Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
As Cartas às Sete Igrejas
John Angell James

Título original: Remarks on the Epistles to the Seven Churches
Por John Angell James (1785-1859)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


Não é uma questão de importância para o projeto deste trabalho, em que luz essas cartas devem ser consideradas, seja como as histórias passadas reais das igrejas ali mencionadas, e de sua condição atual naquele tempo; ou como simbólicas e proféticas representações dos diferentes estados através dos quais a igreja estava então destinada a passar em sua história futura; uma vez que a instrução espiritual a ser obtida a partir delas é a mesma em ambos os casos.
Eu não proponho aqui entrar em qualquer exposição minuciosa, mas apenas fazer algumas observações gerais sobre elas, tendendo a mostrar a natureza e a necessidade de piedade fervorosa, e para estimular as igrejas a buscá-la.
1. Ao contrário das outras epístolas apostólicas inspiradas, todas essas cartas são dadas pelo Senhor Jesus Cristo pessoalmente, por intermédio do apóstolo João, e são, portanto, análogas nesse particular às mensagens que, sob a dispensação judaica, os profetas entregaram ao povo, com um "assim diz o Senhor". Isso indica o profundo interesse que Jesus Cristo tem no bem-estar espiritual de todas e de cada uma de suas igrejas. Seu cuidado com estas sete comunidades não era de modo algum exclusivo ou especial; todas as outras que então existiam eram igualmente queridas a seu coração, porque todas foram compradas pelo seu sangue, e como elas; isto também se aplica a todas as igrejas que agora existem, mesmo a menor congregação de crentes na aldeia mais obscura.
Quão maravilhosamente bela é a descrição dada ao Senhor, como "Aquele que caminha entre os sete castiçais de ouro", e quão impressionante é o símbolo da condição de cada igreja, que deveria ser uma fonte da mais pura luz para o lugar em que a igreja estivesse. Pode qualquer coisa mais enfaticamente nos lembrar da devoção, do zelo, do conhecimento espiritual que cada igreja deve possuir, uma vez que é formada para iluminar um mundo em trevas, está sob a superintendência pessoal do Senhor Jesus e é um objeto de seu solícito cuidado? Como ele é fervoroso em nome de cada comunidade dos fiéis como um todo, e cada membro delas em particular!
2. O endereçamento para cada igreja começa com a mesma solene certeza de seu íntimo conhecimento com sua condição espiritual; "Conheço suas obras". Ele declara, portanto, que ele está sempre olhando para suas igrejas, não como olhamos, de longe; mas com um olho imediatamente fixo em cada uma, não com um olhar superficial ou geral; mas com uma inspeção minuciosa do estado de cada coração; de modo que seu conhecimento de cada membro é tão perfeito quanto seu conhecimento de toda a igreja, e é derivado de sua própria fonte; os fatos reais de cada caso que está sendo submetido a esse olho onisciente que é representado por uma chama de fogo. Isto é expressivo de maneira ainda mais explícita em seu discurso à igreja de Tiatira, à qual ele diz: "Todas as igrejas", não apenas o mundo, mas "todas as igrejas saberão que eu sou aquele que esquadrinha os rins e os corações; e darei a cada um de vós segundo as suas obras."
Isto afirma não só o seu poder, ou o seu direito; mas a sua ocupação; ele está sempre assim engajado; seus olhos estão sempre correndo para todas as igrejas. Sua atenção é minuciosa e específica; não é a igreja coletivamente; mas a igreja em seus membros individuais, que é o assunto de seu escrutínio.
Quão ansiosamente e quão inquisitivamente cada igreja deve dizer: O que ele vê em nós? E cada membro diz: O que ele vê em mim? Qualquer coisa pode ser uma incitação mais forte à diligência, à sinceridade, à autoconsagração completa, do que o pensamento de que estamos "sempre sob o olho do grande Mestre?" Sobre cada um de nós rola continuamente o anúncio emocionante e solene, "eu conheço suas obras." Poderíamos colocar o Senhor sempre diante de nós; poderíamos nós tocá-lo com a nossa mão direita; poderíamos até mesmo olhá-lo como presente, embora invisível, dizendo-lhe: "Deus, me vê!" Devemos precisar de algo mais para nos agitar até a mais intensa devoção?
3. Cristo começa sempre se dirigindo a estas igrejas com a língua do elogio, onde há qualquer coisa a recomendar. Quão condescendente, amável e gracioso é isto, e que lição nos fornece para regular nossa conduta uns para com os outros! Como isso é encorajador em todas as nossas tentativas de agradá-lo, e que incentivo para trabalhar mais abundantemente para ele! Ele não é um duro mestre, nem um desonesto, afastando-se com indiferença e desdém dos serviços de seu povo. Os esforços de seu discípulo mais fraco, quando feitos com sinceridade, são aceitos por ele; o desejo, o suspiro, a lágrima, o gemido; são todos percebidos por ele, e recebidos com um condescendente, "bem feito". Ó cristãos, tal Mestre será servido com mão fraca, pé tardio ou coração frio? Serão oferecidos a Ele os serviços inseguros, rancorosos ou mornos? Será menos do que o melhor, ou o máximo, a ser feito por Ele? " Dizeis também: Eis aqui, que canseira! e o lançastes ao desprezo, diz o Senhor dos exércitos; e tendes trazido o que foi roubado, e o coxo e o doente; assim trazeis a oferta. Aceitaria eu isso de vossa mão? diz o Senhor. Mas seja maldito o enganador que, tendo animal macho no seu rebanho, o vota, e sacrifica ao Senhor o que tem mácula; porque eu sou grande Rei, diz o Senhor dos exércitos, e o meu nome é temível entre as nações.” (Malaquias 1: 13-14)
4. Ao mesmo tempo, Cristo, no exercício da justa severidade, repreendeu cada igreja pelo que estava errado, onde encontrou algo digno de repreensão. Seu amor não é um afeto cego e doador, que não vê falta em seu objeto; mas é uma consideração sábia e judiciosa, que busca as falhas; não tanto para expor e punir; como para corrigi-las e removê-las. Até mesmo à mais corrupto das sete igrejas, ele disse, depois de uma repreensão severa: "A todos quantos amo, repreendo e castigo". Professantes inconsistentes e negligentes! Vós que conheceis o vossa mundanismo; suas más disposições; suas violações da verdade, honra e justiça; suas negligências de oração no quarto e na família; suas declinações gerais e decadência de piedade; suas irregularidades grosseiras e inconsistências manifestas! Ouça a sua voz reprovadora; olhe para o seu semblante franzido; tema as suas repetidas repreensões. Alterem suas ações. Retirem o mal que há em vocês. Ele não tolerará o pecado em vocês; nem vós mesmos devem tolerá-lo.
5. Cada discurso termina com uma promessa de recompensa para aqueles que são vitoriosos no conflito cristão. "Ao que vencer, eu darei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus; ele não será ferido pela segunda morte; eu lhe darei a comer do maná escondido e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um nome novo escrito, que ninguém conhece senão aquele que o recebe; eu lhe darei poder sobre as nações; ele será vestido com roupas brancas, e eu não apagarei o seu nome do livro da vida;, mas confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante de seus anjos, e farei dele uma coluna no templo do meu Deus, e ele nunca mais sairá, e eu escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e nome da cidade do meu Deus, e escreverei sobre ele meu novo nome, e ele se assentará comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentarei com meu Pai em seu trono."
Tais são as grandes e preciosas promessas que são feitas àqueles que, na luta da fé, "saem mais do que vencedores por meio daquele que os amou". E que, embora distribuídas entre as igrejas, tudo será cumprido em cada vencedor individual.
Embora algumas das expressões tenham um significado que nunca pode ser plenamente desenvolvido neste mundo, essa mesma dificuldade parece acrescentar ao seu valor, uma vez que exibe em contornos vagos e gerais um objeto muito vasto para ser compreendido e muito brilhante para ser visto por nossa presente visão limitada e fraca. Cristãos, olhem para esses estupendos objetos de esperança, flutuando em grandeza obscura atrás da transparência escura e misteriosa da Sagrada Escritura; e depois imagine; e você só pode imaginar um pouco; a recompensa de sua diligência bem sucedida. Você está envolvido em um conflito de imensa dificuldade, e de enorme importância.
Veja quais consequências dependem disso; e para o que você está lutando. Você está lutando por um trono no céu, e a derrota não apenas o sujeitará a essa perda imensa; mas à infâmia eterna. Você está correndo uma corrida para uma coroa incorruptível, e é uma corrida contra o tempo, e nem um momento pode ser poupado de sua perseguição árdua e séria. Um arcanjo vindo direto do trono de Deus, com todas as cenas da eternidade e glória celestial fresca em sua lembrança, não poderia fazer você compreender o peso, o brilho e o valor daquela coroa que é sustentada pela mão do amor infinito, para envolver o seu ardor na competição contra o pecado, Satanás, e o mundo.
Seriedade! Onde, para quê e em quem se deve esperar, senão naquele que está lutando na terra por glória, honra, imortalidade e vida eterna? Ele é porventura uma mera estátua, ou um homem vivo, que pode ver tais objetos colocados diante dele, e não sentir cada desejo ambicioso influenciando, e pondo todas as suas energias engajadas para a sua posse? Foi nisso que a mente do apóstolo foi corrigida quando ele proferiu aquela linguagem emocionante e inspiradora da alma: " Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui também alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus." (Filipenses 3: 12-14). Se um apóstolo sentiu tal seriedade indispensável, inevitável e necessária; quanto mais devemos nós!
Vamos agora tomar cada epístola separadamente, e aprender a grande lição que cada uma parece adaptada e projetada para ensinar.












ÉFESO
"1 Ao anjo da igreja em Éfeso escreve: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete candeeiros de ouro:
2 Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua perseverança; sei que não podes suportar os maus, e que puseste à prova os que se dizem apóstolos e não o são, e os achaste mentirosos;
3 e tens perseverança e por amor do meu nome sofreste, e não desfaleceste.
4 Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor.
5 Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu candeeiro, se não te arrependeres.
6 Tens, porém, isto, que aborreces as obras dos nicolaítas, as quais eu também aborreço.” (Apocalipse 2: 1-6)
Estamos prontos para exclamar, que igreja, e que caráter! Trabalharam, sim, trabalharam para Cristo; eles foram chamados a sofrer perseguição, e em vez de apostatar, suportaram seus sofrimentos com paciência; eles mantiveram uma disciplina estrita e santa, e expulsaram dentre eles impostores e más pessoas! Falta alguma coisa aqui? Eles parecem ter atingido quase a perfeição. O Senhor Jesus encontrará alguma culpa neles? Sim ele encontrou. Ele os recomendou pelo bem deles; mas, "No entanto," ele disse, "eu tenho isso contra vocês: vocês abandonaram o amor que tinham inicialmente. Lembrem-se de quão longe vocês caíram, arrependam-se e façam as obras que fizeram de outra forma, eu virei a vós e removerei o vosso candelabro do seu lugar; a menos que vos arrependais. " Não conheço nada mais alarmante e impressionante do que uma repreensão a tal igreja; nada mais calculado para despertar a solicitude e obrigar-nos a dizer; se tal igreja fosse repreendida por deficiência, como ficaremos no dia da sua vinda?
Agora a lição ensinada aqui é que nenhuma medida de realização em igrejas ou membros individuais satisfaz a Cristo, enquanto qualquer defeito palpável em outras coisas é observável. Não podemos, não devemos, tentar compensar a negligência de algumas coisas, por atenção a outras coisas. Aqui havia uma igreja que se destacava em tantos deveres árduos, que quase se esperava ouvir nada além da linguagem de elogios sem mistura; e estamos prontos a dizer, se tal comunidade foi repreendida por deficiência, o que será dito de nós? Como devemos tremer!
Seu pecado foi uma saída do primeiro amor; suas afeições religiosas tinham diminuído, a espiritualidade de suas mentes tinha declinado, sua alegria não era tão viva, nem seu amor tão ardente, como foi uma vez; e não obstante seu trabalho, e paciência, e santidade exterior, o Senhor Jesus os repreendeu com ameaças. Quão terrivelmente comum é esta declinação! Quantos estão lá que estão dizendo-
Onde está a bem-aventurança que eu conheci
Quando vi o Senhor pela primeira vez?
Onde está a visão refrescante da alma
De Jesus e sua palavra?
Que horas de paz eu desfrutei uma vez!
Quão doce é ainda a sua memória!
Mas eles deixaram um vazio doloroso
Que o mundo nunca pode preencher."
Isso é tão comum que muitos estão quase dispostos a desculpá-lo como um estado a ser procurado no curso natural das coisas, como o que todo mundo experimenta e, portanto, sobre o que ninguém precisa se importar muito; mas, Cristo o trata como um pecado e chama os crentes a se arrependerem; e ameaça, se não o fizerem, removerá o candelabro de seu lugar.
Pergunto, então, se qualquer coisa menos do que a diligência mais intensa pode impedir esta declinação, ou nos recuperar dela quando cairmos nela. A linguagem de Cristo para todos nós é: "Avança para a perfeição". Quais das nossas igrejas modernas podem comparar com isto em Éfeso, e qual delas, portanto, não deve ouvir as palavras de Cristo dirigidas a elas, "Arrependei-vos, arrependei-vos?"


ESMIRNA

"1 Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu:
9 Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não o são, porém são sinagoga de Satanás.
10 Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida." (Apocalipse 2: 8-10)
É observável que esta é uma das duas igrejas contra as quais nada é alegado no modo de culpa, e para a qual nenhuma linguagem de repreensão é abordada; e é evidente, ao mesmo tempo, que foi muito e duramente provada pela perseguição. Essa perseguição os havia reduzido a uma grande pobreza. "Nós vemos aqui o pouco que conta a riqueza mundana na estima de Cristo. Ouvimos de muitas congregações e igrejas respeitáveis, onde pouco mais se entende por isso; mas que são numerosas ou opulentas, mas a estima de Cristo continua se baseando em outro princípio ... Que contraste há entre esta igreja e a de Laodiceia – eles eram ricos em bens deste mundo, mas pobres em relação a Deus, mas Esmirna era pobre neste mundo, mas rica para Deus.
A lição a ser aprendida desta igreja é que a perseguição, se reduz o número de professantes, é favorável à piedade eminente.
Em tempos de liberdade irrestrita, de prosperidade externa e de facilidade sem moléstias, como os nossos, especialmente numa época em que o sentimento evangélico está em certa medida em moda, os professantes da religião multiplicam-se rapidamente; mas, como o produto luxuriante das regiões tropicais, carecem da força e da solidez que os climas mais frios e as atmosferas mais geladas dão às plantas e às árvores que crescem sob sua influência. A perseguição, que murcha e destrói a profissão de multidões destes fracos seguidores de Cristo, deixa as plantas profundamente enraizadas da própria mão direita de Deus plantadas e ainda crescendo fortes e retas. Que estranho e terrível estrago em nossas igrejas faria um ano de intolerância amarga e opressiva! Em que números os membros frouxos, luxuosos e autoindulgentes cairiam da comunhão dos fiéis; e por outro lado, em que majestosa grandeza e heroísmo os portadores de cruzes se levantariam e ressuscitariam a época do seu martirizante sofrimento em glória! Como marinheiros hábeis e destemidos são formados pela tempestade; como heróis são feitos no campo de batalha; e como o ouro é purificado no forno; tão eminentes cristãos são levantados e chamados pela força da perseguição.
Consideremos todos que tipo de religião deve ser a que torna um homem um mártir; que profundidade de convicção, que força de fé, que ardor de amor, que vivacidade de esperança. Pensemos que visão e impressão da eternidade; que garantia do céu; que conquista do mundo; o que deve ser uma emancipação do medo da morte, para fazer um homem avançar na sua profissão religiosa, não só no perigo, mas com a certeza de laços, prisões e morte. Nossa religião é nossa? Conhecemos o poder de princípio que a perspectiva da perseguição não poderia vencer; e o ardor de um apego que as agonias da estaca não poderiam extinguir? Teremos uma abnegação, um hábito de mortificação e crucificação em relação aos nossos desejos pecaminosos, que é ela própria a fonte do espírito mártir, e que torna claramente inteligível como poderíamos morrer por ela?
Existe, quando olhamos em volta para um lar tranquilo e feliz, e para um círculo de relações amorosas, um estado de espírito como este: "Sinto como se, pela graça de Deus, eu pudesse desistir de tudo isso, em vez de negar meu Senhor." Isso é necessário em todos os que seriam discípulos de Cristo. Ele não aceitará nenhum homem em quaisquer outros termos. É a sua própria declaração, que faríamos bem em estudar: " Se alguém vier a mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo." (Lucas 14: 26-27)
Esta única passagem parece suficiente para fazer circular o alarme por toda a cristandade e para suscitar apreensão na mente de nove décimos dos discípulos professantes do Cordeiro, sobre a sinceridade de sua religião. Nós somos involuntariamente levados, em consternação, a dizer: "Quem então pode ser salvo? Que diligência e devoção, que solicitude e seriedade intensa, são necessários para justificar e sustentar nossas pretensões a uma religião como esta? Quem tem o suficiente do puro Ouro, ou está livre o suficiente da escória do pecado; para suportar a prova de tal fogo?"








PÉRGAMO
“12 Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois gumes:
13 Sei onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; mas reténs o meu nome e não negaste a minha fé, mesmo nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.
14 entretanto, algumas coisas tenho contra ti; porque tens aí os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, introduzindo-os a comerem das coisas sacrificadas a ídolos e a se prostituírem.
15 Assim tens também alguns que de igual modo seguem a doutrina dos nicolaítas.
16 Arrepende-te, pois; ou se não, virei a ti em breve, e contra eles batalharei com a espada da minha boca." (Apocalipse 2: 12-16)
Pérgamo era a capital da província, a sede do governo, e a residência de uma raça de monarcas cuja ambição era torná-la rival de Roma e Alexandria em riqueza, grandeza e elegância. Abundava com templos idólatras, onde se celebravam as orgias mais impuras e lascivas; era viciado em excesso de luxo, luxúria e corrupção, e era infame na história romana pela influência poluente que, em sua subjugação por esse povo, exercia sobre sua conduta. De forma muito enfática, poderia ter sido dito: "O assento de Satanás estava lá", e que ali ele morava como em sua morada amada. No entanto, entre essas abominações foi plantada uma igreja cristã. Não era de admirar que, em tal lugar, a perseguição devesse ser acesa e se enfurecesse contra aqueles cujas doutrinas e práticas eram uma repreensão constante e severa sobre a religião e as obras de toda a cidade.
Na perseguição, Antipas, talvez um pastor fiel, foi coroado com martírio, e provavelmente outros com ele. O grande volume da igreja continuou firme em meio à oposição circundante, e pura em meio ao vício circundante. É preciso um pouco de imaginação para conceber a sinceridade que deve ter sido apreciada e exibida por aqueles que permaneceram fiéis.
No entanto, mesmo aqui havia alguns que eram exceções ao resto; alguns que sustentavam as doutrinas de Balaão, que instruiu Balaque a seduzir os israelitas pelos ritos lascivos da idolatria moabita. Por isso devemos entender que alguns membros daquela igreja, ao professar as doutrinas do evangelho, deram consentimento tácito, de alguma forma ou de outra, à flagrante idolatria de sua cidade; e, além disso, havia também alguns antinomianos Nicolaítas. Por isso, a igreja foi chamada ao arrependimento, que eles deveriam exercer e manifestar, dando testemunho contra tais pecados, e separando os transgressores de sua comunhão.
As lições a serem aprendidas com a história desta igreja são duas; o perigo de professantes de religião imitando as maneiras da época e país em que vivem; e a pecaminosidade à vista de Deus de manter as pessoas ímpias em comunhão. Em todas as épocas e em todos os países, a igreja foi exposta a provas peculiares de sua constância, consistência e fidelidade, pela prevalência de males circundantes, sempre variando com as circunstâncias dos tempos; mas sempre existindo de alguma forma ou de outra. Estes são a sua sabedoria conhecer, e seu dever evitar. Neles jaz seu principal perigo, e evitar-lhes a sua principal dificuldade.
É muito mais fácil conciliar-nos com os pecados comuns e prevalecentes do que com os raros fiéis; seguir a multidão para fazer o mal, do que perseguir um caminho solitário ou quase deserto do pecado. O costume atenua o medo, e na estima de alguns, quase aniquila a criminalidade da transgressão. "Isso não pode ser errado, que tantas e tão respeitáveis pessoas fazem sem escrúpulos"; é a lógica falsa e fatal, mas comum, pela qual Satanás ilude não só o mundo, mas também a igreja. Por isso, é dever dos professantes estudar bem as circunstâncias, hábitos, costumes e tendências dos tempos em que vivem, a fim de determinar quais foram os males que obtiveram crédito sob o véu do costume e da moda. As leis de Deus não mudam com os tempos, nem ele diminui suas exigências para satisfazer a moral relaxada e degenerada de uma geração morna. Não devemos ser levados por ímpias e práticas estranhas, mais do que por ímpias e estranhas doutrinas; a moral do cristianismo é tão fixa e inalterável quanto suas verdades. Resistir à tirania do costume e às seduções da moda; para vadear-se contra o fluxo do exemplo predominante; para ser singular, quando essa singularidade é um protesto enfático e uma repreensão severa que com certeza irá irritar os muitos que se sentem condenados por ela; para tirar a censura do "puritanismo ostentoso" e a imputação de "fingida santidade"; não é tarefa fácil! No entanto, é exigido de todos nós, mas só pode ser alcançado por uma seriedade mental que equivale ao heroísmo moral.
Vícios condenados por todos, as impropriedades que são vergonhosas e envolvem a perda de reputação, são facilmente evitados; e as virtudes que são de reputação universal, tão facilmente praticadas. Mas, os pecados que não são assombrosos; mas, que pelo contrário, transformaram seus nomes em virtudes, são cometidos sob a alegação da necessidade; e as virtudes que adquiriram o caráter de um ascetismo moroso e orgulhoso, são evitadas com aversão e nojo. Professantes cristãos! O progresso descendente da igreja de Cristo começou em nossa época; o processo de deterioração está em operação. Acorde! Abra seus olhos; e olhe ao seu redor!
Mas, esta não é a única lição ensinada pela advertência à igreja de Pérgamo; aprendemos também dela, como é altamente desagradável aos olhos de Cristo, quando os homens perversos podem permanecer na comunhão da igreja. Toda igreja tem a intenção de ser uma luz do mundo, não apenas por seu credo, mas por sua conduta. Santidade é luz, assim como verdade. De Deus é dito ser a luz, e por isso se pretende dizer que ele é santo. Credos, confissões e artigos de fé, exceto quando exercem uma influência prática na produção dos frutos da justiça, fazem pouco bem. Eles podem ser como a chama que é para iluminar um mundo escuro; mas a má conduta daqueles por quem são professados nubla assim o vidro da lâmpada com fumaça e impureza, que nenhuma luz sai, e a lâmpada em si é não vista e ofensiva . Receber ou reter homens profanos como membros de nossas igrejas é uma terrível corrupção da igreja de Cristo, que foi sempre destinada a ser uma "congregação de homens fiéis", uma comunhão de santos.
Quão severamente o apóstolo repreendeu a igreja de Corinto por reter seu membro incestuoso, e quão peremptoriamente ele ordenou sua exclusão. Conservar os pecadores notórios na comunhão da igreja é a mais terrível conivência com o pecado que pode ser praticada em nosso mundo, pois está empregando a autoridade desse corpo para defender o transgressor e pedir desculpas por sua ofensa. Há uma forte repugnância em algumas pessoas a proceder, quase em todos os casos, ao ato de excluir um membro indigno, assim como há casos de doença, em se deve dar um membro mortificado à amputação; mas deve ser feito; para segurança, bem como para o conforto que o corpo requer. No caso de quedas súbitas e pecados únicos, onde há um sentido profundo e uma confissão ingénua de pecado, muita clemência deve ser observada. Mas, onde o pecado é público e agravado, e a consciência endurecida, mostrar misericórdia em tal caso é alta traição contra Cristo, por reter inimigos e rebeldes em seu reino, que estão virtualmente buscando sua derrubada.
A igreja é um grupo de testemunhas da necessidade e excelência da santidade e tudo o que pode enfraquecer ou corromper esse testemunho é infinitamente inverso à causa da moral cristã e, está, portanto, grosseiramente insultando Àquele que morreu "para purificar para si um povo peculiar , zeloso de boas obras". Sempre que a igreja deixa de prestar testemunho de santidade, abandona sua comissão e não é mais uma testemunha de Cristo. Se se inclina para um ou outro lado, deve ser para o lado da severidade da disciplina, do que para o da licensiodiade; pois é muito melhor que um membro ofensor tenha esse acréscimo ao fardo de sua punição, do que o caráter da igreja, como testemunha da santidade, seja prejudicado.
Que caricatura horrível, que monstruosa perversão, que profanação da própria ideia de uma igreja cristã, foi dada ao mundo pela assim chamada igreja de Roma; aquele reduto de sensualidade bestial, aquele matadouro de horrível assassinato, aquele empório de crime notório e o comércio de iniquidade, que o Vaticano apresentou em algumas épocas passadas aos olhos do mundo espantado e repugnado! E até agora, que esfera de astúcia jesuítica e imoralidade odiosa, são a maioria dos países que estão sujeitos ao Pontífice Romano, e dentro da composição da igreja romana. Quão resumida e verdadeiramente é o todo descrito por aquela frase abrangente e expressiva "O mistério da iniquidade". A verdadeira igreja deve estar, e está, em oposição direta a isto; ela carrega em cima de sua fronte elevada, esta inscrição, "Santidade ao Senhor"; e se destaca, adornada com as belezas da santidade, uma testemunha viva para ele, Aquele que na canção dos serafins é louvado como o "Santo, Santo, Santo, o Senhor Deus Todo Poderoso".








TIATIRA
“18 Ao anjo da igreja em Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem os olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes a latão reluzente:
19 Conheço as tuas obras, e o teu amor, e a tua fé, e o teu serviço, e a tua perseverança, e sei que as tuas últimas obras são mais numerosas que as primeiras.
20 Mas tenho contra ti que toleras a mulher Jezabel, que se diz profetisa; ela ensina e seduz os meus servos a se prostituírem e a comerem das coisas sacrificadas a ídolos;
21 e dei-lhe tempo para que se arrependesse; e ela não quer arrepender-se da sua prostituição.
22 Eis que a lanço num leito de dores, e numa grande tribulação os que cometem adultério com ela, se não se arrependerem das obras dela;
23 e ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que esquadrinha os rins e os corações; e darei a cada um de vós segundo as suas obras.
24 Digo-vos, porém, a vós os demais que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conhecem as chamadas profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei;” (Apocalipse 2: 18-24)
Tiatira era uma cidade da Macedônia, de alguma celebridade em seus dias, e ainda é um lugar considerável, sob os turcos. Na igreja deste lugar nosso Senhor viu muito para recomendar. Seu elogio é muito forte. Havia fé, caridade, paciência, serviço, obras e (o que era o contrário do estado da igreja em Éfeso, que havia deixado seu primeiro amor), as últimas obras da igreja em Tiatira foram mais do que as primeiras. De quantas igrejas isso pode ser dito! Quantos estão um tanto declinantes na piedade do que avançando; mas aqui estava o crescimento, o progresso. Aqui o último amor era mais forte do que o primeiro. No entanto, mesmo nesta igreja havia algo para condenar.
O que se quer dizer com a mulher Jezabel, se deve ser interpretada literalmente de alguma mulher de categoria e influência sob este nome, que exerceu uma influência perniciosa na corrupção da igreja por falsas doutrinas e práticas decorrentes dela, ou se deve ser entendido misticamente como importando uma facção corrupta, que, embora unida ao povo de Deus como Jezabel, casando com um príncipe israelita, contudo estava ligada à idolatria, e trabalhou para seduzir outros a ela, não é fácil de determinar; nem é importante para o nosso propósito presente que isto deve ser assim determinado. Provavelmente a alusão é a alguns falsos mestres que foram assíduos em corromper as mentes da igreja. Contra esses homens perversos Deus denunciou as ameaças mais terríveis, caso não se arrependessem.
A lição para que as igrejas aprendam com esta carta é que é nosso dever colocar nosso rosto contra os professantes da falsa doutrina, especialmente essa doutrina que relaxa os laços da obrigação moral e se opõe à pureza da lei de Deus.
Quando nosso Senhor orou em favor do seu povo para que fossem santificados pela verdade; e quando o apóstolo descreveu as doutrinas do evangelho como "a verdade de acordo com a piedade", esse grande sentimento nos foi ensinado; esse erro é essencialmente poluente; pois se a verdade santifica, o erro deve corromper; a menos que duas causas tão diametralmente opostas entre si, como verdade e falsidade, possam produzir os mesmos efeitos. O germe da santidade está escondido em toda a verdade; e o do pecado em cada erro; e por isso muito se exorta a igreja para guardar a verdade. É uma noção com muitos que não há pecado em erro. O adágio do Papa foi adotado por multidões nesses dias de pensamento livre,
"Para os modos da fé deixe que os zelotes sem a graça lutem,
Não pode estar errado, aquele cuja vida está em retidão."    
Isso é verdade na letra; mas falso no espírito, uma vez que não pode haver uma vida correta, no sentido bíblico da palavra "retidão", senão o que vem de um modo certo de fé, de modo que, se o primeiro for correto, assim deve ser o último. A intenção do poeta, no entanto, era aniquilar a importância dos sentimentos distintivos da religião e insinuando que todos eram igualmente valiosos ou igualmente sem valor, subverter o próprio trono da verdade e assim eliminar a autoridade e a obrigação da Bíblia. Este ditado é um dogma terrível de ceticismo, embebido e encharcado com infidelidade em seu núcleo. Esta descendência de infidelidade foi imposta à igreja e profanamente batizada pelo nome de caridade; dependem dela, ela não conhece nada de caridade senão o nome, e se o pai dela não tivesse renunciado à Bíblia, ele teria sabido que os erros de doutrina, em qualquer extensão que eles vão, mostram uma mente ainda não submetida a Cristo.
Se um homem pode renunciar a uma verdade de revelação, e ainda ser sem pecado, ele pode renunciar a dois; se dois, quatro; se quatro, oito; se oito, metade da Bíblia; se metade, o todo; e ainda ser inocente. O que, então, se tornam as ameaças que são denunciadas contra todos os incrédulos; e das numerosas passagens que fazem a nossa salvação depender da recepção da verdade como está em Jesus? João 3:18, 36; 2 Cor. 4: 3, 4; gal. 1: 8, 9; 1 João 5:10; 2 João 9,11 Pode ser difícil e totalmente impossível traçar a linha entre as doutrinas que são essenciais para a salvação, e as que não são, e fixar sobre a espécie e medida de erro que é incompatível com a verdadeira religião; e é melhor não fazermos a tentativa; mas deixamos aqueles que mantêm falsas doutrinas à justiça ou à misericórdia de Deus. Há, neste aspecto, a mesma dificuldade em termos práticos como no erro especulativo. Quem se comprometerá a declarar que medida de conduta pecaminosa é incompatível com a segurança pessoal quanto à eternidade?
