Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SUSSURROS 5 TERROR
DE PAULO FOG E IONE AZ
ricardo fog

Resumo:
BOM


     Antônio e Áurea chegam na escola por volta das 9 manhã, aguardam poucos minutos na recepção e logo são encaminhados para a sala da diretoria onde Glicélia e 2 professores os aguardam.
- Bom dia diretora.
- Bom dia, sou Glicélia, me desculpem terem tirado vocês de seus afazeres e vindo para cá.
- A senhora pode nos dizer, o que há de errado com nossos filhos?
- Por favor sentem-se.
- Algum deles criou problemas aqui na escola, olhe nos sempre falamos com eles.
- fiquem tranquilos bem o caso é...
Glicélia e os professores apresentam a situação aos pais que ouvem, Áurea balança a caberça e vez ou outra procura alinhar os cabelos sem qualquer necessidade, Antônio arruma a aba do seu chapéu e atento a tudo que lhes é dito.
- Senhora diretora não faz idéia do quanto estamos envergonhados da atitude de Celso, porém a senhora deve entender que ele é homem, um garoto sempre é um pouco mais rebelde por natureza.
- Sim sr Antônio, mais também entendemos que no futuro isso pode causar alguns transtornos para ele e para vocês.
- Como assim diretora?
- Bem D. Áurea, aqui fora há concorrência, nem sempre conseguimos o melhor e quando Celso se deparar em tal situação, se ele não souber o limite próprio, pode acabar por ser no impulso, tomado por reação que cause dano maior.
- A senhora acha que ele pode fazer mau a alguém?
- Não é bem isso...
Antônio, levanta e nisso Áurea também.
- Bem nos desculpe D. Glicélia mais nós já vamos, acredite damos conselhos a eles, somos pobres, admitimos mais na nossa classe, no nosso direito damos boa instrução.
- Me desculpem.
- Bem obrigado, ja estamos indo.
Antônio e Áurea seguem para a porta quando Francisco aparece frente a eles.
- Dr Francisco.
- Antônio, D. Áurea, estive na casa de vocês, a moça Laura me disse que tinham vindo para cá.
- Sim mais já estamos de saída.
- Eu os levo.
- Agradecido.
Antônio e esposa aguarda no pátio olhando ao redor enquanto Francisco fica na sala de direção, Áurea pede licença ao marido e sai para o sanitário, entra na recepção e vê pela janela, Francisco alisando a face de Glicélia enquanto ela admira o peitoral do homem ali na sua frente.
- Canalha, vai me pagar, de agora em diante saberei como lidar contigo.
Elas retorna ao pátio e encontra o esposo a beber água no bebedouro.
- Vamos Antônio.
- O que foi Áurea?
- Quero ir agora.
- O que foi que aconteceu?
- Precisa acontecer algo, depois de tudo que ouvimos, não quero ficar nem um segundo aqui.
- Então espere vou atrás do dr e avisa-lo que vamos.
- Não, vamos embora.
Áurea leva Antônio para fora em passos rápidos vão ao ponto de ônibus, entram no primeiro que segue.
- Mais este nem é o nosso mulher.
- Não tem problema, descemos no terminal e lá fazemos a troca.
- Tudo bem.
Dois dias depois, aula de educação fisica, 3 classes fazem exercícios na quadra da escola, as meninas jogam queimada e os garotos se preparam para um futebol em estilo carangueijo.
Celso vê Fernanda sair da sala de professores e ir até a cozinha, sem que percebam ele se afasta do grupo e segue para ali, onde pela janela a vê falar com as mulheres dali, segue para outro lado, logo ela sai, joga uma pedra pequena que acerta a saia dela, a professora olha ao redor e nada, ouve um barulho ao fundo do bloco c um pouco afastado dali e e segue ao local, uma espécie de almoxarifado, um tanto escuro com livros e alguns materiais tipo construção, cadeira, mesas, quinquilharias inservíveis.
- Tem alguém ai?
Ela anda pelo lugar, ouvir barulho de gotejar, devido a vazamentos em canos, pisa numa poça de água e sente um forte impacto que a faz cair desacordada.
Ali no chão ela fica, Celso com uso de um pedaço de caibo a golpeara nas costas agora lhe dá outro no braço direito e corre jogando a madeira para fora do muro limite da escola.
Vanusa segue com vassouras e rodo para a limpeza do bloco c, algumas salas estão sem uso naquele período quando ela observa o portão do almoxarifado aberto.
- Meu Deus mais eu tenho certeza que deixei fechado.
Ela vai até o lugar entra e vê Fernanda caída, grita apavorada.
Alunos e professores todos ali naquele corredor, a ambulância a leva, os policiais fazem perguntas, mais nada.
Procuram por pistas, sem sucesso, Celso ali com os outros alunos todos assombrados, ele vê a professora tão querida por ele passar na maca, se emociona, saindo lágrimas de seu olhos, os colegas vem ao seu conforto.
- Fique tranquilo Celso, não será nada grave, logo ela estará bem.
- Será, eu gosto tanto dela.
- Sim.
Ali sendo confortado, ele olha para outro lado e abre um singelo sorriso demoníaco e logo retorna as lágrimas.
Nisso quando sai daquela comoção ele se depara com uma aluna que olha para ele fixo.
Celso netra no sanitário fica ali poucos minutos e sai, perto do lavatório a garota o aguarda.
- Oi Celso.
- Te conheço?
- Eu vi.
- O quê?
- Você sair do almoxarifado, eu vi, minha classe é perto dali.
- Não sei o que diz.
- Olhe, a mim pouco me interessa sobre aquela mulher, desde que me traga dinheiro amanhã.
- Como assim?
- Dinheiro seu imbecil, dinheiro é que quero.
- Vá para o inferno.
- Para que se aqui esta melhor, já que o filho do chefe estuda na mesma escola que eu.
- Louca.
- Amanhã, minha grana.
A menina sai dali e Celso fecha as mãos.
- Maldita, não vai ficar assim se arrependerá, isso posso te garantir vadia louca. Um riso diabólico surge em seu lábio.

