Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A Alegria do Amor
John Angell James



Título original: The joy of love
Extraído de: Christian Love, or the Influence of Religion upon Temper

"O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade".

Mantendo a personificação do amor apresentada pelo apóstolo, podemos observar que ele tem suas alegrias e suas dores; e que seus sorrisos e suas lágrimas são as expressões da boa vontade – os emblemas da benevolência.
A nós é dito primeiramente que o amor NÃO tem prazer na INJUSTIÇA.
O pecado é, em si mesmo, um mal de enorme magnitude. Como cometido contra um Ser que estamos sob a obrigação infinita de amar, e servir e glorificar, e deve então participar de infinitos graus de demérito. É uma violação da Lei que, como emanação da perfeição de Deus, é perfeita, e merece o elogio pronunciado sobre ela pelo apóstolo, quando declara que é "santa, justa e boa". Como esta é a regra de governo para o universo moral, e destinada a preservar sua ordem, dependência e harmonia; o pecado, ao se opor à sua autoridade, perturba essa ordem, quebra essa dependência e procura introduzir o reino da confusão e da miséria.
Ninguém, a não ser a mente infinita de Deus, é capaz de calcular o mal que provavelmente será produzido por um único ato de pecado; se deixado a si mesmo sem remédio, ou sem punição. Temos apenas de ver o que o pecado fez, para julgar a sua natureza mais perversa e odiosa.
Toda a miséria que existe ou que existirá sempre na terra, ou no inferno, é o resultado do pecado.
(Nota do tradutor: Se não houvesse o pecado em nenhuma pessoa na terra, ela seria um autêntico anexo do céu. Como o pecado se opõe sobretudo à justiça de Deus, é afirmado no texto que o amor não se alegra com a injustiça –traduzido do original grego adikia que significa literalmente falta de justiça.)
O pecado é o maior mal; o único mal no universo. É o oposto e o inimigo de Deus; o contraste de tudo o que é puro e glorioso em seus atributos divinos e perfeições inefavelmente belas; e como tal é o que Deus não pode deixar de odiar com um ódio perfeito. Não é apenas o oposto de sua natureza; mas o oponente de seu governo; o princípio rebelde que disputa com ele por sua sede de majestade e de domínio do universo, dizendo a ele: "Até aqui você vai, e não irá mais além", procurando afastá-lo do trono que ele preparou nos céus, e se levantar com usurpação ímpia no lugar santo e elevado. O pecado deteria assim a fonte da vida e da bem-aventurança, ao terminar o reinado da beneficência infinita; e é, portanto, o inimigo de tudo o que constitui a felicidade das várias ordens da existência racional. A felicidade dos anjos e dos arcanjos, dos querubins e dos serafins, e dos espíritos aperfeiçoados no céu, bem como daqueles que são renovados pela graça de Deus na terra; surge da santidade; pois separadamente da santidade, não pode haver felicidade para um ser intelectual. Ora, o pecado é o contrário da santidade e, portanto, o inimigo da felicidade. Como, então, o amor pode deleitar-se com a iniquidade? Se o amor deseja a felicidade dos seres racionais, deve odiar o que diretamente lhe resiste e o extingue.
E como o amor não pode deleitar-se no pecado de forma abstrata, tampouco pode ter prazer em que seja praticado, pois quem o comete, até agora o aprova, mantém o seu domínio, estende o seu reino, difunde o seu mal e faz tudo o que pode para o recomendar. Se sua transgressão é comum, dá a força de seu exemplo a todos da mesma espécie; e se for algo novo, ele se torna um inventor e propagador na terra de uma nova maldição e tormento. Que muitos se deleitam em cometer iniquidade não podemos duvidar; seguem-na com avidez, e bebem-na como o boi sedento bebe a água.
A Escritura fala das alegrias dos tolos e dos prazeres do pecado. Horrível como a associação entre pecado e gratificação, que certamente existe. Alguns homens têm ido tão longe como para se autoassassinarem; mas quem nunca teve prazer no ato de destruir-se? Quem jamais bebeu o veneno como se fosse vinho, com um coração alegre? Os homens se envolvem em muitas maneiras de autodestruição de suas almas. Eles cometem o assassinato de seus espíritos imortais; ao canto do bêbado, ao barulho da música, ao sorriso de uma meretriz e ao riso de um tolo. Eles pecam, e não apenas isso, mas se deleitam com a iniquidade. Mas "o amor não se alegra com a iniquidade".
Nem pode deleitar-se nos pecados dos OUTROS. Não pode fazer como os tolos fazem, "uma zombaria do pecado." É mais horrendo encontrar passatempos e esportes nesses atos de transgressão pelos quais os homens arruínam suas almas. Alguns riem da forma de caminhar, do olhar idiota, e dos gestos maníacos do bêbado, que talvez eles tenham conduzido primeiro à intoxicação, para dar-lhes alegria. Ou eles se divertem com os juramentos daquele cuja malícia e vingança estão trabalhando para inventar novas formas de profanação. Ou se alegram com a malícia com que os perseguidores dos justos se opõem e interrompem a solenidade do culto. Ou atacam com raiva e desprezo as ternas consciências dos santos, e aplaudem em voz alta o espírito que apontou suas flechas afiadas contra a verdadeira religião. Mas, o amor chora pelo pecado, como aquilo que traz a maior miséria.
"O pecado é a maior e mais elevada infelicidade da criatura: o pecado deprava a alma em si, vicia os seus poderes, deforma as suas belezas, extingue a sua luz, corrompe a sua pureza, escurece a sua glória, perturba a sua tranquilidade e paz, e sua ordem, e destrói a própria vida. O pecado aliena a alma de Deus, separa-a dele, envolve sua justiça e influencia sua ira contra ela. O que! Regozijar-se no pecado, que despreza o Criador, e tem feito tais tragédias na criação! O pecado lançou anjos para fora do céu, e o homem do paraíso! O pecado tem feito do Deus bendito um estranho para o nosso mundo; quebrou a comunhão em tão grande parte entre o céu e a terra; obstruiu o agradável intercâmbio que de outra forma teria havido entre os anjos e os homens; tão vilmente degradou a natureza do homem, e provocou o descontentamento do seu Criador para com ele!
O pecado uma vez esmagou o mundo com um dilúvio de água, e vai novamente arruiná-lo por um fogo destrutivo! Regozijar-se em uma coisa como o pecado, é como fazer algo louco semelhante a se lançar sobre tiros, flechas e morte, e dizer: "Não estou me divertindo?"; é ser feliz por estar sendo transformado de um homem em um demônio! De uma alma razoável, imortal, capacitada para o céu, para um demônio do inferno! Alegrar-se de que tal alma está se arrancando de Deus, estourando suas próprias esperanças eternas e destruindo todas as suas possibilidades de um futuro bem-estar.   
Deus bendito! Quão oposto coisa é isto ao amor; que procede de Deus! O amor é o nascimento do céu, como é aqui embaixo, entre os mortais; a beleza e a glória do céu, como ela está lá em cima, em seu assento natural. O amor é o vínculo eterno da união viva entre os espíritos abençoados que ali habitam, e que tornaria nosso mundo, universalmente aqui, em outro céu. "(Howe" Sobre o amor em referência aos pecados dos outros homens.")
O pecado é o esporte dos demônios! Não é para os homens que sentem a influência do amor, deleitarem-se no pecado. Condenamos justamente a crueldade dos romanos, ao encher os olhos com as cenas do anfiteatro, onde os gladiadores foram rasgados em pedaços pelos leões e tigres; mas a deles era uma recreação inocente em comparação com a mente pervertida e perversa, que pode ser gratificada por ver uma criatura imortal arruinando e condenando sua alma mais preciosa! Rir das agonias do miserável torturado no tronco, e alegrar-se com seus traços distorcidos, e gritos estranhos e hediondos; rir das convulsões do epiléptico; ir para o campo de batalha e zombar dos gemidos dos feridos e moribundos; tudo isso é mais humano e misericordioso do que deliciar-se com o pecado! Poderíamos olhar para o lago ardente e ver como os miseráveis espectros são lançados sobre as ondas do ardor e ouvir as terríveis exclamações: "Quem pode habitar com fogo devorador, quem pode habitar com chamas eternas?" Nós nos divertimos com o pecado? Assim, o amor vê a sua miséria, na medida em que a sua imaginação atua, e sente um horror frio e um temor tremendo. Ele chora pelo pecado onde quer que o veja, e chora por aqueles que nunca choram por si mesmos. Esta é a sua declaração, enquanto ele observa os pecados da humanidade: "Rios de água escorrem pelos meus olhos, porque não guardam a tua lei".
O amor não pode deliciar-se com a má conduta de um inimigo ou de um rival. Este talvez seja o significado preciso do apóstolo, na expressão que agora estamos ilustrando. Poucos de nós estão sem um ou mais que são considerados por nós, ou que se consideram, no caráter de um adversário ou um concorrente; e em tais casos há um grande perigo de estarmos satisfeitos com seus fracassos morais. Não é frequente que qualquer um, exceto aqueles que são mais do que ordinariamente depravados, vai permitir-se ir tão longe como para tentar um inimigo para o pecado, a fim de ganhar a vantagem sobre ele. No entanto, há quem ponha laços para os seus pés, e assista com ansiosa esperança para a sua detenção; e quando incapaz de realizar isso por seus próprios esforços pessoais, não terá escrúpulos em envolver cúmplices na obra. Agentes mais fracos e subalternos, que provavelmente não sabem nada ou sabem muito pouco do propósito para o qual são empregados, podem ser atraídos pelo "espírito mestre da malícia" para a confederação e tornar-se o instrumento de tentar uma criatura imortal para pecar contra Deus, e arruinar sua própria alma.
Este é o clímax da vingança, o maior passo da maldade e a maior intensidade da maldade humana. É estender o mal de vingança a outro mundo; chamar a ajuda dos demônios e do fogo inesgotável para suprir os defeitos de nossa capacidade de infligir miséria em proporção aos nossos desejos e perpetuar nossa má vontade através da eternidade. Tentar os homens a pecar contra Deus, com o propósito de servir a nós mesmos degradando-os diante do mundo; une muita maldade de um diabo, com tanto de sua ingenuidade.
Mas, se não pudermos chegar a tal ponto que tentamos um oponente ou um rival ao pecado, no entanto, se sentimos prazer em vê-lo cair por outros meios; se nos entregarmos a um prazer secreto em contemplá-lo, tornando-se vil, destruindo sua reputação, destruindo sua popularidade e arruinando sua causa; se nós exclamarmos interiormente, "Ah! Assim eu o queria; agora está tudo terminado com ele; isto é exatamente o que eu queria"; então nós nos deleitamos com a iniquidade. E, oh, quão terrível é ser visto com um semblante sorridente; ou um semblante que, se não relaxa em um sorriso, é suficientemente indicativo do estado alegre do coração, correndo com ansiedade para proclamar a notícia desse ato de outro que põe em perigo a sua salvação; quão contrário é tudo isso ao amor que se deleita em felicidade!
Talvez até sejamos tão felizes que o objeto de nossa aversão tenha sido ferido de uma maneira semelhante àquela com que também nos feriram. Embora não possamos nos permitir infligir qualquer injúria direta no caminho da vingança, nem envolver os outros a fazê-lo por nós; ainda se o vemos maltratado por outra pessoa e nos alegrarmos exclamando: "Eu não tenho piedade dele, ele mereceu tudo por seu comportamento para comigo, estou feliz que ele recebeu o que ele merecia", isto é contrário à lei do amor; é um deleite no pecado.
Nem o caso é alterado, se a nossa alegria for sentida por causa das consequências que o pecado trouxe sobre ele. Podemos às vezes tentar enganar-nos com a suposição de que não nos regozijamos com a iniquidade que se cometeu, mas apenas porque foi sucedido por aqueles frutos amargos que a má conduta mereceu. Interpretamos isso como uma prova de que Deus assumiu a causa da inocência ferida e vingou-nos de nosso adversário.
Há muitas circunstâncias e situações que nos expõem mais particularmente à violação desta lei do amor. No caso de duas denominações diferentes na religião, ou duas congregações do mesmo partido em uma cidade, entre as quais um mal-entendido e cisma têm sido autorizados a crescer e operar, há um perigo iminente desse espírito não cristão. Infelizmente! Ai! Que o seio dos homens deve ser sujeito a tais sentimentos! Oh! Vergonha, profunda e duradoura vergonha, sobre alguns cristãos professos, que tais emoções desagradáveis devem sempre ser animadas em seus seios! "Não o noticieis em Gate, nem o publiqueis nas ruas de Asquelom; para que não se alegrem as filhas dos filisteus, para que não exultem as filhas dos incircuncisos." Não se saiba que as más paixões do coração humano constroem seus ninhos, como pássaros obscenos, ao redor do altar do Senhor; ou, como as ervas daninhas venenosas, entrelaçam os seus ramos em torno dos pilares de sua casa.
Nós não pretendemos dizer que qualquer homem bom pode se alegrar com a imoralidade aberta e o vício de um oponente; mas não há muitos, em todas as grandes comunidades, que, embora de Israel em um sentido, não pertencem a ele na realidade? E onde o fracasso não decorre de uma delinquência mais terrível; mas consiste meramente em algumas pequenas violações da lei da propriedade, nem sequer são os melhores dos homens às vezes expostos à tentação de regozijar-se com eles, se sua causa é promovido por eles? A parte mais fraca, especialmente se foi maltratada, tratada com orgulho e desprezo, opressão e crueldade, fica muito propensa a deleitar-se com os casos de má conduta que seus oponentes trouxeram sobre si mesmos.
Os candidatos rivais à fama, ao poder ou à influência; seja nos assuntos eclesiásticos ou seculares; estão sujeitos ao pecado de regozijo na iniquidade. É difícil para corações como os nossos reprimir todos os sentimentos de prazer secreto naqueles atos de um competidor pelo qual ele afunda; e somos tidos em estima pública. Esse homem se dá crédito por mais virtude do que realmente possui; que se alegra com as loucuras e os erros do rival que contende com ele; ou os pecados de um inimigo que o feriu profundamente. Jó menciona isso como uma prova convincente de sua integridade e uma demonstração impressionante de boa conduta; que ele não se alegrou com o infortúnio de seu inimigo, nem se regozijou com o problema que lhe aconteceu. (Jó 31:29). E foi uma boa manifestação da generosidade de Davi que, em vez de regozijar-se com os pecados que provocaram a catástrofe de Saul; que o elevou ao trono de Israel;, lamentou-os com o mais sincero e pungente pesar que poderia ter feito como se Saul fosse o mais gentil dos pais. Que estamos em perigo do pecado que estamos considerando, também é evidente a partir da exortação de Salomão: "Não se alegre quando seu inimigo cai, e não se alegre o seu coração quando ele tropeça."
O amor, se tivesse a plena posse de nossos corações e todo o seu domínio, não somente reprimiria todas as exposições externas desse prazer, mas todas as emoções interiores; nos faria temer que um oponente caindo no pecado; não nos permitiria vê-lo ir indiferente à transgressão; mas nos faria sentirmo-nos obrigados a adverti-lo de seu perigo; e nos faria renunciar alegremente à maior vantagem para a nossa causa ou reputação, que poderíamos ganhar com sua má conduta. Esta é a santidade do amor, e a prova de um ódio geral pelo pecado; pois se chorarmos somente por nossos próprios pecados, pelos pecados de nossos amigos ou de nosso partido; pode haver algo egoísta em nossa dor depois de tudo. Mas, lamentar a iniquidade, quando, embora prejudique a outra pessoa, pode, em certo sentido, promover nossa causa; é, de fato, odiar o pecado por sua própria causa, e por causa daquele a quem ele condena.
Vamos agora mostrar, que o amor se alegra na VERDADE.
Pela verdade não devemos entender a veracidade em oposição à falsidade. O apóstolo não está falando deste assunto. A verdade significa a doutrina da Palavra de Deus. Esta é uma maneira muito comum de descrever a vontade revelada de Deus nas Escrituras. "Santifica-os na verdade", disse o nosso Senhor; "a tua palavra é a verdade". A verdade em si mesma é objeto de deleite para o amor. A verdade é a coisa mais gloriosa do universo, ao lado de Deus e da santidade. Tem sido o grande objeto de perseguições mentais desde a criação do mundo; milhões de mentes viajaram em busca dela; os filósofos professam estar tão apaixonados mesmo com o próprio termo, que o adoraram como uma mera abstração, que, afinal, eles não conseguiram entender. Que argumentos originou; a que sistemas ela deu origem; de que dogmatismo foi a ocasião! E, no entanto, afinal, além da revelação bíblica, ela é apenas um mero nome! Isso lhe dá realidade e forma; isso nos diz onde está, o que é e como é para ser obtido. Aqui aprendemos que o glorioso Evangelho do Deus bendito, e todas as doutrinas que ele inclui ou implica, é a VERDADE. A pergunta é respondida, proposta por Pilatos ao prisioneiro ilustre em seu tribunal, e o oráculo do céu declarou que as Escrituras são a verdade. E a verdade é o objeto de deleite para o amor; a estrela brilhante, sim, o sol de orbe cheio, que ilumina o olho do amor, e aponta o lugar de repouso de seu coração. E não pode se alegrar em nada mais. A falsidade e o erro, e os dispositivos da mente humana, são os objetos de sua aversão.
É evidente, então, como já demonstramos, que o amor difere essencialmente daquela vaga espécie de sentimentalismo que tanto se chama no presente, tanto dentro como fora da igreja; que despreza proceder sobre o fundamento bíblico da verdade e sua influência genuína; insultante, intolerante e insensível, a tudo que se refere a doutrinas particulares; mas que estende seu abraço indiscriminado e paga seus ociosos e indiferentes elogios a todas as pessoas, qualquer que seja a convicção religiosa, presumindo que todas elas sejam sérias e que sã pelo bem, embora difiram muito umas das outras, ou da Escritura, no sentimento ou na prática. Uma das máximas desta tolerância espúria, como já vimos, é a de que não há uma turbulência moral no erro mental; e que tudo é não essencial, que não se relaciona com os interesses da moralidade.
Quão amplamente essa "falsa liberalidade" difere do amor apostólico, é evidente pelo fato que estamos considerando agora, e pelo qual somos informados de que o amor se deleita com a verdade. Pela verdade, o amor será zeloso, como para um objeto mais caro do que a própria vida. Pela verdade, o amor estará pronto para colocar o selo de sangue, e não resignar ou traí-la por medo da escuridão do cárcere do prisioneiro, ou do temor da estaca do mártir. A verdade é sua alegria na vida; seu apoio na morte. A verdade é o querido companheiro da peregrinação do amor na terra, e seu associado eterno nas felicidades do céu.
