Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Poema ao homem sádico
André Leite

Olhando assim tão de perto
Você até parece um homem
Dos olhos exalam medo, as maneiras são cordiais

Tomem cuidado os que estão desavisados
Que por seus difusos gestos são enganados
Pois esses olhos não escondem alma alguma

Pobre essa gente
Que por um descuido do destino cruza o seu caminho
Lhes vêem enfraquecido, tombado na calçada
E em um acesso de humanidade lhe oferecem a mão
Um copo d'água (o sol castiga e nessa rua não há sombra)
E quando lhe viram as costas para buscar ajuda
Sentem a aguda navalha penetrar a carne
E o sopro de vida expirar

Seria tamanha maldade a sua uma artimanha do diabo?
Às vezes me custa crer que até aquele
Que por alguns detalhes discutiu com o criador
Seria sádico a ponto criar tão vil ser

Ah, a ironia que foi
Te considerei meu igual, e quando pálido te vi
Jogado na esquina, com o corpo torturado
Procurei água, gritei por alguém

E na minha primeira distração
Eu, que estava preocupado com o seu estado de saúde
Senti entrando a faca pela minhas costas
Ouvi sua respiração, imaginei o sorriso postado no seu rosto

Devagar, a arma saiu da carne
Cai na rua, inundado em meu próprio sangue
Chamaram meu pai, minhas avós, amantes, amigos e parentes distantes para o meu velório
Mas um último fio de vida insistiu em ficar

Milagre! Chamaram de santo o médico!
Fizemos festa, a música tomou a rua, os bêbados quebravam para a esquina
Comemos mais do que aguentávamos, relembramos canções antigas até há pouco esquecidas
Sacrificamos tantos bichos que sobrou pasto por três anos

Mas ironia, ah a ironia, senhora do nosso tempo
Pois eu, o único sobrevivente entre as suas vítimas
Quedei-me com um medo de viver
Penso te ver a cada esquina, imagino você em todos com que convivo

E já jurei, mesmo sem saber
Que somente voltaria a apreciar a música
Quando visse o seu sangue derramado escorrendo pela rua
E visse a vida expirando em seu corpo

Meu deus! Eu me tornei um mostro
Igual a você


Biografia:
Caipira radicado na cidade de São Paulo. Poeta por gosto ou necessidade, ainda a definir
Número de vezes que este texto foi lido: 67


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Relógio Antigo André Leite
Contos Contos de Maria - parte 2 André Leite
Contos Contos de Maria André Leite
Poesias Primeiro Ensaio André Leite
Poesias Breve roteiro para uma história de amor André Leite
Poesias O ser e o sentir André Leite
Poesias Meus medos André Leite
Poesias Poema ao homem sádico André Leite
Poesias A nossa lua André Leite
Poesias Meus tempos de soldado André Leite

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 15.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182601 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 146720 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 146483 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128166 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67248 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64169 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58345 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 57576 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57312 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53395 Visitas

Páginas: Próxima Última