Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Convicções e Ensinos
George Muller


Título original: Convictions and Teachings

Por George Muller (1805-1898)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


Uma fé comum (1842)
Eu desejo que todos os filhos de Deus, que podem ler estes detalhes, possam assim ser levados a uma confiança maior e mais simples em Deus para tudo que eles possam precisar sob quaisquer circunstâncias, e que estas muitas respostas à oração possam encorajá-los a orar, particularmente no que se refere à conversão de seus amigos e parentes, ao seu próprio progresso na graça e no conhecimento, ao estado dos santos que eles podem conhecer pessoalmente, ao estado da Igreja de Deus em geral e ao sucesso da pregação do evangelho.
Especialmente eu os advirto carinhosamente de que não sejam levados pelo dispositivo de Satanás para pensar que essas coisas são peculiares a mim mesmo e não podem ser desfrutadas por todos os filhos de Deus; pois embora todo crente não seja chamado a estabelecer Casas para Órfãs, Escolas de Caridade, etc., e confiar no Senhor por meios, contudo todos os crentes são chamados, na simples confiança da fé, a lançar sobre Ele todos os seus fardos, confiar nele para tudo, e não apenas fazer de tudo um assunto de oração, mas esperar respostas às suas petições que pediram de acordo com Sua vontade, e em nome do Senhor Jesus.
(Nota do tradutor: antes de prosseguir com os escritos do George Muller, vale a pena lembrar que ele tinha um diário no qual registrou todos os seus pedidos de oração atendidos por Deus, tendo estes chegado ao número de cinquenta mil. Tendo sido contemporâneo de Charles Darwin, que com sua teoria da evolução negava a existência de Deus, através de George Muller, de modo especial, Deus revelava o quanto estava vivo e atuante, pela maneira extraordinária que atuou através do seu testemunho, tal como havia feito nos dias dos profetas Elias e Eliseu em Israel, quando a nação se distanciava dele em razão do culto que devotava a Baal.)
Não pense, querido leitor, que tenho o dom da fé, isto é, o dom que lemos em 1 Coríntios 12: 9 e que é mencionado juntamente com "os dons da cura", "a obra dos milagres", "profecia "- e que, por isso, posso confiar no Senhor. De minha íntima alma eu atribuo a Deus somente que Ele me permitiu confiar nele, e que ele não permitiu que minha confiança nele fracassasse. Mas achei necessário fazer estas observações, para que ninguém pensasse que minha dependência de Deus era um dom especial dado a mim, que outros santos não têm direito de procurar; ou para que não se pensasse que este, na minha dependência dele, tinha apenas a ver com a obtenção de dinheiro pela oração e fé. Pela graça de Deus, desejo que a minha fé em Deus se estenda a tudo: o mais ínfimo dos meus interesses temporais e espirituais, e a menor das preocupações temporais e espirituais da minha família, para com os santos entre os quais trabalho, a Igreja em geral, tudo o que tem a ver com a prosperidade temporal e espiritual da minha Instituição. Caro leitor, não pense que eu alcancei a fé (e menos em outros aspectos) até o grau em que eu poderia e deveria alcançar.
Por fim, não deixe Satanás enganá-lo ao fazer você pensar que você não poderia ter a mesma fé, mas que é apenas para pessoas que estão situadas como eu estou.
Quando eu perco uma coisa como uma chave, peço ao Senhor para me direcionar a ela, e eu busco uma resposta para a minha oração.
Quando uma pessoa com quem fiz uma nomeação não chega na hora fixa, e começo a ser incomodado por ela, peço ao Senhor que tenha prazer em apressá-la para mim, e eu procuro uma resposta.
Quando eu não entendo uma passagem da Palavra de Deus, eu elevo meu coração ao Senhor, para que Ele se agrade, por Seu Espírito Santo, em me instruir - e eu espero ser ensinado, embora eu não estabeleça o tempo e como deve acontecer.
Quando eu estiver ministrando a Palavra, busco a ajuda do Senhor, e enquanto eu, na consciência de minha incapacidade natural, bem como de minha total indignidade, começar este Seu serviço, não estou abatido, mas de bom ânimo, porque eu procuro Sua ajuda e acredito que Ele, por amor de Seu amado Filho, me ajudará.
Oh! Eu lhe suplico, não me considere um crente extraordinário, tendo privilégios acima de outros filhos queridos de Deus que eles não podem ter; nem olhe o meu modo de agir como algo que não faria para outros crentes. Faça apenas um provação! Mas fique parado na hora da provação, e você verá a ajuda de Deus, se você confiar nele.
Mas, há tantas vezes um abandono dos caminhos do Senhor na hora da provação, e assim o alimento da fé, os meios pelos quais nossa fé pode ser aumentada, é perdido.

Fortalecimento da fé (1842)
Isto leva-me ao seguinte ponto importante. Você pergunta: "Como posso, crente verdadeiro, ter minha fé fortalecida?" A resposta é esta: "Toda boa dádiva e todo dom perfeito vem de cima, e desce do Pai das luzes, com quem não há mudança, nem sombra de variação." (Tg 1:17). Como o aumento da fé é um bom dom, deve vir de Deus, e, portanto, Ele deve ser convidado para esta bênção. Entretanto, os seguintes meios devem ser usados:
1. A leitura cuidadosa da Palavra de Deus, combinada com a sua meditação. Através da leitura da Palavra de Deus, e especialmente através da meditação sobre a Palavra de Deus, o crente torna-se cada vez mais familiarizado com a natureza e o caráter de Deus, e assim vê cada vez mais, em Sua santidade e justiça – e o quão amoroso, gracioso, misericordioso, poderoso, sábio e fiel que Ele é. Portanto, na pobreza, aflição de corpo, luto em sua família, dificuldade em seu serviço, falta de emprego - ele repousará sobre a capacidade de Deus para ajudá-lo; porque ele não só aprendeu de Sua Palavra que Ele é de poder todo-poderoso e sabedoria infinita, mas também observou de instância em instância nas Sagradas Escrituras em que Seu poder onipotente e infinita sabedoria foram realmente exercitados em ajudar e livrar Seu povo. Ele descansará sobre a disposição de Deus para ajudá-lo, porque ele não só aprendeu das Escrituras que Deus bondoso, misericordioso, gracioso e fiel ele é, mas porque também viu na Palavra de Deus em uma grande variedade de casos como Ele provou ser assim.
E a consideração disto, se Deus se tornou conhecido para nós através da oração e meditação em Sua própria Palavra, nos conduzirá, pelo menos em geral, a uma certa confiança nele. Assim, a meditação sobre a Palavra de Deus será um meio especial para fortalecer nossa fé.
2. Como no que diz respeito ao crescimento de toda a graça do Espírito, é de extrema importância que procuremos manter um coração reto e uma boa consciência e, portanto, não nos habituemos, conscientemente, às coisas que são contrárias à Mente de Deus, pois assim também é particularmente o caso com referência ao crescimento na fé. Como posso continuar a agir com fé em Deus em relação a qualquer coisa, se eu habitualmente estou entristecendo Ele, e procurar diminuir a glória e a honra daquele em quem confesso confiar e depender? Toda a minha confiança para com Deus, toda a minha inclinação sobre Ele na hora da provação, desaparecerá se eu tiver uma consciência culpada, e não procurarei afastar essa consciência culpada, senão continuar a fazer coisas que são contrárias à mente de Deus. E se, em qualquer caso particular, eu não posso confiar em Deus por causa da consciência culpada, então minha fé é enfraquecida por esse exemplo de desconfiança.
Pois a fé, com cada nova provação, aumenta com a confiança em Deus e assim recebe ajuda, ou diminui por não confiar nele - e então há cada vez menos poder de olhar diretamente para Ele, e um hábito de autodependência é gerado ou encorajado.
Um ou outro destes será sempre o caso em cada caso particular. Ou confiamos em Deus, e nesse caso não confiamos em nós mesmos, nem em nossos semelhantes, nem em circunstâncias, nem em nada além; ou confiamos em um ou mais desses, e nesse caso NÃO confiamos em Deus.
3. Se nós, de fato, desejamos que nossa fé seja fortalecida, não devemos encolher-nos das oportunidades em que ela possa ser provada; e, portanto, através da provação, ser reforçada. No nosso estado natural, não gostamos de lidar com Deus sozinho. Através de nossa alienação natural de Deus, nos afastamos dele e das realidades eternas. Esta propensão se agarra a nós, mais ou menos, mesmo depois da nossa regeneração. Daí que mais ou menos, mesmo como crentes, temos esta inclinação par anos encolhermos quanto a ficar com Deus somente - de depender dele somente, de olhar para Ele somente - e ainda esta é a posição em que devemos estar se quisermos que nossa fé seja fortalecida.
Quanto mais eu estiver em condições de ser provado na fé com referência ao meu corpo, à minha família, ao meu serviço para o Senhor, aos meus negócios, etc., mais terei a oportunidade de ver a ajuda de Deus e a libertação; e no que Ele me ajuda e me livra, tenderá para o aumento da minha fé.
Por isso, o crente não deve recuar de situações, posições, circunstâncias, nas quais sua fé possa ser provada; mas deve alegremente abraçá-las como oportunidades onde ele pode ver a mão de Deus estendida em seu favor para ajudá-lo e libertá-lo, e por meio do que ele poderá assim ter sua fé fortalecida.
4. O último ponto importante para o fortalecimento de nossa fé é que deixemos que Deus trabalhe para nós, quando chega a hora da prova de nossa fé e não operemos uma libertação nossa. Onde quer que Deus tenha dado fé, ela é dada, entre outras razões, para o propósito de ser provada. Sim, por mais fraca que seja a nossa fé, Deus a provará - só com esta restrição: que, como em todos os caminhos, Ele conduz suavemente, gradual e pacientemente, também com referência à provação de nossa fé.
A princípio, a nossa fé será provada muito pouco em comparação com o que pode ser depois, pois Deus nunca nos coloca em mais do que Ele está disposto a permitir-nos suportar. Agora, quando a prova da fé vem, estamos naturalmente inclinados a desconfiar de Deus, e confiar mais em nós mesmos, ou em nossos amigos, ou em circunstâncias. Preferimos operar nossa libertação de alguma forma, do que simplesmente olhar para Deus e esperar Sua ajuda. Mas se não esperarmos pacientemente a ajuda de Deus, se trabalharmos em uma libertação nossa, então, na próxima provação da nossa fé, será assim novamente: estaremos mais uma vez inclinados a livrar-nos - e assim, com cada novo exemplo dessa espécie, nossa fé diminuirá.
Enquanto, pelo contrário, se ficássemos parados para ver a salvação de Deus, ver Sua mão estendida em nosso favor, confiando somente nele, então nossa fé seria aumentada; com cada novo caso em que a mão de Deus é estendida em nosso favor na hora da provação de nossa fé, e esta seria aumentada ainda mais. O crente, portanto, se deseja ter sua fé fortalecida, ele deve especialmente dar tempo a Deus, que prova sua fé para mostrar ao seu filho, no final, quão disposto Ele é para ajudá-lo e libertá-lo, no momento em que é bom para ele.