Mas, como a verdade está aqui oposta à iniquidade ou injustiça; o apóstolo especialmente pretendeu afirmar que a SANTIDADE é objeto de deleite para o amor. A santidade é o efeito natural e apropriado da verdade crida. Nenhum homem pode receber a verdade; no amor dela; sem produzir os frutos da justiça, que são por Jesus Cristo para a glória de Deus.
É o deleite desta graça de amor pura e celestial contemplar a santidade onde quer que ela se encontre. Ascendendo ao mundo celestial, juntando-se aos corais dos querubins, para olhar para o Imaculado, e com eles dar expressão aos seus êxtases, no hino curto mas sublime: "Santo, santo, santo, é o Senhor Deus Todo-Poderoso!" Animado pelo ribombar do trovão, e o som da trombeta, e a voz das palavras; pela espessa escuridão, e os relâmpagos vívidos, e a agitação das terra tremendo – o amor se aventuras na base do Sinai, e, pelo deleite que ele tem na santidade, se alegra com a LEI que é a regra de justiça. Os anjos se agradam em contemplar, porque eles estão vestidos com roupas de pureza imaculada.       
A coroa de glória que Adão usava antes de sua queda era sua inocência; e a profunda degradação em que ele caiu por sua apostasia, foi a perda da santidade, na qual consistia a imagem de Deus. A LEI cerimonial tem uma excelência no olho do amor, porque ensina o valor da santidade na visão de Deus, e a necessidade dela para o homem. As VISÕES PROFÉTICAS estão todas satisfeitas, porque se distinguem pelas belezas da santidade; e todo o EVANGELHO de Jesus é caro ao coração do amor, porque se destina a purificar para Cristo uma igreja; que ele apresentará ao Pai, sem mácula, nem rugas, nem defeito. Os homens são estimados e amados na terra, como eles têm esta excelência moral de santidade, estampada em suas almas; e em procurar um CÉU que satisfaça todos os seus desejos, não se pode pensar em nada mais alto e melhor do que um estado de pureza sem pecado!
Tão ardente e tão uniforme é a consideração do amor à santidade, que se regozija nela quando ela é encontrada; mesmo em um inimigo ou rival. Sim; se estivermos sob a influência desta virtude divina do amor; como devemos estar, desejamos e ansiamos muito fervorosamente que aqueles que nos tenham desagradado ou ferido; sejam melhores do que são. Desejamos ver todos os "pontos de imperfeição" de sua conduta, e todo seu caráter se destacar na admiração do mundo, e receber a aprovação daqueles por quem eles estão agora condenados. Estaremos dispostos a fazer qualquer coisa pela qual possam conciliar a si mesmos ao favor da multidão alienada; e também elevar-se para o terreno vantajoso em que sua má conduta nos colocou acima deles. Isso é amor - regozijar-se com essas excelências morais, e contemplá-las com gratidão e deleite, que investem o caráter de alguém que se nos opõe à beleza; e pelo qual sua causa é promovida, em algum grau em detrimento da nossa .
Os homens de pouca virtude podem às vezes juntar-se na política social; naquelas recomendações de bondade a outros, a justiça da qual eles não podem disputar, e a harmonia da que não podem perturbar. Mas é só o cristão, que está muito avançado na prática de tudo o que é difícil na religião; que pode secretamente se alegrar, sem inveja ou ciúme, nas mesmas virtudes que atraem a atenção pública de si mesmo para outros; e fazê-lo passar em eclipse e afundar em sombra. "Ó AMOR, este é o teu trabalho, e esta é a tua glória; uma obra raramente realizada; uma glória raramente vista; nesta região de egoísmo, neste mundo de imperfeições, onde, das multidões que professam submeter-se à tua influência; ainda há muito poucos que são realmente governados por suas leis e inspirados por sua influência!
(Nota do tradutor: O amor não pode se alegrar com a injustiça, mas somente com a verdade, porque é nisto que se cumpre o propósito de Deus naqueles a quem tem chamado a se tornarem seus filhos. O amor conforme definido em tais palavras não pode ser visto em progressão senão naqueles que nasceram de novo do Espírito Santo, porque é neles que é implantada a Palavra de Deus, que é a verdade.
