Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Crescimento na Fé
Archibald G. Brown


Título original: Growing Faith

Por: Archibald G. Brown (1844-1922)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra


"Devemos sempre agradecer a Deus por vós, irmãos, como convém, porque a vossa fé cresce muito." (2 Tessalonicenses 1: 3)

O egoísmo é propenso a se misturar não somente com as nossas orações, mas também com os nossos louvores. Assim como na oração somos propensos a pedir a nosso Senhor somente aquelas coisas com as quais nos preocupamos mais especialmente, e ignoramos as necessidades dos outros; assim, em nossos louvores, somos mais aptos a cantar apenas sobre as misericórdias que nós mesmos recebemos: "Bendize o Senhor, oh minha alma, e tudo o que está dentro de mim bendiga o seu santo nome", é na maioria das vezes a nossa canção no ditado da gratidão, por misericórdias que caíram em nossa própria porta.
Mas, o filho de Deus nos seus momentos superiores de comunhão reconhecerá alegremente a obrigação de louvar as misericórdias concedidas aos outros. Ele cantará não só pelo que o Senhor lhe fez, mas também pelo que a graça tem realizado nos corações de seus companheiros.
Agora, nos arriscamos a dizer que um espírito mais altruísta do que o do apóstolo Paulo nunca foi encontrado na terra, um exemplo do qual é encontrado em nosso texto. Aqui temos dele muito júbilo, e usando a linguagem mais forte para expressar essa alegria, não por causa de alguma misericórdia particular recebida por ele mesmo, mas, porque o Senhor se agradou de abençoar os membros da igreja em Tessalônica em suas próprias almas.
A alegria de Paulo nesse sentido pode ser facilmente compreendida. Essa igreja infantil em Tessalônica fora plantada por sua instrumentalidade e a grande maioria de seus membros tinha sido conquistada por meio de seu ministério. Ele podia olhar aqueles jovens convertidos e dizer: "Eu vos gerei de novo no Senhor, vocês são a minha alegria e coroa."
A simpatia e o amor que existem entre o ganhador de almas e a alma ganha, entre o instrumento de conversão e o convertido - são tão íntimos e caros que nunca podem ser descritos pelos lábios - mas somente realizados no coração. O amor de um pai para com seus filhos não é mais profundo do que o amor que um pai espiritual tem para com aqueles que o Senhor lhe deu; e o interesse de um pai pelo crescimento e prosperidade de seus filhos não é maior do que a ansiosa solicitude sentida por parte daquele que foi o meio de levar almas a Cristo; e da parte do ministro para com os selos de seu ministério.
O crescimento espiritual dos jovens convertidos de Paulo na igreja de Tessalônica foi tal que, quando ele marcou seu curso, a alegria transbordou sua alma, e na linguagem do texto, sentiu-se ligado por um impulso que era impossível resistir, de dar graças a Deus em seu favor. Entre as causas de sua gratidão estava a seguinte: que ele percebia que a graça da fé estava crescendo muito neles.
Existem quatro verdades proeminentes ensinadas no texto. Que o Espírito Santo nos ajude em nossa meditação sobre elas.
A primeira é esta - que é a vontade divina que a fé deve crescer.
Em segundo lugar - que o crescimento da fé é obra de Deus.
Em terceiro lugar - que o crescimento da fé é motivo de regozijo.
Em quarto lugar - que a fé não só deve crescer - mas crescer excessivamente.
I. É a vontade divina que a fé cresça. O crescimento é uma das características da obra de Deus. Desde o momento em que, na manhã da criação, ele fez obedecer a seu mandamento, todas as coisas nasceram em existência madura, desde então até o presente, sucessivos estágios de crescimento marcaram sua obra. Todas as árvores do jardim do Éden foram criadas tendo "fruto segundo a sua espécie, com sementes nelas". Gên 1.11. E assim, durante séculos, as sementes caíram na terra, eclodindo, formando raízes, crescendo e gradualmente tomando o lugar das florestas que caem diante do lenhador.
O carvalho que abre a tempestade e luta em fúria selvagem com o vendaval - o carvalho, que vive no furacão, e finca as suas rugosas raízes profundamente para baixo através do solo, até que finalmente aperta a rocha com a força de um Sansão - é, afinal de contas, apenas a consequência da bolota, uma vez carregada no bolso de uma criança, e lançada com alegria infantil no barranco.
A águia, que olha sem piscar os olhos sobre o sol - que dirige o seu curso nos dentes da tempestade - que ri das montanhas que encontrou, como com suas largas asas que navega majestosamente sobre eles - era uma vez a pequena águia no ninho, que temia abrir a asa.
O Deus da Natureza e o Deus da Graça são um só. Como em duas pinturas desenhadas pela mesma mão - embora os rostos retratados possam ser dissimilares em quase todos os traços - ainda assim você percebe que o mesmo lápis esboçava ambos os semblantes; assim, quando olhamos para os reinos da Natureza e da Graça, é evidente que o mesmo Deus reina em ambos.
Amados, as árvores de Deus, as árvores de sua mão direita semeando, não alcançam sua proporção completa em um momento. Isto é também verdade no reino da Graça, em que as velhas cabeças não são encontradas em ombros jovens. O velho santo veterano de cabelos prateados, amadurecido por anos de longa experiência, é apenas a consequência do pecador, uma vez quase desesperado. Aquele homem de Deus, tão poderoso em sua fé, que Elias parece quase capaz de abrir ou fechar o céu com suas orações, é simplesmente o resultado do buscador trêmulo, que uma vez clamou "Senhor, eu creio, ajude minha incredulidade". (Marcos 9.24).
Os santos de Deus, que agora subiam como com asas de águia, nem sempre conseguiam olhar o sol sem piscar. As águias de Deus não podem, desde o primeiro momento, se erguerem sobre o furacão, nem brincarem na tempestade. Eram uma vez as minúsculas, trementes, pequenas águias no ninho, cujas penas ralas tremiam com cada verão tórrido.
Por mais que creia, por mais que tenha crescido, e por mais alto que suas realizações espirituais possam ser agora, não esqueça sua fraqueza inicial. Isso levará à humildade pessoal em sua própria alma e ensinará a ternura para com os outros.
E para aqueles de vocês que não conhecem o Senhor há muito tempo, aqueles de vocês "que são a nossa coroa de regozijo", diríamos a vocês - não se deixem abater pelos fracassos. Não pensem que, porque ainda não alcançaram a fé e a alegria de fulano e sicrano, que não houve uma obra de graça genuína no seu coração. Aquele que iniciou a obra, realizará tudo por etapas sucessivas, pois o crescimento é o método de trabalho de nosso Senhor.
Talvez alguns façam a pergunta: "Por quê?" A esse desagradável respondemos, deve ser motivo suficiente para que seja sua vontade, e na linguagem da réplica de Paulo: "Ó homem, quem és tu para replicares contra Deus?" (Romanos 9.20).
Mas, embora nós mesmos estejamos perfeitamente satisfeitos com esta resposta - nós nos arriscamos a sugerir que o crescimento de um crente faz parte da alegria de Deus. Há um prazer em observar o crescimento. Apelo para aqueles de vocês que são pais, se não é assim. Não é a sua maior alegria marcar o crescimento terno do corpo, e o desenvolvimento gradual da mente, dos filhos em seu lar? Será que aquele que implantou aquela alegria dos pais, não a possui? Certamente não é demais dizer que nosso Pai Celestial tem um interesse infinito e encontra uma alegria infinita no crescimento de Seus filhos redimidos.
Na Canção de Salomão, encontramos Cristo andando em Seu jardim, para ver como a mirra, o aloés e as especiarias cresciam, e comer seus frutos agradáveis. Além disso, é por esse processo de crescimento gradual que melhor aprendemos de nosso Senhor. Se alcançássemos a maturidade ao mesmo tempo, perderíamos muitas experiências doces; teríamos pouco conhecimento de sua bondade amorosa, e saberíamos muito pouco de sua grande ternura. É melhor, portanto, para o nosso próprio coração e para a sua glória, que a santificação seja marcada pelo crescimento.
