Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Em busca da felicidade
Em busca da felicidade tao proxima
dalette freire de souza

Resumo:


Ela não estava bem. Sentia como se lhe falta-se algo, algo que ela não poderia sentir jamais...
Então lhe vieram à memória lembranças que só ela guardara, momentos tão simples que ela jamais pôde sentir novamente.
   Mais uma vez ela chorou querendo seus abraços... E se viu ali ouvindo aquela canção, "como é triste a tristeza mendigando um sorriso”.
   “Deus! Era eu que estava ali tão triste! Jamais avia visto alguém tão triste, mais era eu a pessoa tão triste que estava ali!” Pensou enquanto se banhava em lagrimas.
   Ela jamais poderia imaginar que tais coisas aconteceriam com ela, sentia medo, frio, saudade, solidão, estava com medo de ficar só. Sally não tinha com quem conversar falar do que estava sentindo, queria apenas adormecer e acordar sentindo que tudo não passara de um sonho ruim, queria estar feliz!
   As pessoas ao seu redor já não pareciam às mesmas, alias elas estavam como eram antes, só agora ela os via de maneira diferente, ela via a realidade por traz de seus sorrisos e abraços. Estavam todos lá carregados de "prazer em vela", a realidade era outra e Saly já começava a entendê-la, por traz de cada sorriso foi percebendo a falsidade deles, e sentia-se ainda pior, queria parecer feliz, enfiava-se pelos cantos, não queria que ninguém a visse chorando, sentia medo da realidade.
   Naquela noite tudo parecia girar tão devagar, que Saly estava ficando enjoada de todo esse mundo em que vivemos. Para Saly as pessoas não se importam se você esta bem, elas só querem tirar proveito de suas lagrimas era por isso que não se abria com eles, talvez, Saly devesse desabar com eles afinal eles eram seus "amigos" e nessa noite fria ela não agüentou e explodiu!Pobre garota estava ali tão só, precisando de alguém para dividir suas tristezas quando ele apareceu. Já se falavam há algum tempo teve certo receio de falar com ele, mas... Falou, e ele falou tantas coisas a ela, aconselhou-a e disse que não deveria confiar em ninguém, que as pessoas nem sempre são o que parecem. Ele estava certo pensou Saly. Mas ele falou tantas vezes que ela não pode confiar nele!
   Então no vazio daquela noite Saly parou para observar as estrelas, como as estrelas estavam lindas. Gozado as estrelas estavam sempre lá, brilhando no céu faça frio, chova, ou faça calor elas sempre brilham as vazes a lua não aparece mais elas estão lá sozinhas, e se perguntou se as estrelas são capazes de brilhar sem a lua estar perto porque não poderia sorrir sem que ninguém veja? Por que, poderia chorar e cantar pra si sem que os outros vejam? Então se decidiu que brilharia e não se importaria com quem ou que falassem o que
importaria agora era eu apenas ela!
   Os dias foram se passando e Sally queria brilhar, mas parecia que não dava certo, quanto mais Sally queria brilhar mais se ofuscava seu brilho. Acabou percebendo que não bastava apenas brilhar se ela não estava bem consigo mesma!
   O que poderia fazer para melhorar pra se ajudar? Será que apagar suas lembranças seria uma boa idéia? Será que devia jogar aqueles retratos fora? Ou o anel que ele tinha lhe dado? Ela já não sabia o que pensar ou o que fazer estava petrificado preso nas suas doces recordações, e que recordações! Lembranças de toda uma vida, de todo um mundo encantado em que viveu não seria fácil esquecê-las assim!
Agora já se sentia melhor. A vida começou a parecer menos ingrata, porque finalmente resolveu fingir que nada tinha dado errado a vida parecia mais doce agora!
    Os meses foram passando mais chegou um dia que Saly não suportou, mais queria morrer! Ligou para uma amiga pra conversar mais ela tinha visitas eram dois amigos, um deles era o rapaz que lhes falara no começo, ele chama-se Erick com ele estava Rodrigo um amigo também Saly precisava muito desabafar com Mara eles estavam entretidos jogando, o pouco que conseguiu falar com Mara ,ela não entendeu, passou o telefone para Erick ele a ouviu e a aconselhou novamente, eles riam das coisas que Rodrigo estava dizendo, Saly também riu, e já se sentia melhor.