O que é a verdade? Pilatos perguntou, e nosso Senhor se limitou a responder que Ele veio a este mundo para dar testemunho da verdade, e que os que são pela verdade ouviriam a sua voz. Ora, o sentido interior destas palavras é muito amplo e abrangente no que se refere à implantação da santidade nos que fazem parte do seu rebanho.
O próprio Jesus afirmou que é pela verdade que somos libertados, e a referência contextual aponta para a libertação do pecado, do qual ele disse que todos os homens são escravos, e podem ser libertados somente por Ele, que definiu a Si mesmo como a verdade, o caminho e a vida.
Tudo isto deve ser entendido em conjunto, para que possamos chegar a ver com os olhos espirituais da fé, que Jesus mesmo é o padrão da verdade, em seu caráter, essência e conduta, que devemos apreender em nossa própria existência. Aparte disto, pode-se dizer que vivemos uma falsidade em relação ao propósito eterno de Deus, uma vez que nos criou para sermos à exata imagem e semelhança de Seu Filho.
Poderíamos então dizer que a libertação pela liberdade aqui referida possui graus em si mesma, à medida que vamos avançando no crescimento na graça e no conhecimento de Jesus, através da santificação do Espírito Santo.
Quanto da Palavra de Deus, mesmo sendo crentes, conhecemos apenas nocionalmente por muitos anos, por maiores que sejam nossos esforços e diligência em buscarmos a santificação, uma vez que isto não pode ser alcançado sem que sejamos conduzidos por Deus àquelas experiências de vida, especialmente em relação ao modo de se comportar nas provações da fé, por meio de aflições e tribulações, que serão o meio para a implantação experimental das verdades relativas a cada ponto da Palavra de Deus em nossas vidas. De modo que sejamos mais pacientes, longânimos, amorosos, e enfim, conhecedores dos caminhos de Deus para nos conduzir ao crescimento e amadurecimento do fruto completo do Espírito Santo, que é também paz, fé, bondade, misericórdia, alegria e domínio próprio, além de todas as demais virtudes que compõem o caráter de nosso Senhor Jesus Cristo.
Esta é portanto, a verdade da qual Jesus veio dar testemunho. Não a verdade filosófica, natural, deste mundo, que é buscada pelos homens. Não a verdade que se afirma o oposto daquilo que não corresponde à veracidade das coisas do tempo e do espaço, mas a verdade relativa à condição que importa ser achada e implantada em todos aqueles se dizem participantes da vida de Deus.
Não pode haver verdade em relação ao que Deus é em sua natureza, onde não há uma equivalência em nós em relação a todos os atributos que emanam da sua natureza divina. Mas, na medida em que estes existem e crescem em nós, e na medida em que cooperamos com o trabalho do Espírito Santo para a implantação da justiça de Cristo em todo o nosso comportamento, pode ser dito de nós, então, que temos andado na verdade.)





Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 123


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Decoro do Amor John Angell James
Artigos Misericórdia Cristã Explicada e Aplicada John Angell James
Artigos A Religião Prática Deve Ser Vista em Tudo John Angell James
Artigos A Preeminência do Amor John Angell James
Artigos A Fé em Relação à Santificação John Angell James
Artigos A Crise John Angell James
Artigos Felicidade John Angell James
Artigos A Necessidade da Influência do Espírito Santo John Angell James
Artigos Encorajamentos para o Progresso Cristão John Angell James
Artigos A Alegria do Amor John Angell James

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 37.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 181657 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 133023 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 132579 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127386 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 66472 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 55742 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 55634 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 55264 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 52789 Visitas
Piscianas, as mulheres mais próximas dos sentimentos. - Nandoww 49968 Visitas

Páginas: Próxima Última