Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Está Tudo Bem
Octavius Winslow


Título original: It is Well
Por Octavius Winslow (1808-1878)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


“17 Mas a mulher concebeu, e deu à luz um filho, no tempo determinado, no ano seguinte como Eliseu lhe dissera.
18 Tendo o menino crescido, saiu um dia a ter com seu pai, que estava com os segadores.
19 Disse a seu pai: Minha cabeça! minha cabeça! Então ele disse a um moço: Leva-o a sua mãe.
20 Este o tomou, e o levou a sua mãe; e o menino esteve sobre os joelhos dela até o meio-dia, e então morreu.
21 Ela subiu, deitou-o sobre a cama do homem de Deus e, fechando sobre ele a porta, saiu.
22 Então chamou a seu marido, e disse: Manda-me, peço-te, um dos moços e uma das jumentas, para que eu corra ao homem de Deus e volte.
23 Disse ele: Por que queres ir ter com ele hoje? Não é lua nova nem sábado. E ela disse: Tudo vai bem.
24 Então ela fez albardar a jumenta, e disse ao seu moço: Guia e anda, e não me detenhas no caminhar, senão quando eu to disser.
25 Partiu pois, e foi ter com o homem de Deus, ao monte Carmelo; e sucedeu que, vendo-a de longe o homem de Deus, disse a Geazi, seu moço: Eis aí a sunamita;
26 corre-lhe ao encontro e pergunta-lhe: Vais bem? Vai bem teu marido? Vai bem teu filho? Ela respondeu: Vai bem.” (2 Reis 4.17-26)

Uma nuvem escura estava se estabelecendo na casa da mulher sunamita e de seu marido. À medida que a noite da vida avançava, e a própria vida havia perdido seu objetivo e seus encantos, de acordo com a promessa do profeta, Deus lhes deu um filho. Era um presente inesperado e precioso. Ele veio como uma flor de inverno, para alegrar com sua beleza tardia e delicada, e para refrescá-los com sua fragrância rica e rara. A quietude de sua casa estava agora quebrada com o eco da alegria da infância, e as paredes que as sombras crepusculares haviam escurecido lentamente agora sorriam com uma luz incomum. A vida assumiu outro aspecto com seu novo objeto e um novo propósito. Deus lhes havia dado um ser que, pela mais terna das obrigações e dos mais preciosos direitos, eles poderiam chamar de seu. Aproximando-se para a maturidade eles pareciam estar a ponto de colher, em um gozo mais completo de seu tesouro, a recompensa de sua ansiedade e cuidado precoce. Agora ele se tornaria seu companheiro adulto, formando a bela equipe de seus anos decadentes - no exterior, compartilhando o trabalho de campo de seu pai, e em casa encantando as horas de sua mãe, e muitas vezes ajoelhando-se ao seu lado, enquanto ambos implorariam a bênção do Deus de Israel.
Mas, os pensamentos e os propósitos de Deus eram de outra maneira, e Ele estava prestes a realizar a Seu próprio modo Seus sábios e graciosos desígnios. Nesse momento, a planta doméstica que tanto amavam e cuidavam com tanta ternura, cuja beleza reveladora inspirava tal alegria e esperança, adoeceu, caiu e morreu. "Um dia, quando seu filho era mais velho", diz a história simples e tocante, "ele saiu para visitar seu pai, que estava trabalhando com os colhedores. De repente, ele reclamou: Minha cabeça dói! Seu pai disse a um dos criados: "Leve-o para casa com sua mãe". Então o servo o levou para casa, e sua mãe o segurou em seu colo, mas por volta do meio-dia ele morreu. Que golpe fulminante em todas as suas esperanças! Quão grande esmagamento de todas as suas expectativas! Quão angustiados estavam agora os corações dos pais! E quão desolada essa casa feliz, cujas sombras caem mais e mais rápido, já que o espírito que era sua luz se foi. "Como uma flor, florescemos por um momento e depois murchamos, como a sombra de uma nuvem passageira, desaparecemos rapidamente". (Jó 14: 2).
Com o coração ferido de uma mãe, a mulher sunamita apressou-se ao profeta Eliseu, no Monte Carmelo, para relatar sua calamidade e buscar em seu conselho e simpatia, direção e calma, em sua aflição. Com que estado de espírito e com que palavras de pesar ela se aproxima do homem de Deus? Como ela se reportará seu triste falecimento? Será que ela o censurará por ter prometido a ela um filho, ou murmurará contra Deus? Será que ela se entregará a lamentações vãs de que um presente não solicitado, quando se tornara tão amável e precioso, tivesse sido tão cedo, tão grosseira e tão repentinamente removido? Há alguma indulgência em sofrimento excessivo, em arrependimentos infrutíferos, em pensamentos repulsivos, em palavras rebeldes, em qualquer coisa que traga oposição à vontade de Deus, que contesta o Seu direito, ou que impeça Sua sabedoria, fidelidade e amor? Longe, muito longe, disto é a postura da sunamita. Ouça sua resposta à pergunta do servo do profeta enviado por seu mestre para inquirir sobre seu bem-estar. "Está bem com você, está bem com o seu marido, está bem com a criança?" E ela respondeu: "Está bem!"
Ó, quadro tocante de tristeza profunda e ainda castigada! Adorável atitude de alma - mansa e submissa - na hora de aguda angústia! A criança estava morta, e agora era tudo inverno, mas ... Está bem! A esperança dos anos futuros foi extinta, e era tudo decepção agora – mas... Está bem! O bastão forte e a bela haste estava quebrada", e o peso dos anos os curvou para a poeira agora, mas... Está bem! Poderia ser diferente? Os pais feridos sabiam que a sua aliança era com Deus "Ele mesmo o tinha feito", e estava bem feito. Era sábio, era justo, era até bom, porque Ele o tinha feito.
Que sublimidade moral investe esse quadro de luto doméstico? Que estudo, poderia retratar por um lápis humano uma atitude de alma tão espiritual, tão sobrenatural, quase divina! Não tem imagem refletida? Não podemos encontrar sua cópia? Sim! A morte ainda reina – o falecimento ainda desola – há ainda tristeza na casa do coração humano. Mas a mesma graça que formou este belo quadro de submissão santa, de doce e alegre aquiescência na vontade de Deus, que poderia dizer, quando o amado foi ferido, “Está bem!” Ainda vive para produzir o mesmo fruto santo e abençoado.
Se, querido leitor, você está deitado aos pés de Deus, como Seu sofrido e aflito filho, olhando em silêncio, em submissão muda sobre o naufrágio de esperanças humanas, e suavemente sussurrando: "Meu Deus, meu Pai, está bem! Isto é como esta sunamita agiu, e Deus molda seus corações igualmente. Que o Espírito Santo dê graciosamente Seu ensinamento divino enquanto recolhemos a instrução e o conforto que essas palavras contêm tão ricamente.
