Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
CORDEL DA LUA DE SANGUE E DO SOL ENCARNADO
Ricardo Cunha Costa

CORDEL DA LUA DE SANGUE
E DO SOL ENCARNADO

Primeira Parte:
AO POENTE

Desde o tempo dos antigos
Estes dois arqui-inimigos
Veem-se às vezes face a face.
Tinham os olhos sangrando
Ao longo de longo impasse,
Soltando, sem que findasse,
Faíscas de quando em quando...

Era o sol em agonia.
Era a lua em pleno dia.
Era ele o sol encarnado.
Era ela a lua de sangue!...
Eram os dois lado a lado:
Ele, rubro e envergonhado;
Ela, 'inda pálida e exangue.

O sol, ferido ao declínio,
Um firmamento sanguíneo
Deixa após si n'Ocidente.
Já a lua, vespertina,
Surgia em quarto crescente,
A luzir quase ao poente
Face ao sol e sua sina.

Como acontece há milênios
Pelos celestes proscênios,
Sucedia a lua ao sol.
D'esta feita, todavia,
Depois do rubro arrebol
Passando à cheia (um farol!)
Diversa se prometia...

Segundo efemeridades,
Estas astrais potestades
Transitam bem regulares
Quando vistas cá da Terra:
Têm das luzes estelares
Certas datas e lugares,
Que cada eclipse encerra.

N'aquela noite, portanto,
Para universal espanto
Mais um eclipse lunar
Estava escrito no quadro:
Havia-de se ocultar
A lua, até s'escutar
Mais alto de cães o ladro.

Com efeito, a lua cheia
Às imensidões clareia
Enluarando a cordilheira!
Pois, finda a fase crescente,
A lua se mostra inteira
E domina, companheira,
A noite resplandecente.

Pouco a pouco, todavia,
A sombra da Terra havia-
De lhe ocultar toda a face.
E o luar obscurecido
Avermelha-se fugace,
Tornando-se ao desenlace
Rubra qual sangue vertido!...

        *    *    *
Segunda Parte:
PROSÉLITOS     

Contudo, por toda parte
E com toda a espécie d'arte
S'elevaram muitas vozes
De líderes religiosos,
Que com libelos ferozes
Arvoraram-se os algozes
Dos erros pecaminosos.

Como se o braço de Deus,
Espevitavam os seus
Com ardor contra os demais,
Porquanto o mal manifesto...
Corrompida a Humanidade,
Eram eles, na verdade,
Dos homens santos um resto.

Arrastavam multidões
Com extensas pregações
A relembrar profecias
D'esses eventos finais.
Afirmando em bizarrias
Ser aquele o fim dos dias
Face aos bíblicos sinais.

Havia, de facto, a imagem
— Livro de Joel, passagem
Dos oráculos do Senhor —
Contando antiga visão:
— “Eis que um sol já sem ardor
Cede no céu seu fulgor
À mais plena escuridão

No lugar, tão-só a lua
Sem estrelas continua
A reluzir, contudo,
Plena e sanguínea no céu.
Indicando o fim de tudo,
Onde crentes sobretudo
Veem a desdita do infiel!...”

Creem que Joel descreveu,
Que a lua em seu apogeu
Será sanguínea também
E aos céus não mais deixaria!
Somente um resto, porém,
Reunido em Jerusalém
Com fé sobreviveria.

Os mais, perdidos nas trevas,
Co'as suas paixões malevas
Vendo os crentes verdadeiros
Livres de tão triste sorte.
Onde desastres inteiros
E, ao fim, quatro cavaleiros:
Peste, guerra, fome e morte.

Após a última trombeta,
A cristandade completa
Veria o instante esperado.
Só então, o crente fiel
Com Jesus ressuscitado
É também arrebatado
A ir ter com Deus no céu.

Aos que ficam — diziam eles —
Resta a mesma a vida reles:
O mundo em sua injustiça
Permanece sem final.
Pois, onde o pecado viça
Na luxúria e na preguiça
Continua tudo igual!

A leituras desonestas
E tão obtusas quanto estas
É difícil contrapor,
Enfim, o que quer que seja.
Se, para meu estupor,
Confundir mediante o horror
No fundo é o que deseja.

— "Tendo fé como argumento,
A verdade é treinamento!" —
Eis como por circunstância
Um intolerante ensina
A sua própria intolerância
Àqueles que com grande ânsia
Lhe observam a disciplina...

Qualquer frase repetida
— Quer banal ou esclarecida —
Dogma virava em seus lábios!...
Clamando em nome de Deus
Contra islamitas arábios,
Cientistas, artistas, sábios
E seculares ateus.

Tenho claro que tais falas
Ecoando por amplas salas
Tocam muitos corações.
Mas são mais sobre política
Do que sobre religiões:
A estes extensos sermões
Sempre falta autocrítica!

Mas tais mensagens pastoras,
— Autolegitimadoras!... —
Têm em comum entre si
O senso de que a Verdade
É a mesma aqui e ali,
A reluzir igual rubi
Para toda a Humanidade.

Em discussões cheias de nada
Tão-somente confirmada
A doutrina em seus enigmas
Deve ser por seus doutores...
Se, entre dogmas e querigmas,
De Jesus vendo os estigmas
Vêm celebrar-lhe louvores.

Assim, condenam o mundo
E o descrevem moribundo
À espera de seu final.
Em tudo vendo prodígios,
Já creem do bem contra o mal
A lua em sangue um sinal
Após guerras e litígios.

        *    *    *
Terceira Parte:
EM NARRATIVA

De que servem os artistas
Os poetas, os romancistas
E os contadores de histórias,
Senão pôr vilões e heróis?
Com inventadas memórias
Exaltando as suas glórias
Entre rubros arrebóis!...

Historiar é encontrar
Onde os actos têm lugar
E onde o herói se movimenta
Em plena metamorfose:
Muito sofre, pena, tenta,
Perde, ganha, luta e enfrenta
Até a sua apoteose!...

Há-que pôr em narrativa
Quanto bem ou mal se viva:
Por: O que, como, quando e onde...
Em tempo e espaço cobertos,
Vastas questões responde
Ao dispor o que s'esconde
Como se livros abertos.

Pois dizem que o bom enredo
Surpreende, quer triste ou ledo,
Até o próprio escritor!...
Que uma história bem contada
É a que do início ao fim
Lê-se a varar madrugada,
Mantendo a mente encantada
Como fosse mesmo assim.

E que cada personagem
Nos traz alguma mensagem
Do que seja estar e ser.
E de tanta humanidade
Se lhe possa perceber,
Em cada lance a vencer
Por fim, a sua verdade.

Mas compete ao narrador
Tudo e todos contrapor
E a má-fé d'alguns mostrar:
Aprofunda em ideias e actos
Dos que ao ver tudo falhar
São capazes de afirmar
Errados serem os factos!

Se arautos do fim do mundo
Põem sementes no fecundo
Chão da esperança humana,
Venha a poesia e conteste
Quem à fé alheia engana
E às profecias profana,
Torcendo as luzes do Agreste.

Lua e sol ponho em cordel
Para um eclipse no céu,
Além de nos encantar,
Iluminar nossas vidas.
E ‘inda desmistificar
Lendas que tomam lugar
De verdades bem sabidas.

Quem quiser manipular
A fé do povo em lugar
De se procurar respostas,
Tenha ao menos a visão
De que verdades impostas
Por religiões, são apostas;
Apenas outra opinião.

Se Deus mesmo ninguém viu
E da morte não se ouviu
Qualquer palavra de volta,
Tudo é especulação!...
Sem mais, fica só revolta
Ou lamento que nos solta
Por angústia o coração.

Quer d'aqui ou de nenhures
Aonde algures e alhures
Nos leva a imaginação,
A história nos transporte
Pelas voltas da ficção
Com razão mais emoção
Para além de vida e morte.

        *    *    *
Quarta Parte:
O SOL ENCARNADO

Cor de carne em chaga viva,
O sol a morrer reaviva
A beleza aos olhos meus.
Eu, embora embevecido,
Reflito que existe Deus
Diante de prodígios Seus
Como o sol entardecido.

Sim, se há Deus é na beleza
Do esplendor da Natureza
E em nossos olhos a vê-la.
O mais, é vontade humana
De ver na encarnada estrela
Mais do que uma coisa bela
Outro deus no qual s’engana...

Ou pior, cego à maravilha
D’ela faz outra partilha
Que confirma as Escrituras...
E, arvorando-se profeta,
Com tenebrosas figuras
Exorta às demais criaturas
A vida que acha correta.

Entrementes, ele mesmo
Vocifera culpas a esmo
Sem mover seu próprio jugo!
Fala em nome do Senhor,
Mas não passa de refugo:
Se d’outros juiz e verdugo
De si grande absolvedor...

