu te amo.
- Eu também. Edileuza tenta sair da maca mais seu corpo esta um tanto mole, 2 enfermeiros a ajudam colocando-a na cadeira de rodas.
- Eu conheço vocês.
- Não senhora.
- Conheço sim.
- Esta enganada. Eles a levam para a entrada da clinica, ali um carro a aguarda, ela olha e sente uma tensão.
- Peraí neste carro, este carro não é o do papai.
- Fique tranquila.
- Não é, eu sei que não é ....   Logo ela vê tudo escurecer, eles a tiram da cadeira e colocam no banco traseiro, Luan entra neste ficando a amparar a cabeça dela, Kaique senta no passsageiro da frente e o motorista segue.

04112017 --------------------------------------.






                                   20






      O carro segue numa estrada de terra, em determinado ponto, para, Edileuza é posta no chão e o carro segue de volta para a rodovia.
Ali desacordada ela fica, após mais de 40 minutos uma família num carro vê ela ali e para prestando socorro.
- Moça, moça.
- Oi.
- Você esta bem?
- Acho que estou... Edileuza desmaia e eles a colocam no carro, minutos depois ela acorda em uma cama de solteiro no quarto de um garoto, pela decoração.
- Oi, você desmaiou.
- Me desculpe.
A mulher se apresenta a ela e fala de seu esposo e seus 3 filhos.
- Nossa, que lugar é este?
- Você esta em Minas Gerais próximo a Frutal.
- Frutal?
- Sim.
- Acho que meu vô mora por aqui.
- Quem é ele?
- Rodolfo Martins.
- Ah, sim, sr Rodolfo. A mulher ouve isso, deixa um garoto com Edileuza, na sala o esposo da mulher assiste tv.
- Amor.
- O que foi?
- Você não imagina de quem ela é neta?
- De quem?
- De Rodolfo Martins.
- Então é negócio grande.
- O que faremos?
- Deixe ela descansar, vou fazer uma ligação.
- Será que não dará problemas.
- Acho que não.
A mulher retorna ao quarto, Edileuza adormecera, o filho da mulher fora para outro quarto dormir.
O esposo liga para uma fazenda de onde da sede uma senhora atende.
- Alô.
- Sim.
- É da fazenda São Miguel?
- Sim, quem deseja?
- Bem eu...   O homem fala com a mulher e conta sobre Edileuza, em 20 minutos, chegam 2 carros com homens da fazenda na casa do casal.
- Boa noite.
- Boa noite.
- A gente pode ver ela, onde esta?
- No quarto de um dos meus filhos.
Os homens entram na sala e uma moça com rapaz vão para o quarto e logo retornam toca o celular dele que atende confirmando ser Edileuza.
- Como foi que encontraram ela?
O casal contou para eles que ouviram atentamente logo toca novamente o celular do rapaz.
- Vamos leva-la.
- Ela pode ficar até amanhecer aqui.
- Não é necessário. O rapaz faz sinal para um dos homens que sai dali logo retornando com um talão de cheque.
O rapaz faz o cheque e entrega para o casal, que de inicio se negam mais acabam por aceitar.
- Muito obrigado.
- Não, obrigado vocês por terem trazido ela para cá.
Logo Bianca é retirada da casa no colo e eles saem dali.
- Será que fizemos o certo?
- Com certeza que sim.
Na fazenda, Edileuza é colocada na cama, a moça liga e do outro lado a mãe de Bianca atende.
- E então.
- Ja esta aqui na fazenda.
- Certo.

08112017 ----------------------------------------------------------


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 47


Outros títulos do mesmo autor

Contos MARCOS 17 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 19 TERROR ricardo fog
Contos SUSSURROS 18 TERROR ricardo fog
Crônicas LÁ VAI MAIS UMA ricardo fog
Contos SUSSURROS 17 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 16 NOVEL GLS ricardo fog
Crônicas O PROFESSOR A LENDA ricardo fog
Contos MARCOS 15 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 16 TERROR ricardo fog
Contos SUSSURROS 15 TERROR ricardo fog

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 67.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182772 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 148800 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 148199 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128306 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67361 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64637 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58754 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 58594 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57516 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53509 Visitas

Páginas: Próxima Última