Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Tèdio
Homenagem a Medicina
Mayra Alcione Musa Fonseca

Resumo:
Essa poesia é antiga desconheço autor original, se alguém por acaso conhecer, me informe, ela faz parte dos guardados de minha mãe, muito bonita,vale a pena divulga-la!

O Tédio (Uma Homenagem a Medicina)


Venho Caro Doutor fazer-lhe uma consulta!
A Doença que me punge e Extermina a mocidade
Infinda da resulta de uma chaga que nunca cicatriza.
Muito embora o comum de toda gente,
As de sofrer atrás da hipocondria
Que muito me torno pensativo e
Doente não sabe o que é paz,
Nem alegria!
É o mais sábio clínico do mundo,
É também um filósofo,
Notável de peito humano,
Escutador profundo!


Cureis esse mal inesgotável,
Que me esmaga o organismo,
Fibra a fibra, que me envenena
O cérebro e que me condena.
Tenho um coração que não vibra
E suporta uma cabeça que já não pensa!
Este tédio mortal, tédio agoureiro,
Que me enevoa e me escurecem os dias
É como um beijo dado a dinheiro,
Numa noite de orgia!

Refletindo diz o médico ao doente,
O amigo tem Razão, Padece realmente
Com toda enfermidade e os vermes que o devora
É um produto fatal do século de agora!
Uma emoção vibrante, um abalo violento,
Do tédio pode curá-lo, creio um momento de tédio
É uma sombria, uma fatal loucura!
E as trevas anteriores daquelas noites escuras,
Que se esquece de toda a sorte,
A vida amada e o nosso Primeiro ser,
Só se lembra do nada!

Diga-me, Alguma vez amou?
Nunca em seu peito extinguiu,
As paixões que do terrível despeito,
Como as ondas do mar que se agitam
E encapela como saturno do vento
Que nos procela, junto bem junto dos seus!
Que dores fecundas bateram num coração apaixonado!
Nunca!



Já visitei a Grécia, o oriente, a terra santa,
Sitio onde tantos descansam na glória,
De uma idade imorredoura, eterna,
Que mesquinha se deslumbra as gerações modernas.

Em Ébrios festins passei a mocidade,
O mundo viajando,
Como um judeu da lenda,
Entre todas as mulheres,
Cujos lábios beijaram,
Em bacanais, nenhuma eu vi sobre essa terra tamanha,
Que para mim não fosse uma visão estranha.
Como parti, voltei, sem achar motivos,
Para esse mau doutor,
Que aqui me traz cativo!

Freqüentemente o circo amigo!
A figura brejeira do famoso Alecrim,
Que essa cidade inteira bate Palmas
E aclamam Constantemente arranca!
Talvez te retires em gargalhadas da frança!

Vejo agora que o meu caso é perdido, o torão
Que lhe fala o palhaço querido que ainda encene
No coliseu tão aclamado, tem um riso de morte!
Um riso mascarado, que encobre a dor sem fim
Do tédio e do cansaço!
Sou eu caro Doutor esse palhaço!






Biografia:
Nascida em 29 de setembro de 1963em Urupês, no estado de São Paulo, aos sete mudei-me para Campinas, desde o colégio apontou-se o talento para as artes, principalmente poesias e crônicas, Recebi menção honrrosa pela poesia" Cíntilar de Rosas" em 1985 pela editora shogun, tive Participação no livro"Salvados do Incêndio" 1986 pela editora codepoe Era membro da União Brasileira de trovadores UBT-Campinas, quando então presidente minha saudosa amiga e escritora "Josefina da silva carvalho " após casamento afastei-me dos movimentos literários mais nunca deixei de compor tenho vários trabalhos e gostaria de obter um espaço dentre nobres companheiros para expo-los a vossas apreciação! visitem tambem meu blog
Número de vezes que este texto foi lido: 29033


Outros títulos do mesmo autor

Cartas Declaração de Amor Mayra Alcione Musa Fonseca
Poesias Lágrimas de um rouxinol Mayra Alcione Musa Fonseca
Monografias Deuza mulher Mayra Alcione Musa Fonseca
Crônicas Homicídio Ecológico Mayra Alcione Musa Fonseca
Poesias Cíntilar de Rosas Mayra Alcione Musa Fonseca

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 21 até 25 de um total de 25.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
CIÚME - Ivan de Oliveira Melo 0 Visitas
BÁLSAMO - Alexsandre Soares de Lima 0 Visitas

Páginas: Primeira Anterior