Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
VER O PESO DA HISTÓRIA
BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Hoje tentei encontrar um marco.
Resolvi sair,
buscar com esperança.
Pois na minha santa ignorância:
Coisa boa iria achar.
Pura fantasia ao primeiro olhar
naquele monumento.

Um ar de espanto,
vou te confessar.
Tomou conta de mim
naquele momento.

A Cabanagem
estava ali tão presente;
mas apagada
bem à minha frente,
se recente de atenção,
para não chorar.

Segui
pela estrada do trem.
Seguindo mais além
o caminho da história.
Um pouco da memória
na próxima estação.
Praça da leitura
sei que iria encontrar.

Na chegada
qual minha surpresa
estava por lá.
O Chapéu do Barata.
Confesso fiquei estático.
Ao ver
o interventor do Pará
tomado pelo descaso;
num espaço
nobre da capital.

Com tanta podridão
que exalava,
abandonado.
Servindo como morada
àqueles moribundos;
sem identidade,
sem noção.
Juro!
Cheguei a passar mal nesta cidade.

Seguindo mais adiante;
o mercado de São Braz .
Com traços arquitetônicos
e influência europeia.
Um passado rico,
hoje tristonho.
A fachada coitada;
pichada,
abandonada,
deteriorada.

Das três lindas peças de Floriano;
inspiradas em elementos neoclássicos.
Resta apenas um vazio negro
do descaso clássico .

À sua frente
o cidadão Lauro Sodré
se assustava;
pensativo,
sentado,
meditando.
Não aguentava mais.

Ao líder republicano
lhe perguntava:
o que estás a pensar ?,
guardava naquela hora
a pergunta que o fez calar.

Caminhando cabisbaixo;
as lágrimas
molhavam a tristeza.
Para não chorar.

Continuei a caminhada
pela antiga estrada.
Passando por Plácido
em Nazaré.
Andando mais um pouco à pé.

Encontrei com Waldemar.
Vi
o quanto estava entristecido
naquele espaço fétido,
mal cuidado
e esquecido.

Ao som do silêncio,
abatido sem dó,
ré mi, fá, sol, lá, si,
se pondo a chorar.
Na pedra do peixe
em frente ao guajará.

Na feira popular do açaí.
Ver o peso da memória;
tanto descaso com a história.
De um pouco que ainda resta
para contar .
À futura geração
um dia poder admirar;
nunca esperei encontrar.


Biografia:
"As obras do artista só têm valor, quando consegue atingir a sensibilidade daqueles que entendem"
Número de vezes que este texto foi lido: 33835


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O MEDO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias MUDANÇAS DE HÁBITOS  BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias Quando tudo passar BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias RUA INCLUSÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias O PEQUENO EMANOEL BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias PROCLAMAÇÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias Narrativas da vida real BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Cordel O DEDO MILAGROSO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias FINADOS BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias DOIS CORPOS BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 138.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 39601 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 39550 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 39473 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 39431 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 39229 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 39077 Visitas
Seu cheiro de tangerina - Helio Valim 38781 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 38690 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 38468 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 38450 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última