Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Um reino de monstros Vol.1 - Epílogo
Caliel Alves dos Santos

Resumo:
Conheça o resultado da batalha final em Flandes.

Epílogo: Um passo para mil milhas



Parte 1
Depois de se despedir de Flande, o improvável grupo colocou o pé na estrada.
Tell já tinha o hábito de estar sempre viajando, mas nunca acompanhado de estranhos. Embora eles tivessem interesse em comum, à companhia deles não havia um mês.
Index se empoleirou como um pássaro no cabelo encaracolado do garoto vestia um colete azul sobre uma camisa branca de mangas longas.
Sobre a camisa, uma capa curta e negra semelhante uma sobrepeliz. Ela era usada para ocultar o livro que era carregado numa alça nas costas do colete.
A calça fuseau mostrava a parte da canela, seu calçado era um sapato de sola leve e flexível, típica de espadachim, presente da guarda de cavaleiros. Rosicler falou:
— Já estamos viajando a uma semana e não paramos em lugar nenhum...
— Ninguém te mandou vir com a gente.
— Já te disseram que você é muito mal educado Saragat?
— Estamos tomando rotas alternativas devido aos postos de controle dos monstros.
Lashra não tinha tantas estradas oficiais como se imaginava, a maioria eram conexões de rotas comerciais. Havia um plano da Coroa de Habsburgos de criar uma estrada real conectando Norte, Sul, Leste e Oeste de Lashra a Cidade Real.
Infelizmente as constantes guerras com os monstros impediram esses esforços de serem realizados com algum sucesso. Durante dias seguidos, eles atravessavam florestas e enviaram relatórios de viagens pelo telemago de Tell.
O mago-espadachim se lembrara da conversa que tivera com Clapeyron sobre o seu avô.
O aposentado comandante era tão altruísta e esperançoso quanto o garoto.
Rosicler que tinha seu estômago roncando pediu para descansar. Depois de uma intensa briga, o líder do grupo, Saragat, decidiu que deveriam parar por alguns minutos.
O conjurador abriu seu odre e então retirou comida e água fresca. Tell comeu pouco.
— Se não comer não vai aguentar a cainhada pivete.
— O troglodita tem razão, se você não comer não estará forte o suficiente. Alfonsim está cheia de monstros, precisaremos de você bem forte.
Saragat ergueu o cajado para acertar a cabeça de Rosicler, mas esta desviou facilmente do golpe, Index riu tanto da cara de bobo do conjurador que rolou pelo chão.
Bong. Saragat acertou a cabeça do guardião com o cajado, um galo enorme saiu da sua cabeça. Index passou a rolar no chão de novo, mas dessa vez de dor.
— Vamos Tell, eu não vou bancar a sua babá.
O garoto soltou uma lágrima, e a limpou com a dobra da camisa. Rosicler afagou os seus cabelos crespos dele. O conjurador ficou sem reação.
— Eu estou com saudade do meu avô, ele já deveria ter me encontrado.
— Não se preocupe tanto, pois nós vamos encontrá-lo onde quer que esteja.
— Saí daí sua babaca, veja o que você fala.
— Por que está dizendo isso chapeuzinho preto?
Saragat ergueu-se alisando a capa novinha. Os olhos claros brilhavam atrás dos buracos da balaclava. Tell envergonhado se desvencilhou do abraço de Rosicler.
— Vamos ser realista, Taala confrontou o próprio rei Zarastu e mais três monstros, talvez três Generais Atrozes de uma só vez, ele pode tanto estar vivo, como também pode estar morto neste momento, é o que eu acho.
— Não seja tão rude com o garoto, ele não tem culpa se você é quem está aqui...
— Por falar nisso garotinha, Tell tem a sua missão e a vontade de se reencontrar com seu avô, eu tenho ordens expressas da minha deusa para segui-lo e ajudá-lo a realizar essa missão, mas e você sua trombadinha, o que é que tu quer aqui?
Rosicler abriu a boca estalando a língua e se levantou do chão balançando a cabeça.
— Olhe aqui meu bem, saiba que eu tenho coragem suficiente e dotes para contribuir com essa missão, comigo é missão dada, missão comprida.
E terminou estalando os dedos, Saragat achou-a uma garota vulgar demais. Tell passou a rir descontroladamente da situação. Index também se juntou as gargalhadas.
Saragat e Rosicler perguntaram ao mesmo tempo:
— O que é tão engraçado?
— Não, nada, só estou imaginando que ter uma família dever ser engraçado assim.
— Está errado, a família pode fazer coisas muito mais terríveis que os monstros.
— Não posso dizer muito, perdi minha única família para a Horda.
Saragat e Rosicler depois de dizerem isso respectivamente, ficaram cabisbaixos.
O conjurador então guardou a sua mochila e deu ordens para que os outros os acompanhassem. Tell parecia ser o único que tinha esperanças no grupo.
Tell se levantou também, mastigava um pedaço de pão preto e decidiu não fazer mais perguntas. A criatura alada voltou a pousar em seu ombro. E assim, em resignado silêncio, o grupo de heróis continuou a sua caminhada pelo meio dos bosques.
A caminhada já tinha cerca de mais de um mês, pela estrada oficial encima de cavalos, seria menos de uma semana.
— Tell, olha, eu peço desculpas, quanto a seu avô, ele pode estar até na próxima cidade.
— Tudo bem, não precisa ficar assim, eu não guardo mágoa.
— Sinceramente eu não perdoaria, imagina se um cara falasse assim comigo, eu quebraria a fuça dele na ora veio, na moral mesmo.
— Sua boca é muito porca e sua gramática é péssima.
— Desculpa princesa de capuz, não foi minha intenção.
— O q-quê? Cale a boca sua...
— Ei parem de brigar.
Por um momento Tell de Lisliboux refletiu sobre todos os acontecimentos até aquele momento, ele sentia que tinha deixado algo escapar em toda aquela situação.
Continuaram a atravessar o bosque a passos rápidos, logo após, chegariam à Alfonsim.


Biografia:
Comecou a escrever depois de um concurso em sala de aula. Dois anos depois ele publicou seu primeiro livro.
Número de vezes que este texto foi lido: 28923


Outros títulos do mesmo autor

Contos (RE)FABULOSO Caliel Alves dos Santos
Contos O NEFALISTA Caliel Alves dos Santos
Artigos QUEM QUER SER UM CAMPIONE? Caliel Alves dos Santos
Resenhas SINESTESIA MONOCROMÁTICA Caliel Alves dos Santos
Poesias CAPITÃES DO MATO DO SÉC. 21 Caliel Alves dos Santos
Poesias SEX APPEAL Caliel Alves dos Santos
Resenhas UNIVERSO IMAGÍSTICO – DEGUSTAÇÃO Caliel Alves dos Santos
Artigos DOSSIÊ – COMO PROMOVER E PUBLICAR MANGÁS NO BRASIL Caliel Alves dos Santos

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 71 até 78 de um total de 78.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Defesa - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas
Lança - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior