Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Último Carnaval
Rafael da Silva Claro


Numa cama de hospital, em 2009, eu balbuciei à enfermeira: “ano que vem, no centenário do Corinthians, vou sair pela Gaviões da Fiel, no Anhembi”. O hospital estava ficando vazio e silencioso. Era sexta-feira de Carnaval, a enfermeira, acostumada com aquele nível de delírio, achou que eu era mais um paciente com mania de grandeza, entupido de remédios. Deu um leve sorriso, fez que concordou com aquele absurdo e saiu do quarto.

No ano seguinte (2010), 100 anos do Clube do Povo, estávamos minha irmã, meu cunhado (de novo!) e eu, num ônibus velho, rumo ao Anhembi. O samba-enredo iria contar a história do centenário. A fantasia era um tanto ridícula, desfilar é ridículo, o Carnaval é ridículo, a Quarta-feira de Cinzas é ridícula. Durante essa festa, é permitido ser ridículo sem explicar o porquê. Pois bem, a fantasia, que parecia uma roupa de presidiário, era composta por um inexplicável chapéu e uma placa com a inscrição: “Abaixo a Ditadura”. Essa é a minha descrição; uma descrição mais detalhada, somente com algum carnavalesco.

As alas, repletas de turistas deslumbrados, estavam apinhadas (“pois assim se ganha mais dinheiro”). Fiquei mais tranquilo: entre alegorias e adereços, eu esconderia minha falta de samba no pé. A plateia e os implacáveis jurados não testemunhariam minha súbita falta de coordenação. Eu tinha certeza, aquele ano, se a Gaviões fosse rebaixada, a culpa seria minha; se fosse campeã também, era evidente, eu seria o responsável, pois nem a comissão de frente, nem a velha guarda, nem o mestre de bateria e nem o mestre-sala davam mais o sangue pela Escola do que eu. Quase que deixei o meu sangue, literalmente, tentando compensar a cintura travada, com esforço e dedicação.

Fui escondido entre a minha irmã e meu cunhado - eu estava em convalescença -, para garantir a travessia da Passarela do Samba sem prejudicar o desfile, que foi ensaiado (pelos outros) durante um ano. Diluído na multidão de passistas, eu pude disfarçar meu molejo de japonês, “sambando”, com as palmas das mãos, ora arriscando os dedos indicadores em riste. Havia vencido aquela avenida como um detento no Corredor da Morte, mas tudo saiu bem. Ainda suspeito que a Leci Brandão pesquisou minha árvore genealógica à procura de algum afrodescendente. Vivi um dia de estrangeiro em São Paulo.

Após a manifestação artística do imaginário popular e do folclore brasileiro, experienciando e vivenciando a alegria do baluarte que é o folião... Abandonando esses lugares-comuns de intelectual da USP teorizando o Carnaval, eu só queria sair dali e tomar umas cervejas geladas até começar a Quaresma. E foi isso que fizemos num barzinho da Zona Norte, relembrando o que acontecera há minutos.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 35033


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Qual é o limite do humor? Rafael da Silva Claro
Crônicas A Seita do Bezerro de Ouro * Rafael da Silva Claro
Ensaios Nasce uma dupla Rafael da Silva Claro
Ensaios Marias-coturnos Rafael da Silva Claro
Humor 1º de Abril II Rafael da Silva Claro
Crônicas Você tem fome de quê? * Rafael da Silva Claro
Ensaios SimCity Rafael da Silva Claro
Ensaios Versão Brasileira Rafael da Silva Claro
Ensaios Amor, I love you Rafael da Silva Claro
Ensaios Futebol feminista Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 108.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 35674 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 35227 Visitas
1 centavo - Roni Fernandes 35226 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 35218 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 35211 Visitas
Ano Novo com energias renovadas - Isnar Amaral 35209 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 35196 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 35187 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 35182 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 35155 Visitas

Páginas: Próxima Última