Vejamos agora, em segundo lugar,
II. Esse crescimento na fé é obra de Deus. Isto nós recolhemos da forma da expressão usada em nosso texto, "nós somos limitados para agradecer a Deus." Paulo reconheceu no crescimento da fé na Igreja de Tessalônica, como Deus opera. Que é assim - eu acho que podemos mostrar-lhe em uma única frase: crescimento depois de tudo é, senão o desenvolvimento da vida, e a vida é o sopro de Deus. O homem nunca foi capaz de colocar essa coisa secreta em nenhuma de suas obras, o que as faria crescer. O escultor pode cinzelar o bloco de mármore em uma forma de beleza até que pareça quase respirar, mas não tem nenhum poder inerente de desenvolvimento - um século de tempo vai encontrá-lo, como sua mão o deixou. O artista pode modelar em cera, flores que enganam a visão - mas para transmitir esse poder que fará com que o botão se abra em uma flor está além de sua habilidade. Da mesma forma, a prerrogativa de causar crescimento é só de Deus, e esse crescimento é tanto o seu trabalho como a primeira implantação do princípio da vida.
Não é o desejo mais profundo de cada crente crescer em conformidade com o seu Senhor? E ainda assim ele não aprendeu por experiência dolorosa, sua própria incapacidade de fazê-lo? Ele sabe que é seu Deus que deve trabalhar dentro de si, o querer e o fazer a sua boa vontade.
"Fé, é uma graça preciosa
Sempre que é concedida,
Vangloria-se de um nascimento celestial,
E é o dom de Deus.
Senhor, é seu trabalho sozinho,
E isso divinamente livre;
Mande o Espírito de seu Filho
Para trabalhar essa fé em mim. "
E aqui, deixe-me dar a expressão de um pensamento, peço-lhes que possa ser capacitado a levá-los para suas casas e levá-los para fora em sua vida futura. A santificação vem pelos mesmos meios que a justificação - com a mesma fé que você confia em Cristo para salvá-lo. Você deve confiar em que ele o faça santo - a linguagem de seu coração deve ser: "Senhor Jesus, confio em que subjugues os meus pecados, confio que tendes de me moldar à tua imagem, confio em que soprarás o teu Espírito dentro de mim."
A árvore não cresce por esforços violentos próprios - mas simplesmente por viver ao sol. Exatamente assim, os filhos de Deus não crescem por seus próprios votos e resoluções - mas morando à luz de Seu semblante, que é o "Sol da Justiça". É o Sol que melhora, tanto o fruto da natureza como o da graça.
Você pergunta como ele faz crescer nossa fé? Eu respondo - de três maneiras.
Primeiro, colocando na própria fé um princípio que obriga seu crescimento. Como na criança, assim na fé há o que naturalmente se desenvolve - uma fé morta como a dos demônios nunca poderá crescer. Mas uma fé viva, vivendo porque é dada por Deus, deve crescer.     
Talvez alguns vão objetar. "Se isso é verdade, como você concilia com sua declaração anterior de que o crescimento na fé é obra de Deus sozinho?" Esta é uma objeção muito antiga. Todo o infiel tem tocado nesta corda, e declarado que tudo é governado por leis eternas - mas quem fez as leis, e quem deu à fé o princípio para crescer?
Este princípio de crescimento na fé proíbe que a fé permaneça a mesma. Mas, o crescimento requer nutrição - e pelo alimento Deus aumenta a fé. A criança cresce por comida; e a árvore não cresce a não ser que ela tire seu alimento da terra e do sol; e o autor de nossa fé, providencia para que a fé tenha um banquete contínuo. Quero me referir às promessas. Estou me dirigindo a alguém cuja fé está fraca e tímida? Então deixe-o banquetear-se em uma promessa como esta: "Minha graça é suficiente para você." (2 Cor 12.9), Existe alguém em perigo quanto ao futuro olhando para a frente com apreensão para os próximos dias? Então, que a sua fé se fortaleça com esta promessa: "Como os seus dias, assim será a sua força". (Deut 33.25). Em todo o seu abençoado Livro, o Senhor providenciou aquilo em que nossa fé pode e deve se fortalecer. A fé vive na atmosfera das promessas.
