Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Grande Ganho da Piedade – Parte 1
Thomas Watson


Por Thomas Watson (1620-1686)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Leitor Cristão,
"De fazer muitos livros, não há fim, e muito estudo cansa o corpo." (Eclesiastes 12:12). Os livros são os "filhos do cérebro". Na era da escrita, quando eles são trazidos ad nauseam, eu pretendia que minha caneta tivesse sido silenciada, mas a variedade e peso desse assunto, como também o desejo de alguns amigos, prevaleceram comigo para publicá-lo. O principal projeto desta excelente Escritura é encorajar a piedade sólida e confundir os ateus do mundo, que imaginam que não há ganho na piedade. Foi o discurso do rei Saul para seus servos: "O filho de Jessé dará a cada um de vocês campos e vinhas?" (1 Samuel 22: 7). Será que o mundo ou os desejos dos homens lhes dão tão nobres recompensas - como Deus concede a seus seguidores?! Certamente, é a santidade que leva a guirlanda!
Quanto a este tratado, ele vem para o exterior em um vestido liso: a verdade como um diamante - brilha mais brilhante em seu brilho nativo! Paulo não veio aos Coríntios com excelência de discurso, ou o orgulho do oratório - seu estudo não era para cortejar - mas para converter. É uma infelicidade que, nesses tempos luxuriantes, a religião deva, em sua maior parte, se dirigir à noção ou cerimônia; os espíritos da verdadeira religião são evaporados. Quando o conhecimento é transformado em alimento da alma e digerido na prática, então ele está salvando. Que Deus acompanhe essas poucas linhas imperfeitas com a operação e a bênção de seu Espírito Santo, e as faça edificantes - é a oração daquele que é
seu em todo serviço cristão,
Thomas Watson, Londres, 22 de novembro de 1681.

"16 Então aqueles que temiam ao Senhor falaram uns aos outros; e o Senhor atentou e ouviu, e um memorial foi escrito diante dele, para os que temiam ao Senhor, e para os que se lembravam do seu nome.
17 E eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos; naquele dia serão para mim joias; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve.
18 Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que o não serve." (Malaquias 3: 16-18).
A "Escritura da verdade" é o fundamento da fé. Esta parte da Escritura que agora se apresenta à nossa visão, tem suas eleições sagradas, e é toda gloriosa em seu conteúdo. Foi composta por Malaquias, cujo nome significa "mensageiro". Ele veio como um embaixador do Deus dos céus. Este profeta era tão famoso que Orígenes e outros presumiam que ele era um anjo. Ele viveu após a construção do segundo templo, e era contemporâneo de Ageu e Zacarias.
Este profeta abençoado ergueu a voz como uma trombeta e repreendeu a nação judaica por seus pecados. Ele foi a última trombeta que soou no Antigo Testamento. Nas palavras do texto estão estas partes:
Parte I. O Caráter do Piedoso
1. Em geral, eles eram tementes a Deus: "aqueles que temiam o Senhor".
2. Em particular -
a) Eles falavam frequentemente um para o outro.
b) Eles pensaram no Nome de Deus.
Parte II. O grande ganho de sua piedade
1. O Senhor pensou: "O Senhor atentou e ouviu".
2. O Senhor gravou - "um livro de lembrança foi escrito”.
3. O Senhor recompensou. Essa recompensa consistiu em três coisas:
a) Deus os possui: "Eles serão meus".
b) Deus os honra: "No dia em que eu os fizer minhas joias".
c) Deus os poupa: "Eu vou poupá-los".
Antes de chegar às várias partes de forma distinta, anote a palavra conectiva que está no início do texto que pode não ser omitida, a saber, a palavra ENTÃO. "Então, aqueles que temiam o Senhor conversaram um com o outro ..." Então, isto é, depois do retorno de Israel do cativeiro babilônico; então, quando a maior parte das pessoas ficou corrompida e saiu do forno, pior do que entraram! Neste momento ruim do tempo, aqueles que temiam o Senhor falavam frequentemente um para o outro.
Portanto, observe que a profanação dos tempos não deve diminuir o nosso zelo, mas aumentá-lo. Quanto mais soltos são: mais rigorosos devemos ser. Naqueles tempos degenerados, quando os homens chegaram ao pico e altura da impudência, ousaram falar traição contra o céu, então aqueles que temiam o Senhor falavam frequentemente uns aos outros. Quando outros eram demandantes - estes eram réus; quando outros falaram contra Deus - estes falaram por Deus.
Nos dias de Noé, toda carne se corrompeu (o velho mundo se afogou no pecado, antes de se afogar na água). Agora, neste momento, Noé era perfeito em sua geração, e Noé andava com Deus (Gênesis 6: 9). Ele era a fênix de sua época. Atanásio levantou-se na defesa da verdade quando o mundo se tornou Ariano. Quanto mais os outros são escandalosos no pecado - mais corajosos devemos ser pela verdade! Quando os ateus disseram: "É inútil servir a Deus", então aqueles que temiam o Senhor falavam, muitas vezes, uns aos outros.
Por que devemos ser mais santos nos tempos do mal?
1. Por causa da injunção divina. Deus nos impõe ser singulares (Mateus 5:47), ser circunspectos (Efésios 5:15), para se separar dos idólatras (2 Coríntios 6:17), para brilhar como luzes no mundo sombrio (Fil. 2:15). Ele nos proíbe de juntar-nos com os pecadores, ou fazer o que fazem. O caminho para o inferno é uma estrada bem pisada, e o Senhor nos chama a sair do caminho: "Não se deve seguir uma multidão para fazer o mal" (Êxodo 23: 2). Esta é uma razão suficiente para manter-nos puros em um momento de infecção comum. Como a Palavra de Deus é nossa regra - então sua vontade é nossa segurança e garantia.
2. Ser mais santo nos tempos do mal, é uma indicação da verdade da graça. Porque professar religião quando os tempos a favorecem, não é uma ótima questão. Quase todos vão julgar a Rainha do Evangelho quando está pendurada com joias. Mas possuir os caminhos de Deus quando são censurados e amaldiçoados, amar uma verdade perseguida - isso evidencia um princípio vital de bens. Os peixes mortos nadam nos peixes vivos que nadam contra eles. Porque nadar contra o fluxo comum do mal, mostra graça para estar vivo. O profeta Elias continuou zeloso pelo Senhor dos Exércitos, quando eles cavaram os altares de Deus - mostrou que seu coração e lábios tinham sido tocados com uma brasa do altar.
Aplicação 1. Veja, portanto, quão indigno é carregar o nome de cristãos, aqueles que utilizam o cumprimento pecaminoso e cortam a roupa de sua religião de acordo com o modo e a moda dos tempos. Eles não consultam o que é melhor - mas o que é mais seguro. Os espíritos podem caminhar para atender os desejos dos outros; eles podem se curvar tanto para o Oriente como para o Ocidente; eles preferem uma pele completa antes de uma consciência pura. Eles podem, com o planeta Mercúrio, variar seu movimento; eles podem, como o marinheiro, deslocar a sua vela com todos os ventos e, como os israelitas mestiços, falam a língua de Canaã e Asdode. Estes são como os samaritanos dos quais Josefo diz que, quando os judeus floresceram, fingiram que eles eram semelhantes a eles, mas quando os judeus foram perseguidos, eles negaram o parentesco com eles. A velha Serpente ensinou os enrolamentos tortuosos aos homens e para serem por essa religião que não tem a verdade do seu lado, mas o poder mundano.
Aplicação 2. Mantenhamos o vigor do nosso zelo, nos tempos degenerados. Devemos por uma santa contrariedade - queimar mais ardentemente em uma época congelada. Vivemos na escória do tempo; o pecado é comum e impudente. É excelente andar ao contrário do mundo, "Não se conforme com o padrão deste mundo!" (Romanos 12: 2). Deixe-nos ser como lírios e rosas entre os cardos. O pecado nunca é melhor, porque está na moda! Nem pleiteará em nosso favor no último dia o fato de o termos praticado com muitos outros, pois Deus dirá: Vendo que você pecou com a multidão, você irá para o inferno com a multidão! Oh, mantenha-se puro entre a escória; deixe-nos ser como peixes que retêm sua frescura nas águas salgadas; e como aquela lâmpada que brilhava no forno fumegante (Gn 15:17).
1. Considere - Ser santo em tempos de deserção geral, é aquilo com o que Deus está muito satisfeito. O Senhor ficou muito satisfeito com as sagradas conferências e diálogos desses santos no texto. Quando outros estavam envolvidos contra Deus, que haja um remanescente de almas sagradas falando da glória e da vida vindoura, suas palavras eram música aos ouvidos de Deus!
2. Considere-se que manter um espírito em santidade em uma geração adúltera é a honra de um cristão. Esta era a glória da igreja de Pérgamo, que ela guardava o nome de Cristo - mesmo onde o assento de Satanás estava (Apocalipse 2:13). A impiedade dos tempos, é uma razão para desencadear a graça ainda mais, e dar-lhe um maior brilho. Então, um cristão é muito adorável, quando ele é (como diz Ambrósio), como o cipreste, que mantém sua verdura e frescura no inverno. "Marque o homem perfeito, e veja o reto" (Salmo 37:37). Um homem reto sempre vale a pena contemplar - mas, em seguida, ele é mais admirado quando, como uma estrela brilhante, brilha na escuridão e, tendo perdido tudo, ele mantém sua integridade.
3. Considere que ser piedoso em uma era desprezível faz muito para animar crentes novos fracos; fortalece os joelhos fracos (Isaías 35: 3) e sustenta os templos do Espírito Santo que estão prontos para cair. O zelo de um homem é uma tocha ardente para que outros possam pegar fogo. Como a constância dos mártires inflama o amor de muitos para a verdade! Embora apenas o sangue de Cristo salve, mas o sangue dos mártires pode fortalecer. A cadeia da prisão de Paulo fez conversos na corte de Nero, dois dos quais foram depois mártires, como a história relata. O santo conselho e o exemplo do Sr. Bradford, confirmou o Bispo Ferrar, que ele não tocaria na poluição romana.
4. Considere: quão triste será para os professantes se afastarem de sua antiga profissão e defenderem uma nova religião. Juliano se banhou no sangue dos animais oferecidos em sacrifício aos deuses pagãos, e tanto quanto lá estava ele se lavou do seu antigo batismo. No tempo de Júlio César, essa coisa surpreendente aconteceu: depois de uma abundante safra, vinhas selvagens apareceram sobre suas videiras, que era visto como um sinal ameaçador. Quando os homens pareciam produzir os frutos da justiça, e depois trazerem as uvas selvagens da impiedade - é um triste presságio e prognóstico da sua ruína! "Porque tinha sido melhor para eles não terem conhecido o caminho da justiça, do que depois de terem conhecido, para se afastarem do mandamento sagrado (2 Pe 2:21). Que tudo isso nos faça manter o poder da santidade nos piores momentos. Embora outros se peçam, não pequemos na taxa que eles o fazem - ainda assim lembre-se, é melhor ir para o céu com alguns do que para o inferno na multidão. "Entre pela porta estreita. Porque larga é a porta e largo é o caminho que leva à destruição, e muitos entram por ele. Mas estreita é a porta e apertado é o caminho que leva à vida, e apenas alguns o encontram." (Mateus 7: 13-14).
Pergunta: Como podemos manter a vivacidade e o fervor da graça, em tempos de apostasia?
Resposta 1. Tenha cuidado para não ter o coração muito ligado ao mundo. O mundo afasta o zelo - enquanto a terra choca com o fogo. Estamos querendo amar nossos inimigos; mas o mundo é um inimigo, que não devemos amar, "Não ame o mundo nem nada que há no mundo". (1 João 2:15). O mundo brilha com seus resplendores, e mata com seus dardos de prata! Aquele que é um Demas - será um Judas! Um amante do mundo, por um pouco de dinheiro, trairá uma causa santa e causará o naufrágio de uma boa consciência.
Resposta 2. Sejamos voluntários na piedade; isto é, escolha o serviço de Deus; "Eu escolhi o caminho da verdade" (Salmo 119: 30). Uma coisa é boa, com um fim sagrado em vista. Os hipócritas são bons apenas por desígnios mundanos. Eles abraçam o evangelho para uma vantagem secular, e estes, com o tempo, cairão. É fabuloso que a pedra Chelidonian mantém sua virtude não mais do que quando está fechada em ouro; tire-a do ouro, e perde sua virtude. Os corações falsos são bons não mais do que quando eles estão fechados em prosperidade dourada; tire-os do ouro e eles perdem todo o seu bem aparente. Mas se conservássemos nossa santidade nos tempos de retrocesso, devemos servir a Deus puramente por escolha. Aquele que é piedoso por escolha, ama a santidade por sua beleza e adere ao evangelho, quando todas as joias preferidas são retiradas.
Resposta 3. Deixe-nos ser envolvidos com sinceridade. Se um pedaço de madeira começar a dobrar, é porque não é bom. Porque fazer uma curva e cauterizar sua consciência, senão porque seus corações não são sadios. "Seus corações eram insinceros em relação a Ele, e eles foram infiéis à Sua aliança". (Salmo 78:37). A sinceridade provoca estabilidade. Quando o apóstolo exorta a permanecer firme no dia do mal, entre o resto da armadura cristã, ele pede que coloquem o cinturão da verdade: "Fique firme então, com o cinto da verdade envolto em sua cintura". (Efésios 6:14). O cinto da verdade não é senão sinceridade.
