Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Critica Literária Tony Beloto
Bellini e o Demônio, livro perfeito?
silas C. Leite

Resumo:
Um popstar ou quase, lança um livro, ou quase, que é pseudopolicial, ou quase, que se diz perfeito ou quase, e é um quase livro que o aqui critico quase detona, ou quase, mas poupa no final o marido da malu mader. já pensou? ou quase?

Pequena Resenha Crítica:

                    “Bellini e o Demônio” de Tony Belloto



Tony Belloto deve ser mesmo uma excelente pessoa, também bom compositor e ótimo guitarrista, além de ter a posse feliz da musa televisiva de todos nós, a maravilhosa Malu Mader, sempre fina e impecável. E isso não é pouco.

Chico Buarque, aliás, um dos maiores artistas de MPB, aquele cara que, em tese “todo homem brasileiro gostaria de ser”, como escritor é apenas mais ou menos, para alguns críticos ferozes e acadêmicos de plantão simplesmente uma mera piada fora de contexto, apesar de muito midiático, claro, o que é facilmente explicável. Pois Tony Belloto é mais ou menos por aí. Como escritor quase que chega a ser um fiasco, talvez diria, fraco. Mas, paradoxalmente, e, para não dizer que não falei de flores, a Companhia das Letras investiu/investe muito nele, que assim embalado tenta o frigir dos ovos em seara alheia.

Avaliando o “Bellini e o Demônio” do Tony Belloto, vi/li somente um livrinho fácil de ler sem marcar presença a água rápida e rasa da leitura, digestivo até – “literatura”(...) infanto-juvenil? – como um pseudo-romance policial bem água-com-açúcar, para dizer o mínimo, desde o detetive janota e boçal que só pensa em sexo – e cita letras de blues em inglês, claro (sem tradução para o enfocado público leitor-alvo por assim dizer) – e que, sem nenhuma grande intuição peculiar, sem nenhuma grande margem de risco do estilo; circunstancial tramóia, modus operandi e sem muitos problemas da área investigativa(...) (e sem mesmo peculiaridades inerentes ao tema em si), vai e vem boi-com-abóbora atrás de um tal manuscrito de livro de um escritor ultrapassado e ruim, você sempre espera algo mais, um trunfo, uma carta na manga, uma reviravolta, tudo muito na obviedade sacada logo, logo depois, simplesmente quase no miolo do pacote enlivrado pra consumo muda de história simplesmente sem que uma tenha alguma coisa a ver com a outra, nada vezes nada, não por acaso uma outra também investigação chulé em meandro pequeno-burguês, passa em branco de um enfoque chinfrim pra outro até fraquinho, depois, ocasionalmente narrando bem que seja uma ou outra parada ou pegação, parágrafo ou gracejamentos de percurso, cita lugares, bairros, ruas, inventa aqui e ali, mas lamentavelmente não sai disso e é muito pouco, liga o fraco ao bobo e ruim, e fica nessa a intenção da prosopopéia só pretendida; do pseudo-romance policial de araque.

Duro ainda é o leitor que gosta de se aventurar com conversa fiada no nesse sentido em função de tanta expectativa frustrada – o nome do autor, o nome do romance – no mau sentido, ir até o fim nesse livro de bolso que dá chute na sombra, e ainda, curioso e não acreditando no inverossímil, pasmem, procurando o tal do “demônio” da temática pregada no titulo chamativo, por isso mesmo capenga, falso, quase mentiroso-de-ocasião enquanto mercadoria-livro que mais lança um nome midiático do que mesmo uma obra que talvez jamais passaria numa avaliação editorial se fosse de um desses pobres coitados, neomalditos escritores de talento (mas e ainda assim paradoxalmente anônimos) para não serem vendáveis por causo disso mesmo, serem premiados, terem currículo mas não serem pops no termo mais chulo do que a situação em si representa como acho que é exatamente o caso. Ninguém merece.

Casos intrigantes como diz a última capa chamariz. Cadê? O grande mestre do romance policial (SIC), conquistas, fracassos, tudo bobagem miúda, rasa, rala. Tráfico de drogas? Não especificado com riqueza de detalhes, meandros. Não identificado curso. Vamos circulando. Sexo? Quase só a mera falácia de. Freud inexplica. Assassinatos? Um achado no fim. Não perca tempo.

Tony Belloto é extremamente simpático – é amigo de alguém lá da editora? – mas apesar de circular livre na área com algum açodamento sem base, por certo, não acrescenta nada em termos literários ou de conteúdo e qualidade pertinentes, mormente enquanto a pretensão algo séria de ser escritor que não sabe ser inteiro e por completo, como deveria de ser, por estrutura e quilate, estando no embalo de mera aventurança. Uma pena.

A Companhia das Letras, aliás, segundo lenda que corre pelai desde a web a bastidores de arte litero-cultural (e deu na Folha Ilustrada), teria recusado um certo romance clássico de Machado de Assis que lhe foi apresentado com outro título e com nome autor de autor anônimo, assim, tenham dó, apostar em Tonny Belloto é forçar a barra, é uma piada de mau gosto, sendo apenas mais uma bobinha mercadoria-livro no espaço mídia que vende quem é do meio, sem tanto merecimento ou crédito assim.

Como editores dinheiristas tentaram emplacar, como outros janotas escritores de ocasião, tipo Ratinho, Derico, Hosmany Ramos, Simony lançam obras, no termo bem chulo mesmo ad expressão?. Já pensou?

Sim, amigos, Tony Belloto é um pouquinho melhor, claro, inclusive em questão de vivência ética, instrumentista, por assim dizer. Merece respeito como músico, pessoa-artista até.

Mas não se fazer escritor no folguedo do momento midiático puro e simples, fazendo o leitor perder precioso tempo com historietas que mal-e-mal fazem uma falsa diversão-entretenimento, e que, para piorar, carregam costurações narrativas que vão cerzindo a seco o fraco e o vazio, pois de romance policial mesmo o livro nada tem.

Aliás, Isto sim, é um caso de policia. E só. Escrevendo o Titã é pífio.

-0-

Silas Corrêa Leite – Crítico Social, Teórico da Educação, Jornalista Comunitária – Pòs-graduado em Literatura na Comunicação, Inteligência Emocional e Direitos Humanos (USP)
E-mail: poesilas@terra.com.br
Site pessoal: www.itarare.com.br/silas.htm
Autor do e-book de sucesso O RINOCERONTE DE CLARICE, pioneiro, de vanguarda e único do gênero, no site
www.hotbook.com.br/int01scl.htm










Biografia:
O Poeta e Ficcionista premiado Silas Corrêa Leite tem 53 anos, é de 19/08/52, da histórica e boêmia aldeia de Itararé-São Paulo, Brasil, terra de celebridades artísticas nacionais como o Maestro Gaya, Luiz Solda, Rogéria Holtz, Irmãs Pagãs, Carlos Casagrande, Regina Tatit, Jorge Chuéri, Luiz Barco, verdadeiro celeiro de artistas, portanto. Em Itararé foi bóia-fria, engraxate, vendedor de dolés de groselha preta, garçom, vendedor de jornais. Família pobre, seu pai descendente de judeu-português era acendedor de lampiões de gás e sua mãe mestiça de negro com índio. Com 16 anos ele escrevia pros jornais de Itararé (hoje é autor do Hino ao Itarareense), tinha programa na Rádio Clube de Itararé e, nos shows pratas da casa, imitava ídolos da Jovem Guarda. Por causa de uma paixão impossível, sem lenço e sem documentos em 1970 com apenas a quarta-série do primário migrou para Sampa. Sem dinheiro no bolso/Sem parentes importantes/Vindo do interior, como na balada do Belchior. Morou em pensões e repúblicas, passou fome, voltou a estudar, fez Direito, ganhou ficha nos podres porões da ditadura militar incompetente e corrupta. Sempre escrevendo, começou a participar de concursos e a ser premiado em verso e prosa, até no exterior. Ganhou alguns prêmios, (Prêmio Ignácio Loyola Brandão de Contos, Prêmio Paulo Leminski de Contos, Prêmio Mário de Andrade de Poesia, Prêmio Mário Quintana de Crônicas, Prêmio Ficção Científica e Fantástico em Portugal, Prêmio Salão Nacional de Causos de Pescadores (USP-SP), Prêmio Lígia Fagundes Telles Para Professor Escritor, etc.) Consta em dezenas de antologias literárias em verso e prosa até internacionais. Lançou um e-book (livro virtual) chamado O RINOCERONTE DE CLARICE com 11 contos fantásticos, cada ficção com três finais cada, um final feliz, um final de tragédia e um politicamente que foi um sucesso no site www.hotbook.com.br/int01scl.htm e destaque na mídia, inclusive televisa (Metrópolis, TV Band., Rede 21, Provocações). A obra, pioneira, de vanguarda e única no gênero, foi indicada como leitura obrigatória na matéria Linguagem Virtual, no Mestrado de Ciência da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina. Faz palestras e congressos, adora mais estudar e ler do que de existir (fez também Geografia, é especialista em Educação, fez várias extensões inclusive em Filosofia Para Crianças, Literatura na Comunicação, Direitos Humanos na USP, etc.) colabora atualmente com mais de 300 sites, inclusive no exterior e em países de língua espanhola. Tem três livros: Trilhas & Iluminuras, Poemas, 2000, Porta-Lapsos, Poemas 2005, e em 2006 lançará Os Picaretas do Brasil Real (Série Cantigas do Escárnio e Maldizer), estando com um livro de ficções premiadas para ser avaliado pela Travessa dos Editores de Curitiba-Pr. Antimilitarista, pela não violência, acredita na arte como libertação, como Manuel Bandeira. É considerado um humanista de resultados, sendo professor, jornalista comunitário e relator de uma ONG de Direitos Sociais. Seu site é: www.itarare.com.br;/silas.htm Sua poesia de apresentação é: Ser poeta é a minha maneira De chorar escondido Nessa existência estrangeira Que me tenho havido E-mail para contatos: poesilas@terra.com.br
Número de vezes que este texto foi lido: 29102


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios DEUS DE CAIM, Um Grande Romance de Ricardo Guilherme Dicke silas C. Leite
Poesias Dez Poemas de Silas Correa Leite silas C. Leite
Poesias Dez Poemas de Silas Correa Leite silas C. Leite
Poesias Dez Poemas de Silas Correa Leite silas C. Leite
Crônicas EU DE MIM MESMO silas C. Leite
Poesias Caetano Veloso e Maria Bethânia São a Mesma Pessoa silas C. Leite
Ensaios Quem Sou EU? Prosa Poética silas C. Leite
Resenhas Critica Literária Tony Beloto silas C. Leite

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 11 até 18 de um total de 18.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Café - Bruno Araújo 0 Visitas
A ALEGRIA QUE O DINHEIRO NÃO COMPRA - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
O BOM LADRÃO - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
O CORAÇÃO - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas
Como fazer um texto usando SEO para aparecer no Google? - Antonio 0 Visitas
Ser Poeta - Bruno Araújo 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior