Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Clube do TOC
André Claro

Havia olhares atônitos voltados para o vendedor, um homem de seus cinquenta anos, um pouco gordo, de óculos, que fazia uma dancinha desarmônica e improvisada, ou improvisada e desarmônica, em frente à padaria. A rua tinha intenso movimento de carros e pedestres, ficava no centro de São Paulo. Não era a primeira vez, não era o único lugar. Quando Carlos encerrou seu ritual de pouco mais de quarenta segundos, vídeos editados ou não já circulavam pela internet e consequentemente chegavam ao smatphone de seu chefe.

— Se eu não fizer essa dança, uma voz dentro de mim diz que não vou vender, se eu não a fizer direito, algo muito ruim vai acontecer à minha filha. Estou há anos lutando com isso, antes não precisava ser em público, fazia em casa ou no banheiro do estabelecimento, mas agora as exigências aumentaram. E meu chefe deu um ultimato, Ana — explicava Carlos à terapeuta. — Ou eu me curo disso ou é rua.
Ana fitou Carlos e os demais que formavam o círculo à sua volta, ajeitou-se na cadeira, pondo de lado a prancheta com folhas onde fazia anotações.
— Alguém mais? — inquiriu.
Fúlvia, uma mulher de vinte e poucos anos, cabisbaixa até então, concentrada em arrancar cutículas com as unhas, levantou os olhos e começou:
— Eu perdi meu marido — riu um pouco, mas com amargura. — Como? Ah, Deus — suspirou.


Biografia:
Por um período, entre 1999 e 2001, fui repórter, não antes de ser escritor. Foi, pois, publicando um velho conto — no primeiro jornal no qual trabalharia — que me tornei repórter. Julguei que pagaria pela publicação, mas, além de não a pagar, ela simplesmente me valeu um emprego! A despeito disso, produzi pouco ao longo de vinte e tantos anos como escritor e dramaturgo. Em 1999, publiquei uma novela, que tem como cenário o Capão Redondo, Amargo Capão (Um Dia no Tráfico). Só então em 2006, voltaria a publicar, estrearia no conto com Absurdos, Delírios e Ilusões (Litteris Editora). Da mesma forma, escrevi alguns roteiros de curtas e alguns textos para o teatro, ocasião em que colaborei escrevendo e atuando numa paródia Shakespeariana: Queijo e Goiabada (Romeu e Julieta). Posteriormente, enclausurei-me, fiquei restrito a fazer bicos. Ler e escrever poesias, contos – esboçar romances. O Homem Sem Desejos, foi o único desses esboços a ser lançado, em 2016, então pelo Clube de Autores. Agora, igualmente, algumas daquelas poesias vão sendo divulgadas. Paralelamente, vou concluindo a faculdade de psicologia.
Número de vezes que este texto foi lido: 27898


Outros títulos do mesmo autor

Romance Trecho de O Homem Sem Desejos André Claro
Poesias Pendura André Claro
Poesias O Louco de Platiplanto André Claro
Poesias A Vida Vale A Pena André Claro

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 61 até 64 de um total de 64.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
Como o Sol e a Fênix - Bia Nahas 6 Visitas
DESCONEXOS - Ivan de Oliveira Melo 5 Visitas
Relaxa - Leonidas George de Souza Miranda 5 Visitas
Estou curado - Ricardo Santos de Souza 5 Visitas
Jesus mestre da cruz - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 5 Visitas
Monotonia - Canton 5 Visitas
Tirem o seu CRISTO da CRUZ! - MARCOS VINÍCIO DIAS 4 Visitas
Quanta força ela tem, alma - Shahar (Chak) 4 Visitas
A importância de ser que realmente somos. - Rhudá Vinicius Santos Lopes 4 Visitas
Desabafo aos ventos. - PauloRockCesar 1 Visitas

Páginas: Primeira Anterior