Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Cultura do Cancelamento
Rafael da Silva Claro


A cultura do Cancelamento é muito antiga. Parece, mas isso não é novidade, só é mais fácil disseminar e obter maior alcance. Se não é, aqui no Brasil, o caso mais famoso, é um dos mais: Wilson Simonal. O cantor Lobão criou, ou apenas usa, o termo “simonalizar”. Lobão sofreu uma tentativa de cancelamento ou, como ele disse simonalização. Mas, também como ele diz, ele é “insimonalizável”. Cancelamento é sinônimo do neologismo “simonalização.

Wilson Simonal foi cancelado, quando esse conceito nem sequer existia. A história dele foi muito bem contada em excelentes livro e documentário. Dono de um talento sem fronteiras, Simonal foi relegado à condição de pária entre os artistas ou apenas não-pessoa. Um artista badalado foi transformado numa alma penada.

Resumindo sua história, ele deu uma “prensa” num contador que o teria “passado pra trás”. Para isso, contou com os “serviços” de policiais amigos e nada cordiais. Esse foi o estopim para Simonal ser tachado de informante (colaborador) da polícia. Tudo isso em pleno governo militar. Conclusão, ele foi proscrito no auge da popularidade, e um talento raro foi apagado para sempre.

Esse caso, que prova que a “cultura do cancelamento” não é uma novidade digital, embora traga muitas semelhanças (no método) com o que ocorre hoje. Para quem achava que a polarização política já tinha ido longe demais, com vírus de esquerda e remédio de direita, esse é mais um instrumento.

Retratado no livro 1984 (George Orwell), o “cancelamento” era um método de Estado. Consistia em apagar qualquer vestígio da existência do indivíduo que interessasse às autoridades. Hoje, a cultura do cancelamento -que não é apenas uma modinha inofensiva da internet- isola determinada pessoa, mantendo-a afastada de contratos publicitários, lugares e pessoas. Eis, novamente, alguém transformado em pária ou não-pessoa.

Essa nova (antiga) cultura é a atualização da lista negra e do enforcamento. A agonia em praça pública é o destino de quem ousou avançar os limites impostos pela ditadura vigilante e alcagueta do politicamente correto. Se fizer ou falar algo que desagrade patotas organizadas, antes você era cancelado na vida, agora você pode ser bloqueado nas redes sociais.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 28


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Especialista de Sofá Rafael da Silva Claro
Artigos Rodízio I Rafael da Silva Claro
Artigos Rodízio II Rafael da Silva Claro
Crônicas Pesca Mortal Rafael da Silva Claro
Artigos Brasil, mostra a sua cara! Rafael da Silva Claro
Crônicas A Gata de Brotas Rafael da Silva Claro
Crônicas Futebol 0 X Covid-19 Rafael da Silva Claro
Crônicas Sopa de morcego Rafael da Silva Claro
Artigos Moro em casa Rafael da Silva Claro
Crônicas HAMLET * Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 40.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
MENINA - 33977 Visitas
sei quem sou? - 33966 Visitas
A menina e o desenho - 33836 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 33829 Visitas
Aspectos da Usucapião - Agatha Sthefanini Silva Ferreira 33399 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 33377 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 33285 Visitas
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 32873 Visitas
FIO DA ESPADA - Tércio Sthal 32623 Visitas
O Senhor dos Sonhos - Sérgio Vale 32373 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última