Agora, uma criança não cresce somente com a nutrição; ela precisa de exercício. O crescimento no volume não é sempre crescimento na força. O próprio esforço que traz cansaço e faz com que o pequenino anseie por descanso, traz consigo também força. Não está sentado à mesa de jantar - mas correr ao ar livre em exercício saudável que faz a criança crescer.
A árvore cresce não somente através da luz do sol e suave brisa de verão - mas pelos ventos invernais. É a tempestade que lhe dá estabilidade, e suga sua força do seio da tempestade. Uma semana de campanha no campo de batalha fará um soldado melhor do que em um ano de aulas numa sala. Só assim, Deus faz a fé de seus filhos crescer forte, pelo exercício. Para a fé de Abraão, ele dá um Monte Moriá; para a fé de Jacó, a perda de um Benjamim. Para a fé de Daniel, uma cova de leões; e à fé de Jó, uma sucessão de mensageiros do mal.
E não pense, crente, que você será uma exceção. Sua fé terá que crescer sendo forçada e provada. Seu braço de fé, como o ferreiro, terá seus músculos fortes, empunhando muitos martelos. Assim, tentamos mostrar que a fé cresce com. . .
Um princípio interior,
Alimentação adequada,
E exercício diário.
III. Este versículo nos ensina que o crescimento na fé é motivo de regozijo. "Somos obrigados a agradecer a Deus, irmãos, porque a vossa fé cresce muito." Por que você acha que o apóstolo Paulo se alegrou com o crescimento da fé dos tessalonicenses? Penso que, principalmente por duas razões.
Primeiro, porque ele sabia que, à medida que sua fé crescia - assim também sua felicidade. Fé e felicidade sempre andam de mãos dadas. Pouca fé é da mesma natureza que a grande fé, e salva certamente; mas pouca fé está sempre chorando e enxugando os olhos - enquanto a grande fé ocupa o dia cantando. Pouca fé diz: "Tenho certeza de que não sei se sou seu, espero que eu seja." E se ela consegue superar essa dificuldade, ela somente cai em outra e diz: "Eu me pergunto se vou ficar com ele." Quando ela entra no fluxo de problemas começa a gritar "todas as tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim!" (Salmo 42.7).
Mas a fé forte é gloriosamente consciente de seu interesse salvador em Cristo, e com voz alegre diz: "Eu sei em quem tenho crido, e estou convencido de que ele é capaz de guardar o que lhe tenho confiado até aquele dia". Quando no meio do fluxo sua cabeça está acima da água, e vê a terra seca à frente, enquanto ouve em antecipação as boas vindas do Salvador, "Vinde benditos de meu Pai". (Mat 25.34). Ambas caminham pela mesma estrada, e certamente alcançarão o mesmo lugar – mas, suas experiências na viagem são amplamente diferentes. Não preciso me deter muito neste ponto, pois seu coração lhe diz que quando sua fé é mais forte, sua alegria é maior.
Creio que também Paulo se alegrou porque sabia que, à medida que sua fé aumentava, sua capacidade de trabalho também aumentaria. Uma grande obra é demais para as mãos da fé fraca - e um fardo pesado quebraria suas costas. A fé fraca anda na retaguarda do exército - a fé forte anda na vanguarda. Não dizemos que não há trabalho que a fé fraca possa realizar; ela pode dar o resfriamento de água para os feridos no campo, e fazer mil pequenos atos de bondade para seus companheiros soldados. Mas é somente a fé forte que pode fazer algo na hora do desespero, assaltar as fortalezas do inferno, rasgar a bandeira preta do Inimigo, e em seu lugar hastear a bandeira vermelho sangue de seu capitão.