Ao olhar para o ano que passou, e para o novo - o passado, talvez, em alguns de seus aspectos tristes, o futuro, nublado e inseguro - quão adequado é o sentimento e o espírito encarnados nas palavras selecionadas em nosso texto: "ESTÁ BEM." Propusemos, nas páginas seguintes, vê-las como o reconhecimento grato da alma REDIMIDA - como aquiescência crente da alma castigada - e como a linguagem triunfante da alma glorificada.
É apropriado que procuremos nossa primeira ilustração desta verdade na salvação de Deus. A salvação é a maior obra de Deus; em nada Ele manifestou Sua glória como nisto. Ele investiu todos os Seus infinitos recursos e colocou toda a Sua honra divina na realização desta obra tão querida ao Seu coração - a salvação de Sua Igreja. O universo está cheio de Sua beleza, mas miríades de mundos, em uma escala infinitamente mais vasta e magnífica do que isso, não poderia dar tal "conceito de Deus" como a salvação de um único pecador. A salvação exigia a revelação e a harmonia de todas as perfeições divinas.
A CRIAÇÃO oferece apenas uma visão parcial de Deus. Ela exibe Seu natural, mas não Seu atributo moral. Ela retrata Sua sabedoria, Sua bondade, Seu poder - mas não dá ideia de Sua santidade, Sua justiça, Sua verdade, Seu amor. É apenas o alfabeto, a sombra de Deus. Estas são partes de Seus caminhos, e quão pouco Ele é conhecido! Mas, na pessoa de Emanuel, na cruz de Cristo, na obra consumada da redenção, Deus aparece em plena majestade. E quando a alma crente examina este maravilhoso expediente de reconciliar todos os interesses do céu, de unir todas as perfeições de Jeová na salvação dos pecadores pelo sangue da cruz - "Misericórdia e verdade reunindo-se, justiça e paz se beijando "- exclama, em plena satisfação com a salvação de Deus: Está bem!
A questão ansiosa de uma alma despertada, quando ela carrega seu peso de pecado para a cruz, é: "A salvação do Senhor Jesus é uma obra compatível com o meu caso? Será que vai satisfazer minha condição individual como um pecador? Uma profunda convicção de minha culpa, fará minha alma se aventurar sobre Jesus? Estou autorizado, sem uma obra minha, além de todo o meu mérito ou demérito, a crer em Cristo e conceder a esperança de que eu seja salvo?” A Bíblia, em frases breves mas enfáticas, responde a essas perguntas. "Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo." "Aquele que vem a Mim, de modo algum o lançarei fora". "Pela graça você é salvo." "Se é por graça, então não é mais por obras." "Você está completo Nele." O Espírito Santo dando ao inquiridor a posse dessas declarações, operando a fé que recebe o Senhor Jesus no coração, a alma crente é capaz de exclamar: "Está bem, vejo que é uma salvação para os pecadores, para o mais vil , o mais pobre, o mais indigno. Eu vim a Cristo, e fui recebido, eu cri nele, descansei nele, e eu sou salvo. Cristo é meu, Sua salvação é minha, Suas promessas são minhas, Sua defesa é minha, Seu céu é meu. Está bem! "
Mas, não é sempre que, com a mesma força da fé, o filho de Deus pode dizer: "está bem com a alma". Através da debilidade de sua fé, e do poder do pecado que habita em você, e de seus muitos descontentamentos e fraquezas conscientes, você pode ser levado a questionar o bem-estar de seu estado. Acossado por dúvidas, assaltado por tentações, agitado por medos, você treme para dizer: "Está bem com a minha alma". Mas, deixe-me adverti-lo contra um julgamento precipitado ou uma conclusão precipitada quanto à sua condição real. Eu tenho uma mensagem de Deus para você, meu leitor: "Dize aos justos, será bem com eles".
Agora, em todos os exercícios espirituais através dos quais o crente em Jesus passa, ele deve, na verdade, estar bem com ele quanto à sua real posição em Cristo. Você pode estar andando na escuridão ou na luz; pode estar de luto no vale ou regozijar-se no monte; agora conquistando, agora frustrado; agora chorando, regozijando-se agora; contudo é ainda bem com você como um pecador perdoado, justificado, conservado. Nada pode afetar seu interesse no Salvador - ou expulsá-lo da aliança - ou mudar o amor de Deus para com você.
Há marés na fé e conforto de um filho de Deus, assim como há no oceano. O crente tem seu fluxo e refluxo, suas flutuações de sentimento espiritual. É frequentemente maré baixa com sua alma. As ondas de alegria espiritual e paz recuam, e tudo parece estéril e triste. As areias áridas, as rochas cobertas de musgo, as ervas daninhas enredadas que alinham a costa quando as ondas do oceano recuaram, são, em sua visão algo lamentável, mas são os emblemas apropriados de seu estado espiritual. E agora ele começa a questionar a realidade de toda a sua experiência anterior, e a sinceridade de todas as suas profissões passadas. Ele abjura sua adoção, duvida de seu interesse em Cristo, duvida das promessas, apropria-se dos juízos, retira-se das ordenanças e sua alma se recusa a ser consolada.
Mas, santo amado de Deus, não há fluxo, assim como refluxo, na alegria espiritual e conforto do crente? Não há o retorno da maré da fé, do consolo e da esperança na experiência do cristão - as ondas do oceano infinito do amor, da paz perfeita da alma, da alegria antecipada da glória que retrocede de novo na praia, em doce cadência celestial? Ah sim! Ouça as garantias divinas disto: "Eu te amei com um amor eterno" - "Eu te escolhi e não te rejeitei" - "Sim, ela pode esquecer, mas não te esquecerei" "Eu nunca te deixarei nem te desampararei" - "Eu orei por você, para que a sua fé não falhe" - "Vou restaurar conselhos para você" - "Embora eu falei contra ele, ainda me lembro dele" - " Eu não deixarei você sem conforto" - "Você tem um pouco de força" - " Portanto, o Senhor espera para que Ele possa ser misericordioso com você" - "Ele será muito gracioso para você na voz de Seu clamor: quando, Ele o ouvirá, Ele te responderá " - "Ele restaura a minha alma". Todas essas grandes e preciosas promessas, amadas, são suas. Elas são as epístolas de amor de seu Pai, e Ele ordena que você as leia, acredite e desfrute delas.
No entanto, com toda a fidelidade afetuosa, eu exortaria você a não descansar onde você está. Não fique satisfeito com seu estado atual, mas procure obter uma aplicação renovada do sangue expiatório, um novo "piscar de olhos de Jesus", como diz Rutherford, olhando para longe de seus pecados, apostasias, falta de frutos, suas fraquezas, deficiências e falhas para com Cristo, e obtenha uma visão mais próxima, mais clara e mais completa da cruz. A suficiência de Cristo satisfaz o seu caso. Verdade doce! Eu não pergunto quão peculiar, quão agravado, quão desesperado, quão desalentador o estado de sua alma pode ser; eu não hesito em afirmar que tal é Cristo, tal Seu amor, Sua compaixão, Sua plenitude, Seu poder, que sua condição de alma vem no âmbito de Sua suficiência. O mérito de Cristo encontra seu demérito; a imutabilidade de Cristo atende às suas desistências; a graça de Cristo encontra suas corrupções; o sangue de Cristo encontra sua culpa; a plenitude de Cristo encontra o seu vazio; o poder de Cristo encontra suas impossibilidades; a compaixão de Cristo atende a sua miséria; a simpatia de Cristo atende à sua tristeza; a intercessão de Cristo cobre todas as suas circunstâncias e necessidades. "Cristo é tudo e em todos." "Da plenitude de Sua graça todos recebemos uma bênção após a outra".
Oh, é, deve estar bem com aqueles cujos pecados são perdoados por Cristo, que são "aceitos no Amado", cujo Deus é o Senhor, e sobre quem Seu olho de amor e deleite descansa desde o início do ano para o final do ano. Não diga que está mal com a sua alma, e não bem, porque o Espírito Santo está inserindo o arado mais profundamente em seu coração, descobrindo assim mais de seu mal escondido, detectando o pecado, espreitando onde sua existência não era suspeita e descobrindo a falha E o fracasso na ação, o princípio, o motivo, o fim, que a superfície do orgulho, da justiça própria ou do raciocínio encoberto haviam escondido. Não diga que está mal com a sua alma, e não bem, porque Jesus não fala, Deus não sorri e a oração não é respondida. "Por um pequeno momento", diz Deus, "me escondi de vós, mas com grande misericórdia vos recolherei". No trilho triste e solitário que você pisa agora, você pode traçar os "passos do rebanho", e ainda mais distinto e abençoado do que tudo, as pegadas do Pastor do rebanho. Não seja, então, lançado para baixo. O Senhor lhe fará passar esta noite de choro em uma manhã de alegria. E o seu conhecimento será mais profundo, e a sua fé mais forte, e a sua alegria mais plena, e a sua esperança mais brilhante, e a sua canção mais doce e mais alta para todos as provações dolorosas através das quais a sua alma passou e com ênfase mais profunda você deve exclamar - "ESTÁ BEM!"
Mas, essas palavras expressam o sentimento da alma DISCIPLINADA. É a linguagem da fé na provação. Traçamos algumas das circunstâncias aflitivas sob as quais o filho de Deus pode dizer: "Está bem".
Aflição e pobreza são as características distintivas dos santos de Deus sob a nova dispensação; afluência e isenção de grandes sofrimentos eram provavelmente as dos santos da antiga dispensação. O caráter da dispensação do evangelho é único. É a dispensação do sofrimento, a dispensação da cruz. O sofrimento da antiga dispensação era mais do tipo, e sombra, e símbolo; mas o da nova é o grande, o enchimento escuro do esboço do quadro. O Filho de Deus SOFREU - o Filho de Deus MORREU! E o cristianismo deriva toda a sua eficácia, e a dispensação cristã todo o seu caráter, e o cristão toda a sua glória, a partir deste único, deste fato maravilhoso. "A vós é dado, em nome de Cristo, não só crer no Seu nome, mas também sofrer por Sua causa". "Quem não leva a Sua cruz, e vem após Mim, não pode ser meu discípulo".
Tal é a natureza da religião de Cristo, e tais termos de Seu discipulado - sofrimento e abnegação. Para aqueles que não são iniciados nos mistérios do reino da graça, esta é uma verdade difícil de ser entendida. Para eles é inexplicável como alguém cuja pessoa é amada por Deus, cujos pecados Cristo perdoou, cuja vida parece santa, útil e honrada, deve ser objeto de correção divina, e, talvez, em alguns casos, deve, mais do que outros, parecerem afligidos por Deus. Mas, para aqueles que são estudantes de Cristo, que aprendem aos pés de Jesus, este não é um problema insolúvel. Eles compreendem, em certa medida, porque os santos são frequentemente os mais castigados. Ah! Amado, na escola onde esta verdade é aprendida, toda a verdade pode ser aprendida - aos pés de Jesus. Não há nenhum mistério na revelação que não possa ser elucidado satisfatoriamente, nenhuma discrepância na verdade que não possa ser suficientemente explicada, nenhuma doutrina que não possa ser compreendida, ou preceito que não possa ser bem-vindo, sentado na atitude de uma criança pequena no pés de Cristo, o Grande Mestre dos homens.
Em Sua luz vemos luz. Mas, os homens se voltam do sol e se admiram que no estudo da verdade divina, sombras devem cair escuras em seu caminho. Eles estudam a Bíblia debaixo da cruz com um olho atento a Cristo, de quem toda a verdade emana, de quem toda a verdade testifica, e a quem toda a verdade leva. Leitor, você é um inquiridor sincero da verdade? Então escute as palavras de Jesus: "Eu Sou a Verdade". Você a procurou nas escolas, buscou-a nos sistemas, procurou-a nos credos, buscou-a nas igrejas; e depois de muitos passos e cansado você pisou na busca da gema preciosa, e seu coração suspirou e seu espírito ofegou em vão. Deixe de lado a sua filosofia, o seu raciocínio, o seu ardor, e receba o evangelho de Cristo como um aprendiz, não como um professor; como um pecador, não como um santo; como uma criança humilde, não como um filósofo orgulhoso; como alguém que está realmente desejoso de saber como pode ser salvo.
O que a própria verdade diz? "Esta é a vida eterna, para que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e Jesus Cristo, a quem enviaste". A crise em sua vida acelera quando todo o conhecimento irá provar como sendo insubstancial como uma sombra, tão irreal e fugaz como um sonho, exceto o conhecimento de Cristo amando você, perdoando você como um pecador culpado, salvando você como um pecador perdido e reconciliando você com Deus como um pecador rebelde. Oh, que este seja o único desejo e determinação de sua alma, "para que eu possa conhecê-lo" - "Sim, sem dúvida, e eu conto todas as coisas como perda pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus." Agora mesmo com Ele, e estando em paz, assim o bem virá a você".
Tais, então, como aprenderam de Cristo podem entender por que um filho de Deus deve ser um filho de aflição, por que "o Senhor tenta os justos". Declarações como estas têm um significado de significado que podem compreender. "Eu te escolhi no forno da aflição" - "É bom para mim que eu tenha sido afligido" - "A quem o Senhor ama, Ele castiga e açoita a todo filho a quem Ele recebe" - "Tanto quanto eu Amor eu repreendo e castigo. " Mas quais são os fundamentos gerais dessa aceitação crente nos tratos aflitivos de Deus expressos pela alma castigada? Só podemos agrupá-los no menor espaço possível.
Traçando a aflição, qualquer que seja sua natureza, indo a Deus como a Primeira grande Causa, a fé tranquilamente concorda e diz: "Está bem". De nada o crente tem mais dificuldade em desenfocar sua mente, no primeiro golpe de sua aflição, do que as causas secundárias. O raciocínio das irmãs enlutadas de Betânia encontra seu correspondente estado de espírito em quase todos os casos semelhantes: "Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido". Ah! Que "se", na primeira hora da angústia do coração, que amarga autoacusação ocasiona, que agravamento profundo da ferida produz. Mas, com as segundas causas o filho de Deus não tem nada a fazer. As segundas causas são todas por nomeação e sob o controle da Primeira Causa. Elas são apenas os agentes que Deus emprega, os meios que Ele seleciona, para realizar Seu próprio propósito eterno. "Ele mesmo o fez", é a voz de Sua palavra, e a fé responde: "Está bem". Levanta-te, pois, ó filho da tristeza, acima das circunstâncias da tua calamidade - habitando sobre a qual só intensificará o teu sofrimento, prolongará a tua dor e te roubará o consolo - e descansa no Senhor, de quem procede a tua aflição. "Porque Ele feriu, mas também amarrou, feriu, mas também as suas mãos sararam". Então exclamarás, do fundo do teu coração ferido: “Está bem!”
O crente, considerando todas as dispensações de Deus à luz da disciplina necessária, alegremente aceita a sabedoria e a justiça do procedimento divino. A disciplina por provação é um elemento essencial na santificação e instrução do cristão. Nosso adorável Senhor, como homem, exemplificou esta verdade em Sua própria história pessoal. Lemos que, "Embora Ele fosse um Filho, Ele aprendeu a obediência pelas coisas que Ele sofreu". A lição que Cristo aprendeu foi a lição de obediência - obediência à vontade de Seu Pai em sofrimento. À medida que a maldição se expandia diante dEle, em proporção mais perfeita e terrível, Ele veio a aprender mais do mal do pecado e mais das dificuldades da redenção, e mais profundamente foi a lição da obediência - fazendo e sofrendo a vontade de Deus. Foi assim que nosso bendito Senhor foi aperfeiçoado através do sofrimento.
E esta, amada, é a escola na qual Cristo está trazendo os "muitos filhos", para a glória aprendendo a submissão à vontade do Pai. A disciplina que estava se tornando no caso da Cabeça, não pode ser sem a sua necessidade e sua bênção no caso dos membros. Há muitas - muitas verdades profundas de Deus e muitas lições sagradas do cristianismo prático - a serem aprendidas no caminho percorrido pelo Salvador, que não pode ser aprendido em nenhum outro caminho - o caminho da disciplina aflitiva.
Quando o luto escurece nossas casas, e o funeral deixa nossas portas; quando as alegrias são destruídas e as esperanças são esmagadas, e os corações estão tristes, então é que a mais difícil, a mais santa, de todas as lições é inculcada - submissão à vontade de Deus, expressa na linguagem da sunamita "Está bem." Mas, oh, quão necessário e quão saudável é esta disciplina! Quem seria dispensado dela que uma vez tenha arrancado e provado o fruto que se aglomera tão ricamente sobre a haste florescente? Se a submissão à vontade divina é sempre aprendida, além de tudo, é onde Cristo a aprendeu, pelas coisas que sofremos.
E, oh, que fruto sagrado é isto - a vontade de Deus realizada em nós! O caminho pode ser através da fornalha, aquecida sete vezes com o calor, mas se sua vontade tornou-se mais flexível com a vontade de seu Pai Celestial, se o caráter cristão se tornou purificado, e as graças do Espírito Santo se tornaram fortalecidas , e um espaço maior e mais livre foi dado à fé, à esperança e ao amor, então não devemos nos regozijar na tribulação e exclamar: "Ele fez todas as coisas bem"?
O verme tem estado ocupado na raiz de sua agradável abóbora, o vento frio norte soprou rudemente sobre os longos brotos nutridos, e a mão caída da morte colocou o cedro abaixo, e na angústia de sua alma você exclama: "Não vos importa, vós, todos os que passais, e vejam se há alguma tristeza semelhante à minha tristeza que me foi feita, com que o Senhor me afligiu no dia da sua ira" - mas o Filho de Deus tomou um cálice mais profundo e amargo, pisou um caminho mais doloroso e mais sombrio do que você, e ainda podia dizer: "Meu Pai, não a minha vontade, mas a Tua seja feita", e você se encolherá de um treinamento e uma disciplina através de cujos cursos Deus liderou o Irmão mais velho e Sumo Sacerdote de nossa profissão? "Ah não!" Você responde; "O autoconhecimento que eu já alcancei foi tão necessário e tão salutar, que eu não desejaria que o cálice de tristeza tivesse passado meus lábios intocados. Pouco pensei que eu era tão incrédulo, até que o Senhor provou minha fé. Eu pouco suspeitava que o orgulho estivesse tão acorrentado dentro de mim, até que Deus me fez abaixar-se. Eu pouco imaginei que eu era tão impaciente e obstinado até que Deus me mandou usar o jugo e esperar por Sua vontade. A força era tão pequena até que o Senhor colocou sobre mim o fardo e pouco suspeitei que meu coração fosse tão idólatra - meus afetos tão intimamente entrelaçados ao redor da criatura - até que meu Pai pedisse a rendição. Meu conhecimento de Cristo, quão deficiente era meu conhecimento da verdade divina, e quão distante meu coração estava da oração verdadeira, até que a aflição vinda de meu Deus me colocou para examinar meus recursos para encontrá-lo. Então eu descobri quão superficial era minha experiência e quão baixo e magro era o meu cristianismo."
Assim, quando juntamos a disciplina à sua necessidade, a repreensão à pecaminosidade que a ocasionou, o castigo ao mal que foi projetado para corrigir; o coração manso e humilde pode dizer: "Está bem!"
E quando os resultados presentes e sagrados dos tratos divinos se realizam em certa medida - quando algumas sementes do fruto de ouro são semeadas com choro - o coração despertou mais para a oração, Cristo ficou mais precioso, o pecado mais odiado, o ser mais afetado, a santidade mais afetada e a alma trazida para maior proximidade de Deus - quando o sofredor cristão revê os suportes divinos que experimentou em sua aflição, como Deus o cercou com os braços eternos, como Cristo aconchegou sua cabeça lânguida, como o Espírito Santo consolou e acalmou sua angústia, revelando a doçura e a plenitude das Escrituras, selando a promessa sobre a promessa sobre seu coração ferido, seu espírito castigado pode exclamar: "Você tem tratado bem o seu servo, Senhor, de acordo com sua palavra." Você quebrou mas para amarrar, feriu, mas para curar, esvaziou, mas para reabastecer, amargurou, mas para adoçar, removeu uma bênção, mas para outorgar outra ainda maior.
"Você só tira minha lâmpada,
Para me abençoar com o dia eterno."
"Quem tenho eu no céu, senão a ti e não há na terra outro que eu deseje ao meu lado".
Mas, o lugar onde a visão mais clara é tomada das dispensações insondáveis presentes de Deus, e onde a sua luz desdobra a glória isto desperta uma resposta mais doce e mais alta para esta verdade - "Ele fez todas as coisas bem." O santo glorificado encerrou sua peregrinação; as sombras escuras da vida derreteram-se em luz infinita; ele agora olha para trás o deserto que ele atravessou, o caminho que ele pisou, o rio que ele passou, e como em toda a chama da glória cada página se desdobra de sua história maravilhosa, testemunhando um novo exemplo registrado da bondade e fidelidade amorosa de Deus; a graça, a compaixão e a simpatia de Jesus; o coração cheio exclama, como nenhum lábio de anjo poderia pronunciá-lo - "Está bem!"
As relações passadas de Deus com ele na providência agora aparecem mais ilustres para a mente glorificada. A maquinaria do governo divino, que aqui parecia tão complexa e inexplicável, aparece agora em toda a sua harmonia e beleza. Seus mistérios são todos desvendados, seus problemas são todos resolvidos, seus eventos são todos explicados, e a promessa do Mestre recebeu sua máxima satisfação, "O que eu faço, você não sabe agora, mas você entenderá depois". Essa dispensação que estava envolta em tal mistério; aquele acontecimento que lançou uma sombra tão escura no caminho; aquela aflição que parecia tão conflituosa com todas as nossas ideias da infinita sabedoria, verdade e amor de Deus; aquele golpe que nos esmagou na terra, tudo agora aparece, senão como partes de um todo perfeito - e toda providência em sua história passada, como agora passa em revista, banhada na luz líquida da glória, eleva o hino - ESTÁ BEM!
Mas, quando, dessa posição elevada, o santo glorificado olha para trás em toda a conduta de Deus em graça - elegendo, redimindo, chamando e preservando-o; quando pensa na justiça que lhe deu aceitação, no sangue que procurou sua purificação, na graça que efetuou sua santificação, no poder que o preservou de cair, e que finalmente o conduziu à glória - um pecador, talvez o principal, salvo pela graça - oh, que música as palavras despertam através de todas as fronteiras do paraíso - Ele fez todas as coisas bem! Em que luz nova e perfeita está toda a verdade da Bíblia agora colocada! Tudo está esclarecido! Tudo o que deixa a mente perplexa nas doutrinas da Palavra revelada, e tudo o que a constrange na administração do governo divino, dá lugar à total satisfação. "Eu serei satisfeito quando eu acordar com sua semelhança", é a antecipação afeiçoada do crente na terra; essa expectativa é a plena realização do crente no céu.
A visão beatífica trouxe toda a sua alma para a mais perfeita harmonia com Deus. Ele está satisfeito com o caráter e as perfeições de Deus que agora desdobram sua grandeza sem nuvem, e enchem a alma sem limite. "Agora nós vemos através de um espelho escuro, mas então veremos face a face: agora conhecemos em parte, mas, então conhecerei como eu também sou conhecido." A visão de um anjo e o conhecimento de um anjo, o fervor de um anjo; e à medida que as descobertas crescentes e infinitas ilustrações das perfeições divinas aumentam com a eternidade, glória, honra e ação de graças àquele que se assenta no trono, será o canto eterno do santo.
Ele está satisfeito, também, com todos os tratos providenciais de Deus em relação a ele no mundo que ele atravessou. O presente é o repouso da fé – e a fé pode dizer, em meio a cenas de perplexidade e perigo, de obscuridade e dúvida, “está bem”, confiando na sabedoria e fidelidade de Deus. E, no entanto, quão difícil é rastrear o desígnio de Deus, ou conectar Suas transações estranhas com um propósito sábio ou um fim gracioso. Não podemos desvendar a rede! Não é assim, meu leitor? Deixe a fé olhar para trás sobre o passado de sua vida, não para reviver suas emoções dolorosas, mas para ter uma asa mais estável e um voo mais ousado que pode levá-lo para a frente.
Aquela nuvem escura de tristeza que se fixou em suas perspectivas justas - aquela explosão de adversidade que varreu riquezas - aquele golpe de providência que levou de sua vista a esposa de sua juventude, ou o filho de suas esperanças prematuramente e em circunstâncias angustiantes ao sepulcro, ou que colocou o amigo de seu peito, o companheiro de vida, o participante de suas labutas, na escuridão - ou que se aproximou de sua própria pessoa e te prendeu com a doença - você faz uma pausa e pergunta, “Ah, por que é assim?” A resposta completa, talvez você nunca tenha neste mundo, mas, se não aqui, ainda de uma posição mais elevada e sob um céu mais brilhante, e com uma visão mais forte, você deve olhar para trás, e conhecer e compreender, e admirar tudo, e ficará satisfeito.
Os glorificados são satisfeitos, também, com a conduta da graça de Deus. Se há muitas vezes um inexplicável mistério na providência, ainda há um mistério mais profundo na graça. Amando-o como Deus, contudo, que Ele se esconda de Seu filho; odiando o pecado, mas permitindo sua existência, e permitindo que Seus filhos caíssem sob sua influência; deixando-os muitas vezes para suportar os dardos de fogo de Satanás, e trilhar caminhos tristes, sem alegria, sem estrelas, a presença sensível do Guia Celestial retirada, e nenhuma voz para quebrar a calma solene ou para acalmar a onda elevada - ah! Isso está tentando de fato!
Mas, tudo, em pouco tempo, será explicado satisfatoriamente! Então o glorificado vê quão harmonioso, com cada princípio de santidade infinita e justiça, verdade e sabedoria, era o esquema de Deus de misericórdia redentora; e que ele estava escolhendo amor, e misericórdia soberana, e favor livre, que o fez um sujeito da graça na terra, e um herdeiro da glória no céu. E, ao recuar o olhar sobre todo o caminho, o Senhor seu Deus trouxe-lhe à viagem de quarenta anos no deserto - traça os cem mil desdobramentos de Seu amor - os desvios e as restaurações; os tropeços e os apoios; as quedas e os levantamentos; o amor e o poder que não poderiam deixá-lo ir embora; as repreensões fiéis, os gentis tratos, as ternuras, a paciência incansável e a inesgotável simpatia de Jesus, com que profundidade de emoção e ênfase de significado ele exclama, estou satisfeito - está bem!
Os santos também são satisfeitos com o céu da glória a que são trazidos. Eles acordam à semelhança de Deus. Positiva e perfeitamente santo e feliz, na verdade com Cristo, e contemplando, com uma percepção intelectual e moral sem nublar a glória de Deus, como ele está completamente satisfeito com o novo mundo de pureza e felicidade, de luz e esplendor, em que o seu espírito resgatado surgiu. A última paixão terrena poluída desapareceu, o último remanescente de corrupção é destruído, o último gemido de sofrimento e suspiro de tristeza é silenciado na quietude do túmulo; o corruptível se revestiu da incorruptibilidade, o mortal se revestiu da imortalidade e o espírito glorificado está entre a multidão de santos e adoradores que cercam o trono e entoam o hino universal - ESTÁ BEM.
"Esta vida é um sonho, um show vazio;
Mas o mundo brilhante ao qual eu vou
Tem alegrias substanciais e sinceras;
Quando devo acordar e me encontrar lá?
Crente em Jesus, como animar a esperança, e como elevar a perspectiva diante de você! Ascenda comigo para o mundo superior. Coloque-se na imaginação como um espírito glorificado entre os esplendores da cidade santa. Para o que você veio? Para o Monte Sião - para a Jerusalém celestial - para uma inumerável companhia de anjos - para a assembleia geral e a igreja dos primogênitos - a Deus, o Juiz de todos - aos espíritos de homens justos aperfeiçoados - a Jesus O Mediador da nova aliança.
Voltem para a Terra! Com esta visão bem-aventurada diante de vocês - tudo tão cedo para ser percebido - que tipo de pessoas devemos ser em toda conversação santa e piedade? Quão extraordinariamente, quão celestial, quão separado do mundo, quão cristão em princípio, como Cristo em espírito, temperamento e conversação. Como Ele em nossa comunhão uns com os outros - amoroso, tolerante, e perdoador; gentil, caridoso e amável. Como condescendente em posição, liberal em riqueza, humilde em prosperidade, submisso em adversidade, satisfeito em pobreza, devotado e ativo no serviço do Mestre!
Mãe sofridea! - "está bem" com seu filho (isto é, se ele era um verdadeiro cristão - pois não há salvação fora da fé em Jesus - redator). O espírito voltou a Deus, que o deu, e agora comunga com o seu Criador, cuja grandeza, sabedoria e glória conhece infinitamente mais do que o mais profundo filósofo ou o mais santo divino. Está mais seguro e mais feliz com seu Pai no céu do que com você na terra. E quem pode dizer de que mal é tomado, e de que angústia amarga você é preservada - angústia maior em sua vida do que a que agora aperta seu coração em sua morte. Foi para onde a inocência não tem laços, onde não há tentações para seduzir, e onde nenhum inimigo invade. Está bem com ele.
E não está bem com você? O lugar vago está ocupado com um Salvador simpatizante - o coração ferido se volta para Aquele que o feriu - e as afeições enlaçadas separadas do ídolo que adoraram, encontram o caminho de volta para Deus. É bom que o Pai Celestial tenha tratado assim com você. É bom que Ele condescenda para instruí-lo, embora seja por castigo, e para curar seu coração errante, embora seja por sofrimento. Por duas vezes gracioso tem sido o seu Deus para você - gracioso quando Ele emprestou a bênção - uma pequena flor para alegrar um pouco com a sua presença, e agora para animá-lo com a sua memória - e gracioso em levá-lo para fora, transplantando-o para um solo mais santo e céus mais ensolarados, sob cuja influência suas faculdades afeições juvenis se expandiram e amadureceram mais do que o intelecto de um anjo e o amor de um serafim. "Está bem com a criança."
Cristão enlutado! - "Está bem." Deus feriu, e o golpe caiu pesadamente. A bênção que você pensou que você poderia ao menos poupar, e seria o último a deixá-lo, Deus, seu Pai a tomou. Por que Ele fez isso? Para lhe mostrar o que Ele pode ser para você, em sua provação extrema. Pode ser difícil para a fé, nos primeiros momentos de sua calamidade, ver como pode estar bem, ou reconhecer que é realmente assim. Mas fique quieto, e espere o resultado. Afaste de sua mente todo pensamento duro de Deus, sufoque em seu peito todo sentimento rebelde, suprima em seu lábio todas as palavras repelentes e incline-se mansamente, submissa e silenciosamente para a soberana e justa vontade de seu Pai.
As bênçãos, como flores de primavera florescendo na sepultura sobre a qual você chora, que crescerão desta aflição, provarão que Deus nunca amou você mais profundamente, nunca foi mais empenhado em promover seus melhores interesses, nunca pensou mais em você, nem Se preocupava mais com você do que no momento em que Sua mão querida baixava o seu amado. Receba o testemunho de quem já provou, sim, bebeu profundamente, da mesma taça de dor que o seu Deus Pai agora mistura para você. Vamos beber sem um murmúrio. É o cálice do nosso Pai. Como um pai se compadece de seus filhos, assim Ele tem piedade de nós, enquanto Ele nos apresenta o cálice. É amargo, mas não a amargura da maldição; a taça está cheia, mas não há uma gota de ira!
Oh, fé maravilhosa que pode olhar para o tronco bonito quebrado; a flor encantadora, promissora, apenas revelando sua perfeição, ferida; os trabalhos e as esperanças dos anos, tudo, e em um momento, extinguido, e ainda pode dizer - "Está bem!" Vá, agora, tesouro precioso! Deus terá meu coração. Cristo não desejaria que eu ficasse satisfeito com Seu dom de amor, mas que eu deveria estar satisfeito com Seu amor sem o dom. "Tu, Senhor, és a minha porção."
O mundo parece aborrecido, a vida perdeu um encanto, o coração é ferido e murchado como a erva, algumas de suas mais caras afeições terrenas desceram para o túmulo, mas Aquele que lembrou da bênção é maior e mais caro do que a bênção; e é o mesmo - Ele mesmo, como quando Ele o deu. Jesus seria glorificado por nosso descanso nEle como nossa porção, mesmo quando as flores da beleza terrestre, e os frutos ainda mais preciosos do conforto e da consolação espirituais murcham e partem. Satanás sugeriria que nós perdemos nossas bênçãos e nosso conforto, e que, portanto, o Senhor agora está escondendo Seu rosto de nós, e com raiva fechando Suas ternas misericórdias. Mas, isso não é realmente assim. Ele está escondendo as flores, mas não a Si mesmo. Em amor a eles Ele está transferindo-os para Seu jardim no céu, e no amor para nós Ele assim procura nos aproximar de Seu coração. Ele queria que batêssemos à Sua porta e pedíssemos um novo cacho.
Somos tão propensos a bendizer nossas bênçãos, a descansar em nossos confortos e a viver de nossas condições e sentimentos; que perdemos de vista e esquecemos-Lhe. Ele remove Seu dom, nós podemos estar sempre chegando a Ele por mais. Oh, amor incomparável de Jesus! - está bem.
"Saciado, ferido e aflito,
Salvador, à tua cruz eu me apego;
Você tem cada golpe direcionado,
Só você pode trazer a cura.
"Experimente-me até que nenhuma escória permaneça;
E seja qual for a provação,
Enquanto seu braço gentil sustenta,
Mais perto eu me apegarei a Ti.
Alegremente a cruz beijando,
Eu silenciarei cada grito de murmuração;
Toda dúvida e medo de despedida,
Passivo em seus braços vou repousar.
E quando, através de profundos mares de tristeza,
Eu ganhar a costa celestial,
A bênção de cada onda eu vou acolher,
E por cada uma vou amá-lo ainda mais. "
Senhora E. C. Judson
Alguém está enfermo! Está bem. - É assim, pode ser? Indagam duvidosamente. Sim, é e deve ser assim, já que aquele que ama você tem permitido, não, pode até mesmo ter enviado esta doença. Sua sabedoria não pode errar, Seu amor não pode ser cruel. Esta provação pode parecer adversa a seus melhores interesses. Talvez tenha chegado em um momento em que você poderia ser menos poupado de seus deveres domésticos, dos compromissos de negócios, ou da obra do Senhor. Assim isolado de sua família, afastado de seus empregos habituais, ou, o que pode ser uma reflexão ainda mais dolorosa, exilado das ordenanças públicas da casa do Senhor - aqueles meios de graça que têm sido tão preciosos e proveitosos para a sua alma – você fica surpreso como pode esta doença - estar bem.
Não se admirem, porque os caminhos de Deus não são como nossos caminhos, nem seus pensamentos como nossos pensamentos. Ele opera os Seus propósitos de misericórdia e amor para conosco de uma maneira muitas vezes diretamente oposta a todas as nossas antecipações e planos. Esta doença pode parecer-lhe uma calamidade pesada, mas o resultado pode provar-lhe ser uma bênção incontável. São santificados pela graça do Espírito, aquele leito de sofrimento, aquele leito de fraqueza, aqueles dias cansativos e longas noites sem sono, que lhes ensinarão verdades preciosas e realizarão para vocês preciosas promessas, e levarão a sua alma para tão perto de Deus, e assim enaltece o Salvador em seu coração, como a obrigar a exclamar: "Senhor, está bem!" "Deixe a paciência ter seu trabalho perfeito, em nada faltando."
Não fique ansioso quanto à sua recuperação. O tempo de Deus é o melhor. Nem uma dor, nem um sentimento de fraqueza de momento é mais do que o necessário. Deus não permitirá. Nem Ele o manterá sobre aquele leito de sofrimento, nem um prisioneiro dentro daquela sala sombreada, um dia mais do que o necessário para realizar o bem que Ele deseja conceder. Seja confiante - seja paciente - apoie-se em Jesus, que fará toda a sua cama em sua doença - abra seu coração a Deus em respirações internas e silenciosas - e entregue sua família, seu chamado, sim, todos os seus interesses inteiramente a Ele, e tudo ficará bem.
E suponha que esta doença presente seja para a MORTE - isso não será bom? O que! Não ser libertado de um corpo de enfermidade e pecado? Para não ir para casa, e tomar posse de sua gloriosa herança? Não ir e ver a Cristo em Sua glória, e reunir-se aos que foram antes, e misturar-se com profetas, e apóstolos, e mártires, e ser como são, aperfeiçoados em santidade e amor? Oh, sim, será muito melhor partir e estar com Cristo, se Ele achar conveniente. Tremer para não atravessar a inundação. Nosso verdadeiro Josué pavimentou o caminho com pedras preciosas - as doutrinas, verdades e promessas de Sua Palavra - sobre as quais a sua fé pode plantar os seus pés, e assim passar sobre o piso seco para a Canaã celestial. A amargura da morte se foi, para todos os que creem em Jesus, e "está bem".
Filho da ADVERSIDADE - "está bem." Você pode responder a isto, agora que Deus pode ter tirado de você saúde, amigos, riquezas, confortos terrenos, e suportes de criaturas? Deve estar bem, já que a providência e não o acidente, Deus e não o homem, o fizeram. Mas não chore, não se abata, nem tudo se foi. Deus ainda é o seu Deus e Pai, Cristo é ainda seu Amigo e Irmão, o Espírito ainda é Seu Consolador e Guia, a aliança ainda é seu suprimento inesgotável, as promessas ainda são deixadas, e todas essas perdas e provações estão trabalhando juntas por seu bem. Cuidado com os passos precipitados, com a confiança da criatura, com a desconfiança de Deus. Não faça do homem o seu braço, não seja muito curioso para conhecer os projetos do Senhor, mas lembre-se que "em silêncio e em confiança será a sua força."
Deus não o deixará neste tempo de adversidade. Nele, deixe que a sua fé seja filial, implícita, inabalável. Se você o honra confiando nele agora, Ele honrará sua confiança de vez em quando. Entregue-se à oração. Você vai encontrar uma saída doce para o seu coração sobrecarregado. Tudo ainda estará bem. Fiquem quietos e permitam que Deus resolva seus próprios problemas profundos e misteriosos, e então verão quão infinitos de amor e sabedoria, e fidelidade e bondade foram envoltos nessa calamidade angustiante. Mas, antes disso, com fé e submissão, aprendam a dizer - está bem.
Está bem com a sua alma, meu leitor? Você é convertido pelo Espírito de Deus? Sua alma é salva? Esta é a única parte de seu ser que é digna de um momento de pensamento sério. Tudo o mais em comparação é senão como a bolha que flutua abaixo do córrego. Esta vida agitada cessará em breve; seu último pensamento, cuidado e ansiedade cederão às grandes e solenes realidades da eternidade. Você está pronto para isto? Você está em estado de perdão, de justificação, de paz com Deus através de Cristo? Como está com a sua alma? Será bem com você na morte, bem com você após a morte, bem com você no tribunal de Cristo? Você veio para o Senhor Jesus como um Salvador, para Seu sangue para purificação, para Sua justiça para aceitação, para Sua cruz para abrigo, para Ele para descanso? Você fugiu como pecador para Jesus como o Salvador?
Olhe essas perguntas, eu lhe suplico, bastante, completamente na face, e responda-as em sua própria consciência, e como em vista desse tribunal temível em cuja corte você será citado em breve. O que aproveita, se você prosperar em coisas temporais, e ser magro em espirituais? E se você deve mimar o corpo e passar fome a alma! Que se você ganhar o mundo - suas riquezas, suas honras, seus prazeres - e seja você mesmo através da eternidade, sendo afastado! Morrer em seus pecados, morrer sem união com Cristo, morrer irreconciliado com Deus, tremendas serão as consequências; tão terrível será a sua condição, tão terríveis e intermináveis os seus sofrimentos da ira de um Deus santo e justo, teria sido bom para você nunca ter nascido. Os injustos serão "punidos com a destruição eterna da presença do Senhor e da glória de Seu poder".
Mas, há esperança! Será que esta página se encontra com o olho de um penitente lamentado, aquele cujo coração está ferido de piedosa aflição pelo pecado? Verdadeiramente posso dizer que está bem com a sua alma, se assim for. Se o sacrifício que você traz ao altar de Deus é o de um coração quebrado, seja feito conhecido a você que o sacrifício de um coração quebrado e de um espírito contrito, Deus não despreza. Desprezar isso! Ah não! É o fruto precioso e santo de Seu próprio Espírito em sua alma, e em Seus olhos é muito santo, muito caro, muito valioso, para ser desprezado. Traga a Ele aquele coração quebrado, e Jesus o prenderá, curará e encherá de alegria, paz e esperança. Sua missão era receber e salvar os pecadores - é Seu ofício e deleite receber e salvar os pecadores; e se você apenas se aproximar dele, exatamente como você é, Ele receberá e salvará você. "Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo."
Só há uma possibilidade de sua rejeição. Venha com um pagamento na sua mão para comprar a salvação - sejam as suas lágrimas, as suas confissões, os seus sacramentos, ou qualquer outra coisa que possa ser - e Cristo não terá relações com você. É como se um homem sadio viesse ser curado pelo médico; ou, como se um homem farto viesse se sentar em um banquete; ou, como se um mendigo se oferecesse para comprar na porta o pão que ansiava em sua fome. Mas, venha ao Senhor Jesus de mãos vazias, de coração partido, carregado de pecado, sem outro motivo senão a sua profunda necessidade, sem argumento a não ser a sua indignidade, sem nenhum preço além de sua insolvência, e Jesus o receberá graciosamente, livremente, e o salvará eternamente. "E quando eles não tinham nada a pagar. Ele perdoou livremente os dois."
Professante cristão, está bem com você? Sua alma é próspera? Você está fazendo progresso em direção ao céu, avançando na vida divina, e caminhando de forma digno ao seu alto e santo chamado? Jesus é cada vez mais precioso para você, seu coração está cheio de amor divino, e você tem o testemunho interior - o testemunho confortável e animador do Espírito Santo - para seu interesse em Cristo e sua adoção na família de Deus? Estamos entrando em um Ano Novo de nossa peregrinação terrena; vamos começar com um novo cenário para o céu. Comece o ano com uma renovada aplicação ao sangue expiatório, com um novo esboço sobre os suprimentos da aliança da graça, com uma nova vinda à plenitude de Jesus, com uma visão mais próxima, mais clara e mais simples da cruz. Não comecemos o Ano Novo com as antigas lojas, mas restauremos ao nosso verdadeiro e espiritual José uma nova inspiração de nova graça, nova força, nova fé, novo amor, nova coragem. Deixe passar as coisas velhas, e esquecendo as coisas que estão para trás, vamos avançar de novo para a glória.
Está registrado sobre os filhos de Israel que, quando chegaram aos confins da boa terra, cessaram de comer do alimento, e "comeram do fruto da terra de Canaã naquele ano". Do mesmo modo, somos convidados a viver em relação às promessas da glória vindoura; para participar do trigo novo, e para espremer em nosso copo os primeiros frutos maduros da nova vinha. Vamos trocar as antigas lojas pelas novas. Que nenhuma lembrança das passadas, nenhuma mácula persistente de pecados passados, nenhum véu de nuvens de dores passadas nos desencorajem de colocar todos os nossos fardos ao pé da cruz, tornando-a o ponto de partida de um novo e mais avançado estágio na glória que está diante de nós. Jesus está preparado para suprir todas as necessidades, para simpatizar com cada tristeza, para nos sustentar com a sua mão, para nos guiar com os seus olhos e nos conduzir pelo caminho certo e seguro para o céu. Dentro de pouco tempo, e nós o contemplaremos. Tudo indica o abalo dos céus e da terra, quando o "Desejado de todas as nações" virá. Os movimentos tardios no Oriente - o tremor presente no vale dos ossos secos - a difusão do evangelho como testemunho de todas as nações - o cumprimento diário da profecia - o trânsito rápido e a intercomunicação íntima com todas as partes do globo, são impressionantes e significativos índices dos grandes eventos que se aproximam. O grande evento ao qual todos os outros apontam, e do qual todos são apenas o arauto, é - o aparecimento pessoal do Filho do Homem. "A vinda do Senhor se aproxima." Daqui a pouco virá o que há de vir, e então será o arrebatamento dos santos! Diante desse evento ilustre e solene, que nossa atitude seja a de uma expectativa santa, vigilante e de oração, "procurando e apressando a vinda do Senhor". Que o amor fraternal abunde - que a caridade de uns para com os outros aumente - que os santos de diferentes comunhões cristãs se unam mais estreitamente na obra do Senhor - e que todos busquem ser cheios e animados com o humilde, gentil, vencedor e amoroso espírito de Cristo, o único Senhor e Mestre de Sua ÚNICA Igreja.
Santos do Altíssimo! Sobre estas águas turvas de uma vida pecaminosa, dolorosa e penosa, logo teremos passado, e estando sobre o "mar de vidro", com a harpa de Deus em nossa mão, lá será refletida de seu peito tranquilo a glória, e lá devemos respirar de cada corda o louvor do nosso Deus, tendo feito todas as coisas bem! Que harmonia vemos então em cada discrepância, que sabedoria em cada labirinto, que amor em toda aflição, que ternura, gentileza e premeditação em cada golpe de Sua mão e em cada evento de Sua providência! O mistério de Deus será consumado, e Deus será tudo em todos.
"Através do amor de Deus nosso Salvador,
Tudo ficará bem.
Livre e imutável é Seu favor;
Tudo, tudo está bem.
Precioso é o sangue que nos curou,
Perfeita é a graça que nos selou,
Forte a mão estendida para nos proteger,
Tudo deve estar bem.
Embora passemos pela tribulação,
Tudo, tudo está bem.
A nossa é uma salvação tão completa,
Tudo deve estar bem.
Feliz, ainda em Deus confiante,
Frutuoso se em Cristo permanecer,
Santo através da orientação do Espírito:
Tudo, tudo está bem.
Esperamos um amanhã brilhante;
Tudo, tudo está bem.
A fé pode dizer na mais profunda tristeza
Tudo, tudo está bem.
Sobre o amor do nosso Pai,
Jesus cada necessidade que supre,
Tudo em viver, tudo em morrer,
TUDO DEVE ESTAR BEM. "



Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 280


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Deus de Santidade Octavius Winslow
Artigos A Preciosidade do Sangue de Cristo Octavius Winslow
Artigos A Unção Preciosa Octavius Winslow
Artigos A Preciosidade das Promessas Divinas Octavius Winslow
Artigos Está Tudo Bem Octavius Winslow
Artigos Paciência no Sofrimento Octavius Winslow
Artigos O Deus de Paciência Octavius Winslow
Artigos O Fardo Lançado Sobre Deus Octavius Winslow
Artigos A Recaída e a Recuperação da Nova Natureza Octavius Winslow
Artigos A Vara e o Cajado Octavius Winslow

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 20.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 184328 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 157753 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 157710 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 129639 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 91588 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 71479 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 68916 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 62229 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 58987 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 54693 Visitas

Páginas: Próxima Última