Resposta 4. Deixe-nos ter amor a Cristo. O amor é um combustível sagrado. Ele dispara as afeições, acha a coragem e carrega um cristão acima do amor à vida e do temor da morte. Muitas águas não podem apagar o amor (Cantares 8: 7). O amor fez Cristo sofrer por nós. Se alguém pergunta do que Cristo morreu, pode ser respondido: "Ele morreu de amor!" Se amamos a Cristo, nós o possuiremos nos piores momentos, e seremos como aquela virgem de quem Basílio fala que, sem aceitar a libertação em termos pecaminosos, gritou: "Deixe a vida e o dinheiro ir! Bem-vindo, Cristo!"
Resposta 5. Se quisermos manter o vigor da graça nos tempos maldosos, endureçamos nossos corações contra as provocações e as censuras dos ímpios. Davi era a canção dos bêbados (Salmo 69:12). Um cristão nunca é pior para a censura. As estrelas não são menos gloriosas, embora tenham nomes feios, o Urso, o Dragão, etc. As reprovações são apenas farpas da cruz. Como vai suportar a estaca - quem não pode suportar uma farpa? Reprovações por causa de Cristo, são insígnias de honra e emblemas de adoção (1 Pedro 4:14). Que os cristãos considerem essas censuras, como uma coroa sobre sua cabeça. Melhor ter homens lhes repreendendo por serem piedosos - do que Deus lhes abençoando sendo perversos!
Resposta 6. Se quisermos manter o vigor da devoção durante os tempos do mal, imploremos a Deus para confirmar a graça. A graça habitual pode marcar; pedro teve graça habitual – e ainda foi frustrado; ele perdeu uma única batalha, embora não a vitória. Precisamos de uma ajuda de sustentação; não somente graça em nós, mas graça conosco (1 Coríntios 15:10). A graça de sustentação (que é uma nova operação do Espírito) nos levará de forma intrépida através das tempestades devastadoras do mundo. Assim, poderemos manter nosso zelo heroico em tempos corruptos e ser como o Monte Sião - que não pode ser movido.
Parte I. O Caráter do Piedoso
Tendo discorrido sobre o frontispício do texto, começarei, em primeiro lugar, com o caráter geral dos piedosos: são tementes a Deus, "Aqueles que temiam o Senhor". Que temor é referido aqui? Considerado negativamente:
1. Não se trata de um temor natural, que é um temor ou palpitações de coração, ocasionado pela aproximação de algum perigo iminente. "Eles têm temor dos perigos na estrada" (Ec 12: 5).
2. Não é um temor pecaminoso, que é duplo:
Um temor supersticioso. Um gato preto que atravessa o caminho é mais temido do que uma prostituta deitada na cama.
Um temor carnal. Esta é a febre da alma que o faz sacudir. Aquele que é temeroso, será traiçoeiro; ele vai chamar seu amigo e negar seu deus. Três vezes em um capítulo, Cristo nos adverte contra o temor dos homens (Mateus 10: 26-31). Aristóteles diz que a razão pela qual o camaleão se transforma em tantas cores é pelo temor excessivo. O temor faz os homens mudarem sua religião enquanto o camaleão o faz com suas cores!
Um temor carnal é EXCRUCIANTE, "o temor tem tormento nele". (1 João 4:18). A palavra grega para o tormento às vezes é colocada no lugar de inferno (Mateus 25:46). O temor está nele.
Um temor carnal é PERNICIOSO. É indisposto para o dever. Os discípulos, sob o poder do temor, foram aptos a fugir do que orar (Mateus 26:56), e coloca os homens em meios pecaminosos para se salvar: "O temor do homem traz uma armadilha!" (Provérbios 29:25). O que fez Pedro negar a Cristo, e Orígenes polvilhar incenso diante do ídolo – senão o temor?
Considerado positivamente, o temor a que o texto se refere é um temor piedoso, que é reverente e adorador da santidade de Deus, e a nossa condição está sempre está sob sua inspeção sagrada. A distância infinita entre Deus e nós causa esse temor.
Quando a glória de Deus começou a brilhar sobre o Monte, Moisés disse: "Estou todo aterrorizado e trêmulo!" (Heb 12:21).
"Aqueles que temeram o Senhor". Nas palavras há duas partes.
1. O Ato - temor.
2. O Objeto - o Senhor.
"Aqueles que temiam o Senhor". O temor a Deus é a soma de toda verdadeira religião verdadeira. "Agora tudo foi ouvido, aqui está a conclusão do assunto: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos, pois este é o dever total do homem." (Eclesiastes 12:13). O temor é a graça principal, a primeira semente que Deus semeia no coração. Quando um cristão pode ter pouca fé, e talvez nada de segurança, não se atreve a negar que teme a Deus (Ne 1:11). Deus é tão grande que o cristão tem temor de desagradá-lo; e tão bom - que ele tem temor de o perder.
Doutrina: É um dever indispensável para os cristãos, serem temerosos de Deus. "Temor a Deus!" (Ec 5: 7). "Para temeres este nome glorioso e temível, o Senhor teu Deus." (Deuteronômio 28:58). Esse temor de Deus é o próprio fundamento de um santo. Não pode mais agir como cristão sem o temor de Deus - do que ele pode agir como um homem sem razão. Este temor santo é o temperamento fixo e a complexão da alma; esse temor não é servil, mas filial. Há uma diferença entre temer a Deus e ter temor de Deus. O piedoso teme a Deus como uma criança o pai dela; os ímpios têm temor de Deus, pois o prisioneiro tem do juiz! Este temor divino parecerá admirável se você considerar como é misturado e entretecido com várias das graças.
1. O temor de Deus é misturado com AMOR (Salmo 145: 19, 20)
A esposa teme desagradar o marido, porque ela o ama. Há uma necessidade de que o temor e o amor estejam em conjunto. O amor é como as velas do navio para acelerar o movimento da alma; e o temor é como o lastro para mantê-lo estável na verdadeira religião. O amor será capaz de crescer, desde que seja contrabalançado pelo temor.
2. O temor de Deus é misturado com a FÉ. "Pela fé Noé, movido com santo temor, preparou uma arca" (Hebreus 11: 7). Quando a alma se depara com a santidade de Deus, ou a com sua própria pecaminosidade - teme. Mas é um temor misturado com fé nos méritos de Cristo; a alma treme, mas confia. Como um navio que se encontra na âncora, embora se agite com o vento, ainda está fixado na âncora. Deus em grande sabedoria acasala essas duas graças de fé e temor. O temor preserva a seriedade, a fé preserva a alegria. O temor é como lançar a rede - para evitar que um cristão flutue na presunção; e a fé é como cortiça para a rede - para evitar que afunde em desespero.
3. O temor de Deus é misturado com PRUDÊNCIA. Aquele que teme a Deus tem o olho da serpente na cabeça da pomba. Ele prevê e evita aquelas rochas sobre as quais outros correm. "Um homem prudente vê o perigo e se refugia, mas o simples continua indo e sofre por isso". (Provérbios 22: 3). Embora o temor divino não faça uma pessoa covarde - isso a torna cautelosa.