Pouca fé pode fazer um trabalho útil em molhar as plantas do jardim; mas somente a fé forte é qualificada para sair como um pioneiro na floresta do pecado, e com sopros vigorosos romper a floresta.
A espada do espírito é muito pesada para que a fé fraca a utilize com eficácia; mas coloque a mesma espada nas mãos de uma fé forte, e veja como ela faz balançar com a velocidade do relâmpago, deixando lacunas nas fileiras do inimigo a cada golpe. Sim, amigos, os obreiros de Deus devem ter fé forte, ou logo terão o coração partido e estarão prontos vinte vezes ao dia para deporem suas armas e dizer: "desisto".
IV. A fé não só deve crescer - mas crescer excessivamente. Não creio que o apóstolo Paulo agradeça muito a Deus neste texto pelo simples crescimento da fé na Igreja de Tessalônica, mas pelo fato de ter crescido muito. Não foi um pequeno aumento de fé que ele viu neles.
Infelizmente! Com que pequeno aumento ficamos satisfeitos; e se às vezes conseguimos confiar em nosso Deus um pouco mais do que o normal, quão propensos somos para crescermos em autojustiça em relação a isto! Temo que a paz dos gigantes na fé tenha degenerado. Houve uma vez uma geração de homens que parecia como se eles poderiam confiar em seu Deus para qualquer coisa e em todas as circunstâncias. Em seu grupo encontramos os nomes de Abraão, Daniel, Davi, Lutero, Knox e outros. A Igreja de Deus perdeu a sua fé, mais do que qualquer outra coisa. Que ela seja revivida. Sião quer uma fé que anda sem ser movida por probabilidades, e que não dependa de circunstâncias.
Napoleão Bonaparte disse uma vez: "Outros homens são feitos pelas circunstâncias, mas eu crio as circunstâncias.” O que ele disse vangloriosamente - a fé pode dizer verdadeiramente. Queremos fé que nos faça fazer o que o mundo chama de coisas chocantes. A fé que chocará os nervos da descrença prudente. A fé que só leva em consideração que seu Deus é "o mesmo ontem, hoje e eternamente", (Heb 13.8) e que todas as suas promessas são "Sim, e Amém em Cristo Jesus". (2 Cor 1,20). Não se contente com uma mera fé de canoa, que opera somente com o bom tempo, e que é inundada por uma marola; mas ore para ter uma fé leviatã que se divirta nas profundezas quando amarrada na fúria mais selvagem. Clame para ser um Elias - com fé, e mão forte o bastante para girar a fechadura do céu e trazer os chuveiros para baixo.
E agora, pobre buscador, uma palavra para você é, "deixe sua fé crescer."
Você acredita que Cristo é capaz de salvá-lo. Vá um passo adiante, e acredite que ele está disposto. Você está dizendo esta hora: "Senhor, eu quase acho que posso confiar em você para minha salvação", vá mais longe e diga: "Senhor, eu confio em você". Tome-o como a sua única esperança, com a mão da fé segure-o, e resolva, "afundar ou nadar, ganhar ou perder, a partir deste momento confio em você."
E então, quando você ouvir a sua voz amorosa dizer-lhe "a tua fé te salvou", então ore para que a fé cresça diariamente. O Senhor conceda que possa ser dito sobre todos os seus filhos: "Sua fé cresce muito!"
Senhor, aumenta a nossa fé, por amor de Jesus. Amém.








Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 132


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Crescimento na Fé Archibald G. Brown
Artigos A Missão de Entreter do Diabo Archibald G. Brown
Artigos HIGGAION! Archibald G. Brown
Artigos O Pioneiro da Destruição Archibald G. Brown
Artigos Fé Crescente Archibald G. Brown
Artigos Canções na Noite Archibald G. Brown
Artigos Deus Dá Tranquilidade Archibald G. Brown
Artigos Doce Sono Archibald G. Brown


Publicações de número 1 até 8 de um total de 8.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182605 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 146723 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 146531 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128169 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67251 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 64171 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 58370 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 57582 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57316 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53400 Visitas

Páginas: Próxima Última