Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A maior prisão é o amor
Fabiano Vaz de Mello

E então fui colocado em julgamento. Julgado por amar demais. Amar de maneira incondicional e igual a todas as mulheres. Um criminoso aos olhos da sociedade. Um amante aos olhos dos apaixonados. Encerrada a primeira fase dos debates entre acusação e defesa, a promotora não abriu mão do seu direito a réplica, pois julgou que a defesa foi embasada na emoção e pouco usou da razão. Apelos à sensibilidade, mas afinal a quem um amante deve apelar? Provas técnicas nos autos de nada adiantam quando o crime é algo tão subjetivo quanto o amor! Não se trata de um homicídio. A não ser que seja do próprio amor! Ali algemado, não por um fetiche, mas pela ignorância de quem não ama, aguardo o veredicto de uma figura tão passiva que é o juiz. A tréplica. De nada valeram minhas alegações. Sou um amante e assumo. Assumo o risco de amar sem ser amado. De me fazer amado. Os jurados, mal amados recolhem-se a sala secreta. A mulher traída, o marido infiel, o desquitado, a amante fatal. Completam o juri o nerd solitário, a promíscua e o religioso extremista. Estou ferrado! Eis que chegaram ao consenso. O juiz irá proferir a sentença. Culpado! Culpado por ter se entregado a várias paixões sem desejar amar! Culpado por procurar sua amada em várias amantes! Culpado por fazer aquilo que muitos desejam e poucos tem coragem! A pena? A solitária! Com acesso apenas a sala de bate papo de amizade. Nada de encontros, namoros ou amizades coloridas. Com os olhos marejados levanto-me da cadeira a qual passei sentado durante horas. Levanto minhas mãos acorrentadas como se clamasse aos céus. Encaro cada um dos jurados e em um último ímpeto de desejo e coragem, passo minhas mãos acorrentadas por sobre a cabeça da promotora e a abraço puxando-a de encontro ao meu corpo! Um beijo lascivo e as pernas dela amolecem. Ela cai de joelhos. Sou arrastado em direção ao cárcere. O tempo passa. Terei direito a um novo julgamento e minha defensora será a promotora a qual beijei...


Biografia:
www.quasepaiquasefilha.blogspot.com.br
Número de vezes que este texto foi lido: 2436


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas A maior prisão é o amor Fabiano Vaz de Mello
Ensaios Assim como uma estrela Fabiano Vaz de Mello
Poesias Amei! Que droga! Fabiano Vaz de Mello


Publicações de número 1 até 3 de um total de 3.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181860 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 136204 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 135647 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127542 Visitas
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 125721 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66632 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 56765 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56417 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 55876 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 52946 Visitas

Páginas: Próxima Última