4. O temor de Deus é misturado com ESPERANÇA. "Os olhos do Senhor estão sobre aqueles que o temem, sobre aqueles cuja esperança está em seu amor infalível" (Salmo 33:18). Poder-se-ia pensar que o temor destruiria a esperança - mas ele a nutre. O temor é esperar, como o óleo para a lâmpada, ele queima. Quanto mais tememos a justiça de Deus - mais podemos esperar na sua misericórdia. Na verdade, quando não temos temor de Deus às vezes, esperamos - mas não é "uma boa esperança através da graça" (2 Tessalonicenses 5:26). Os pecadores fingem ter o "capacete da esperança" (1 Tessalonicenses 5: 8), mas não têm o "peitoral da justiça" (Efésios 6:14).
5. O temor de Deus é misturado com o TRABALHO. "Noé, movido com o temor sagrado, preparou uma arca" (Hebreus 11: 7). Existe um temor carnal, que representa Deus como um juiz severo. Isso tira a alma do dever, "eu tive temor e fui e escondi seu talento na terra" (Mateus 25:25).
Mas também há um temor de diligência. Um cristão teme - e ora; teme e arrepende-se. O temor acelerou o trabalho. O cônjuge, temendo que o noivo viesse antes de vestir-se, apressa-se e coloca suas joias, para que ela esteja pronta para encontrá-lo. O temor provoca um olhar atento e uma mão trabalhadora. O temor expulsa a preguiça de sua diocese. "O maior trabalho na verdadeira religião", diz o santo temor, "é muito menos do que a menor dor que a maldita sensação no inferno". Não há maior impulso na raça celestial - do que o temor de Deus.
As razões que impõem esse santo temor a Deus, incluem o seguinte:
1. O olho de Deus está sempre sobre nós. Aquele que está sob os olhos de seu príncipe terreno, terá cuidado de fazer qualquer coisa que o ofenda. "Ele não vê meus caminhos e dirige todos os meus passos?" (Jó 31: 4). Deus vê no escuro: "Nem ainda as trevas são escuras para ti, mas a noite resplandece como o dia; as trevas e a luz são para ti a mesma coisa." (Salmo 139: 12). A noite não é uma cortina, as nuvens não são uma copa - para impedir ou interceptar a visão de Deus. Deus vê o coração. Um juiz terreno pode julgar o fato - mas Deus julga o coração. "Eu, o Senhor, examino a mente, eu provo o coração!" (Jeremias 17:10). Ele é como as rodas de Ezequiel, "cheio de olhos". Deus é todo olho! Isso não deveria nos fazer caminhar com temor e circunspecção? Não podemos pecar - mas o nosso juiz olha!
2. Deus interpreta o nosso não temer a Ele - como um menosprezo a ele. Como não louvar a Deus é errar para com ele, por isso, não temer a Deus é menosprezá-lo. De todas as coisas, uma pessoa pode menos suportar que ser menosprezado: "Por que o ímpio desprezou Deus?" (Salmo 10:13). Quando um verme despreza o seu Criador, a fúria se ergue no rosto de Deus! "Minha ira vai se acender!" (Ezequiel 38:18).
3. Deus tem poder para nos destruir. "Teme aquele que é capaz de destruir alma e corpo no inferno!" (Mateus 10:28). Deus pode nos enviar para o túmulo - e com um sopro nos afunda no inferno - e não devemos temê-lo! É fácil lutar com chamas? "Quem conhece o poder de sua ira!" (Salmo 90:11). Que baldes podem apagar o fogo do inferno? Somos capazes de temer os homens que podem tentar nos machucar - mas qual é o seu poder comparado ao poder de Deus? Eles ameaçam com uma prisão, Deus ameaça com o inferno. Eles ameaçam a nossa vida, Deus ameaça nossa alma - e não temeremos diante dele! Oh, quão horrível, quando as grandes fontes da ira de Deus forem quebradas, e todos os seus frascos amargos derramados! "Seu coração pode suportar, ou suas mãos podem ser fortes, no dia em que eu vou lidar com você?" (Ezequiel 22:14)
Objeção: Mas não somos convidados a servir a Deus sem temor? (Lucas 1:74)
Resposta: Não devemos temer a Deus com tanto temor, como fazem os ímpios. Eles o temem como um escravo turco faz em relação a seu mestre; eles o temem de modo a odiá-lo e desejam que não houvesse Deus! Não devemos servir a Deus com esse temor infernal, mas devemos atendê-lo com um sincero temor filial, adoçado com amor.
Aplicação 1. Refutação. Isso refuta aqueles que afirmam que um cristão não pode ter certeza, porque ele deve servir a Deus com temor. A segurança e o temor são diferentes, mas não contrários. Uma criança pode ter certeza do amor de seu pai - ainda que tenha temor de ofendê-lo. Quem temia mais o pecado do que Paulo? (1 Coríntios 9:27) No entanto, quem tinha mais segurança? "Cristo, que me amou e se entregou por mim" (Gálatas 2:20). A fé assegura a segurança (Efésios 1:13) O temor preserva a segurança.
Aplicação 2. Instrução. É um dever do cristão temer a Deus. Que estranhos, então, são para a verdadeira religião, aqueles que estão vazios desse santo temor! O temor piedoso - e não pecar. O pecado perverte- e não teme. Eles são como o Leviatã, que é "feito sem temor" (Jó 41:33). A falta do temor de Deus é a causa inata de toda maldade: "A sua boca está cheia de maldição e amargura. Os seus pés são ligeiros para derramar sangue." (Romanos 3: 14-15). Por que foi isso? "Não há temor de Deus diante de seus olhos!" (verso 18).
Abraão supôs que os homens de Gerar não temeriam praticar qualquer pecado. Por que? "Eu pensei: Certamente o temor de Deus não está neste lugar" (Gn 20:11). O juiz do Evangelho é chamado juiz injusto (Lucas 18: 6); e não admira, pois ele "não temia a Deus" (versículo 2). Deve haver um excesso de pecado, onde o temor de Deus falha em detê-lo. A água deve transbordar, onde não há bancos para mantê-la fora. Vivemos em uma era impalpável; os homens se atreveriam a pecar à taxa que eles desejassem - se o temor de Deus governasse em seus corações? Eles se atreveriam a jurar, ser imorais, usar pesos falsos, ter falsos testemunhos, destruir ou odiar, zombar de Deus, perseguir o corpo de Cristo - se tivessem o temor de Deus diante de seus olhos? Estes homens proclamam ao mundo que são ateus; eles não acreditam na imortalidade da alma. Eles são piores do que brutos - um animal teme o fogo - mas estes não temem o inferno! Eles são piores do que os demônios, pois os demônios "creem e tremem" (Tiago 2:19).
Aplicação 3. Lamentação. Deixe-nos lamentar a falta do temor de Deus em nosso mundo. Por que é que tão poucos temem a Deus?