Se há Deus é porque no céu
O sol despede-se fiel
A cada dia que passa.
E vê-lo partir traz paz,
Maravilhamento e graça
Mesmo qu'ele nada faça
Além de pôr-se lilás.

E depois, lento desdouro
Como se perdesse o tesouro
Que espalhou no firmamento.
Mas, enquanto empalidece,
Um céu de melancolia:
Anoitecendo em poesia,
Outra hora azul oferece...

Mas se há Deus é simplesmente
Por estar aqui presente
O mundo inteiro comigo.
Não entendo santidade
Obcecada co'o perigo
De cair frente ao inimigo,
Que também Humanidade.

Os conflitos são História,
Onde até grande vitória
Logo passa por derrota:
Quem é um vencedor hoje
Nem será digno de nota
Se então por terra remota
Amanhã ou depois foge...

Se há Deus é que estou vivo
E, nem humilde nem altivo,
Eu me ponho em frente ao sol.
E, até o vir encarnado
S'espalhar pelo arrebol,
Paro para o pôr-do-sol,
Sem já futuro ou passado.

        *    *    *
Quinta Parte:
A LUA DE SANGUE

Havendo Deus ou não, eu
Vi quando o sol s’escondeu
E a lua cresceu no céu.
Quando plena, todavia,
Sangrou por sobre o papel
Até se tornar cordel
E resplender em poesia:

A lua à sombra da Terra
Sumia como se a guerra
Que tem co’o sol a cortasse
E, ao fim, a ocultasse inteira.
De facto, quem ora olhasse
Mais e mais obscura a face     
Veria d’esta maneira.

Mas quando escura de vez,
Ao invés de sumir, talvez
Quisesse o sol lhe sangrar
Tal como fora sangrado.
Assim, n’esta hora e lugar,
O sol soube à lua outrar
Com seu rubor encarnado.     

Plena noite, a lua plena
Deixa d’enluarar serena
Os céus da minha terra
Para sangrar d’encarnado
Feito o sol que se desterra
Ao se pôr de trás da serra
Depois do dia acabado.

Porém, além da beleza
— E, sobretudo, rareza —
Nada sobrenatural:
A lua volta da sombra
A pratear sempre igual...
Sem vir juízo final
O eclipse já não assombra.

Não que não houvesse guerra
Ou peste e fome na Terra,
Além de grandes tragédias,
— Quer naturais ou nem tanto... —
Mas nada acima das médias
A grafar enciclopédias
Com mais verbetes de espanto.

Não houve o que estava escrito;
Nenhum poder infinito
Perseguiu os cristãos justos.
Tampouco arrebatamentos
Ou outros eventos robustos
A deflagrar entre sustos
Finais acontecimentos.

O que houve foi outro dia
Com a sua travessia
Para o crente e para o ateu.
Nada novo se contou...
Nada novo s'escreveu...
Pois tudo isto aconteceu
E o mundo não se acabou.

Betim - 02 06 2018     


Biografia:
Escrevo. Gosto de escrever. Se sou escritor ou poeta, eu deixo para o leitor ponderar.
Número de vezes que este texto foi lido: 302


Outros títulos do mesmo autor

Sonetos DAMA-DA-NOITE Ricardo Cunha Costa
Sonetos A MARIPOSA Ricardo Cunha Costa
Sonetos ELA E ELE Ricardo Cunha Costa
Poesias À NOITE Ricardo Cunha Costa
Sonetos CONHECENÇA Ricardo Cunha Costa
Sonetos PSICOGNOSES... Ricardo Cunha Costa
Sonetos A RESPEITO Ricardo Cunha Costa
Sonetos O DESENGANADO Ricardo Cunha Costa
Sonetos A ENCHENTE Ricardo Cunha Costa
Poesias A ADÚLTERA Ricardo Cunha Costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 41.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
Faça alguém feliz - 35096 Visitas
AS CLÁUSULAS PÉTREAS: INALTERÁVEIS ou NÃO ? - francisco carlos de aguiar neto 35073 Visitas
viramundo vai a frança - 35000 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 34782 Visitas
FIO DA ESPADA - Tércio Sthal 34745 Visitas
Japão - Era Meiji - Agrário Conrado 34677 Visitas
camaro amarelo - 34582 Visitas
O mundo infantil - helena Maria Rabello Lyra 34552 Visitas
sei quem sou? - 34454 Visitas
Origens da Bandeira do Brasil - Marco Antonio Cruz Filho 34280 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última