Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O voo do menino
Patrick Suarez

Comecei a voar já marmanjo.
A primeira vez que entrei em um avião foi com vinte e poucos anos de idade.
Desde a primeira vez me comporto como eu achava que uma criança se comportaria. Colo os olhos na janelinha e fico observando o movimento das engrenagens e dispositivos da asa, turbinas e toda a parafernália. Sempre curioso e abismado em como uma "canoa de asas" daquele tipo consegue carregar tanta gente. Quando levanta voo é muito legal. Observo as casas ficando pequeninas, florestas inteiras desaparecendo. Então vem a grande máquina de algodão doce. As nuvens parecem um tapete branco felpudo gigante. Dá vontade de deitar nelas. A descida é pura adrenalina. Também fico abismado em como um gigante daqueles consegue frear tanto em tão pouco espaço de pista.
Um tempo atrás estava num voo curto. Uma horinha voando e já sentia tudo isso. Na poltrona logo à minha frente tinha um garotinho de uns oito anos de idade. Estava vidrado no vídeo game portátil, parecia que não estava ali. Deu vontade de falar:
"Ei amiguinho, se liga! Você está voando, carinha. Olha lá pra baixo e vê o que está perdendo". Mas tive medo do pai dele não gostar. Pra aumentar a angústia, fechou a janelinha para enxergar melhor a tela do vídeo game.
Então pensei: "Que sorte a minha por não ter tido um vídeo game portátil na infância".
E comecei a culpar o vídeo game por estar atrapalhando a viagem do menino.
Mas então veio a empatia.
Pensei que o garoto pudesse estar com tanto medo da viagem que transformou o vídeo game no melhor amigo.
Então pensei: "Que azar o meu de não ter tido um vídeo game portátil na infância".
E mais uma vez a empatia me salvava de tudo.


Biografia:
Projetando o passado e recordando o futuro.
Número de vezes que este texto foi lido: 54


Outros títulos do mesmo autor

Sonetos O girassol não é o sol Patrick Suarez
Contos O cubo de gelo que falava Patrick Suarez
Crônicas O padrão é não ter padrão Patrick Suarez
Crônicas Não somos búfalos Patrick Suarez
Sonetos Ante a praça Patrick Suarez
Crônicas Sobre lavar roupa suja Patrick Suarez
Poesias A lua é que nasceu com a bunda virada pra cá Patrick Suarez
Poesias Sobre ser gente feia Patrick Suarez
Poesias Gente boa gente Patrick Suarez
Sonetos Soneto de libertação Patrick Suarez

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 24.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181860 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 136204 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 135647 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127542 Visitas
Amei! Que droga! - Fabiano Vaz de Mello 125721 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66632 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 56765 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 56417 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 55876 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 52946 Visitas

Páginas: Próxima Última