1. Os homens não temem a Deus - porque não têm conhecimento de Deus. "Eles odiaram o conhecimento e não escolheram o temor do Senhor" (Provérbios 1:29). Todo pecado é fundado na ignorância de Deus. Se apenas os homens conhecessem Deus em sua imensa glória, eles seriam engolidos com o espanto divino. Quando o profeta Isaías teve um vislumbre da glória de Deus, ele foi atingido com a consternação sagrada: "Ai de mim! Estou arruinado! Pois eu sou um homem de lábios imundos, e eu vivo entre um povo de lábios imundos, e meus olhos têm visto o rei, o senhor todo-poderoso! " (Isaías 6: 6). A ignorância em relação a Deus, baniu o temor de Deus.
2. Os homens não temem a Deus - porque presumem a sua mercê. Deus é misericordioso, e eles não duvidam da virtude deste bálsamo soberano. Mas para quem é a piedade de Deus? "Sua misericórdia se estende para aqueles que o temem" (Lucas 1:50). Como não temer a justiça de Deus - não deve provar a sua misericórdia.
Que isso seja "para uma lamentação", que o temor de Deus está tão desaparecido do nosso mundo. Por que quase não é encontrado? Alguns temem a vergonha, outros temem o perigo - mas onde está o temor de Deus?
E não só entre a generalidade das pessoas, mas mesmo entre os cristãos professos, quão poucos temem a Deus na verdade! A profissão é muitas vezes feita como uma capa para cobrir o pecado. Absalão paliava sua traição com um voto religioso (2 Samuel 15: 7). Os fariseus fizeram de uma longa oração um manto para a opressão (Mateus 23:14). Isso é sórdido - continuar com os maus projetos - sob uma máscara de piedade. A neve cobre muitos escombros. Uma profissão branca nevada cobre muitos corações imundos! Os pecados dos professantes são mais odiosos. Os cardos são ruins em um campo - mas pior em um jardim. Os pecados do ímpio provocam a ira de Deus - mas os pecados dos cristãos professos o afligem.
Aplicação 4. Reprovação
1. Isso repreende os pecadores, que estão tão longe de temer a Deus, que passam seu tempo com alegria carnal e zombaria! "Como aconteceu nos dias de Noé, assim também será nos dias do Filho do homem. Comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e os destruiu a todos." (Lucas 17:26,27). Há um lugar na África chamado Timbuktu, onde os habitantes passam o dia inteiro brincando e dançando. Que vidas sensuais, vivem os galantes da nossa era! "Eles cantam com pandeiro e harpa. Eles se divertem com o som da flauta". (Jó 21:12). Eles viajam para o inferno por trás do prazer, e vão alegremente para a condenação!
Deus não nos chama a tremer? Nossos pecados pressagiam o mal. Não podemos temer que "a glória esteja partindo"? Não podemos temer a morte da verdadeira religião antes do nascimento da reforma? Não podemos temer que alguma calamidade importante traga o temor de julgamentos anteriores? Como o profeta Ezequiel diz: "Filho do homem, profetiza, e dize: Assim diz o Senhor; dize: A espada, a espada está afiada e polida. Para matar está afiada, para reluzir está polida. Alegrar-nos-emos pois?" (Ezequiel 21:9,10). Mas os espíritos joviais baniram o temor de Deus.
"Ai dos que dormem em camas de marfim, e se estendem sobre os seus leitos, e comem os cordeiros tirados do rebanho, e os bezerros do meio do curral; que garganteiam ao som da lira, e inventam para si instrumentos músicos, assim como Davi." (Amós 6: 4,5). Pecadores cujos corações estão endurecidos com prazeres suaves, que têm suas concupiscências, mas desprezam Cristo e seu evangelho. "Eles se deleitam sem temor" (Judas 12). Mas eles esquecem que a morte trará o julgamento, e eles devem pagar o julgamento no inferno! O sultão turco, quando intenta a morte de algum de seus súditos, convida-os para um banquete suntuoso, e então os faz serem retirados da mesa para serem estrangulados. Assim mesmo, Satanás distrai os homens com passatempos e prazeres pecaminosos, e então os estrangula! Os amantes de prazeres insensatos são como os peixes que nadam agradavelmente pelas correntes de prata do Jordão, até que finalmente caem no Mar Morto. "Mas os que querem tornar-se ricos caem em tentação e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, as quais submergem os homens na ruína e na perdição." (1 Tim. 6: 9).
2. Isso repreende os pecadores seguros que não têm temor de Deus. Como da cidade de Lais, do passado, que eram "pessoas desprecavidas" (Juízes 18:27). Aqueles que são menos seguros - estão mais confiantes! A segurança carnal leva os homens a um sono profundo. Pássaros que se acumulam em campanários, sendo acostumados ao contínuo toque de sinos, o ruído não os irrita. Então, os pecadores que acostumaram com o som dos sinos de Arão, embora, de vez em quando, eles tivessem um corte de cabelo contra seus pecados ainda, sendo usados para isso, eles não ficaram assustados. Um pecador seguro de si é conhecido assim:
1. Ele vive como o pior, mas espera ser salvo, bem como o melhor. "Estou seguro, mesmo que eu esteja andando na minha maneira teimosa". (Deuteronômio 29:19). Isto é como se um homem devesse beber veneno – e ainda acreditar que ele terá sua saúde. Um pecador seguro agora está no colo de Dalila - contudo espera algum dia repousar no seio de Abraão!
b. Um pecador seguro pensa que tudo está bem, porque tudo está em paz. Ele ouve que outros falam de um "espírito de escravidão" e dos terrores que eles sentiram pelo pecado - mas ele agradece a Deus que ele nunca soube o que o problema de espírito significava; ele acha que sua consciência é boa, porque está quieta. Quando o diabo mantém o palácio - tudo está em paz "(Lucas 11:12).
c. Um pecador seguro é descuidado sobre sua alma. A alma é a parte principal, que é coroada pela razão. Um pecador seguro cuida do seu corpo - mas negligencia sua alma. Ele é como aquele que guarda as suas flores, mas nunca se importa com suas joias. Veja aqui uma pessoa segura, que está em uma letargia espiritual; ele não tem sentido da vida por vir; ele está destituído do temor de Deus.
3. Isso repreende os escarnecedores, que são os mais vis dos pecadores. "Virão nos últimos dias, escarnecedores" (2 Pedro 3: 3). Estes ridicularizam toda a verdadeira religião. Eles lançam censura aos santos. No massacre de Paris, os papistas zombaram dos protestantes quando os assassinaram: "Onde está seu Deus agora? O que aconteceu com todas as suas orações agora?" Estes são demônios à semelhança dos homens! Eles estão longe de temerem a Deus! A cadeira do escoteiro está na boca do inferno!