Ainda assim, poderemos manter e considerar a importância da verdade e a pecaminosidade do erro, assim como da prática, e neste terreno devemos "lutar fervorosamente pela fé, uma vez entregue aos santos". Deve ser um objetivo, e nenhum insignificante, o de uma igreja fervorosa defender as grandes verdades fundamentais da salvação. Chegamos a uma era permissiva; uma filosofia espúria está rastejando sobre nós; uma hostilidade desmascarada para aquelas verdades que tínhamos pensado que estavam estabelecidas como a fé da igreja universal, está agora amplamente manifestada, e não devemos nos afastar da oposição a ela sob o covarde temor de ser classificado como os fanáticos de uma era passada. Nossa teologia é a nossa glória; não de fato sob a forma de uma simetria rígida, fria, semelhante a uma estátua de sistema dogmático; mas como o sangue de vida quente fluindo através de nossa religião prática.
Há aqueles que nos persuadiram a desistir e abandonar nossos credos; em vez disso, nosso objetivo deve ser dar-lhes vida, vigor, poder e beleza em ações sagradas, afeições espirituais e aspirações celestiais. O objetivo de muitos é filosofar nossa fé na especulação metafísica; o nosso deveria ser infundir fé na filosofia. Desista da nossa teologia! Então adeus à nossa piedade. Desista da nossa teologia! Então dissolva nossas igrejas, pois nossas igrejas são fundadas sobre a verdade. Desista da nossa teologia! Em seguida, consideremos nossas Bíblias como mitos; e o objetivo de alguns é claramente a destruição de todos estes juntos; nossa piedade, nossas igrejas, nossas Bíblias. O que nos deu nossos mártires, senão nossa teologia? Qual é a inscrição enfeitada nas bandeiras do nobre exército de mártires, e que formou a canção para a qual aqueles heróis marcharam para a batalha, vitória e morte, que, exceto a ordem do apóstolo, "Combater fervorosamente pela fé, uma vez entregue aos santos.”
Desista da nossa teologia! Então, o que temos nós, como filhos de Deus, gerados pela semente incorruptível da Palavra, e ensinados a alimentar-nos do leite puro da Palavra, para sobrevivermos? Desista da nossa teologia! Então, com que armadura e com que armas levaremos a guerra missionária contra os poderes das trevas nos campos do paganismo? Desista da nossa teologia! E o que devemos receber em troca? O que nos é oferecido para o fundamento de nossas igrejas, foi o tema de nossos ministros, a vida de nossas almas, os meios de toda a religião que possuímos? O que a filosofia do mundo já fez, o que ela pode fazer, ou está preparada para fazer, para o nosso mundo perdido e raça em ruínas; senão fazer gemer, sangrar, e matar a humanidade? Não, abandonando nossa teologia, desistimos da mais gloriosa revelação de Deus e da última esperança do homem!
Portanto, uma igreja fervorosa apresenta suas mais nobres e mais determinadas energias, mantendo firme a forma de palavras sãs. Que não haja, por parte da nossa literatura teológica, ninguém com gênio não santificado sob a forma de poesia infiel e filosofia cética; nenhum elogio sobre os escritores e suas produções abertamente hostis ao cristianismo; a menos que acompanhado de protestos firmes, calmos, mas indignados contra sua inimizade à verdade revelada. Que não haja tentativas de travar um elogio de homens que odeiam nossa religião, pela franqueza com que sua descrença é tratada. Casos dolorosos deste tipo ocorreram ultimamente, em que os periódicos declaradamente devotados, não só ao cristianismo, mas às doutrinas evangélicas, têm falado de escritores infiéis e suas obras em um estilo de elogio, para não dizer lisonja, e entristeceu os amigos da verdade. Não desejo que o justo tributo ao gênio seja retido, muito menos eu peço que infiéis virulentos sejam atacados com uma virulência igual à deles. Nossa religião nos ensina a ser corteses, mansos e tolerantes; mas ensina-nos ao mesmo tempo, "não suportar aqueles que praticam o mal", mas resistir-lhes ao extremo.
A infidelidade nunca é tão perigosa como quando associada à poesia e à filosofia; e seduz os jovens para o laço terrível, prodigando elogios sobre os autores do mal, sem avisos correspondentes contra o veneno, é trabalho estranho para um ensaísta cristão ou revisor. O que é senão fornecer ouro para cobrir a pílula, e mel para esconder o veneno? Nunca, nunca, houve uma era na história da religião, quando mais se tornaram as mentes mestras do lado da verdade evangélica, convocadas para invocar suas energias para o grande conflito que agora se passa entre a verdade e o erro, e para manifestar intensa seriedade em sustentar a autoridade Divina e a importância da verdade evangélica.







SARDES
“1 Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Isto diz aquele que tem os sete espíritos de Deus, e as estrelas: Conheço as tuas obras; tens nome de que vives, e estás morto.
2 Sê vigilante, e confirma o restante, que estava para morrer; porque não tenho achado as tuas obras perfeitas diante do meu Deus.
3 Lembra-te, portanto, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. Pois se não vigiares, virei como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei.
4 Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram as suas vestes e comigo andarão vestidas de branco, porquanto são dignas." (Apocalipse 3: 1-4)
Sardes tinha sido a capital do reino da Lídia, e a sede do governo de Creso, cuja riqueza ainda é comemorada por um provérbio; enquanto a história não registra maior ilustração da instabilidade da grandeza humana como o destino que marcou seu fim.
A descrição do estado desta igreja não é muito respeitável ao seu caráter religioso. Ela tinha "um nome para viver", pelo qual devemos entender que era mantida em fama pelas igrejas circunvizinhas como em uma condição florescente. Seus membros, talvez, eram consideráveis, suas circunstâncias respeitáveis, sua ortodoxia indubitável, e seu comportamento geral respeitável. Eles não eram nem imorais, nem heréticos; mas, enquanto isso, embora assim estimados, a igreja estava morta; não no sentido mais amplo do termo; mas, comparativamente, pois, na próxima cláusula, diz-se, havia alguns restos da vida, embora prontos a expirar.
As acusações apresentadas contra ela eram muito sérias, quanto à sua condição espiritual, embora talvez não quanto à sua condição moral. Cristo diz aos membros que Ele não havia encontrado suas obras perfeitas diante de Deus (o que implica que suas igrejas devem ir à perfeição). Ele representa a sua piedade como no estado mais baixo da declinação; o que era o mais pecaminoso, como em um tempo a igreja parece estar em um estado muito melhor, do qual seus presentes membros tinham degenerado. Muitos, se não a maioria deles, haviam manchado suas vestes, mancharam sua profissão e afetos pela conformidade mundana, embora talvez não pelo vício. Em suma, sua condição era tal que era uma ilustração da metáfora do Salvador do sal que tinha perdido seu sabor. É ruim para o mundo estar morto; mas para uma igreja ser assim, é muito pior! É ruim quando muitos indivíduos são assim; mas quando o grande volume de uma comunidade cristã é assim; é realmente deplorável! No entanto, isso não acontecia com todo o corpo, pois nosso Senhor diz: "Havia algumas pessoas em Sardes, que não haviam contaminado suas vestes", a quem não envolveria em censura indiscriminada. Por causa deles, por causa de sua reputação e seu conforto, ele os eximiu de sua carga geral contra o corpo.
As lições a serem aprendidas da epístola a esta igreja são duas. Primeiro, no meio da declinação geral é possível manter o poder da piedade vital, e na maioria dos casos há alguns que o fazem. Existem poucas igrejas nas quais, por mais prevalecente que seja a corrupção de toda a igreja, não há ninguém que seja exceção à regra geral; nenhum que seja "fiel entre os infiéis"; nenhum que chora em segredo pela declinação de seus irmãos, e que por seus exemplos e repreensões se esforçam para deter o progresso da decadência. Mesmo nos dias mais degenerados da apostasia de Israel, quando Elias não sabia onde procurar um segundo adorador do Deus vivo e verdadeiro, havia sete mil que não haviam dobrado o joelho a Baal. Que honra circunda esses membros, quão preciosos são aos olhos de Deus, que não se deixam levar pelo fluxo de corrupção, mas permanecem firmes nas doutrinas e piedade do evangelho! Sua conduta mostra o que pode ser feito para progredir contra a declinação prevalente.
É um belo espetáculo ver alguns professantes consistentes espiritualmente ocupados sustentando o mesmo testemunho em seu caminho, quando a maior parte da igreja está gradualmente afundando em conformidade mundana; levando alto o padrão da cruz, e se tornando um ponto de reunião para toda a piedade que permanece na igreja; trabalhando pela oração, pelo exemplo e pela persuasão, para salvar os muros de sua Sião de levar a inscrição de "Icabode"; e no meio da indignação, do desprezo ou do opróbrio de homens cujas consciências são feridas por seu testemunho, continuam em sua santa e irrepreensível carreira. Poucos bem-aventurados! O vosso Mestre conhece as vossas obras, as vossas provações e as vossas dificuldades, e os recompensará a todos. Não se desanimem pelas frustrações e pelas imputações dos professantes mundanos, que logo atribuirão a vossa conduta ao orgulho espiritual, à pretensa singularidade ou à hipocrisia santificadora.
Os homens que resistem às corrupções da igreja não podem esperar tratamento melhor do que aqueles que reformam os males do mundo. Não; muitas vezes um ressentimento mais amargo, uma exasperação mais irritada e uma malignidade mais envenenada, serão nutridos, por professantes de religião inconsistentes e hipócritas, por aqueles que repreendem sua conduta, do que por homens do mundo, só porque sentem um ferimento mais profundo infligido em sua consciência. Desejamos estar entre os poucos que se consideram dignos de ficarem na brecha quando uma brecha for feita na parede, e para manter fora o inimigo. A prevalência do mal não é desculpa para ser cometido. Deus pode, e irá, ajudar todos os que estão ansiosos para serem mantidos. Ele os inspirará, se o quiserem, com a coragem dos heróis e a constância dos mártires. Ele será um muro de fogo ao redor deles para a defesa, e guiá-los-á através de cada dificuldade como por um pilar de nuvem. No meio de olhos invejosos que os observam, línguas rancorosas que gostam de falar mal deles, e corações que desejam e esperam o seu tropeço; ele os preservará irrepreensíveis e os ajudará a manter o seu caminho. Que ninguém tema que não possa ser um reformador, ou mesmo um mártir. Deus pode revestir o mais tímido com coragem, e fazer o mais vacilante fluente em sua causa, quando ansioso para manter a pureza da igreja, e defender, em circunstâncias difíceis, a consistência da profissão cristã.
Mas, há outra lição mais impressionante que é ensinada por esta epístola, a de que as igrejas podem ter uma reputação de estar em uma condição florescente, e ainda estar todo o tempo em um estado de decadência progressiva.
Foi uma reveladora descrição que o profeta deu do reino de Israel, quando disse: "Os estrangeiros têm devorado a sua força; e ele não sabe, sim, cabelos grisalhos estão sobre a cabeça dele, mas ele não sabe disso!" A decadência é sempre gradual, e no caso do consumo corporal singularmente escondido do sujeito da mesma. Igualmente enganador é o consumo espiritual da alma; e quem está à beira da morte, em alguns casos não conhece o seu perigo. Como acontece com os indivíduos, assim também é com as igrejas; as aparências de saúde para um olho não observador, podem estar associadas ao insidioso progresso da dissolução.
Quantos indivíduos, e igrejas também, não só estão lisonjeando-se de que estão em uma condição florescente; mas estão impondo a mesma ilusão sobre os outros! O lugar de culto pode ser cómodo, elegante e livre de dívidas; o ministro popular, e aprovado pelo seu rebanho; a congregação grande, respeitável e influente; os comunicantes numerosos e harmoniosos; as finanças boas e até prósperas; as coletas para instituições públicas liberais e regulares; em suma, pode haver toda marca de prosperidade externa, até que a igreja se lisonjeie e seja lisonjeada por outros, na ideia de estar em um estado elevado de saúde espiritual. Tem "um nome para viver". Mas, examine seu estado interno; investigue sua condição como vista por Deus; inspecione a conduta privada de seus membros e inquira sobre as adesões dos que serão salvos; e que aspecto diferente das coisas é visto então! Quão baixo é o espírito de devoção evidenciado pela negligência dos encontros de oração social; pela omissão em muitos lares de oração familiar e pelo modo cruel, superficial e irregular em que se mantém nos outros; e pela desistência em numerosos casos de oração particular! Quão fraco é o apego à doutrina evangélica, e quão pouco prazer há por aquela verdade que é o pão da vida para aqueles que têm fome e sede de justiça!
Talento, talento, é a demanda; "Queremos eloquência, gênio, oratória", é o grito. Nada se fará sem isso, e quase qualquer coisa se fará com ele. Quão prevalente é o espírito do mundo em sua comunhão social! Jogos e festas, que diferem quase nada dos círculos da moda do mundano e do ímpio, são mantidos a muito custo, e com todo acompanhamento de frivolidade e leviandade. Quão estranho gosto devocional, afeições espirituais e ternura de consciência entra nas famílias e frequenta as festas de tal congregação, e que indigência encontraria da vitalidade da piedade.
Sob a aparência enganosa de uma grande e florescente assembleia, um pregador eloquente e um ar de respeitabilidade geral e satisfação no santuário, seria encontrado um coração morto; que mundanismo prevalecente nas casas dos professantes! Ai! Quantas igrejas modernas respondem à condição de Sardes! Aqui está o perigo exato para o qual, acima da maioria dos outros, nós desta época estamos expostos, especialmente as igrejas grandes e externamente florescentes na metrópole, e as principais cidades provinciais. Ó, todos nós, e especialmente aqueles que estão mais em perigo de entrar nesta condição enganosa, examinemos a nós mesmos diante de Deus. Vejamos abaixo da cobertura ilusória da prosperidade externa e examinemos se a doença e a decadência estão escondidas embaixo!
FILADÉLFIA
7 Ao anjo da igreja em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:
8 Conheço as tuas obras (eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta, que ninguém pode fechar), que tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome.
9 Eis que farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não o são, mas mentem, - eis que farei que venham, e adorem prostrados aos teus pés, e saibam que eu te amo.
10 Porquanto guardaste a palavra da minha perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que há de vir sobre o mundo inteiro, para pôr à prova os que habitam sobre a terra." (Apocalipse 3: 7-10)
Esta é uma das sete igrejas a que não se dirige nenhuma linguagem de censura. É provável que não fossem distinguidos pela opulência, mas pela piedade. Eles foram provados por perseguição severa; mas mantiveram a palavra de Cristo com paciência e, embora fossem fracos em relação a todos os que constituíam poder mundano, e não muito fortes em número, eles ainda mantinham a sua firmeza, e mantiveram seu domínio sobre a verdade com o sofrimento de um mártir. Pareceria que eles haviam sido muito provados pela semente de Abraão, que tendo rejeitado o verdadeiro Messias, já não eram dignos do nome dos judeus. Em meio a toda oposição e desencorajamento, foram exortados a perseverar, com a certeza de que seriam ajudados pela ajuda divina em sua profissão religiosa e que até seus perseguidores fossem obrigados a prestar-lhes honra.
A lição a ser recolhida a partir da história desta igreja é, que a piedade eminente e firmeza especialmente imóvel em face da oposição e perseguição, é o caminho para a honra.
Há muitas intimações espalhadas através da Palavra de Deus, que a igreja está destinada a alta distinção na terra, e para receber um tributo de respeito e honra das nações. As profecias estão cheias das descrições mais brilhantes deste tipo; e por que ela ainda não recebeu esta distinção prometida? Só porque ela não cumpriu a condição em que deve ser concedida, isto é, a piedade eminente e consistente. Quando ela é vista como o tabernáculo de Deus com os homens, e como tendo a glória de Deus; quando se levanta do pó, ela veste as suas belas vestimentas; então radiante com a luz do céu e adornada com todas as belezas da santidade, ela será como uma "coroa de glória na mão do Senhor, e um diadema real na mão de seu Deus". "A sua descendência será conhecida entre os gentios, e a sua descendência entre o povo, todos os que os virem reconhecerão que eles são a semente que o Senhor abençoou".
Até agora a igreja, longe de ganhar a honra e a estima tão frequentemente prefigurada na promessa divina, foi objeto de desprezo e escárnio; não que Deus tenha falhado em sua promessa;, mas que ela falhou nos termos em que somente ela poderia esperar ser estimada. A religião ainda não apareceu naquela majestade sublime, na glória celestial, na pureza imaculada e na beneficência efetiva, que só pode comandar a reverência da humanidade. Que ela seja vista apenas como um serafim dos céus, pura, benevolente e consistente, uma imagem de Deus, e então, embora ela possa ser muito santa para que o coração carnal ame, ela ainda irá comandar respeito e admiração. Os homens não se desviarão dela com aversão, como de um espírito de falsidade e malícia; eles não a insultarão e a desprezarão - mas consideram grosseiro tratá-la com rudeza e desprezo. É a forma fraca, distorcida e aleijada em que ela também apareceu em geral. Muitas vezes há um estranho contraste entre a "celestialidade" que uma igreja professa; e o "mundanismo" de sua conduta; entre a elevação de suas pretensões, e a baixeza de sua prática; entre a extensão de suas reivindicações e a insignificância de suas deserções; que trouxeram sobre ela o desprezo e o escárnio que tem sido até agora a sua porção a ser recebida.
Quem viu ou ouviu falar de um cristão, que uniu em seu caráter todas as virtudes benéficas, justas e gentis da profissão evangélica; cujo nome mesmo era uma garantia para tudo o que é puro, justo, honesto, verdadeiro, adorável e de bom relatório; que acrescentou à sua fé a virtude, ao conhecimento, a temperança, à paciência, a piedade, à bondade fraterna, o amor; quem viu tal pessoa, ou alguém que se aproxima desse padrão, não recebe o respeito, mesmo de seus inimigos? Deus vai obrigar os homens a fazer-lhe homenagem. Ele levará seus inimigos a seus pés, e os fará sentir como ele é honrado de Deus, e "quão solene é a bondade". Sim, os maiores perseguidores às vezes pagaram uma homenagem involuntária à piedade eminente e consistente, e em todas as épocas e em todos os países, a bondade exaltada inspirou confissões de respeito, mesmo quando não se conciliou o afeto. É a exposição desta eminente piedade que, quando apresentada ao mundo, suavizará o preconceito, desarmará a oposição, diminuirá a malignidade e tornará a humanidade mais completa e geralmente preparada para a recepção da verdade de Deus do que jamais foi.




LAODICEA
“Ao anjo da igreja em Laodiceia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:
15 Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente!
16 Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca.
17 Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um coitado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;
18 aconselho-te que de mim compres ouro refinado no fogo, para que te enriqueças; e vestes brancas, para que te vistas, e não seja manifesta a vergonha da tua nudez; e colírio, a fim de ungires os teus olhos, para que vejas." (Apocalipse 3: 14-18)
Desta cidade, frequente menção é feita no Novo Testamento, como a sede de uma igreja cristã de algum renome entre as comunidades dos crentes primitivos. É muito evidente a partir da epístola, que foi considerável pelo número e riqueza de seus membros. A piedade raramente prospera em meio a muita prosperidade mundana. As palavras de Nosso Senhor contêm uma verdade que a observação e a experiência unem para confirmar; "Quão difícil é para os que têm riquezas entrar no Reino do Céu. É mais fácil para um camelo passar pelo olho de uma agulha, do que para um rico entrar no reino de Deus". Exceções, sem dúvida, existem, mas são apenas exceções. Conheci professantes de religião sendo melhores na adversidade; mas quem conhece alguém que melhorou pela prosperidade? Se tal caso ocorrer, não será considerado um prodígio da graça? Ao contrário, quantos vimos, cuja piedade declinou à medida que sua riqueza aumentava; e mesmo onde a religião não desapareceu totalmente, em meio à opulência acumulada, ela manteve apenas a forma ou a sombra do que era antes.
Multidões, na eternidade, consideram seu dinheiro como tendo trazido sobre eles sua maldição; assim diz o apóstolo; "Os que serão ricos cairão em tentação e em laço, e em muitas concupiscências insensatas e nocivas, que afogam os homens em destruição e perdição". Sim, são as suas bolsas de ouro que arrastam para baixo a alma dos homens ricos no poço! O amor ao dinheiro é a causa de mais almas sendo perdidas do que qualquer outra em toda a cristandade. Por isso as igrejas ricas raramente são eminentes para a piedade vital. O estado espiritual da igreja em Laodiceia confirma essa observação. Eles eram tão pobres em religião; como eles eram ricos em riqueza mundana. Eles se gabaram de sua prosperidade, dizendo: "Eu sou rico!" Era questão de glória; eles jactaram-se e ficaram inchados, pois a riqueza gera orgulho e fomenta a vaidade, além de qualquer outra coisa. Há mais de "bolsas de orgulho" na existência do que de qualquer outro tipo de orgulho, porque nada dá um homem mais importância na sociedade em geral, do que riqueza.
E o que sempre foi o estado espiritual desta igreja? Não há uma sílaba proferida no sentido de elogiá-los; eles não tinham graça suficiente para agradar o Salvador.
A acusação específica que ele trouxe contra eles foi a mornidão, aquele estado intermediário entre o calor e o frio. Alguns professantes são ardentes quase a um entusiasmo do zelo; outros frios à extinção absoluta de todo o calor vital; ou toda religião, ou sem nenhuma religião. Mas, os laodicenses não eram nem um nem o outro; eles não tinham fogo, mas não eram gelo; eles não tinham piedade decidida, mas não deixariam a religião; eles não iriam se livrar da profissão e das formas de piedade, mas nada sabiam de seu poder. Esse estado de espírito era peculiarmente ofensivo a Cristo. Parar entre Deus e o mundo, verdade e erro, santidade e pecado, é pior, em alguns aspectos e em algumas pessoas; do que ser abertamente irreligioso. O "cristianismo corrompido" é mais ofensivo para Deus do que a infidelidade aberta. Nenhum homem pensa o pior da religião pelo que vê abertamente profano; mas isto é muito diferente com respeito aos professantes religiosos. Se aquele que leva o nome de Cristo não se apartar da iniquidade, a honra de Cristo é afetada por sua conduta. Portanto, Cristo parece dizer: "Seja uma coisa ou outra, tenha mais religião ou menos, atue mais consistentemente ou deixe a religião sozinha".
No entanto, a igreja, embora neste estado deplorável, não estava ciente de sua condição; mas pensou que tudo estava indo bem com ela; não sabia que era "infeliz, miserável, pobre, cega e nua". Isso é surpreendente e afetador, e nos dá, de forma alarmante, até que ponto o autoengano pode ser levado, especialmente no caso daqueles que, como os membros da igreja em Laodiceia, estão muito ocupados com o gozo da prosperidade mundana . Que um professante de religião tenha sua mente muito ocupada com os cuidados de negócios e seus afetos muito absorvidos com os objetos dos sentidos; e é surpreendente quão ignorante e equivocado ele pode permanecer quanto ao estado real de sua alma. Prosperidade é a estrada mais suave, mais fácil e mais insuspeita para o poço sem fundo!
A lição a ser aprendida com a condição desta igreja é óbvia demais para ser confundida ou duvidada, e muito impressionante para ser sentida ou desatendida. É isto; a mornidão em uma igreja cristã é um estado peculiarmente ofensivo a Cristo; um estado que pode existir sem ser devidamente conhecido ou seriamente suspeitado; e que é muito provável que seja produzido pela prosperidade mundana. Esta igreja corrupta permanece, e permanecerá até o fim dos tempos, um farol solene, advertindo todas as igrejas de Deus contra um estado tão ruinoso para si mesmos como é desagradável, sim repulsivo, para ele. É um registro que toda comunidade de cristãos deve ler frequentemente com o mais solene temor; e é um registro que cabe especialmente às igrejas de nossa era e de nosso país, pois nestes dias e neste país de liberdade, comércio, riqueza e facilidade, o perigo de se afundar nessa condição é muito iminente. Sardes e Laodiceia, pode-se temer, fornecem os tipos de muitas das igrejas destes tempos.
Posso conceber e talvez descrever um desses professantes de Laodiceia. De algum modo, ou por uma doença alarmante, a morte de um parente próximo, ou um sermão impressionante, sua mente tinha se interessado um pouco pelo assunto da religião; mas seu conhecimento de sua natureza nunca foi muito claro, nem sua convicção de pecado muito profunda, nem seu senso de necessidade de um Salvador sempre muito pungente. Mas, ainda assim seus pontos de vista eram suficientemente corretos, sustentados por um bom caráter moral, para obter acesso à comunhão da igreja e à mesa do Senhor. Tendo obtido o objeto de sua solicitude, ele logo perde a pequena preocupação real que uma vez possuía, e embora não abandone as formas de piedade, é evidentemente um estranho ao seu poder. Ele está talvez envolvido em um comércio próspero, cujos lucros se acumulam, e lhe permite comandar as demandas e os luxos da vida elegante ou, de qualquer modo, substanciais confortos. Ele está agora ocupado quase exclusivamente com negócios e prazer mundanos. Toda a espiritualidade se evaporou de sua mente; a religião deixou de ser para ele a fonte do gozo pessoal, a fonte da felicidade real, um objeto de interesse experimental com ele. A oração privada é abandonada, ou confinada a algumas expressões apressadas e sem coração expressadas em sua hora de deitar para dormir, ou, se levantando apressadamente pela manhã.
Quanto à comunhão com Deus, se alguma vez a conheceu, perdeu-a. Suas orações familiares são irregulares, formais ou totalmente esquecidas. Seus filhos são educados quase sem qualquer cuidado ou preocupação com a formação de seu caráter espiritual, pois ele se casou com uma mulher sem piedade decidida, e que é uma com ele em todos os seus hábitos mundanos. Há gosto, elegância, moda, diversão em sua casa; mas o estranho que o visita não vê nem ouve nada de verdadeira religião. Suas festas e entretenimentos são muito alegres. No domingo ele vai regularmente uma vez, talvez duas vezes, ao culto público; isto é, seu corpo está lá, pois seus pensamentos estão em seu negócio, em sua riqueza, ou em seu prazer. As orações não acendem a devoção, o sermão não lhe dá prazer piedoso.
Para a verdade religiosa comum, por mais rica e cheia que seja a exposição da doutrina fundamental do evangelho, ele é bastante insensível, apesar de uma extraordinária demonstração de eloquência de púlpito, por algum pregador dotado, ele concede atenção e o elogia. Ele é um admirador de talento, e é gratificado por suas exposições. Ele é encontrado também na mesa do Senhor; mas, embora Jesus Cristo esteja lá evidentemente posto em frente, crucificado diante dele, seu coração nunca se funde com penitência, nem brilha com amor, nem experimenta a paz de crer. Quanto às reuniões semanais de oração ou de pregação, elas foram inteiramente abandonadas; nem se interessa pelos assuntos da igreja, nem pela utilidade e conforto do pastor. Seu amor ao mundo, não subjugado pela fé, o faz em seus negócios, agudo, ansioso, de modo a obrigar os outros a se queixarem dele, suspeitar dele e reprová-lo. Em seu temperamento, ele é talvez apaixonado, implacável e litigioso. No entanto, tudo isso enquanto ele é um professante de religião, um membro de uma igreja cristã, e conhecido por ser tal. Ele não rejeita sua religião, ou melhor, sua profissão; mas ela só a retém para desonrá-la.
Agora, isso é a mornidão, e é uma representação que, em vários graus, serve a milhares e milhares de membros de todas as denominações nos dias atuais. Tais membros devem ser encontrados em todas as nossas igrejas, corrompendo seus vizinhos, afligindo o pastor, desacreditando a religião, enganando a si mesmos e ofendendo a Cristo. Não pode haver neles nenhuma mancha, grandes escândalos ou quedas graves, que recomendem a exclusão da igreja; mas raramente ocorrem, e não são, afinal de contas, a principal fonte de descrédito para a religião e de obstáculo à sua extensão. Mas é a mornidão, que o vício de preguiça, que deteriora a sua natureza, degrada a sua dignidade, torna-a uma coisa baixa e repugnante, e por sua prevalência extensa, não só destrói as almas daqueles que estão sujeitos a ela; mas espalha a odiosidade em toda a extensão.
E o que torna isto mais alarmante é que os mornos não estão suficientemente ou não têm consciência de sua própria condição miserável e destituída. Tendo-se ocupado disso ao considerar o estado da igreja em Sardes, que se parece muito com o de Laodiceia, não é necessário ampliar aqui.
Depois de ter comentado brevemente esses discursos instrutivos e impressionantes, voltaria mais uma vez, antes de prosseguir na tarefa que empreendi, com toda a seriedade que posso expressar, recomendar a leitura dos mesmos às igrejas de nossos dias. Em nenhuma parte de Escritura encontraremos uma declaração mais clara do que, no que diz respeito à condição espiritual de uma igreja, que Cristo requer de seu povo. Em nenhum outro lugar encontraremos um padrão mais correto para examinar nossa condição, ou uma regra mais inteligível para guiar nossa conduta. Se nas epístolas de Paulo, de Pedro, de Tiago e nas outras epístolas de João, encontramos uma visão mais ampla da doutrina e da moralidade cristã, encontramos aqui, mais do que em quase qualquer outra parte da Palavra de Deus, o que torna nossa atenção interior sobre o estado de vida espiritual na igreja. Aqui nos são reveladas aquelas doenças cardíacas, por assim dizer, que podem comprometer a saúde e comprometer a própria vida de uma igreja cristã, e realizar o trabalho de destruição quase que sem suspeita. Nenhuma parte da Palavra de Deus merece mais a atenção do pastorado deste dia, do que isso que estamos considerando agora. Nenhum ministro pode prestar um melhor serviço à sua igreja e à sua época do que por uma exposição capaz, fiel e prática desses importantes endereçamentos. Pela bênção de Deus sobre tal serviço, a igreja deve ser a melhor para isto, quando bem e diligentemente realizado.   
Também não deveria ser sentido como uma objeção a tal trabalho, que as outras partes deste misterioso livro de Apocalipse ainda não sejam claramente compreendidas, e que uma exposição desta parte dele só seria apenas fragmentária. Pode-se responder que essas cartas são cada uma completas em si, tanto quanto as epístolas de Paulo, e que cada uma fornece lições distintas, separadas e importantes. Contêm instruções de consequência importante, que podem ser compreendidas; embora os selos, as taças e as trombetas, agora cobertos com uma nuvem de hieróglifos que talvez nada mais do que o futuro revelará, deve permanecer ininteligível para o expositor mais sagaz. Explorar esta rica veia da verdade divina não requer grande habilidade na mineração espiritual. Não se pode adotar um método mais seguro ou melhor para obter uma igreja fervorosa do que uma disposição geral em ministros para tentar fixar a atenção de seus rebanhos nessas cartas para as sete congregações que estavam na Ásia Menor.




Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 222


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Decoro do Amor John Angell James
Artigos Misericórdia Cristã Explicada e Aplicada John Angell James
Artigos A Religião Prática Deve Ser Vista em Tudo John Angell James
Artigos A Preeminência do Amor John Angell James
Artigos A Fé em Relação à Santificação John Angell James
Artigos A Crise John Angell James
Artigos Felicidade John Angell James
Artigos A Necessidade da Influência do Espírito Santo John Angell James
Artigos Encorajamentos para o Progresso Cristão John Angell James
Artigos A Alegria do Amor John Angell James

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 37.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 182365 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 144617 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 144202 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 127991 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67078 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 63412 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 57725 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57120 Visitas
Entenda de uma vez por todas o Hino Nacional - Fabbio Cortez 56976 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53248 Visitas

Páginas: Próxima Última