Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Capitão Aza
Como Me Tornei Adulto Por Causa de Um Flato
J. Miguel

Era fã do Capitão Aza. Até hoje não compreendo como um personagem criado para ser um herói infantil, foi aprovado com um erro gramatical tão grosseiro como nome.
Tanto faz... Asa ou AZA o fato é que o Capitão Aza foi visitar a minha escola. Eu tinha oito anos e estava na 3ª série. Devo ter sido o aluno mais indisciplinado que a escola já teve, mas minhas notas figuravam sempre entre as melhores. Mesmo contra a vontade da minha professora, fui indicado pela direção da escola como um dos alunos que participariam da homenagem ao Capitão Aza.
Lembro que esperava vê-lo chegar de helicóptero, mas o herói desembarcou de um jipe do exército. "Mas ele não era da Aeronáutica?" fiquei me indagando.
Então, a criançada perfilada e imóvel (do modo que dá para se manter imóveis cento e tantos meninos e meninas de idades variando de sete a doze anos), o Capitão Aza passou a tropa em revista, como faria um chefe de Estado, com sua garbosa continência.
No auditório da escola, cada aluno previamente escolhido, subiu para ler sua homenagem.
A minha foi uma poesia que escrevi eu mesmo, devidamente autorizada pela censura da Direção. Afinal, não confiavam tanto assim em mim.
Terminei minha leitura e o Capitão Aza veio e apertou minha mão. QUando estava saindo, escutei o ruído característico de um flato, que, como não tivera sido eu, somente poderia ter saído do heróico orifício.
Prendi o sorriso, porque tive certeza que fui o único a ouvir o indefectível (ou não) traque do herói. Por via das dúvidas, apertei o passo, porque sempre corria o risco da professora achar que fui eu.
Naquele momento, minha infância se foi. Descobri que meu herói também peidava. E sequer chegava aos sonoros flatos que meu pai soltava. Meu pai peidava tão alto que um vizinho sempre gritava de casa:
- Puta que Pariu! Isso não é um cu! É um apito de fábrica...

(J. Miguel 05nov2007)


Biografia:
"Fazer chorar é fácil; desafio mesmo é fazer rir."
Número de vezes que este texto foi lido: 28842


Outros títulos do mesmo autor

Humor Arnaldo J. Miguel
Humor Conta Que Estou Ouvindo J. Miguel
Humor Minha Amiga Ana J. Miguel

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 21 até 23 de um total de 23.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Outros vales - Queóps 29257 Visitas
Exagerado - Aradia Rhianon 29256 Visitas
QUANTO TEMPO CONSEGUIMOS FICAR SEM O CELULAR? - Tânia Du Bois 29253 Visitas
MINHAS MALDADES - ZÉ DE NATUCA 29251 Visitas
Afeição, paz e calma - jbcampos 29251 Visitas
SEO DONATO - Orlando Batista dos Santos 29250 Visitas
Fabricação - Zuza Nascimento 29248 Visitas
CANSEI - Elisandra Baiense Pereira Firmo 29247 Visitas
SONHADOR - Lavinsk Vetter 29246 Visitas
Pimpão - P Corrêa 29245 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última