A vida da fé (1855)
Trecho retirado de "A Autobiografia de George Muller"
Se alguém deseja viver uma vida de fé e confiança em Deus, deve:
1. Não apenas dizer que confia em Deus, mas deve realmente fazê-lo. Muitas vezes, os indivíduos professam confiar em Deus, mas abraçam todas as oportunidades onde podem, direta ou indiretamente, dizer a alguém sobre sua necessidade. Não digo que é errado dar a conhecer a nossa situação financeira, mas dificilmente demonstra confiança em Deus expor as nossas necessidades para que outras pessoas nos ajudem. Deus nos tomará em nossa palavra. Se confiarmos nele, devemos estar satisfeitos em permanecer com Ele somente.
2. O indivíduo que deseja viver deste modo deve estar satisfeito se ele é rico ou pobre. Ele deve estar disposto a viver em abundância, ou na pobreza. Ele deve estar disposto a deixar este mundo sem quaisquer bens.
3. Ele deve estar disposto a tomar o dinheiro no caminho de Deus, não apenas em grandes somas, mas em pequenas quantidades. Muitas vezes eu tive um único centavo dado a mim. Recusar tais sinais de amor cristão, teria sido desagradável.
4. Ele deve estar disposto a viver como mordomo do Senhor. Se alguém não der das bênçãos que o Senhor lhe dá, então o Senhor, que influencia o coração de Seus filhos para dar, logo faria com que esses canais fossem secos. Minha renda aumentou ainda mais quando eu determinei que, com a ajuda de Deus, Seus pobres e Sua obra seriam ajudados pelo meu dinheiro. Desde então, o Senhor se agradou em me confiar mais.
Os Princípios de Fé do Ministério (1824)
1. Consideramos cada crente ligado, de uma maneira ou de outra, a ajudar a causa de Cristo. Temos mandado bíblico para esperar a bênção do Senhor em nosso trabalho de fé e de amor. Embora de acordo com Mateus 13: 24-43, 2 Timóteo 3: 1-13 e muitas outras passagens, o mundo não se converta antes da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, ainda, enquanto Ele se demora, todos os meios bíblicos devem ser empregados para a reunião dos eleitos de Deus.
2. O Senhor nos ajuda, não pretendemos buscar o patrocínio do mundo; isto é, nunca pretendemos pedir a pessoas não convertidas de classe ou riqueza que apoiem esta instituição, porque isto, nós consideramos, seria desonroso para o Senhor. "Em nome de nosso Deus, estabeleceremos nossas bandeiras" (Salmo 20: 5). Só Ele será nosso patrono. Se Ele nos ajuda, prosperaremos; se Ele não está do nosso lado, não teremos sucesso.
3. Não pediremos dinheiro aos incrédulos (2 Coríntios 6: 14-18); embora não nos sintamos autorizados a recusar suas contribuições, se eles, por sua própria iniciativa, deveriam oferecer-lhe (Atos 28: 2, 10).
4. Rejeitamos totalmente a ajuda dos incrédulos na administração ou na execução dos assuntos da instituição (2 Coríntios 6: 14-18).
5. Pretendemos nunca alargar o campo de trabalho mediante a contração de dívidas (Rom 13.8) e, posteriormente, apelar à ajuda da Igreja de Deus, porque consideramos que isto se opõe à letra e ao espírito do Novo Testamento. Mas, em oração secreta, Deus ajudando-nos, levaremos as necessidades da instituição ao Senhor e agiremos de acordo com os meios que Deus nos dará.
6. Não queremos dizer o sucesso da instituição pela quantidade de dinheiro dado ou pelo número de Bíblias distribuídas, mas pela bênção do Senhor sobre a obra (Zacarias 4: 6), e esperamos isso na proporção em que Ele nos ajudará a esperar por Ele em oração.
7. Enquanto evitamos a separação desnecessária dos outros, desejamos continuar simplesmente de acordo com a Escritura sem comprometer a verdade; ao mesmo tempo, agradecer receber qualquer instrução que os crentes experientes, após a oração sobre o terreno bíblico, possam ter que nos dar sobre a instituição.

O Reino e os Tesouros
Buscando Primeiro o Reino (1844)
"Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça; e todas estas coisas vos serão acrescentadas." (Mateus 6:33)
Depois de nosso Senhor, nos versos anteriores, ter apontado Seus discípulos para "as aves do céu" e "os lírios do campo", para que não se preocupem com as necessidades da vida, acrescenta: "Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que havemos de comer? ou: Que havemos de beber? ou: Com que nos havemos de vestir? (Pois a todas estas coisas os gentios procuram.) Porque vosso Pai celestial sabe que precisais de tudo isso."(Mat 6: 31-32).
Observe aqui particularmente que nós, os filhos de Deus, devemos ser diferentes dos ímpios, daqueles que não têm Pai Celestial e que, portanto, tornam o seu grande negócio, a sua primeira preocupação ansiosa - o que eles devem comer, o que eles devem beber, e com o que eles devem ser vestidos. Nós, filhos de Deus, devemos, como em todos os outros aspectos também neste particular, ser diferentes do mundo e provar ao mundo que cremos que temos um Pai Celestial que sabe que precisamos de todas essas coisas.
Deve remover toda a ansiedade de nossas mentes, o fato de que nosso Pai Todo-Poderoso, que está cheio de amor infinito para nós, Seus filhos, e que nos provou Seu amor inescrutável no dom de Seu Filho unigênito e Seu poder onipotente em o ressuscitar dos mortos, sabe que temos necessidade destas coisas.
No entanto, há uma coisa que devemos atender em relação às nossas necessidades temporais. É mencionado em nosso verso: "Mas buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça". O grande negócio que o discípulo do Senhor Jesus tem de se preocupar (pois esta palavra foi dita aos discípulos, aos crentes professos) é buscar o reino de Deus, isto é, procurar, como eu o vejo, a prosperidade interna da Igreja de Deus. Se, de acordo com a nossa capacidade e segundo a oportunidade que o Senhor nos dá, buscamos ganhar almas para o Senhor Jesus, isto parece-me ser estar buscando a prosperidade externa do reino de Deus. E se nós, como membros do corpo de Cristo, procuramos beneficiar nossos companheiros no corpo, auxiliando-os na graça e na verdade, ou cuidando deles de qualquer maneira para sua edificação, isto é estar buscando a prosperidade interna do Reino de Deus.
Mas, em conexão com isso, temos também de "buscar a Sua justiça", o que significa (como foi dito aos discípulos, àqueles que têm um Pai Celestial e não aos ímpios), procurar ser cada vez mais semelhante a Deus, procurar ser interiormente conformado à mente de Deus.
Se estas duas coisas forem atendidas (e elas implicam também que não somos preguiçosos nos negócios), então nos encontramos sob aquela preciosa promessa: "E todas estas coisas [que são comida, roupa ou qualquer outra coisa que seja necessária para esta vida presente] vos será acrescentada."
Não é para atender a estas duas coisas que obtemos a bênção, mas em atendê-las.
Faço-lhe agora, meu caro leitor, algumas perguntas em todo o amor, porque eu procuro seu bem-estar. Eu não quero colocar estas perguntas para você sem colocá-las primeiro para o meu próprio coração. Você faz com que seja seu principal negócio, sua primeira grande preocupação, buscar o reino de Deus e Sua justiça?
As coisas de Deus - a honra do Seu nome, o bem-estar de Sua Igreja, a conversão dos pecadores e o lucro de sua própria alma – é seu principal objetivo? Ou será que o seu negócio, a sua família ou as suas próprias preocupações temporais, de alguma ou de outra forma, ocupam principalmente a sua atenção? Nunca conheci um filho de Deus que agisse de acordo com a passagem acima, em cuja experiência o Senhor não cumpriu Sua promessa: "Todas estas coisas vos serão acrescentadas".

Tesouros no céu (1844)
"Não ajunteis para vós tesouros na terra; onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consumem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” (Mateus 6: 19-21)
Observe, querido leitor, os seguintes pontos a respeito desta parte do testemunho divino:
1. É o Senhor Jesus, nosso Senhor e Mestre, que fala isto como o legislador do Seu povo - Aquele que tem infinita sabedoria e amor insondável para nós, que, portanto, sabe o que é para o nosso real bem-estar e felicidade, e quem pode exigir de nós qualquer requisito que não seja inconsistente com o amor que o levou a dar Sua vida por nós. Recordando então quem é que nos fala nestes versículos, vamos considerá-los:
2. Seu conselho, Seu pedido afetuoso e Seu mandamento para nós Seus discípulos é: "Não acumuleis tesouros na terra". O significado obviamente é que os discípulos do Senhor Jesus, sendo estranhos e peregrinos na terra, isto é, nem pertencendo à terra nem esperando permanecer nela, não devem procurar aumentar suas posses terrenas, seja no que for que essas posses possam consistir . Esta é uma palavra para crentes pobres, bem como para crentes ricos.
3. Nosso Senhor diz a respeito da terra que é um lugar "onde a traça e a ferrugem corrompem, e onde os ladrões minam e roubam". Tudo o que é da terra, e de qualquer forma conectado com ela, está sujeito à corrupção, à mudança, à dissolução. Não há realidade ou substância permanente em outra coisa senão nas coisas celestiais. Muitas vezes, a cuidadosa acumulação de bens terrenos termina em perdê-los em um momento pelo fogo, pelo roubo, por uma mudança de preocupações financeiras, pela perda de trabalho, etc.
Mas suponha que tudo isso não acontecesse ainda, ainda assim, em pouco tempo, e sua alma será exigida de você (Lucas 12:20); ou ainda em pouco tempo, e o Senhor Jesus voltará. E que lucro você terá, querido leitor, se você cuidadosamente procurou aumentar suas posses terrenas?
Meu irmão, se houvesse uma partícula de benefício real a ser derivada disso, não teria Aquele, cujo amor para nós foi provado ao máximo, ter desejado que você e eu deveríamos ter isto? Se, no mínimo, pudesse tender ao aumento da nossa paz, ou alegria no Espírito Santo, ou mente celestial, então Ele, que deu a Sua vida por nós, teria nos ordenado, para "juntar tesouros sobre a terra"!
4. Nosso Senhor não nos manda simplesmente não acumular tesouros na terra; se não tivesse dito mais nada, este mandamento poderia ser abusado, e as pessoas achariam nisso uma desculpa para seus hábitos extravagantes, seu amor ao prazer e seu hábito de gastar tudo o que têm ou podem obter sobre si mesmos. Isso não significa, então, como é a frase comum, que devemos "viver de acordo com nossa renda"; porque Ele acrescenta: "Mas ajuntai para vós tesouros no Céu".
Há tal coisa como estar no Céu, tão verdadeiramente como há assentamento na terra; se não fosse assim, nosso Senhor não teria dito isso. Assim como as pessoas colocam uma soma após outra no banco, e é atribuído a seu crédito, e eles podem usar o dinheiro depois - tão verdadeiramente o centavo, o dólar, os cem dólares, os dez mil dólares, dado para e pelo amor de Cristo, aos pobres irmãos ou de alguma maneira despendidos na obra de Deus - Ele marca no livro da recordação; ele considera que está no céu. O dinheiro não está perdido; é depositado no banco do céu - ainda assim, enquanto um banco terreno pode quebrar ou através de circunstâncias terrenas, podemos perder nossas posses materiais, o dinheiro assim assegurado no Céu não pode ser perdido. Mas esta não é de modo algum a única diferença; noto mais alguns pontos.
Tesouros depositados na terra trazem junto com eles muitos cuidados; os tesouros depositados no Céu nunca trazem cuidado.
Os tesouros depositados na terra nunca podem permitir a alegria espiritual; os tesouros depositados no Céu trazem consigo paz e alegria no Espírito Santo, mesmo agora.
Os tesouros depositados na terra, na hora da morte, não podem dar paz e conforto, e quando a vida acaba, eles são tirados de nós; os tesouros depositados no Céu trazem ação de graças porque fomos considerados dignos de servir ao Senhor com os meios com que Ele se agradou nos confiar como mordomos.
E quando esta vida tiver terminado, não seremos privados do que estava ali guardado, mas quando formos para o Céu, iremos para o lugar onde estão os nossos tesouros, e lá os encontraremos.
Muitas vezes ouvimos dizer quando uma pessoa morreu: "ele morreu valendo tanto." Mas sejam quais forem as frases comuns no mundo, é certo que uma pessoa pode morrer valendo cinquenta mil libras esterlinas, como o mundo considera - e mesmo assim esse indivíduo não pode possuir à vista de Deus mil libras esterlinas, porque ele não era rico para com Deus, não depositou tesouros no Céu.
Caro leitor, a sua alma deseja ser rica para com Deus, e juntar tesouros no Céu? O mundo passa e a sua concupiscência. (1 João 2:17). Ainda um pouco, e nossa mordomia será tirada de nós. Neste momento, temos a oportunidade de servir ao Senhor com nosso tempo, nossos talentos, nossa força corporal, nossos dons e também com nossa propriedade; mas em breve esta oportunidade pode cessar. Oh, como em breve pode cessar! Antes que isso seja lido por alguém, eu posso ter morrido; e no dia seguinte depois de ter lido isso, querido leitor, você pode ter morrido! E, portanto, enquanto temos a oportunidade, sirvamos ao Senhor.
Eu creio, e por isso falo. Minha própria alma está tão plenamente assegurada da sabedoria e do amor do Senhor para conosco, seus discípulos, como expressos nesta Palavra, que por Sua graça eu sinto a preciosidade do mandamento, e faço a minha alma não somente desejar depositar tesouros na terra, mas crendo como eu faço o que o Senhor diz, eu desejo ter graça para juntar tesouros no Céu.
5. O Senhor acrescenta finalmente: "Porque onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração". Onde deveria estar o coração do discípulo do Senhor Jesus, senão no Céu? Nosso chamado é um chamado celestial; nossa herança é uma herança celestial; nossa cidadania está no Céu; mas se nós crentes no Senhor Jesus erguemos tesouros na terra, o resultado necessário disso é que nossos corações estarão sobre a terra - e o fato de fazer isso prova que eles estão lá! Também não será de outra forma até que haja um cessar de juntar tesouros na terra.
O crente que deposita tesouros na terra pode, no princípio, não viver abertamente no pecado; ele em alguma medida ainda pode trazer alguma honra ao Senhor em certas coisas. Mas, as tendências prejudiciais deste hábito se mostrarão cada vez maiores, enquanto o hábito de acumular tesouros no Céu atrairia o coração cada vez mais para o céu. Este hábito estaria continuamente fortalecendo sua natureza nova, sua natureza divina, suas faculdades espirituais, porque chamaria suas faculdades espirituais em uso, e assim elas seriam fortalecidas - e ele iria mais e mais, enquanto ainda no corpo, ter seu coração no Céu e colocado sobre as coisas celestiais. E assim, a acumulação de tesouros no Céu traria consigo, mesmo nesta vida, preciosas bênçãos espirituais como recompensa da obediência.

