Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Os animais de Polifemo
Henrique Daniel

Resumo:
A aventura de um homem dentro de si mesmo

Com as vistas turvas não só pela miopia mas por uma membrana que recobria meus olhos eu via tudo pixealizado, embaçado, como se as coisas estivessem muito próximas a ponto de tornar inexequível a ação de enxergar. Sentia-me como o gigante Polifemo com o olho perfurado pela estaca do valente guerreiro Ulisses. Sendo assim não conseguia coordenar meu rebanho de pensamentos, deixando-os soltos em folhas avulsas. Alguns fugiam de minha caverna e nunca mais voltavam; se perdiam na volta pra casa; eram raptados por pessoas que se aproveitavam de minha insensibilidade.
   Percebendo que estava sem nenhuma ovelha me senti traído pelos que diziam ser meus amigos mas que usurpavam meu rebanho até extingui-lo. Decidi então guardar-me para uma longa hibernação. Rolei a pedra que tampava minha toca e fui para o fundo úmido e esquálido. Ali estava só, nas trevas, porém sem o medo que me cingira outrora na tenra infância.
Com a perca da visão tive a chance de abrir as portas da percepção e então notar as coisas como nunca antes. Enquanto estava ali submergido no Aquífero Guarani de mim mesmo, pude conhecer seres que nunca haviam sido fitados antes. Alguns tinham a aparência assustadora, outros eram amigáveis e até entendiam meus devaneios.
   Me senti em casa como nunca havia sentido antes, até o dia em que um dos animais falando numa língua que só eu e ele conhecíamos disse-me que o mundo precisava conhecer a verdade sobre as espécies que se escondiam naquele recinto, essa era minha missão. Rolei a pedra que não era removida à algum tempo.
   Enquanto estava ensimesmado perdi a noção de tempo, aliás dentro do aquífero ele corria de modo diferente do que lá fora. Assim que o primeiro raio solar penetrou a caverna senti um cheiro acre, diferente do que fôra o orvalho dos campos de pastagem e algo me dizia que os que outrora me atacaram com sua rapinagem estavam mortos a tempos, sobrevivi a varias guerras, conhecia o cheiro de morte.
   Estava com a percepção aguçada e isso de algum modo me fez sentir que minha barba havia esbranquiçado, o vento a esvoaçava, eu a senti tocar os meus joelhos. Lembrei-me da adolescência, quando quis ver minha barba crescer a ponto de poder usa-la como laço para o rebanho, mas de que me adiantava tê-la e não vê-la? Irônico?
   Alguns segundos após abrir a toca ouvi o barulho de cascos que feriam o solo da caverna, como quando se liberta os animais para pastar. De súbito entendi que a existência dos seres agora não limitava-se tão somente ao meu interior, haviam saído para tomar os lares vazios, criar forma e vida, pois a minha havia se esgotado.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 448


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Os animais de Polifemo Henrique Daniel


Publicações de número 1 até 1 de um total de 1.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183193 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152124 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151568 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128640 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67652 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66385 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59781 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59698 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57847 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53801 Visitas

Páginas: Próxima Última