Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O nome dela? Brasil
(Benedita não é só teatro, mas o país virado do avesso)
Roberto Queiroz

Vivemos num país repleto de seres invisíveis, por conta de uma burguesia e uma falsa classe média afundada até o pescoço em suas convicções medíocres e na sua eterna mania de posar de grandiosos para o resto da sociedade. Bastou que a pessoa em questão a ser debatida seja um pobre, uma favelada, um assalariado menor, e pronto: está criado o motivo para o eterno discurso de ódio que paira nesse país (e não me refiro exclusivamente aos últimos cinco anos e sim desde que esse país existe).

Esta semana fui surpreendido por uma peça de teatro que trata desse tema com uma elegância de cair o queixo de qualquer pessoa realmente preocupada com os rumos desse país. Falo de Benedita, monólogo inebriante criado pelo ator e escritor Bruno de Sousa (que, por sinal, merece meus mais sinceros elogios, pois destrói numa interpretação extremamente metonímica e cheia de arquétipos os mais variados).

Benedita não é só mulher brasileira. É guerreira, sobrevivente de um país que não olha para os seus, principalmente quando eles não pertencem às camadas mais altas da sociedade. E não somente isso: é também lavadeira, benzedeira, curandeira, bruxa, feiticeira e o que mais você puder imaginar. E por conta de sua múltipla personalidade é vista por muitos - ainda mais em tempos onde o evangelismo rompe a barreira da decência e do respeito - como louca, demoníaca, criadora de casos, promovedora de magia negra.

A partir das roupas que lava para fora conhecemos a história de seus clientes (quer dizer: do povo brasileiro) e vemos um rol infindável de vidas inventadas, contadas pela metade para impressionar amigos e vizinhos. Não existe característica melhor para explicar o cidadão nacional do que o ostentacionismo e Benedita enfia o pé na jaca, chuta o balde mesmo, e expõe as mazelas e intrigas humanas como ninguém.

Quando entrei na sala de exibição o ator já se encontrava em cena e parecia usar um vestidão largo, carregando no ombro direito um balde. Ledo engano! A parte de baixo do vestido era "sua casa", seus pertences amarfanhados, sua realidade fragmentada. A luz se acende aos poucos e o tema musical de abertura lembra um acalanto (para os leigos: uma canção de ninar). Uma referência à sua infância perdida? Talvez. Prefiro enxergar além: uma vida perdida pela roleta russa do tempo, sempre apertando seu gatilho contra os mais necessitados.

Benedita "contracena" com seus delírios, suas crises, confessa seus pecados à imagem sacra que a acompanha (aliás, a presença da imagem no palco foi suficiente para que um grupo de evangélicos extremistas se revoltasse e fosse embora do teatro), relembra a vida com o ex-marido mulherengo, que a abandonou na rua da amargura, destila remorso, pragueja, faz feitiço para as pessoas que a sacanearam, etc etc etc.

Em suma: Benedita é o Brasil nu e cru, um país que adora se lamentar, se fazer de vítima, mas não está nem aí para o seu semelhante (leiam-se: os moradores de rua e desempregados). Que prefere fingir uma vida plena e luxuosa nas redes sociais do que se mostrar como verdadeiramente é. Pois a verdade, como eu já disse em outros artigos, não passa de um ponto de vista e ele pode ser alterado ao bel prazer do ser humano.

O espetáculo termina e a sala encontra-se esvaziada (acho que foi a menor plateia de um espetáculo a que assisti até hoje). Fico triste por perceber que setores de nossa população se renderam às falácias do discurso religioso opressivo e não conseguem enxergar a arte além de sua própria fé, sua própria crença. Por outro lado, saio realizado pela coragem do artista. É tão raro hoje em dia encontrarmos ousadia, mesmo que a maioria pareça estar do lado equivocado da história, que levanto-me orgulhoso e aplaudo o ator com entusiasmo.

O Brasil merece mais mulheres como Benedita e menos gente querendo transformar o país numa guerra santa. E a mensagem que me fica é: precisamos rever valores urgentemente, sob pena de nos transformarmos em meras estatísticas vazias da vontade alheia. Não sei onde iremos parar, mas é bom saber que (ainda) há gente corajosa disposta a enfrentar o furacão da intolerância.

E que essa pátria tome vergonha na cara (antes que seja tarde demais)...


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 144


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Cicatrizes não têm prazo de validade Roberto Queiroz
Artigos A revolução impressa Roberto Queiroz
Artigos O passado nunca foi tão presente Roberto Queiroz
Artigos Sinônimo de cinema Roberto Queiroz
Artigos A rainha do pop declara guerra à tudo e todos Roberto Queiroz
Artigos Obsessivo Roberto Queiroz
Artigos O corredor polonês Roberto Queiroz
Artigos A semente da dúvida Roberto Queiroz
Artigos O hércules do rock Roberto Queiroz
Artigos Nem tudo é o que parece Roberto Queiroz

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 188.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
PSICOLOGIA E DIREITO - Francisco carlos de aguiar neto 32036 Visitas
FIO DA ESPADA - Tércio Sthal 31806 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 31561 Visitas
Origens da Bandeira do Brasil - Marco Antonio Cruz Filho 31050 Visitas
Discurso de Formatura - 9º ano - Franciele Keller 31009 Visitas
O pensar é dialógico e dialético - ELVAIR GROSSI 30836 Visitas
DO ARCO-DA-VELHA - Tércio Sthal 30622 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30603 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30521 Visitas
O Senhor dos Sonhos - Sérgio Vale 30442 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última