As aulas estavam acabando, e Saly já sentia saudade dos seus amigos, o pessoal queria fazer uma festinha de fim de ano, mas ninguém tinha dinheiro, mas acabou dando certo na ultima hora Saly até chorou não agüentou, ela estava embriagada. O natal agora que estava cada vês mais próximo, novamente abria suas feridas, o natal passou ela havia bebido, estava feliz se sentia quente! Então resolveu ficar mais uns dias junto daqueles que lhe faziam tanta falta, foram bons dias cinco lindos dias talvez os meus melhores dias do ano, que se passava, mas, teve que ir embora no dia trinta, problemas de família dos quais ela não tinha culpa alguma.Sally não sabia se queria ficar para a virada do ano, queria estar com os tios, primos e com seus avós, mas por outro lado não queria passar sem sua mãe e seu pai.Tanto pensou que decidiu ir embora
A manha do dia trinta e um não lhe pareceu muito animadora não teria muitas pessoas com quem comemorar. Então convidou Erick pra almoçar em sua cas , ele estava acompanhado por Vera uma garota tímida, tipo perfeitinha com quem se poderia conversar bastante, pena que não tínham assunto, ela era legal, o irmão do Erick também fora, Edson, as pessoas queriam que Saly namorasse com ele ,até tentou ficar com ele, afinal seria um bom começo mais o garoto era tímido de mais. Erick disse que viria em sua casa depois da virada, e foi embora de tarde com Vera. Edson ficou ele passaria a virada do ano em sua casa
    À noite seus pais e Edson foram à igreja.
Saly ficou em casa com sua irmã. Quando chegaram por volta das nove horas, ela havia arrumado a mesa e estava vestida para a ocasião. Os amigos de sua mãe chagariam mais tarde. Saly foi para a rua procurando alguém conhecido para ficar conversando e que sorte a sua Vivi, estava em casa, ela foi falar com ela e ficaram em casa uma meia hora até que a mãe de Vivi a chamou. A passagem do ano não foi a das melhores não teve muitos fogos. Viviane a casa de Saly com seus pais e irmãos.
Sally começara a ficar chateada achou que Erick não, iria mais quando Sally foi acompanhar Vivi até o portão ele estava chegando e não viera sozinho ele trouxera outros amigos, Rodrigo e Cleiton, Vera também veio e um outro irmão de Erick também. Ficou feliz. Cleiton estava bêbado era bizarro vê-lo abraçando o ventilador como se fosse uma mulher, Ro estava quase lá, estava zangado porque Mara tinha ido viajar mais isso não o impediu de fazer com que Sally e o resto da turma dessem boas risadas. Nesse dia Sally e Erick fizeram um acordo, ele seria seu irmão mais velho e ela sua maninha mais nova.


Biografia:
Me chamo Dalette, Tenho quatorze anos.Nasci em Sao Paulo capital,mais fui criada na cidade de Campo Limpo Paulista,interior de sp onde moro até hoje. As pessoas podem me achar muito nova para estar em um site como esses,querendo publicar textos, talvez sim, mas o que eu gostaria mesmo é de ter opinioes sobre meus textos, e poemas. Há alguns anos passei a escrever, no começo apenas em um diario, depois fiz algumas poesias, hoje escrevo tudo que me vem à mente, poemas, histórias, criticas. Tenho me dedicado a escrever uma história que relata o modo como vivo.
Número de vezes que este texto foi lido: 28539


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Declarações de amor dalette freire de souza
Juvenil Em busca da felicidade dalette freire de souza


Publicações de número 1 até 2 de um total de 2.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Água - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 2 Visitas
A Tempestade - Francisco Canindé Sousa Soares 2 Visitas
Pau que dá em Chico, dá em Francisco - Francisco Alvino 2 Visitas
Somente - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 1 Visitas
ESTRADA DE AÇO 18 NOVEL LIVRE 12 ANOS - paulo azambuja 1 Visitas
Versos amados - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 1 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 1 Visitas
Ser correto - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior