Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
"Tristesse" (Chopin Etude op.10 no.3)
johnmaker


Quando você vem,
da sua concepção do mundo,
Pronta para mudar nosso destino
com o humor de um fim de tarde,
As ondas do mar
parecem carregar as cinzas do meu interior,
Puro como a espuma e o sal que arde,
Suave e transparente como o rumor
que emana da minha breve respiração.

Perco-me na curva traçada ao acaso
na relva do teu campo,
Alinhada as praças floridas do firmamento,
Onde pulsa a comoção
que circula em minhas veias.
Carregando o sangue contido
e a aflição de ouvir debater-se o oceano,
Bebido como vinho seco
derramado pelo coração,
E assim, ouvindo o noturno de Chopin ao piano,
Tens a minha compaixão,
Refugiada nas ondas furiosas que sobem as colinas,
Galopando sobriamente a minha fronte,
algumas vezes,
Perdida em ravinas nos confins da terra,
onde aparecem as sombras da noite;
Bem distantes,
numa letargia ambígua do horizonte.

Tu és a primeira estrela que nasce
quando vou embora,
Resoluto, levo comigo o douro dos parques
onde passo ao entardecer,
Para reconhecer na lembrança
o tesouro perdido de sua alma,
Guardado na esperança de um resgate virtuoso.
Feito em meus pensamentos,
Repletos do céu que cai espirituoso
na certeza de seu abraço,
Calmo e envelhecido
como um lembrete emudecido,
Colocado na porta da minha geladeira,
Escrito pelas frutas verdes sobre a mesa,
E as maduras, já sem gosto, dentro da fruteira.

Você se parece com o vento
dispersando esses momentos,
Quando estou preso nas nuvens de tempestade
sopradas em meio aos trovões.
Com a voz inaudível na tormenta,
sigo ecoando sem poder lhe dizer o que sinto,
Nessa dor que trago dentro da alma,
predizendo o quanto devo sofrer.
Finalmente, você vem em minha direção,
Com sua alma imortal inerte,
Nas chamas desse pesadelo apertando meu peito;
E fecha a porta
da casa mais solitária da sua rua;
Ouvindo o gorjeio âmbar da lua,
quase amarela, na penumbra a se perder.
Vejo-te sozinha na janela,
E me pergunto, sobre teu véu silencioso,
Como a persistência silencia uma pedra
que não receia o fogo,
Mas teme amar um favo de mel...


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 35032


Outros títulos do mesmo autor

Poesias "Tristesse" (Chopin Etude op.10 no.3) johnmaker
Poesias O Asceta johnmaker
Poesias A Espada e a Alma de um Samurai johnmaker
Poesias Para o Arcanjo ... johnmaker
Poesias Acorda Amor johnmaker
Poesias Arrastando uma asa... johnmaker
Poesias Serifa das fontes johnmaker
Poesias Uivos do vento johnmaker
Poesias Sem Ilusão... johnmaker
Poesias Derretido feito manteiga johnmaker

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 29.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 35657 Visitas
1 centavo - Roni Fernandes 35226 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 35224 Visitas
Caçando demónios por aí - Caliel Alves dos Santos 35214 Visitas
Entrevista com Larissa Gomes – autora de Cidadolls - Caliel Alves dos Santos 35207 Visitas
Ano Novo com energias renovadas - Isnar Amaral 35203 Visitas
saudades de chorar - Rônaldy Lemos 35193 Visitas
NÃO FIQUE - Gabriel Groke 35184 Visitas
ENCONTRO DE ALMAS GENTIS - Eliana da Silva 35176 Visitas
Coisas - Rogério Freitas 35155 Visitas

Páginas: Próxima Última