Mordomia
O filho de Deus foi comprado com o "precioso sangue de Cristo" (1 Pedro 1:19) e é inteiramente propriedade dele, com tudo o que possui: sua força física, sua força mental, sua capacidade de toda espécie, seus talentos, sua propriedade, etc., pois está escrito: "Vocês não são seus, porque são comprados com preço" (1 Coríntios 6: 19-20).
Essas coisas, portanto, não são nossas próprias no sentido de usá-las como nosso coração natural deseja que façamos, quer gastá-las na gratificação de nosso orgulho, nosso amor de prazer ou indulgências sensuais, ou para juntar dinheiro para nós mesmos ou nossos filhos, ou usá-lo de qualquer maneira como naturalmente gostamos. Mas, temos de estar diante de nosso Senhor e Mestre, cujos mordomos somos, para procurar averiguar Sua vontade - como Ele nos mandará usar o produto do nosso chamado.
Mas, este é realmente o espírito em que os filhos de Deus geralmente estão envolvidos em seu chamado? É muito conhecido que não é o caso! Podemos, então, admirar-nos de que até mesmo os próprios filhos de Deus devem ser encontrados em grande dificuldade em relação às suas circunstâncias e ser encontrados tantas vezes queixando-se de estagnação ou competição no comércio e as dificuldades dos tempos? Lhes foram dadas preciosas promessas como: "Buscai primeiro o reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" (Mateus 6:33), ou "mantenham a sua vida livre do amor ao dinheiro e contentai-vos com o que tendes, porque ele disse: nunca vos deixarei, nem vos desampararei.” (Hebreus 13: 5).
Não é óbvio o suficiente que, quando nosso Pai Celestial vê que Seus filhos fazem ou usariam o produto de nossa vocação como nossa mente natural desejaria, Ele não pode nem sequer confiá-los a nós, ou então ser obrigado a diminuí-los? Nenhuma mãe sábia e afetuosa permitirá que seu bebê brinque com uma navalha ou com fogo, por mais que a criança deseje tê-los. Da mesma forma, o amor e a sabedoria de nosso Pai Celestial não nos confiarão meios financeiros (a não ser por meio de castigo ou para mostrar-nos finalmente a sua completa vaidade), se Ele vê que não desejamos possuir a fim de que possamos gastá-los como Ele pode nos mostrar pelo Seu Espírito Santo, através de Sua Palavra.
Em conexão com isso eu dou algumas dicas para o leitor crente em três passagens da Palavra de Deus.
Em 1 Coríntios 16: 2, encontramos escrito aos irmãos em Corinto: "No primeiro dia da semana cada um de vós ponha de parte o que puder, conforme tiver prosperado, guardando-o, para que se não façam coletas quando eu chegar." Uma contribuição para os santos pobres na Judéia devia ser feita, e os irmãos em Corinto foram exortados a pôr algo de lado e armazená-lo a cada Dia do Senhor, de acordo com a medida de prosperidade que o Senhor tivesse se agradado em conceder-lhes em sua vocação durante a semana.
Ora, os santos de nossos dias também não devem agir de acordo com esta palavra? Não há passagem na Palavra de Deus que nos diga que não o façamos, e está totalmente de acordo com o nosso caráter de peregrino, não apenas uma ou duas vezes, ou quatro vezes por ano, para ver o quanto podemos dar ao pobres santos, ou para a obra de Deus de qualquer maneira, mas para tentar liquidá-lo semanalmente.
Poderia também ser dito por um irmão cujo salário é pequeno: "Devo também dar de acordo com meus ganhos? Eles já são tão pequenos que minha esposa só pode com a maior dificuldade conseguir torná-los suficientes para a família." Minha resposta é: você já considerou, meu irmão, que a razão pela qual o Senhor é obrigado a deixar que seus ganhos permaneçam tão pequenos, pode ser o fato de você gastar tudo com vocês mesmos e que, se Ele lhes desse mais, você só o usaria para aumentar o conforto de sua própria família, ao invés de olhar para ver quem entre os irmãos está doente, ou quem não tem trabalho algum, para ajudá-los, ou como pode ajudar a obra de Deus em casa e no exterior?
Há uma grande tentação para um irmão, cujos salários são pequenos, afastar a responsabilidade de ajudar os santos necessitados e doentes, ou ajudar na obra de Deus e colocá-la sobre os poucos irmãos e irmãs ricos com quem está associado, e assim roubar sua própria alma!
Pode-se perguntar: "Quanto devo dar da minha renda?" A décima parte, ou a quinta parte, ou a terceira parte, ou metade, ou mais? " Minha resposta é, Deus não estabelece nenhuma regra sobre este ponto. O que fazemos devemos fazer alegremente e não por necessidade (2 Coríntios 9: 7).
Mas se até mesmo Jacó, com o primeiro amanhecer da luz espiritual (Gênesis 28:22), prometeu a Deus o décimo de tudo que Ele devia dar a Ele, quanto devemos crer no Senhor Jesus para fazer por Ele? Cujo chamado é celestial, e que sabemos distintamente que somos filhos de Deus e co-herdeiros com o Senhor Jesus!
Todavia, todos os filhos de Deus dão até a décima parte do que o Senhor lhes dá? Em conexão com 1 Coríntios 16: 2, gostaria de mencionar duas outras porções.
2 Coríntios 9: 6 "Aquele que semeia com moderação também ceifará com moderação, e quem semeia generosamente colherá abundantemente". É certo que nós, filhos de Deus, somos tão abundantemente abençoados em Jesus, pela graça de Deus, que não devemos precisar de estímulo para as boas obras. O perdão de nossos pecados, tendo sido feitos para sempre filhos de Deus, tendo diante de nós a casa do Pai como nosso eterno lar glorioso - estas bênçãos devem ser motivos suficientes para não nos restringirmos no amor e gratidão para servir a Deus em abundância todos os dias de nossa vida.
Mas, enquanto isso acontece, o Senhor, no entanto, nos apresenta em Sua Palavra Sagrada motivos pelos quais devemos servi-Lo, negar a nós mesmos, usar nossa propriedade para Ele, etc - e a última passagem mencionada é uma daquele tipo.
O versículo é verdadeiro, tanto com referência à vida que é agora, e a que está por vir. Se tivermos usado com moderação nossa propriedade para Ele, haverá um pequeno tesouro depositado no Céu e, portanto, uma pequena quantidade de capital será encontrada no mundo vindouro - no que diz respeito à colheita. Novamente, colheremos generosamente se buscarmos ser ricos para com Deus, usando abundantemente nossos meios para Ele, seja em ministrar às necessidades dos santos pobres, ou usar de outra forma nossos meios financeiros para Sua obra.
Queridos irmãos, são realidades! Muito em breve virá o tempo de colheita, e então será a questão de saber se vamos colher com moderação ou generosamente.
Mas, enquanto esta passagem se refere à vida futura, ela também se refere à vida que agora é. Assim como agora o amor de Cristo nos constrange a dar daquilo com que o Senhor nos confia, assim será a colheita presente, tanto no que diz respeito às coisas espirituais e temporais. Deve-se, pois, encontrar em um irmão a falta de entrar em sua posição como meros servos do Senhor em seu chamado e não prestar atenção às advertências do Espírito Santo para dar aos que estão em necessidade ou para ajudar a obra de Deus; então esse irmão pode ficar surpreso que ele encontre grandes dificuldades em seu chamado, e que ele não possa ser bem sucedido? Isto é de acordo com a Palavra do Senhor. Ele está semeando pouco - e, portanto, colhe com moderação.
Mas, se o amor de Cristo constranger um irmão a semear generosamente, ele mesmo nesta vida colherá abundantemente, tanto no que diz respeito às bênçãos em sua alma e no que diz respeito às coisas temporais. Considere, a este respeito, a seguinte passagem que, embora tirada do Livro dos Provérbios, é verdadeira sobre os crentes sob a atual dispensação também: "Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda. A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido." (Provérbios 11: 24-25)
Em conexão com 1 Coríntios 16: 2, eu também direcionaria meus irmãos no Senhor à promessa feita em Lucas 6:38: "Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos deitarão no regaço; porque com a mesma medida com que medis, vos medirão a vós."
Isso se refere, evidentemente, à dispensação presente e, evidentemente, em seu significado primário às temporais.
Agora, ajude alguém com o amor de Cristo a agir de acordo com esta passagem; que ele no primeiro dia da semana dê como o Senhor lhe fez prosperar, e ele verá que o Senhor agirá de acordo com o que está contido neste versículo. Se o orgulho nos constrange a dar, se a autojustiça nos torna liberais, se o sentimentalismo nos induz a dar ou se damos enquanto estamos em estado de insolvência, então não podemos esperar que esse versículo seja cumprido em nossa experiência. Nem devemos dar a qualquer momento para o motivo de receber novamente de outros, de acordo com este versículo. Mas, se de fato o amor de Cristo nos constrange a dar de acordo com a habilidade que o Senhor nos dá, então teremos este versículo cumprido em nossa experiência, embora este não tenha sido o motivo que nos induziu a dar.
De alguma forma, o Senhor nos retribuirá abundantemente através da instrumentalidade de nossos semelhantes, o que estamos fazendo por Seus pobres santos ou de qualquer maneira pela Sua obra; e descobriremos que no final não somos perdedores nem mesmo com referência a coisas temporais, enquanto damos liberalmente das coisas desta vida.
Aqui pode-se observar: se é para que, mesmo nesta vida, e com respeito às coisas temporais é verdade, que "Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando vos deitarão no regaço; porque com a mesma medida com que medis, vos medirão a vós.", e que" aquele que semeia generosamente colherá também generosamente", então, no final, o povo mais liberal seria extremamente rico.
Quanto a isso, devemos ter em mente que o momento em que as pessoas começam a dar por motivo de receber mais do Senhor, através da instrumentalidade de seus semelhantes, do que elas deram; ou no momento em que as pessoas desejavam mudar o seu caminho, e não mais continuar semeando generosamente, mas com moderação para aumentar suas posses, enquanto Deus lhes permite colher generosamente, o rio da generosidade de Deus para com elas não mais continuaria fluindo.
Deus lhes tinha fornecido abundantemente com meios porque Ele os viu agir como mordomos para Ele. Ele lhes tinha confiado um pouco que eles usaram para Ele, e Ele, portanto, lhes confiou mais; e se eles tivessem continuado a usar o muito também para Ele, Ele teria ainda mais abundantemente os usado como instrumentos para espalhar Sua graça. O filho de Deus deve estar disposto a ser um canal pelo qual as dádivas de Deus fluem, tanto no que diz respeito às coisas temporais, quanto às espirituais. Este canal é estreito e raso no início, pode ser; ainda há espaço para algumas das águas da generosidade de Deus para passar. E se alegremente nos rendermos como canais, para este propósito, então o canal se torna mais e mais profundo, e as águas da graça de Deus podem passar mais abundantemente.
Descartando a linguagem figurativa é assim: a princípio poderemos ser instrumentais em dar 5 dólares, 10 dólares, 20 dólares, 50 dólares, 100 dólares ou 200 dólares - mas depois duplique. E se ainda somos mais fiéis em nossa mordomia, depois de um ano ou dois quatro vezes mais, talvez oito vezes mais, talvez vinte vezes ou cinquenta vezes mais.
Não podemos limitar a medida em que Deus pode nos usar como instrumentos para comunicar bênçãos, tanto temporais como espirituais, se quisermos nos render como instrumentos ao Deus vivo, e nos contentarmos em ser apenas instrumentos e dar a Ele toda a glória.
Mas, no que diz respeito às coisas temporais, será assim: se andarmos de acordo com a mente de Deus nestas coisas, enquanto mais e mais nos tornarmos instrumentos de bênção para os outros, não procuraremos enriquecer-nos, o último dia de outro ano encontra-nos ainda no corpo, para possuir não mais do que no último dia do ano anterior ou mesmo consideravelmente menos - enquanto nós temos, no entanto, no decorrer do ano os instrumentos de dar em grande parte a outros através dos meios que o Senhor nos confiou.
Quanto à minha alma, pela graça de Deus, seria um fardo para mim achar que eu estava crescendo em possessão terrena, pois seria uma prova clara de que eu não estava agindo como um mordomo para Deus, e não estava me rendendo como canal para as águas da bondade de Deus passarem. Também não posso deixar de prestar meu testemunho aqui, que em qualquer medida fraca que Deus me permitiu agir de acordo com essas verdades nos últimos sessenta e quatro anos, achei que era proveitoso, mais proveitoso para minha própria alma e, a coisas temporais, nunca fui um perdedor em fazê-lo, mas eu tenho abundantemente encontrado a verdade de 2 Coríntios 9: 6, Lucas 6:38, e Provérbios 11: 24-25 verificada na minha própria experiência.
Só tenho que me arrepender de ter agido tão pouco de acordo com o que agora venho afirmando, mas meu propósito é, com a ajuda de Deus, passar o resto de meus dias praticando essas verdades mais do que nunca. E estou certo de que, quando eu for levado ao fim de minha peregrinação terrena, seja pela morte, seja pela aparição de nosso Senhor Jesus Cristo, não terei o menor arrependimento em fazê-lo. Eu sei que se eu morrer e deixar minha querida filha para trás, o Senhor vai abundantemente prover para ela e provar que houve uma melhor disposição feita para ela do que seu pai poderia ter feito, se ele tivesse procurado segurar sua vida ou depositar dinheiro para ela. (Nota do primeiro Editor: O Senhor é o melhor provedor, no entanto, o fornecimento de nossas próprias famílias é um dever, cuja negligência é condenada em termos fortes em 1 Timóteo 5: 8).

Parceria com Deus
"E verdadeiramente nossa comunhão é com o Pai, e com Seu Filho Jesus Cristo." (1 João 1: 3)
Observação:
1. As palavras comunhão, comunhão, coparticipação e parceria significam o mesmo.
2. O crente no Senhor Jesus não só obtém o perdão de todos os seus pecados, não só se torna justo diante de Deus, não só é gerado de novo, nascido de Deus e participante da natureza divina e, portanto, filho de Deus e um herdeiro de Deus - mas também está em comunhão ou em parceria com Deus. Agora, no que diz respeito a Deus e nossa posição no Senhor Jesus, temos esta bênção de uma vez por todas; nem permite um aumento ou uma diminuição. Assim como o amor de Deus para com os crentes, Seus filhos, é inalterável (quaisquer que sejam as manifestações desse amor), e como Sua paz conosco é a mesma (por mais que nossa paz possa ser perturbada). Com relação ao nosso estar em comunhão ou parceria com Ele: permanece inalterável o mesmo, no que diz respeito a Deus.
3. Mas, então há uma comunhão experimental, ou parceria, com o Pai e com Seu Filho, que consiste no seguinte: que tudo o que possuímos em Deus, como parceiros de Deus, é trazido para baixo em nossa vida diária, é apreciado, experimentado e usado. Esta comunhão experimental, ou parceria, permite um aumento ou uma diminuição na medida em que a fé está em exercício, e em que estamos entrando no que temos recebido no Senhor Jesus.
A medida em que desfrutamos dessa comunhão experimental com o Pai e com o Filho é sem limite; pois sem limite podemos fazer uso da nossa parceria com o Pai e com o Filho, e atrair pela oração e pela fé da plenitude inesgotável que há em Deus.
Tomemos alguns exemplos para ver o trabalho prático desta parceria experimental com o Pai e com o Filho. Suponha que haja dois pais crentes que não foram levados ao conhecimento da verdade até alguns anos depois de o Senhor lhes ter dado vários filhos. Seus filhos foram educados em caminhos pecaminosos, maus, enquanto os pais não conheciam o Senhor. Agora os pais colhem como semearam. Eles sofrem de ter dado um exemplo maligno diante de seus filhos; pois seus filhos são indisciplinados e se comportam de maneira inadequada.
O que agora deve ser feito? Precisam os pais serem tão desesperados? Não! A primeira coisa que eles têm a fazer é confessar seus pecados a Deus, no que diz respeito a negligenciar seus filhos enquanto eles estavam vivendo em pecado; e depois lembrar que eles estão em parceria com Deus, e, portanto, para ser de boa coragem, embora eles sejam em si mesmos totalmente insuficientes para a tarefa de gerir os seus filhos. Eles não têm em si nem a sabedoria, a paciência, a longanimidade, a gentileza, a mansidão, o amor, a decisão e a firmeza, nem qualquer outra coisa que possa ser necessária para lidar com seus filhos corretamente.
Mas o Pai Celestial tem tudo isso. O Senhor Jesus possui tudo isso. E eles estão em parceria com o Pai e o Filho e, portanto, podem obter pela oração e pela fé tudo o que precisam da plenitude de Deus. Eu digo "pela oração e pela fé", pois temos que dar a conhecer a nossa necessidade a Deus em oração, pedir a Sua ajuda e então temos de crer que Ele nos dará o que precisamos. Oração por si só não é suficiente. Podemos orar sempre, mas se não acreditarmos que Deus nos dará o que precisamos, não temos razão para esperar que receberemos o que pedimos.
Então, esses pais precisarão pedir a Deus que lhes dê a sabedoria necessária, a paciência, a longanimidade, a mansidão, o amor, a decisão, a firmeza e tudo quanto julgarem que eles precisam. Eles podem, com humilde ousadia, lembrarem ao Pai Celestial que Sua Palavra lhes assegura que estão em parceria com Ele, e como eles mesmos estão faltando nesses detalhes, peça-Lhe que suprima sua necessidade - e então eles têm que acreditar que Deus fará e receberão conforme a sua necessidade.
Tomemos outro exemplo: suponhamos que estou tão situado em meu negócio que, dia a dia, surgem tais dificuldades que continuamente encontro que tomo passos errados, por causa dessas grandes dificuldades. Como o caso pode ser alterado para melhor? Em mim não vejo remédio para as dificuldades. Ao olhar para mim mesmo, não posso esperar nada além de cometer ainda mais erros, e, portanto, tribulação e provação parecem estar diante de mim. E ainda não preciso desesperar. O Deus vivo é meu parceiro; eu não tenho suficiente sabedoria para enfrentar essas dificuldades, a fim de ser capaz de saber que medidas tomar, mas Ele é capaz de me direcionar.
O que eu tenho, portanto, a fazer é isto: a simplicidade para divulgar o meu caso perante meu Pai Celestial e meu Senhor Jesus Cristo. O Pai e o Filho são meus parceiros. Tenho que abrir meu coração a Deus, e pedir-lhe que, como Ele é meu parceiro, e eu não tenho sabedoria em mim para enfrentar todas as muitas dificuldades que continuamente ocorrem no meu negócio – que Ele tenha o agrado de guiar, e dirigir-me e me fornecer a sabedoria necessária. E então eu tenho que acreditar que Deus vai fazer isso, e ir com boa coragem para o meu negócio, e esperar a sua ajuda na próxima dificuldade que possa diante de mim. Eu tenho que olhar para a orientação, eu tenho que esperar conselho do Senhor; e, com a certeza que eu o faço, o terei. Descobrirei que não estou nominalmente, mas realmente em parceria com o Pai e com o Filho.
Outra instância: existem dois pais crentes com sete filhos pequenos. O pai trabalha em uma fábrica, mas não pode ganhar mais de dez dólares por semana. A mãe não pode ganhar nada. Estes dez dólares são muito pouco para o fornecimento de alimentos nutritivos e saudáveis para sete crianças em crescimento e seus pais, e para fornecer-lhes as outras necessidades da vida. O que deve ser feito nesse caso? Certamente não encontrar falhas no patrão, que pode não ser capaz de pagar mais salários - e muito menos murmurar contra Deus. Mas os pais têm em simplicidade para dizer a Deus, seu parceiro, que os salários de dez dólares por semana não são suficientes na Inglaterra para prover nove pessoas com tudo o que precisam, para que sua saúde não pode ser prejudicada. Eles têm que lembrar a Deus que Ele não é um mestre duro, não um ser cruel - mas um Pai amoroso, que provou abundantemente o amor de Seu coração no dom de Seu Filho unigênito. E eles têm em simplicidade infantil que pedir a Ele, que ou Ele iria ordenar ao patrão para que possa ser capaz de permitir mais salários, ou que o Senhor iria encontrar-lhes outro lugar onde o pai seria capaz de ganhar mais, ou que Ele lhes fornecesse de quaisquer outros meios, conforme possa parecer bom a Ele.
Eles têm que pedir ao Senhor em simplicidade infantil repetidas vezes por isso, se Ele não responder ao seu pedido de uma vez; e eles têm de crer que Deus, seu Pai e parceiro, lhes dará o desejo de seus corações. Eles têm que esperar uma resposta às suas orações; dia após dia eles têm que olhar para fora, e repetir o seu pedido até que Deus o conceda. Tão certo como eles acreditam que Deus lhes concederá seu pedido - assim certamente será concedido.
Novamente, suponhamos que desejo mais poder sobre meus pecados assustadores; suponha que desejo mais poder contra certas tentações; suponha que eu deseje mais sabedoria, ou graça, ou qualquer outra coisa que eu possa precisar em meu serviço entre os santos, ou em meu serviço para os não convertidos. O que tenho que fazer é usar meu ser em comunhão com o Pai e com o Filho.
Assim como, por exemplo, um velho funcionário fiel - hoje em dia associado a uma empresa imensamente rica, apesar de não ter propriedade - não seria desencorajado, embora ele próprio não tenha dinheiro, mas se consolaria com as imensas riquezas possuídas por aqueles que tão generosamente acabaram de trazê-lo em parceria.
Devemos nós, filhos de Deus e servos de Jesus Cristo, confortar-nos por estar em comunhão ou parceria com o Pai e o Filho - embora não possamos ter nosso próprio poder contra nossos pecados assediantes, embora não possamos resistir às tentações que estão diante de nós em nossa própria força, e embora não tenhamos nem graça nem sabedoria suficientes para nosso serviço entre os santos ou para os não convertidos. Tudo o que temos a fazer é recorrer ao nosso parceiro, o Deus vivo. Pela oração e pela fé podemos obter toda a ajuda e bênçãos espirituais e temporais necessárias. Em toda a simplicidade temos que abrir nosso coração diante de Deus, e então temos que crer que Ele nos dará de acordo com nossa necessidade.
Mas, se não acreditamos que Deus nos ajudará, poderíamos estar em paz?
Precisamos crer que nosso parceiro infinitamente rico, o Deus vivo, nos ajudará em nossa necessidade, e não apenas estaremos em paz, mas acharemos que a ajuda que precisamos será concedida a nós.
Não permita que a consciência de toda a sua indignidade o impeça, caro leitor, de acreditar no que Deus disse a respeito de você. Se você é realmente um crente no Senhor Jesus, então este privilégio precioso, sendo em parceria com o Pai e o Filho, é seu, embora você e eu sejamos inteiramente indignos dele. Se a consciência de nossa indignidade nos impedisse de crermos o que Deus disse sobre aqueles que dependem e confiam no Senhor Jesus para a salvação, então descobriremos que não há uma só bênção com a qual fomos abençoados no Senhor Jesus de que, por causa de nossa indignidade, poderíamos derivar qualquer conforto ou paz estabelecidos.

O Estudo das Escrituras
Os benefícios da meditação (1842)
Há muito tempo, o Senhor me ensinou uma verdade, independentemente da instrumentalidade humana, tanto quanto sei, cujo benefício não perdi - embora agora, ao preparar a oitava edição para a imprensa, há mais de quarenta anos faleceu.
A questão é esta: vi mais claramente do que nunca que o primeiro grande e primordial negócio ao qual eu devia assistir todos os dias era ter minha alma desfrutando da presença e favor de Deus. A primeira coisa a se preocupar não era o quanto eu poderia servir ao Senhor, como eu poderia glorificar o Senhor - mas como eu poderia ter minha alma em um estado feliz, e como meu homem interior poderia ser nutrido. Pois eu poderia procurar estabelecer a verdade diante dos não convertidos, procurar beneficiar os crentes, buscar aliviar os aflitos, de outra forma procurar me comportar como se torna um filho de Deus neste mundo; e ainda, não sendo feliz no Senhor, e não sendo nutrido e fortalecido no meu homem interior dia a dia, tudo isso não poderia ser atendido em um espírito correto.
Antes dessa época, minha prática tinha sido, pelo menos por dez anos antes, como uma coisa habitual, me entregar à oração depois de me vestir pela manhã. Agora eu vi que a coisa mais importante que eu tinha a fazer era me entregar à leitura da Palavra de Deus e meditar sobre ela, para que assim meu coração pudesse ser consolado, encorajado, advertido, reprovado, instruído; e que assim, enquanto meditava, meu coração pudesse ser levado à comunhão experimental com o Senhor.
Comecei, portanto, a meditar no Novo Testamento desde o início, de manhã cedo. A primeira coisa que fiz, depois de ter pedido em poucas palavras a bênção do Senhor sobre Sua preciosa Palavra, foi começar a meditar sobre a Palavra de Deus, procurando, por assim dizer, em cada versículo para obter bênção dela - não por causa do ministério público da Palavra, não para pregar sobre o que eu tinha meditado, mas para obter alimento para minha própria alma. O resultado que eu encontrei é quase invariavelmente isto: que depois de alguns minutos minha alma foi levada à confissão, ação de graças, intercessão ou súplica; de modo que, embora eu não fosse, por assim dizer, entregar-me à oração, mas à meditação - contudo, quase imediatamente mais ou menos em oração. Quando, assim, tenho feito por um tempo confissão, intercessão ou súplica, ou agradeço - continuo com as próximas palavras ou versos, transformando tudo, enquanto continuo, em oração para mim ou para os outros, como a Palavra pode me conduzir; mas ainda continuamente mantendo diante de mim que o alimento para minha própria alma é o objeto da minha meditação.
O resultado disto é que sempre há muita confissão, ação de graças, súplica ou intercessão misturados com minha meditação - e que o meu homem interior quase invariavelmente é nutrido e fortalecido de forma sensata, e que, durante o café da manhã, com raras exceções, estou em um estado de coração pacífico, senão feliz.
Assim também o Senhor tem o prazer de dar-me o que, muito em breve, eu achei ser alimento para outros crentes, embora não fosse por causa do ministério público da Palavra que me dei à meditação, mas ao benefício do meu próprio homem interior.
A diferença então entre minha prática anterior e minha atual é esta: anteriormente, quando eu me levantava, começava a orar o quanto antes, e geralmente passei todo o meu tempo até o café da manhã em oração, ou quase todo o tempo. Em todos os casos, quase invariavelmente comecei a orar, exceto quando sentia que minha alma era mais do que normalmente estéril, caso em que eu lia a Palavra de Deus para o alimento, ou para o refrigério, ou para uma renovação do meu homem interior, antes de me entregar à oração.
Mas qual foi o resultado? Costumo passar um quarto de hora, meia hora ou mesmo uma hora de joelhos, antes de me dar consciência de ter obtido conforto, encorajamento, humilhação de alma, etc, e muitas vezes, depois de ter sofrido muito de vagar de mente durante os primeiros dez minutos, ou um quarto de hora, ou mesmo meia hora, só então começava realmente a orar.
Eu quase nunca sofro desta maneira. Para o meu coração ser florescido pela verdade, sendo trazido em comunhão experimental com Deus, falo a meu Pai e a meu Amigo (vil, embora eu seja, e indigno dele!) sobre as coisas que Ele trouxe diante de mim em Sua Palavra preciosa.
Muitas vezes me surpreende que eu não tenha visto isso mais cedo. Em nenhum livro eu já li sobre isso. Nenhum ministério público jamais me apresentou o assunto. Nenhuma comunicação privada com um irmão me excitou a este assunto. E, no entanto, agora, já que Deus me ensinou este ponto, é tão claro para mim como qualquer coisa, que a primeira coisa que o filho de Deus tem de fazer de manhã a manhã é obter alimento para seu homem interior. Como o homem exterior não é apto para o trabalho por algum tempo, a não ser que tomemos comida, e como esta é uma das primeiras coisas que fazemos pela manhã, assim deve ser com o homem interior. Devemos levar comida para ele.
Ora, qual é o alimento para o homem interior? - não a oração, mas a Palavra de Deus; e aqui novamente não a simples leitura da Palavra de Deus, de modo que ela só passa através de nossas mentes, assim como a água percorre um cano - mas considerando e meditando sobre o que lemos, ponderando sobre ele e aplicando-o em nossos corações.
Quando oramos, falamos com Deus. Oração, a fim de ser continuado por qualquer período de tempo de forma diferente, de um modo formal, requer, em termos gerais, uma medida de força ou desejo de Deus. E a ocasião, portanto, quando este exercício da alma pode ser executado mais eficazmente, é depois que o homem interior foi nutrido pela meditação na Palavra de Deus, onde encontramos o nosso Pai falando a nós, para nos encorajar, instruir-nos, humilhar-nos, repreender-nos. Podemos, portanto, meditar proveitosamente nas Escrituras com a bênção de Deus, embora nós possamos ser espiritualmente fracos. Não, quanto mais fracos somos, mais precisamos de meditação para o fortalecimento de nosso homem interior. Há assim muito menos a ser temido quanto à mente vaguear, do que se nós nos entregarmos à oração sem ter tido previamente o tempo para a meditação.
Insisto particularmente neste ponto, por causa do imenso lucro espiritual e do refrigério que tenho consciência de ter derivado dele, e eu, carinhosamente e solenemente, suplico a todos os meus companheiros crentes que ponderem sobre este assunto. Pela bênção de Deus, atribuo a este modo, a ajuda e a força que tive de Deus para passar em paz através de provações mais profundas, do que jamais tive antes. E depois de ter agora acima de quarenta anos agido deste modo, posso muito plenamente, no temor de Deus, recomendá-lo.
Como é diferente quando a alma é refrigerada e feliz no início da manhã, do que é quando, sem preparação espiritual, o serviço, as provações e as tentações do dia vêm sobre nós!

Preparação para a Pregação (1830)
Aquilo que agora considero o melhor modo de preparação para o ministério público da Palavra, a partir de profunda convicção e da experiência da bênção de Deus sobre ela, é o seguinte:
Peço ao Senhor que Ele tenha graciosamente prazer em me ensinar sobre qual assunto eu falarei, ou que parte de Sua Palavra vou expor. Às vezes acontece que um assunto, ou uma passagem, está em minha mente; nesse caso, pergunto-lhe se devo falar sobre isso. Se, depois da oração, me sinto convencido de que devo fazê-lo, fixo-o, contudo, de modo que desejo deixar-me aberto ao Senhor para mudá-lo, se Ele quiser. Frequentemente entretanto, ocorre que eu não tenho nenhum texto ou assunto em minha mente antes que eu me dê à oração. Neste caso, eu espero algum tempo por uma resposta, tentando ouvir a voz do Espírito para me direcionar. Se, então, uma passagem ou um assunto for trazido à minha mente, eu novamente peço a Ele, e que às vezes repetidamente, seja Sua vontade, que eu fale sobre ele.
Frequentemente acontece que eu não só não tenho texto ou assunto, mas também não obtenho um após uma ou duas ou mais vezes orando sobre ele. O que eu faço é continuar com minha leitura regular das Escrituras, orando enquanto leio, para um texto. Tive até de ir ao lugar da reunião sem um texto, e consegui-o talvez apenas alguns minutos antes de eu ir falar; mas nunca faltei à assistência do Senhor no tempo da pregação, desde que eu o tivesse procurado em particular.
Agora, quando o texto foi obtido, seja um ou dois ou mais versículos, ou um capítulo inteiro, peço ao Senhor que Ele se digne de me ensinar pelo Seu Espírito Santo enquanto medito sobre ele. Nos últimos sessenta e três anos, achei o plano mais lucrativo, meditar com a caneta na mão, escrevendo os contornos, como a Palavra é aberta para mim. Isso eu faço por causa da clareza, como sendo uma ajuda para ver o quanto eu entendo a passagem. Eu muito raramente uso qualquer outro recurso como comentários. Minha principal ajuda é a oração. Eu nunca em minha vida comecei a estudar uma única parte da verdade divina sem ganhar alguma luz sobre isso, quando eu realmente fui capaz de me entregar à oração e à meditação sobre ela. Creio firmemente: que ninguém deve esperar ver muito bem resultante de seus trabalhos, se não é muito dado à oração e à meditação.
O que eu achei mais benéfico no ministério público da Palavra está exposto as Escrituras. Isso pode ser feito de duas maneiras, ou entrando minuciosamente no rolamento de cada ponto que ocorre na porção - ou dando os contornos gerais e, assim, levando os ouvintes a ver o significado e a conexão do todo. Os benefícios que eu vi resultantes da exposição são os seguintes:
1. Os ouvintes são assim, com a bênção de Deus, levados às Escrituras. Isso os induz a trazer suas Bíblias, e tenho observado que aqueles que, a princípio, não as trouxeram, foram depois induzidos a fazê-lo; de modo que em pouco tempo poucos tinham o hábito de vir sem elas. Isso não é pouca coisa, pois tudo o que em nossos dias levará os crentes a valorizarem as Escrituras é importante.
2. A explicação das Escrituras é, em geral, mais benéfica para os ouvintes do que se em um único verso, ou meio verso, ou duas ou três palavras de um verso - algumas observações sejam feitas, de modo que a porção da Escritura é escassamente qualquer coisa menos que um lema para o assunto.
3. A exposição das Escrituras deixa aos ouvintes um elo de ligação, de modo que a leitura de novo da parte da Palavra que foi exposta traz à sua lembrança o que foi dito - e assim, com a bênção de Deus, deixa uma impressão duradoura em suas mentes. Explicar a Palavra de Deus traz pouca honra ao pregador do ouvinte não iluminado ou descuidado, mas tende muito para o benefício dos ouvintes em geral. Simplicidade de expressão, enquanto a verdade é estabelecida, é de extrema importância.
Deve ser o objetivo do professor, por assim dizer, que as crianças e as pessoas que não sabem ler, possam compreendê-lo, na medida em que a mente natural possa compreender as coisas de Deus.
Também deve ser considerado que, se o pregador se esforça para falar de acordo com as regras deste mundo, pode agradar a muitos, especialmente aos que têm um gosto literário. Mas, na mesma proporção, é menos provável que ele se torne um instrumento nas mãos de Deus para a conversão dos pecadores ou para a edificação dos santos. Pois nem a eloquência nem a profundidade do pensamento tornam o pregador verdadeiramente grande - mas uma vida de oração, meditação e espiritualidade que o tornem "um vaso apto para o uso do mestre" (2 Timóteo 2:21) e apto a ser empregado tanto na conversão dos pecadores como na edificação dos santos.

Discernindo a Vontade de Deus
Reimpresso de "George Muller - Homem de Fé e Milagres", de Basil Miller
Se alguém perguntou ao Sr. Muller como ele procurou conhecer a vontade de Deus, em que nada foi empreendido, nem mesmo a menor despesa, sem se sentir certo de que ele estava na vontade de Deus. Nas palavras seguintes ele deu sua resposta.
1. Procuro, no início, colocar meu coração em tal estado que ele não tenha vontade própria em relação a uma determinada matéria. Nove décimos das dificuldades são superadas quando nossos corações estão prontos para fazer a vontade do Senhor, qualquer que seja. Quando alguém está verdadeiramente nesse estado, geralmente falta apenas um pouco para o conhecimento da Sua vontade.
2. Tendo feito isso, não deixo o resultado para sentimentos ou simples impressões. Se assim for, eu me obrigo a grandes delírios.
3. Eu busco a vontade do Espírito de Deus através ou em conexão com a Palavra de Deus. O Espírito e a Palavra devem ser combinados. Se eu olhar para o Espírito sozinho, sem a Palavra, eu também fico aberto a grandes delírios.
4. Em seguida tomo em consideração as circunstâncias providenciais. Estas claramente indicam a vontade de Deus em conexão com Sua Palavra e Espírito.
5. Peço a Deus em oração para revelar Sua vontade para mim corretamente.
6. Assim, através da oração a Deus, do estudo da Palavra e da reflexão - eu chego a uma provação deliberada de acordo com o melhor de minha capacidade e conhecimento. E se minha mente está assim em paz, e continua assim depois de duas ou três petições mais, eu procedo em conformidade.
Em questões triviais, e em transações envolvendo questões mais importantes - eu encontrei este método sempre eficaz.
E este plano funcionou? Pergunta-se. Deixe o depoimento do Sr. Muller responder. "Nunca me lembro", escreveu ele três anos antes de sua morte, "em todo o meu curso cristão, um período agora de sessenta e nove anos e quatro meses, que sempre sinceramente e pacientemente procurei conhecer a vontade de Deus pelo ensino do Espírito Santo, através da instrumentalidade da Palavra de Deus, mas sempre fui dirigido corretamente, mas se houvesse falta de honestidade de coração e de retidão diante de Deus, ou se eu não esperasse pacientemente por Deus para instrução, ou se eu preferisse o conselho dos meus semelhantes às declarações da Palavra do Deus vivo, cometeria grandes erros."

Incentivo àqueles com família e amigos não convertidos
De "A Autobiografia de George Muller"
Para encorajar os crentes que são provados por terem parentes e amigos não convertidos, relatarei a seguinte circunstância que eu sei que é verdadeira. O Barão von Kamp, que vivia na Prússia, havia sido discípulo do Senhor Jesus por muitos anos. No ano de 1806, grande sofrimento financeiro veio sobre muitos milhares de tecelões na área. Eles não tinham emprego porque todo o continente estava em um estado de instabilidade por causa da guerra. O barão acreditava que era a vontade do Senhor usar sua riqueza para prover a esses pobres tecelões o trabalho para salvá-los da ruína completa. Não havia apenas perspectiva de ganho pessoal, mas sim a perspectiva certa de perda imensa. No entanto, ele encontrou emprego para cerca de seis mil tecelões.
Mas o barão não se contentou simplesmente com isso. Ele também queria ministrar às almas desses tecelões. Ele colocou os crentes como supervisores sobre sua imensa preocupação. Os tecelões foram instruídos em coisas espirituais, e ele pessoalmente compartilhou a verdade do evangelho com eles. O trabalho continuou por um bom tempo até que, finalmente, por causa da perda da maior parte de sua propriedade, ele foi obrigado a pensar em desistir.
Mas, nessa época, seu precioso ato de misericórdia tinha provado seu valor para o governo. Foi retomado por eles e continuou até que os tempos mudaram. O Barão von Kamp foi nomeado diretor.
Este querido homem de Deus não se contentou com isso. Viajou através de muitos países para visitar as prisões para melhorar a condição física e espiritual dos prisioneiros. Ele também ajudou alunos pobres na Universidade de Berlim, especialmente aqueles que estudaram teologia, a fim de conquistá-los para o Senhor.
Um dia um jovem talentoso ouviu falar da bondade do barão idoso para os estudantes. Ele escreveu ao barão pedindo sua ajuda, porque seu próprio pai não podia mais sustentá-lo. Pouco tempo depois, o jovem Thomas recebeu uma resposta amável do barão convidando-o a vir a Berlim.
Mas, antes que esta carta chegasse, o jovem estudante soubera que o Barão von Kamp era um "pietista" ou "místico", como os verdadeiros crentes eram desdenhosamente chamados na Alemanha. O jovem Thomas estava profundamente envolvido na filosofia, raciocinando sobre tudo, questionando a verdade da revelação, questionando até a existência de Deus. Não gostava da perspectiva de ir buscar ajuda ao velho barão. Ainda assim, ele pensou que poderia tentar, e se ele não gostasse, ele não era obrigado a permanecer em conexão com ele.
Thomas chegou a Berlim em um dia em que o barão estava fora da cidade a negócios. Começou a falar sobre suas filosofias ao administrador do barão. O mordomo, no entanto, era um crente, e ele transformou a conversa em coisas espirituais. Por fim chegou o barão. Ele recebeu Thomas da maneira mais afetuosa e familiar. O barão ofereceu-lhe um quarto em sua casa e um lugar em sua mesa enquanto Thomas estudava em Berlim. Thomas aceitou a oferta. O barão buscava de todas as formas tratar o jovem estudante da maneira mais afetuosa e amável, servi-lo tanto quanto possível e mostrar-lhe o poder do evangelho em sua própria vida. Ele fez tudo isso sem discutir com ele ou mesmo falar diretamente com ele sobre sua alma.
Obviamente, Thomas tinha uma mente cética, e o barão evitou entrar em qualquer discussão com ele. O aluno costumava dizer a si mesmo: "Gostaria de poder entrar em discussão com esse velho tolo e mostrar-lhe como suas crenças são irracionais". Mas o barão evitou. Quando o barão ouvia o jovem aluno voltar para casa à noite, ia ao encontro dele e o servia da maneira que pudesse, ajudando-o mesmo a tirar as botas. Assim, este discípulo humilde e idoso continuou por algum tempo.
Enquanto Thomas ainda procurava uma oportunidade para discutir com ele, ele se perguntou como o barão poderia continuar a servi-lo. Certa noite, quando Thomas voltou para a casa do barão, o barão se fazia seu criado como de costume. O estudante não pôde conter-se mais e explodiu, "Barão, como você pode fazer tudo isso? Você vê que eu não me importo com você. Como você pode continuar a ser tão gentil comigo e me servir assim?"
O barão respondeu: "Meu querido amigo, aprendi com o Senhor Jesus, e gostaria que você lesse o Evangelho de João. Boa noite".
O estudante agora, pela primeira vez em sua vida, sentou-se e leu a Palavra de Deus com um coração aberto e uma vontade de aprender. Até aquele momento, ele nunca lera as Sagradas Escrituras a menos que quisesse descobrir argumentos contra elas. Deus o abençoou; desde esse tempo ele se tornou um seguidor do Senhor Jesus e tem continuado na fé desde então.

Discurso aos jovens convertidos
Como alguém que há cinquenta anos conhece o Senhor e trabalhou em palavras e doutrinas, eu deveria ser capaz em alguma pequena medida para dar uma mãozinha a esses jovens crentes. E se Deus condescender apenas a usar o reconhecimento de meus próprios fracassos a que me refiro e da minha experiência, como uma ajuda para os outros em caminhar no caminho para o Céu, confio que sua vinda aqui não será em vão.

Lendo a Palavra
Um dos pontos mais importantes é o de atender à leitura cuidadosa e com oração, da Palavra de Deus, e à meditação sobre ela. Gostaria, portanto, de chamar sua atenção particular para um versículo na Epístola de Pedro, onde somos especialmente exortados pelo Espírito Santo através do apóstolo, sobre este assunto. Por causa da conexão, vamos ler o primeiro versículo: "Deixando, pois, toda a malícia, todo o engano, e fingimentos, e invejas, e toda a maledicência, desejai como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, a fim de por ele crescerdes para a salvação." (1 Pedro 2: 1-2).
O ponto particular a que me refiro está contido no segundo verso, "como bebês recém-nascidos, desejem o leite sincero da palavra". Como o crescimento na vida natural é alcançado pelo alimento apropriado, assim na vida espiritual; se desejamos crescer, esse crescimento só deve ser alcançado através da instrumentalidade da Palavra de Deus. Não é aqui afirmado, como alguns podem estar muito dispostos a dizer, que "a leitura da Palavra pode ser importante em algumas circunstâncias". É da Palavra e somente da Palavra que o apóstolo fala, e nada mais.
Você diz que a leitura deste folheto ou desse livro muitas vezes lhe faz bem. Eu não questiono. No entanto, a instrumentalidade que Deus tem especialmente prazer em nomear e usar é a da própria Palavra. Só na medida em que os discípulos do Senhor Jesus Cristo atendem a isso, eles se tornarão fortes no Senhor; e na medida em que é negligenciado, até agora eles serão fracos.
Há uma coisa como bebês que são negligenciados, e qual é a consequência? Eles nunca se tornam homens ou mulheres saudáveis, por causa dessa negligência precoce. Talvez, e é uma das formas mais dolorosas dessa negligência - obtêm comida imprópria e, portanto, não alcançam o pleno vigor da maturidade.
Assim também, com respeito à vida divina. É um ponto extremamente importante que obtnhamos o alimento espiritual certo no início daquela vida. O que é esse alimento? É "o leite sincero da palavra" que é o alimento apropriado para o fortalecimento da nova vida.
Ouça, então, meus queridos irmãos e irmãs, alguns conselhos com respeito à Palavra.
Leitura Consecutiva
Em primeiro lugar, é da maior importância que leiamos regularmente a Escritura. Não devemos pegar a Bíblia e escolher capítulos como quisermos aqui e ali, mas devemos ler com cuidado e regularmente. Falo de forma acertada e como alguém que conheceu a bem-aventurança de ler a Palavra nos últimos quarenta e seis anos. Digo quarenta e seis anos, porque durante os primeiros quatro anos de minha vida cristã não li cuidadosamente a Palavra de Deus. Eu costumava ler um tratado ou um livro interessante, mas eu não sabia nada do poder da Palavra. Eu li muito pouco disso, e o resultado foi que, embora um pregador, então, ainda não fiz nenhum progresso na vida divina. E por quê? Apenas por esta razão: negligenciei a Palavra de Deus. Mas, agradou a Deus, através da instrumentalidade de um irmão cristão amado, despertar em mim um fervor pela Palavra, e desde então tenho sido um amante dela.
Deixe-me, então, pressionar sobre você o meu primeiro ponto, o de frequentar regularmente a leitura através das Escrituras. Eu não suponho que todos vocês precisem da exortação. Muitos, creio, já o fizeram, mas falo em benefício daqueles que não o fizeram. Aos que eu digo: Meus queridos amigos, comecem de uma vez. Comece com o Antigo Testamento, e quando você leu um capítulo ou dois, e está prestes a deixar, coloque um marcador para que possa saber onde você parou. Eu falo em toda a simplicidade para o benefício daqueles que podem ser jovens na vida divina.
Da próxima vez que você ler, comece no Novo Testamento, e novamente coloque um marcador onde você parar. E assim continue, sempre lendo alternadamente o Velho e o Novo Testamento. Assim, pouco a pouco, você lerá toda a Bíblia; e quando tiver terminado, comece novamente no início.
Por que isso é tão importante? Simplesmente para que possamos ver a conexão entre um livro e outro da Bíblia, e entre um capítulo e outro. Se não lemos dessa maneira consecutiva, perdemos uma grande parte do que Deus nos deu para nos instruir. Além disso, se formos filhos de Deus, devemos estar bem familiarizados com toda a vontade revelada de Deus, toda a Palavra. "Toda a Escritura é dada por inspiração e é proveitosa" (2 Timóteo 3:16). E muito pode ser adquirido, assim, lendo cuidadosamente toda a vontade revelada de Deus.
Suponhamos que um parente rico morresse e nos deixasse, talvez, alguma terra, casas ou dinheiro; devemos nos contentar em ler apenas as cláusulas que nos afetam particularmente? Não, teríamos o cuidado de ler todo o direito. Quanto mais, então, em relação à vontade revelada de Deus devemos ter cuidado para lê-la totalmente, e não apenas um e outro dos seus capítulos ou livros.
E esta leitura cuidadosa da Palavra de Deus tem essa vantagem: que nos impede de fazer um sistema de doutrina nossa, e de ter nossas próprias visões favoritas, o que é muito pernicioso. Muitas vezes estamos aptos a colocar demasiada ênfase em certas visões da verdade que nos afetam particularmente. A vontade do Senhor é que conheçamos toda a Sua mente revelada.
Novamente, a variedade nas coisas de Deus é de grande importância; e Deus se agradou em nos dar esta variedade no mais alto grau. O filho de Deus, que segue este plano, será capaz de se interessar por cada parte da Palavra. Suponha que alguém diga: "Vamos ler Levítico". Muito bem, meu irmão. Suponha que outro diga: "Vamos ler a profecia de Isaías". Muito bem, meu irmão. E outro diz: "Vamos ler o Evangelho segundo Mateus". Muito bem, meu irmão. Eu posso apreciá-los todos; e seja no Antigo Testamento ou no Novo Testamento, seja nos profetas, nos Evangelhos, nos Atos ou nas Epístolas, acolhê-la-ei com agrado e acolherei a leitura e o estudo de qualquer parte da Palavra divina.
E isso será de particular vantagem para nós, se nos tornássemos operários na vinha de Cristo, porque ao expor a Palavra poderemos nos referir a cada parte dela. Apreciaremos igualmente a leitura da Palavra, seja do Antigo ou do Novo Testamento, e nunca nos cansaremos dela.
Como já falei, conheci a bem-aventurança deste plano durante quarenta e seis anos, e embora agora tenha quase setenta anos de idade e, embora eu tenha me convertido há quase cinquenta anos, posso dizer pela graça de Deus que mais do que nunca, amo a Palavra de Deus, e tenho maior prazer do que nunca em lê-la. E embora eu tenha lido a Palavra quase cem vezes, nunca me cansei de lê-la, e isto é mais especialmente lendo-a regularmente, consecutivamente, dia a dia - e não apenas lendo um capítulo aqui e ali, Como meus próprios pensamentos poderiam ter me levado a fazer.

