Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Tirania e Rancor
Vinícius Régis dos Santos

Nas tempestades
Corro sem razão.
Onde estás?
Onde estão
Os guardas da cidade?

Não é de mim
Os teus medos
Mas, logo,
O livro do julgamento
Vem,
E onde
Estarão
Os guardas da Campanela?

Tropeço,
E esqueço
Quem era eu
Diante dos reis
E cleros,
E acabei morrendo
Para os povos da terra.

Rainha Branca:
"-Tragam-me o plebeu,
Pois dele é a corda
E os cordões do
Inferno."

E pelo meu pecado serei
Julgado,
E o juíz
Terá em mãos
Seu cutelo,
E eu serei o bárbaro
Animal,
Pronto para o abate.

Rainha Branca:
"-Tragam-me o homem que se
Diz são e livre
Das amarras da terra
Pois dele será a cova
Já feita
Pelos anjos e demônios."

"-Meu Deus, o que fiz
Para merecer tal pesar em meu peito?
Guarda, pois, a alma de minha
Amada, e trate de me arrancar a língua
Diante de minhas palavras porcas."

E chegando, pois os guardas
Diante do plebeu,
Lhe trouxera para a Rainha Branca,
E assim pois foi
Colocado, dentre um nó
De espinhos,
O último suspiro
Do rapaz,
Que agora morrerá
Pelos prazeres carnais,
Tal qual
Amar.

"Diante de seus juízes
E acusadores, foi feito assim
Ao plebeu,
Morto, e dilacerado,
Retiraram então suas entranhas,
E as deram para a Rainha Branca.

E em seu quarto,
A Rainha sussurrando
Disse:
"- Perdão minha filha,
Mas tinha que ser.
Ele era carne para os porcos
E tu era jóia dos reis,
Então tinha que ser."

E se escuta o gemer e berrar
Das almas,
E a filha jaz morta
Gritou:

"-VOCÊ ME ABANDONOU,
ME JOGOU PARA OS CÃES INFERNAIS!
NÃO FOI ELE
QUEM TINHA EM MÃOS
A MINHA VIDA,
PORÉM, TU
MÃE,
MULHER ADÚLTERA
SEGUROU A FACA EM MEU PEITO
E ME FEZ POBRE DE CORPO
E ALMA.

"-Mas era necessário!
Era necessário!
Era necessário!"

"-Então será necessário a tua morte,
E a tua morte trará vingança
Para mim,
E justiça para o plebeu."

E foram abertos os
Sete portões da
Dor, e estavam lá
Aquele que cria e
Aquele que destrói,
E corroeu assim
A suave pele da Rainha Branca,
E então foi dado à ela
Um colar de viceras
E posta em suas mãos
Correntes de fogo,
E diante toda a terra,
Foi assim envergonhada,
Pois ali estava a face do mal
E de toda a injustiça.

E lhe foi cortada a língua,
E lhe arrancaram os olhos,
E lhe ensurdeceram os ouvidos,
Pois assim diz o bardo:
"-Todo aquele que ama terá a justiça
E não escapará dela,
Porém aqueles que são maus
E impiedosos,
O mundo será mau
E impiedoso para estes."

E assim cessa a tempestade.
E assim cessa a tempestade.
Assim cessa a tempestade.

Número de vezes que este texto foi lido: 66


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Lírio Vinícius Régis dos Santos
Poesias Estátuas de Cobre Vinícius Régis dos Santos
Poesias Estrela Vinícius Régis dos Santos
Poesias Santa Trindade Vinícius Régis dos Santos
Poesias Fotografia Vinícius Régis dos Santos
Poesias Verbos Tirânicos Vinícius Régis dos Santos
Poesias Vela Vinícius Régis dos Santos
Poesias Tirania e Rancor Vinícius Régis dos Santos
Poesias Grafite Vinícius Régis dos Santos
Poesias A prostituta Vinícius Régis dos Santos

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 14.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 62858 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53970 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 42923 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 40112 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39988 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 37868 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 37057 Visitas
Amores! - 35091 Visitas
Desabafo - 34630 Visitas
Faça alguém feliz - 33029 Visitas

Páginas: Próxima Última