Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O famigerado gato da delegacia
LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS

O famigerado “gato” da delegacia
        A palavra gato, do latim cattu(m), que servia para indicar, originalmente, um "tipo de felino" de pequenas dimensões; como este felino tem o hábito de andar silenciosamente e furtivamente, a palavra gato adquiriu, por um processo metonímico de associação entre o modo de andar de um ladrão e de um gato, o sentido de "ladrão, gatuno". No entanto o que vai interessar aqui é a ideia de gato como ladrão associada ao fato de que o felino gosta de escalar postes e fios, levando ao surgimento de mais um novo sentido para essa palavra: “instrumento para roubar energia elétrica dos fios ou postes, e, por analogia, outras coisas com valor econômico”. Dentre elas: o famigerado gato de água da delegacia.
        A conta não batia. Um banheiro sem chuveiro, uma pia com uma torneira deca antivazamento e uma descarga inteligente que guardava em seu compartimento cinco litros de água. Dizia a delegada: 30 metros cúbicos é muito para um investigador e um escrivão gastarem em trinta dias. Chame os técnicos da Embasa, para analisar o medidor, deve estar com defeito. A equipe da embasa chega, faz todo tipo de análise, mas nada de irregular fora encontrado no medidor da 34° delegacia da cidade do Pará. Mais um mês se finda e mais uma conta de água chega à delegacia da cidade do Pará. Ao abrir a conta, a delegada assusta-se. O consumo do mês atual supera o mês anterior, com 35 metros cúbicos de água. Delegada, investigador e escrivão entreolham-se sem saber como gastaram 35 mil litros de água em 30 dias. Não é possível, dizia a delegada. Deve haver algo de errado nesse encanamento. De fato havia. Certo dia observando o lado esquerdo da delegacia, o agente investigador percebera um espaço de mais ou menos 40 centímetros que separava a delegacia e uma casa vizinha, no entanto durante o dia não havia ninguém nessa casa. Perguntado aos moradores quem morava ou o que funcionava naquela casa, alguns moradores que não quiseram se identificar, disseram que o proprietário só chega à noite, isto é, após o fechamento da delegacia. Não satisfeito, o investigador observara que na caixa da embasa onde fica o medidor, nada mais havia, além das pucumãs. Aquilo encucou o agente. O horário do expediente termina, no entanto ao invés de ir pra casa o investigador fica a observar em uma casa em frente o que se passa após seu expediente. De repente, quando a tranquilidade já pairava sobre a rua, chega um carro com carroceria, e estaciona em frente à referida casa. E em cima havia mais ou menos cinco trouxas de roupas sujas. Ao abrirem portas e janelas da casa suspeita, o investigador observou que havia em seu interior três máquinas de lavar roupas. O fluxo de roupas lançadas à máquina era intenso. Para o investigador ali estava chance de um flagrante delito tipificado. De imediato, solicita reforço da PM que ao ser acionada desloca ao local indicado. O investigador e os PMs adentram a casa. Uma das pessoas que se encontrava no interior da casa tenta evadir pelos fundos, e, sem êxito é contido por um dos PMs. Perguntado de onde é que vem a água que ele utiliza para lavar as roupas, um rapaz responde: de um poço, senhor. Verificando se havia algum poço ou cisterna, o investigador nada encontra. No entanto, verificando o espaço que separava a delegacia e a casa, o investigador observa o cano de água da delegacia, e nesse cano um entroncamento com outro cano que se direcionava para a casa onde funcionava a lavanderia. Enfim, estava ali solucionado o famigerado “gato” 34ª delegacia do Pará. Entretanto, os envolvidos não precisaram ser conduzidos no xadrez da viatura, afinal o delito acontecera ao lado onde eles iam ficar detidos.



Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 28518


Outros títulos do mesmo autor

Contos Um certo anjo torto LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos Lembranças da caserna LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos A abordagem LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos O níquel LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos A polícia e as mulheres LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos O famigerado gato da delegacia LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos Turíbulo LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos Cálice LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos Vida de recruta LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS
Contos Amareuria LUIZ CARLOS SOUZA SANTOS

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 11.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 47165 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 38819 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 31742 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 31237 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31157 Visitas
Amores! - 30813 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30603 Visitas
Desabafo - 30547 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29894 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 29885 Visitas

Páginas: Próxima Última