Aplicação 5. Exortação. Exorta-nos a ter o temor de Deus plantado em nossos corações. "Feliz é aquele que teme sempre" (Provérbios 28:14). O temor de Deus influenciaria todas as nossas ações. Isso nos tornaria piedosos em ambas as tábuas da Lei de Deus. Isso nos tornaria santos para com Deus - e justos em relação aos homens. Nós seríamos verdadeiros em nossas promessas - e sinceros em nossas relações (Mateus 7:12).
Para que eu possa pressioná-lo a este santo temor - deixe-me mostrar-lhe a DIGNIDADE e EXCELÊNCIA de temer a Deus:
1. O temor de Deus é o verdadeiro uniforme de um santo. Os santos antigos eram homens tementes a Deus (Gênesis 22:12; atos 10:22); obadias temeu muito o Senhor (I Reis 8:13). Todas as virtudes morais em sua maior elevação, não fazem um santo. Mas aqui está o verdadeiro caráter do cristão - ele é aquele que teme a Deus. Agostinho disse de si mesmo que ele bateu no portão do céu com uma mão trêmula. Cristo chama seus eleitos de "suas ovelhas" (João 10:27). As ovelhas são de natureza tremente. Os santos são trêmulos - eles não se atrevem a tomar as liberdades como os outros.
2. O temor de Deus é o princípio da verdadeira SABEDORIA (Provérbios 1: 7). A sabedoria é "mais preciosa do que os rubis" (Prov 3:15). Nenhuma joia que usamos nos adorna como a sabedoria. Agora, o temor ao Senhor é a nossa sabedoria: "O temor ao Senhor - isto é a sabedoria" (Jó 28:28).
Onde está o temor de Deus, a verdadeira sabedoria?
A. O temor de Deus é sabedoria, na medida em que faz com que sejamos cuidadosos com nossa condição espiritual. A sabedoria reside em nada mais do que em manter as contas exatamente. O temor de Deus ensina a pessoa a examinar o estado de sua alma de forma crítica. "Ó minha alma, como está com você?" Você ganha ou perde? Nossa fé está em sua infância, sendo, porém, recém-formada no peito da promessa? Ou será que cresceu a alguma estatura? Como é? A graça ou o pecado prevalecem? Assim, o temor de Deus nos faz equilibrar sabiamente nossas contas e ver como as coisas estão entre Deus e nossas almas. "Eu meditei no meu coração, e meu espírito fez uma busca diligente" (Salmo 77: 6).
B. O temor de Deus é sabedoria, pois faz entender os segredos divinos. "O segredo do Senhor é com aqueles que o temem" (Salmo 21:14). É sábio, aquele que conhece os segredos do céu. O temor de Deus está familiarizado com o segredo da eleição (1 Tessalonicenses 1: 4), do amor de Deus (Apocalipse 1: 5), da unção santa (1 João 2:20). Ele conhece a mente de Deus: "Nós temos a mente de Cristo (1 Cor 2: 16).
C. O temor de Deus é sabedoria, na medida em que nos faz considerar. "Eu considerava meus caminhos" (Salmo 119: 59). Uma grande parte da sabedoria está em consideração. Aquele que teme a Deus considera quão vão é o mundo - e, portanto, não se atreve a amá-lo. Aquele que teme a Deus considera quão curto é o tempo e, portanto, não deseja perdê-lo. Aquele que teme a Deus considera quão preciosa é a salvação e, portanto, não se atreve a negligenciá-la.
D. O temor de Deus é sabedoria, na medida em que faz sua caminhada sabiamente. "Andai em sabedoria para com os que estão de fora, usando bem cada oportunidade." (Col 4: 5).
a. O temor de Deus nos faz caminhar amigavelmente: "Abraão levantou-se e inclinou-se aos filhos de Hete" (Gênesis 2.3: 7). A piedade não exclui a cortesia.
b. O temor de Deus nos faz caminhar inofensivamente: impede não só escândalos, mas também indecências. A veneração de Deus, causa a circuncisão do coração e a circunspecção da vida.
E. O temor de Deus é sabedoria, como nos preserva do inferno. É sabedoria manter-se fora de perigo; o temor nos faz fugir da ira que virá.
3. O temor de Deus é o melhor certificado para mostra no céu. Você tem conhecimento? Satanás também. Você tem profissão? Assim, Satanás, ele "se transforma em um anjo de luz" (2 Coríntios 11:14). Mas você tem temor filial? Neste você vai superá-lo. O temor de Deus é, embora não seja nosso ingresso para o céu - ainda é nossa evidência para o céu.
4. Há isso em Deus, que pode comandar o temor:
1. "Ele está vestido com uma majestade maravilhosa!" (Jó 37:22).
a. Há majestade no Nome de Deus, Jeová. Ele vem de uma raiz hebraica que fala do ser absoluto, eterno e independente de Deus.
b. Há majestade no aspecto de Deus. Jó teve apenas um vislumbre de Deus, e ele foi até engolido com a admiração divina: "Com os ouvidos eu ouvira falar de ti; mas agora te veem os meus olhos. Pelo que me abomino, e me arrependo no pó e na cinza." (Jó 42: 5,6).
c. Há majestade nas palavras de Deus. Ele fala com majestade, como quando ele deu a lei em trovões, de modo que o povo disse: "Que Deus não fale conosco para que não morramos!" (Êxodo 20:19).
d. Há majestade nos atributos de Deus: sua santidade, poder, justiça, que são as irradiações da essência divina.
e. Há majestade nas obras de Deus: "Na magnificência gloriosa da tua majestade e nas tuas obras maravilhosas meditarei; falar-se-á do poder dos teus feitos tremendos, e eu contarei a tua grandeza." (Salmo 145: 5,6). Toda criatura manifesta a majestade de Deus; podemos ver a majestade de Deus ardendo no sol, cintilando nas estrelas.
Em suma, a majestade de Deus é vista humilhando os filhos do orgulho. Ele levou o rei Nabucodonosor a pastar, e fez com que ele fosse companheiro dos animais. Não é tudo isso motivo de temor?
2. "Ele está vestido com incrível majestade!" "Ele é temido pelos reis da terra" (Salmo 76:12). Chega um momento em que Deus será terrível para os seus inimigos; quando a consciência está acordada, quando a morte atinge, quando a última trombeta soa. E não devemos temer esse Deus? "Você não teme a Mim? Você não teme diante de Mim?" (Jer 5:22). Agarrando a justiça de Deus - é a maneira de não senti-la.
E não seja estranho para você, se eu lhe disser que, em relação à infinita majestade de Deus, haverá algum temor abençoado no céu. Não é um temor que tem tormento, pois o amor perfeito expulsará o medo, mas é um temor santo, doce e reverente. Embora Deus tenha tanta beleza nele que causará amor e alegria no céu, mas essa beleza é misturada com tanta majestade, que causará uma veneração nos santos glorificados.
5. O temor de Deus tende à vida (Provérbios 19:23).
1. Isto é verdade no sentido temporal: "O temor do Senhor prolonga a vida, mas os anos dos ímpios são cortados" (Provérbios 10:27); no original, "acrescenta dias". A vida longa é prometida como uma benção: "Com longa vida, eu o satisfarei" (Salmo 91:16). A melhor maneira de chegar a "uma boa velhice" é o temor de Deus. O pecado limita a vida: muitos excessos de um homem desperdiçam seus órgãos vitais, enervam suas forças e reduzem-se os anos que, pelo curso da natureza, podem ser alcançados: "Não seja excessivamente perverso e não seja tolo Por que você deveria morrer antes do seu tempo?” (Ec 7:17). Vocês que desejam viver - vivam no temor de Deus! "Pelo que o Senhor nos ordenou que observássemos todos estes estatutos, que temêssemos o Senhor nosso Deus, para o nosso bem em todo o tempo, a fim de que ele nos preservasse em vida, assim como hoje se vê." (Deuteronômio 6:24).
2. Isto é verdade no sentido espiritual. "O temor do Senhor tende à vida", em vez de "vida eterna". A vida é doce, e eterna a torna mais doce. "A vida eterna é a vida verdadeira" (Agostinho). A vida de bem-aventurança não tem termo de anos em que expira: "Para sempre ... com o Senhor!" A lâmpada da glória brilha - mas nunca é extinta; de modo que o temor divino tende à vida; uma vida com Deus e os anjos para sempre.
6. O temor de Deus dá plena satisfação. "Aquele que o tem, permanecerá satisfeito" (Provérbios 19:23). Aqueles que são destituídos do temor de Deus, nunca se encontram com satisfação. "No meio de sua abundância, a angústia irá alcançá-lo, toda a força da miséria virá sobre ele" (Jó 20:22). Este é um enigma, para ser completado, mas não é suficiente. O significado é que ainda existe falta: aquele que não teme a Deus, embora seus celeiros estejam cheios - todavia sua mente não está em repouso. As águas doces do prazer inflamam a sede - em vez de saciá-la. "Eu corri por todas as delícias e grandezas do mundo, e nunca poderia encontrar o contentamento total", disse o imperador Severo. Mas aquele que tem o temor do Senhor "permanecerá satisfeito".
a. Ele ficará satisfeito. Sua alma será preenchida com graça, sua consciência com paz. Um homem santo disse, quando Deus o reabasteceu com alegria interior: "É suficiente Senhor, seu servo é um vaso completo e não pode aguentar mais!"
b. Ele deve permanecer satisfeito. Essa satisfação não cessará; será um consolo na morte, e uma coroa depois da morte!
7. O temor de Deus torna o pouco doce. "Melhor é pouco com o temor do Senhor" (Provérbios 15:16). Por que é o pouco melhor? Porque aquele pequeno crente tem, ele segura em sua cabeça, Cristo. Aquele pouco é adoçado com o amor de Deus. Ele tem com aquela pequena mente satisfeita; e o contentamento transforma os legumes de Daniel em carne escolhida (Dan 1:12). Novamente, esse pouco é uma promessa de mais; aquele pequeno óleo na crosta - é apenas uma promessa daquela alegria e bem-aventurança de ouro que a alma terá no céu. Assim, um pouco com o temor de Deus, é melhor do que todas as riquezas não garantidas. As migalhas de Lázaro eram melhores que o banquete dos ricos!
8. O temor de Deus é a segurança de um cristão. Ele é invulnerável; nada pode machucá-lo. Levante-o de seu dinheiro, ele carrega um tesouro sobre ele do qual ele não pode ser roubado (Isaías 33: 6). Lance-o na prisão - a sua consciência é livre; mate seu corpo - ressuscitará novamente. Aquele que tem o temor de Deus pode ser mirado, mas nunca pode ser atingido.
9. O temor de Deus faz com que todas as coisas funcionem bem conosco. "Quão felizes estão aqueles que temem o Senhor - todos os que seguem seus caminhos! Você desfrutará o fruto do seu trabalho. Quão feliz você será! Quão rica será sua vida!" (Salmo 128: 1,2). Não está bem com esse homem que tem todas as coisas trabalhando juntas para o seu bem? (Salmo 84:11). Se Deus provê saúde e riquezas boas para ele - ele deve tê-las. Toda providência deve centrar-se na sua felicidade. Ah, que indução há aqui para uma piedade sólida! Venha o que quiser, "tudo irá bem com aqueles que temem a Deus" (Ec. 8:12). Quando eles morrerem, eles irão a Deus; e enquanto vivem, tudo no mundo deve fazer-lhes bem.
10. O temor de Deus é um excelente limpador. "O temor do Senhor é limpo" (Salmo 19: 9). É assim:
1. Em sua própria natureza - é uma graça pura, cristalina e orientadora.
2. No efeito disso, limpa o coração e a vida. Como uma fonte brota da lama, o temor do Senhor purifica o amor ao pecado. O coração é o templo de Deus, e o temor do Senhor varre e limpa este templo, para que não seja contaminado.
11. O temor de Deus nos faz ser aceitos por ele. "Mas que lhe é aceitável aquele que, em qualquer nação, o teme e pratica o que é justo." (Atos 10:35). Do que Paulo era tão ambicioso? "Trabalhamos para que possamos ser aceitos por ele" (2 Coríntios 5: 9). O temor divino nos grava no favor divino. Mas os que não têm o temor de Deus, nem as suas pessoas nem as suas ofertas acham aceitação: "Aborreço, desprezo as vossas festas, e não me deleito nas vossas assembleias solenes. Ainda que me ofereçais holocaustos, juntamente com as vossas ofertas de cereais, não me agradarei deles; nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais cevados." (Amós 5: 21,22). Quem receberá um presente de alguém que tenha a praga!
12. O temor de Deus prepara o caminho para a alegria espiritual. Alguns podem pensar que o temor de Deus cria tristeza; não, é a entrada para a alegria! O temor de Deus é a estrela da manhã, que inaugura a luz do sol de conforto: "Andando no temor do Senhor e no conforto do Espírito Santo" (Atos 9:31). O temor de Deus tem alegria sólida nele, embora não tenha frivolidade. Deus mistura alegria com o temor sagrado, para que o temor não possa parecer escravo.
13. O temor de Deus afasta todo o temor baixo. O temor carnal é um inimigo da verdadeira religião. O temor de Deus afasta o medo; produz coragem: "Homens capazes, com o temor a Deus" (Êxodo 18:21); algumas traduções o tornam assim: "homens de coragem". Quando um ditador governou em Roma, todos os outros cargos cessaram. Onde o temor de Deus governa no coração - ele expulsa o temor da carne. Quando a imperatriz Eudóxia ameaçou banir Crisóstomo, o pregador disse: "Diga a ela que não temo senão o pecado!" O temor de Deus engole todos os outros temores, como a vara de Moisés engoliu as varas dos mágicos.
14. Ser nulo do temor de Deus, é loucura. "Digo eu aos tolos: Não sejais arrogantes; e aos ímpios: Não levanteis a fronte." (Salmo 75: 4).
1. Não são tolos os que satisfazem o inimigo? Aqueles que não têm temor de Deus, fazem isso. Satanás lança seu gancho com prazer e lucro, e eles engolem iscas, anzóis e tudo! Isso agrada a Satanás; quem, exceto um idiota, agradaria o inimigo?
2. Não é loucura preferir a escravidão antes da liberdade? Se um escravo na galera deveria ter sua liberdade sendo-lhe oferecida, mas diz que ele preferiria puxar o remo e ser escravo do que ter sua liberdade - ele não seria julgado como um idiota? Tal é o caso daquele que não teme a Deus. O evangelho oferece libertá-lo do miserável cativeiro do pecado, mas ele escolhe ser um escravo de suas concupiscências. Ele é como um servo de acordo com a lei: "Eu amo meu mestre - não vou sair livre" (Êxodo 21: 5). O pecador tolo preferia ter o ouvido aborrecido para o serviço do diabo, do que ser trazido à "gloriosa liberdade dos filhos de Deus" (Romanos 8:21).
3. Não é um tolo aquele que, tendo apenas uma joia, irá vir a perdê-la? A alma é a joia, e o pecador não tem temor de Deus, ele vai jogá-la fora sobre o mundo; como se devesse jogar pérolas e diamantes no rio. Aquele que cuida do seu corpo e negligencia sua alma, é como aquele que alimenta seu escravo e deixa morre de fome a sua esposa!
4. Não é um tolo aquele que recusa uma oferta rica? Se alguém deveria se oferecer para adotar um outro e torná-lo um herdeiro de sua vasta propriedade, e ele o recusasse, seu discernimento não seria questionado? Deus oferece Cristo a um pecador, e promete envolver todas as riquezas do céu sobre ele - mas, sem o temor de Deus, ele recusa essa grande oferta: "Mas o meu povo não ouviu a minha voz, e Israel não me quis." (Salmo 81:11). Não é um prodígio de loucura?
15. O temor de Deus é um antídoto soberano contra a apostasia. O diabo foi o primeiro apóstata. Quão abundante é esse pecado! Mais naufrágios estão na terra do que no mar; os homens fazem o naufrágio de uma boa consciência. Dos apóstatas é dito que colocam Cristo em "vergonha aberta" (Heb. 6: 6). O temor de Deus é um conservador contra a apostasia: "Eu colocarei o meu temor em seus corações, para que não se afastem de mim" (Jeremias 32:40). Eu os amarei tanto, que não me afastarei deles; e eles me temerão, para que não se apartem de mim.
16. Há excelentes promessas feitas aos que temem a Deus. "Para quem teme o meu nome, o sol da justiça surgirá com cura nas suas asas" (Mal 4: 2). Aqui está uma promessa de Cristo; ele é um Sol para a luz e influência vivificantes; e um Sol de justiça, enquanto difunde os feixes de ouro da justificação. E ele traz cura nas suas asas; o sol cura o ar, seca a umidade, expulsa os vapores que seriam pestilentos. Assim, Cristo tem "cura em suas asas"; ele cura a dureza e a impureza da alma. E o horizonte em que surge este sol, está em corações que temem a Deus: "A vós, que temeis o meu nome, o sol da justiça se levantará".
E há outra grande promessa: "Ele abençoará aqueles que temem o Senhor, pequenos e grandes" (Salmo 115:13). Deus abençoa em seu nome, propriedades e almas. E essa benção nunca pode ser revertida! Como Isaque disse: "Abençoei-o, e ele será abençoado" (Gênesis 27:37). Com o temor, o povo de Deus é um povo privilegiado: ninguém pode tirar-lhes, seja o direito de nascimento ou a benção dele.
17. O temor é o instrumento admirável na promoção da salvação. "Desenvolva a sua salvação com temor" (Filipenses 2:12). O temor de Deus, é aquela espada flamejante que gira em todos os sentidos - para impedir o pecado de entrar (Provérbios 16: 6). O temor de Deus é sentinela na alma e está sempre em sua torre de vigia. O temor causa circunspecção: aquele que anda com temor, corre com cautela. O temor dá origem à oração, e a oração envolve a ajuda do céu.
18. O Senhor está muito satisfeito com aqueles que o temem. "O Senhor se deleita com aqueles que o temem" (Salmo 147: 1). Na Septuaginta é: "O Senhor tem boa vontade para com aqueles que o temem". Nunca um pretendente tomou tal prazer em uma pessoa que amava - como Deus faz em relação àqueles que o temem; eles são os seus "Hephzibah", o que significa que meu deleite está nela (Isaías 61: 4). Ele diz deles como de Sião: "Este é o meu descanso para sempre - aqui vou habitar" (Salmo 132: 14). Um pecador é "um vaso no qual não há prazer" (Êxodo 8: 8). Mas os que temem a Deus são seus favoritos.
19. Com o temor, o povo de Deus é o único que deve ser salvo. "A salvação está perto daqueles que o temem" (Salmo 85: 9). Da salvação é dito estar: "longe dos ímpios" (Salmo 119: 155). Eles e a salvação são tão distantes, que provavelmente nunca se encontrarão. Mas a salvação de Deus está perto daqueles que o temem. Pelo que nós aspiramos, senão pela salvação? É o fim de todas as nossas orações, lágrimas, sofrimentos. A salvação é a coroa dos nossos desejos, a flor da nossa alegria. E quem se enriquecerá com a salvação - somente os que temem a Deus! "Sua salvação está perto daqueles que o temem".
Deixemos esses 19 argumentos poderosos nos persuadir a temer a Deus.






Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 114


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Seja a Vida Isenta de Ganância Thomas Watson
Artigos O que é então Aprender a Cristo? Thomas Watson
Artigos O Que Pode Acabar com o Nosso Contentamento? Thomas Watson
Artigos Se Há um Céu Na Terra Thomas Watson
Artigos Emudecido Estou Thomas Watson
Artigos A Que se Compara o Crente Verdadeiro Thomas Watson
Artigos A Negação do Eu Thomas Watson
Artigos Diferenças entre Alegrias Espirituais e Mundanas Thomas Watson
Artigos A Verdadeira Obediência Thomas Watson
Artigos O Poder Infinito de Deus Thomas Watson

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 11 até 20 de um total de 20.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 33689 Visitas
Japão - Era Meiji - Agrário Conrado 33420 Visitas
FIO DA ESPADA - Tércio Sthal 33352 Visitas
O mundo infantil - helena Maria Rabello Lyra 33123 Visitas
Nobres Loucos - Wesley Necreto 31773 Visitas
viramundo vai a frança - 31358 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 31342 Visitas
camaro amarelo - 31296 Visitas
Origens da Bandeira do Brasil - Marco Antonio Cruz Filho 31276 Visitas
Faça alguém feliz - 31122 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última