Lendo a Palavra em oração
Novamente, devemos ler a Escritura em oração, sem jamais supor que somos suficientemente inteligentes ou sábios o suficiente para entender a Palavra de Deus pela nossa própria sabedoria. Em toda a nossa leitura das Escrituras, procuremos cuidadosamente ter a ajuda do Espírito Santo; vamos pedir, por amor de Jesus, que Ele nos ilumine. Ele está disposto a fazê-lo.
Você não pode, portanto, se surpreender com a minha seriedade em pressionar isso sobre você, quando você já ouviu o quão precioso foi para o meu coração, e quanto me ajudou.
Medite na Palavra
Mas, novamente, não basta ter somente leitura com oração, mas também devemos meditar na Palavra. Não é simplesmente lê-la, não simplesmente orando por meio dela. É tudo isso, mas além disso é ponderar sobre o que eu tinha lido. Isso é muito importante. Se você simplesmente ler a Bíblia e não mais, é como água correndo em um lado de um tubo, e para fora no outro. A fim de ser realmente beneficiado por ela, devemos meditar sobre ela.
Não podemos todos, naturalmente, passar muitas horas, ou mesmo uma ou duas horas, cada dia desta maneira. Nosso negócio exige nossa atenção. No entanto, por mais curto que seja o tempo que você puder reservar, empregue-o regularmente na leitura com oração e meditação sobre a Palavra, e você vai achar que vai ser de bom uso.
Em conexão com isso, devemos sempre ler e meditar a Palavra de Deus com referência a nós mesmos e nosso próprio coração. Isto é profundamente importante, e eu não posso pressioná-lo muito fervorosamente sobre você.
Nós costumamos ler a Palavra com referência aos outros. Os pais a leem em referência a seus filhos, e os filhos a seus pais; ministros leem para suas congregações, professores da escola dominical para suas classes. Oh! Esta é uma maneira pobre de ler a Palavra; se lida desta maneira, ela não vai lhes beneficiar. Digo-o de forma deliberada e aconselhada: quanto mais cedo for desistido, melhor para suas próprias almas.
Leia a Palavra de Deus sempre com referência ao seu próprio coração, e quando você tiver recebido a bênção em seu próprio coração, você será capaz de dá-la aos outros. Se vocês trabalham como evangelistas, como pastores ou como visitantes, superintendentes das escolas dominicais, professores, ou em qualquer outra atividade em que procuram trabalhar para o Senhor, tenham cuidado para permitir que a leitura da Palavra tenha uma distinta referência ao seu próprio coração.
Ao ler, pergunte a si mesmo: "Como isso me convém, seja por instrução, por correção, por exortação, ou por repreensão (2 Timóteo 3:16), como isso me afeta?" Se você assim ler e receber a bênção em sua própria alma, como em breve fluirá para fora para os outros!

Leia em Fé
Outro ponto. É da maior importância na leitura da Palavra de Deus, que a leitura seja acompanhada com fé. "A palavra pregada não lhes aproveitou, porque não foi misturada com a fé naqueles que a ouviram." (Heb 4: 2). Como com a pregação, assim com a leitura; deve ser misturada com a fé. Não apenas lê-la como você leria uma história, que você pode crer ou não; não apenas como uma declaração, que você pode dar crédito ou não; ou como uma exortação, à qual você possa ouvir ou não, mas como a vontade revelada do Senhor, isto é, deve recebê-la com fé.
Recebida assim, ela nos alimentará, e nós vamos colher benefício. Só assim nos beneficiará; obteremos dela saúde e força na proporção em que a recebemos com fé real.

Seja Praticante da Palavra
Por fim, se Deus nos abençoa ao ler Sua Palavra, Ele espera que devamos ser filhos obedientes e que devemos aceitar a Palavra como Sua vontade e levá-la à prática. Se isso for negligenciado, você verá que a leitura da Palavra, mesmo que acompanhada de oração, meditação e fé, fará um pequeno bem.
Deus espera que sejamos filhos obedientes, e que nos faça praticar o que Ele nos ensinou. O Senhor Jesus Cristo diz: "Se conheceis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes" (João 13:17). Na medida em que praticamos o que nosso Senhor Jesus ensinou, somos também filhos felizes de Deus. Somente em tal medida podemos honestamente procurar a ajuda de nosso Pai, assim como buscamos fazer Sua vontade.
Se houver um único ponto que eu gostaria de ter espalhado por todo o país e por todo o mundo, é apenas esse: que devemos buscar, amados amigos cristãos, não ser ouvintes da Palavra somente, mas "praticantes da Palavra" (Tiago 1:22). Não duvido que muitos de vocês tenham procurado fazer isso já, mas falo particularmente aos irmãos mais novos e irmãs que ainda não aprenderam a força total disso. Oh! Procure observar fervorosamente a isso; é de grande importância. Satanás procurará com muita seriedade pôr de lado a Palavra de Deus; mas procuremos praticá-la e agir sobre ela.
A Palavra deve ser recebida como um legado de Deus, que nos foi comunicado pelo Espírito Santo.

A Plenitude da Revelação dada na Palavra
E lembre-se que, para o leitor fiel desta Palavra bendita, ela revela tudo o que precisamos saber sobre o Pai, tudo o que precisamos saber sobre o Senhor Jesus Cristo, tudo sobre o poder do Espírito, sobre o mundo ímpio em que nos encontramos, tudo sobre o caminho para o Céu e a bem-aventurança do mundo vindouro. Neste livro abençoado temos todo o evangelho e todas as regras necessárias para a nossa vida e guerra cristã.
Vejamos então que a estudemos com todo o nosso coração, e com oração, meditação, fé e obediência.

Oração
O próximo ponto sobre o qual falarei por alguns momentos tem sido mais ou menos já referido; é o da oração. Você pode ler a Palavra e parece compreendê-la muito plenamente - contudo, se você não tem o hábito de esperar continuamente em Deus, você fará poucos progressos na vida divina. Não temos, naturalmente, em nós qualquer coisa boa, e não podemos esperar, sem a ajuda de Deus, agradá-Lo. Portanto, é a vontade do Senhor que devamos sempre possuir nossa dependência dEle em oração.
O bendito Senhor Jesus Cristo nos deu um exemplo neste particular. Ele deu noites inteiras à oração. Encontramo-lo na montanha solitária varando a noite em oração. E como em todos os aspectos Ele deve ser um exemplo para nós, e em particular sobre este ponto. A velha e corrupta natureza ainda está em nós apesar de nascermos de novo; portanto, temos de vir em oração a Deus para ajuda. Temos de nos apegar ao poder do Todo-Poderoso.
Temos que orar a respeito de tudo. Não simplesmente. . .
Quando grandes problemas vêm,
Quando a casa está em chamas,
Quando uma esposa amada está a ponto de morrer,
Ou queridos filhos ficam doentes.
Não simplesmente nessas ocasiões, mas também em pequenas coisas.
Desde muito cedo, façamos de tudo uma questão de oração, e que seja assim durante todo o dia e toda a nossa vida. "Não vos inquieteis por coisa alguma, mas em tudo, com oração e súplica, com ação de graças, apresentai os vossos pedidos a Deus, e a paz de Deus, que transcende todo entendimento, guardará os vossos corações e vossos pensamentos em Cristo Jesus". (Filipenses 4: 6,7).
Uma senhora cristã disse ultimamente que há trinta e cinco anos ela me ouviu falar sobre este assunto em Devonshire, e que então eu me referi a orar sobre pequenas coisas. Eu tinha dito que supondo que deve ser difícil desatar o nó, e você não pode cortá-lo; então você deve pedir a Deus para ajudá-lo, até mesmo para desatar o nó. Eu mesmo tinha esquecido as palavras, mas ela se lembrou delas, e tinha sido uma grande ajuda para ela uma e outra vez.
Então eu diria a vocês, meus amados amigos, que não há nada muito pequeno para orar. Nas coisas mais simples ligadas à nossa vida diária e caminhada, devemos nos entregar à oração; e teremos o vivo e amoroso Senhor Jesus para nos ajudar.
Mesmo nos assuntos mais insignificantes, eu me entrego à oração; e muitas vezes pela manhã, mesmo antes de sair do meu quarto, tenho duas ou três respostas à oração desta maneira.
Os jovens crentes, no início da vida divina em suas almas, aprendem com simplicidade infantil a esperar por Deus em tudo! Trate o Senhor Jesus Cristo como seu Amigo pessoal, capaz e disposto a ajudá-lo em tudo. Quão abençoado é ser carregado em Seus braços amorosos o dia inteiro!
Eu diria que a vida divina do crente é composta de um grande número de pequenas circunstâncias e pequenas coisas. Todos os dias nos trazem uma variedade de pequenas provações; e se buscarmos colocá-las de lado em nossa própria força e sabedoria, descobriremos rapidamente que estamos confusos. Mas se, pelo contrário, levarmos tudo a Deus, seremos ajudados e nosso caminho será tornado claro. Assim, nossa vida será uma vida abençoada!


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 117


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Convicções e Ensinos George Muller


Publicações de número 1 até 1 de um total de 1.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
Piscianas, as mulheres mais próximas dos sentimentos. - Nandoww 50373 Visitas
CULTURA AFRICANA E SUAS INFLUÊNCIAS NA CULTURA BRASILEIRA - Ismael Monteiro 48562 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 42989 Visitas
Banco de Questões - China - Agrário Conrado 41754 Visitas
Banco de Questões - Japão - Agrário Conrado 39612 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 37209 Visitas
The crow - The Wiki World - The Crow 36332 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 34575 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 32463 Visitas
Japão - Era Meiji - Agrário Conrado 32181 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última