Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
BATICO
Orlando Batista dos Santos

O mascate fez de tudo para não ser visto ao passar em frente ao escritório da fazenda com sua caminhonete abarrotada de tecidos e outros artigos domésticos para serem vendidos aos colonos. A entrada sorrateira devia-se ao fato de o mesmo não querer correr o risco de deixar um “agrado” no escritório da fazenda na hora de tirar a licença para fazer negócios. Julgando ter passado despercebido, foi fazer seu comércio, e de fato acabou auferindo bons lucros, com a venda de lençóis, fronhas, travesseiros e cobertores; com a venda de saias plissadas para as moças, vestidos rodados para as senhoras, calças rancheiras para os homens, e tecidos: de brim, de seda, de linho e de cambraia, e ainda pentes, espelhos, laquês, ruges e batons. De tudo o mascate vendeu na Colônia da Olaria.
Feliz por ter realizado boas vendas o mascate bateu em retirada, mas avistou, do alto do espigão, um trator atravessado na estrada e atinou que sua pessoa podia estar sendo objeto de uma armação. E estava; inconformado com a manobra do intrometido, o fiscal da fazenda providenciou o bloqueio da estrada, na esperança de ir à forra. Falaria ao mascate, poucas e boas, cobras e lagartos. Depois do “sabão” ainda cobraria uma multa, pesada multa, pela falta de licença para vender na fazenda.
Para escapar do cerco o mascate voltou em marcha-ré, pegou um desvio para sair em outra estrada, mas enroscou-se numa velha e pequena ponte, perto de onde Rosalvo e seus filhos capinavam. De lá os roceiros podiam ouvir: vuuuu...vu-vu-vu; vuuuuuuuuuu! Os lavradores não pensaram duas vezes para irem em socorro do pobre motorista.
- Buda qui bariu! - dizia o mascate arrancando os próprios cabelos.
- Arre égua, seu Turco! Desse jeito cê nunca vai saí daí - falou Rosalvo admirado, por ver a caminhonete do mascate entalada.
- Badrício dira gaminhon gom seu gente.
- Tira nada; carro muito assentado. Trator da fazenda puxa.
- Drador buxa non, drador buxa non! Drador machuga gaminhon... badrício dira gaminhon... bor favor!
- Tá bom, seu Turco; mais qui vai demorá, isso vai...
- Non bode demora. Brecisa fechar gaixa do loja. Non gonfia embregado.
- Intão vamo tê qui arriá a ponte. Acho mió si aquetá.

Desmontar a ponte era mesmo a melhor alternativa. Mesmo porque, era de construção antiga e improvisada, constituindo-se basicamente de dois troncos de aroeira, um em cada margem do pequeno riacho, duas vigotas transversais, e tábuas fechando o vão, tocando a superfície da água. Conquanto fosse um trabalho demorado, era a única forma de garantir a integridade da máquina em sua retirada.
E assim foi feito. Rosalvo e seus filhos começaram a arriar a ponte solapando os esteios e despregando as tábuas com pé-de-cabra. Aflito, de vez em quando o mascate solicitava pressa, porque tinha hora certa para fechar o caixa de sua loja na cidade.
- Assim num dá; num sei si trabaio, o si ti iscuto! - Falou o pobre roceiro um tanto contrariado.
- Non bode demora. Brecisa fechar gaixa do loja. Non gonfia embregado!
- Arreda, seu Turco; favô sentá nu sombrá; só vortá quando eu chamá!
Quando o mascate afastou-se, Zé carro perguntou ao pai:
- Pai: quanto u sinhô vai cobrá pelo siviço?
- Nada, mo fiu, nada. Dinhero num é tudo. Quem acode us disvalido fica di bem cum Deus.
Rosalvo estava mesmo imbuído em ser apenas solidário. Sabia muito bem o valor da ajuda mútua e aprendera desde cedo que em certos momentos Deus se faz presente através do socorro feito por pessoas desinteressadas. Quando um companheiro caía de cama, todos vizinhos se prontificavam em acudir-lhe, capinando sua roça, fazendo sua colheita...pelo menos era assim ali na fazenda, sendo “todos por um e Deus por todos”.
- I si u home oferecê um agrado? - insistiu o moleque.
- Aí é diferente. Vai da consciença dele.
Mal Rosalvo acabara de falar e o mascate chegou:
- Agora sai; dois buxa, dois emburra e gaminhon sai.
Dito e feito: duas pessoas puxando e duas empurrando, não foi preciso fazer muito esforço para a caminhonete sair do leito do córrego intacta. Os olhos do mascate faiscavam de contentamento. Dizendo “badrício amigo, badrício amigo”, retirou uma camisa xadrez que sobrara de suas mercadorias e apontou para Rosalvo:
- Gombra, badrício, gombra?
- Batiço num qué compa nada  respondeu surpreso o lavrador.
- Gombra, badrício...
- Vá simbora, seu Turco!
- Durco non; libanês do Armênia!
- Vá simbora, batiço, o eu boto essa pexte de vólita na água!
O mascate entrou na caminhonete, bateu a porta enfezado, botou a cabeça pela janela e repetiu:
- Libanês do Ar-mênia; do Ar-mê-ni-a! - E acelerou. O roceiro permaneceu ali quieto, parado, e, enquanto observava a poeira que ainda cobria a estrada, pensava: “batiço inda vólita, ah se vólita...”
Contemplando uns poucos rabiscos que fizera na areia, Zé Carro ainda perguntou:
- Pai: qui qui qué dizê “batico”?
Fitando o moleque, o lavrador a custo respondeu:
- Nada, mo fiu, nada...

( Este conto faz parte do livro "Heróis Caipiras", deste autor)




Biografia:
Estudioso do Folclore e da Cultura Popular de raízes caipiras. Autor do livro Heróis Caipiras. http://www.clubedeautores.com.br/book/119026--HEROIS_CAIPIRAS Presidente da Associação de Produtores da Agricultura Urbana de Campinas e Região. Blog: http://aproagriup.blogspot.com.br
Número de vezes que este texto foi lido: 28586


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Poema do Nascimento Orlando Batista dos Santos
Crônicas CAIPIRAS EM GUERRA Orlando Batista dos Santos
Contos SEO DONATO Orlando Batista dos Santos
Artigos OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR Orlando Batista dos Santos
Crônicas Trabalha, Negro, Canta e Dança Orlando Batista dos Santos
Artigos FOLCLORE - CHUPA-CABRA: O NASCER DE UM MITO Orlando Batista dos Santos
Crônicas OS MEDOS DA GENTE Orlando Batista dos Santos
Poesias ENGENHO NOVO Orlando Batista dos Santos
Poesias FELICIDADE É... Orlando Batista dos Santos
Contos SACI, OU O DEMO EM PESSOA? Orlando Batista dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 17.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 41554 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 38719 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 30816 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30529 Visitas
Amores! - 30128 Visitas
Desabafo - 29932 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29822 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29816 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29775 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29607 Visitas

Páginas: Próxima Última