   07092017 -------------------------------------------------------------------------------.


                                              7




             Celso não consegue dormir, ao fechar os olhos vê a garota a sua frente lhe extorquindo.
- Maldita, sacana maldita.
Amanhece ele toma seu banho, café e segue para a escola.
As aulas são normais, no intervalo ele entra no sanitário ao sair se depara com a garota.
- Trouxe minha grana?
- Sim, vamos lá para trás.
- Tudo bem.
Atrás da cantina, Celso entrega para ela 50 reais e sai dali.
- Ei aonde você pensa que vai?
- Não te devo mais nada, foda-se ai.
- Não é bem assim.
- O que quer?
- Por hoje mais nada, só que amanhã...
- Olhe vá se lascar não te devo mais nada.
A menina vai até ele lhe segurando por trás na camiseta.
- Eu te digo quando vai acabar.
Celso se vira para ela de seus olhos se veem um fogo infernal.
- Não sei teu nome, nem pretendo saber o que sei é que se você continuar me pertubando sei lá o que te pode acontecer.
- Esta me ameaçando criança.
- Não sei, sei lá.
Celso se desvencilha dela e sai dali a deixando com um riso tão diabólico quanto o dele.
Após 2 semanas, Fernanda retorna as aulas com uma tipóia no braço, tendo cautela possível para não ofender este.
O garoto como sempre o numero 1 da aula, porém sente um certo distanciamento por parte da professora, ao terminar a aula ele testa indo á mesa da professora ao se aproximar dela sente um certo medo dela.
- O que houve professora?
- Oi Celso, não tinha te visto vindo.
- Queria lhe perguntar algo.
- O que foi Celso?
- Sobre a matéria.
Celso faz a pergunta lhe mostrando o caderno, depois de sanada a dúvida ele se despede e sai.
No pátio ele Vê o namorado de Fernanda chegar de moto, deixando-a ao canto próximo ao portão, o garoto vai até perto da cantina e pega uma vassoura indo em direção a moto olha pelo redor e investe nesta logo saindo dali.
No ponto de ônibus ele sobe no seu estando no ultimo banco olha para a escola, Fernanda recebe com alegria seu amor, Leônidas a beija com um gesto simples e a ajuda com seus papéis e eles saem da sala andando pelo pátio, ela entra na sala dos professores junto dele onde guardas algumas pastas no armário e segue com ele, logo ele fica chocado ao ver sua moto no chão caída, espelhos quebrados, farol danificado.
- Meu Deus como foi cair. Fernanda fica assustada ao ver o estado da moto de seu noivo, ajuda ele a levantar a moto que a testa e esta funcionando.
- Vamos.
- Esta tudo bem?
- Sim, amanhã ela estará nova.
- Me desculpe.
- Pelo quê?
- Ter vindo me buscar, não foi uma boa idéia.
- A partir de amanhã venho de carro.
- Te amo.
- Te amo.
Celso entra em casa sendo recebido pela mãe e tia, as beija e segue para o banheiro de onde sai indo para o quarto guarda sua mochila e de mãos lavadas almoça.
José e Mauro já estão trabalhando, José trabalha de office boy em um escritório de contabilidade e Mauro ajuda em uma banca de revistas.

08092017 -----------------------------------------------------


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 1156


Outros títulos do mesmo autor

Contos MARCOS 18 NOVEL GLS ricardo fog
Contos MARCOS 17 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 19 TERROR ricardo fog
Contos SUSSURROS 18 TERROR ricardo fog
Crônicas LÁ VAI MAIS UMA ricardo fog
Contos SUSSURROS 17 TERROR ricardo fog
Contos MARCOS 16 NOVEL GLS ricardo fog
Crônicas O PROFESSOR A LENDA ricardo fog
Contos MARCOS 15 NOVEL GLS ricardo fog
Contos SUSSURROS 16 TERROR ricardo fog

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 88.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 34241 Visitas
Japão - Era Meiji - Agrário Conrado 33611 Visitas
FIO DA ESPADA - Tércio Sthal 33441 Visitas
O mundo infantil - helena Maria Rabello Lyra 33233 Visitas
Nobres Loucos - Wesley Necreto 32010 Visitas
Origens da Bandeira do Brasil - Marco Antonio Cruz Filho 31857 Visitas
viramundo vai a frança - 31842 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 31767 Visitas
camaro amarelo - 31716 Visitas
Faça alguém feliz - 31610 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última