Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Doutor Castor
Rafael da Silva Claro



De aparência frágil, era o velhinho que qualquer um logo cederia o lugar no ônibus. Mas com Castor de Andrade a aparência enganava. Figura típica de um Rio de Janeiro que não existe mais, se envolveu com futebol, carnaval, jogo e tudo que vem junto. Mafioso, ele foi malandro perigoso, mas bonachão, alegre, bem relacionado e participativo. O documentário Doutor Castor é um retrato dos anos 70, 80 e começo dos 90, mostrando os estertores do que um dia foi “o país do futebol”.

O Bangu, time de futebol, alcançou seu auge durante o período do folclórico presidente de honra e financiador. Estilo “paizão”, Castor pagava um gordo bicho (prêmio por vitória) em espécie, às vezes, adiantado. Também foi a tradução perfeita de um “cartola” do futebol, desses que invadiam o campo para “pegar” o juiz ladrão.

Advogado, porém filho e neto de gente envolvida com a jogatina, preferiu continuar os negócios da família, muito mais lucrativos, embora perigosos.

No jogo do bicho só dava Castor. Capo di tutti capi, ele mandava soltar e prender (e bater), pelo menos enquanto ele mesmo não era tirado do convívio social.

Carnaval: o poderoso contraventor fechou a trinca: fezinha, jogo de bola e samba, adotando a escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, sendo seu eterno patrono.

Assim como Al Capone, foi difícil prendê-lo. Para isso, foi necessário sacar uma brecha no Código Penal. Contudo, isso não foi o suficiente para segurá-lo na cadeia. Ele ficava pouco tempo trancado, mas a tempo de dar um upgrade na sua cela — estilo Pablo Escobar — ou para ser beneficiado com a prisão domiciliar.

O velho malandro “bateu com as dez” (faleceu) de ataque do coração em 1997, numa saída (não autorizada) para jogar um carteado.

Muito bem feito, o documentário passa o clima social do Rio de Janeiro daquela época e retrata fielmente as facetas do personagem título, mostrando o que havia de bom e ruim e quem gostava ou odiava o Castor de Andrade, sem alívio. O que é essencial numa obra com um espaço de tempo grande é o antes e depois e os relatos, muitas vezes conflitantes, de figuras secundárias. Não faltaram ingredientes para um bom documento cinematográfico.

Finalmente, um documentário em quatro partes, com quatro horas de duração, que passou voando.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 53003


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 Prenda-nos se for capaz Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Telespectador na linha Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Só se vive uma vez Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 O capitão e o sindicalista Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Uma noite em Las Vegas Rafael da Silva Claro
Resenhas 🔴 Euforia e exaustão Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Chuchu beleza Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Mascote politicamente incorreto Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Apenas um instante no universo Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 “Um museu de grandes novidades” Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 426.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Desabafo - 54495 Visitas
PARA ONDE FORAM OS ESPÍRITOS DOS DINOSSAUROS? - Henrique Pompilio de Araujo 54474 Visitas
A menina e o desenho - 54282 Visitas
sei quem sou? - 54250 Visitas
Jornada pela falha - José Raphael Daher 54248 Visitas
MENINA - 54245 Visitas
eu sei quem sou - 54211 Visitas
Vivo com.. - 54211 Visitas
viramundo vai a frança - 54190 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54150 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última