Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Ganhei Na Loteria!
J. Miguel

Resumo:
Texto do autor que circula na Internet creditado a outros autores ou como apócrifo.

          Ganhei na loteria. Não foi nada o suficiente para dar um pontapé no traseiro do imprestável do meu cunhado e o expulsasse da minha casa, ou de largar ele, a irmã dele, minha sogra e os outros sanguessugas que vivem sob as minhas expensas. Nada disso! Para meu pesar, foi apenas um prêmio bom, mas não dava para começar uma vida nova ao lado de nenhuma modelo. O suficiente para comprar um carro popular. Mas que besta seria eu se fizesse isso! Certamente o cunhado convenceria minha esposa a ficar com o carro (que logicamente ele dirigiria), eu continuaria com o meu carro velho e teria as despesas adicionais de combustível, taxas e o que é pior: as multas. Não! Certamente, carro nem pensar!
          Reuni a família na sala de casa para discutirmos o melhor destino para o dinheiro. Bem que desejava que fossem apenas os titulares da casa, mas até o cachorro deitou no tapete.
          Em rápidas palavras, contei que havia recebido uma certa quantia e desejava saber a opinião de todos quanto ao destino do dinheiro. O primeiro a falar foi o namorado da minha filha:
          - O senhor podia fazer um puxadinho na casa e colocar uma porta no quarto da Diana para a frente, assim, nós poderíamos sair e chegar sem perturbar ninguém...
          Tenho certeza que o meu olhar perfurou os olhos do atrevido. Mesmo assim, não pude deixar de colocar minhas convicções em pauta:
          - Eu não sei se o seu pai permite que a sua irmã entre e saia de casa sem ser notada, mas aqui em casa a coisa é diferente. E tira a mão da coxa da minha filha!
          Não quero ser um pai retrógrado, mas a garota só tem quinze anos! E já tem brinco em tudo quanto é parte do corpo!
          Mais que tentando mudar de assunto, minha esposa mandou sua sugestão:
          - Poderíamos trocar toda a mobília da casa...
          - De novo?! – exclamei – Ainda nem terminei de pagar as prestações da mobília que compramos quando sua mãe veio morar aqui...
          Minha sogra resmungou algo como: “Tá vendo? Eu não disse que ele reclama de eu estar aqui?”
          Minha filha mandou pesado:
          - O senhor podia pagar a plástica da mamãe. E o implante de silicone...
          - O implante de silicone eu já falei: estou juntando o dinheiro para um dos peitos. Depois de três anos juntando mais dinheiro, a gente coloca o outro...
          Começou o bate-boca de sempre, que eu era um imprestável, um desalmado e aquelas outras abobrinhas que sempre ouço, até que, meu cunhado, em um lampejo de lucidez, sentenciou:
          - Olha, gente! Não pode ser uma coisa individualizada, para um ou outro. Nem algo que dure apenas uma semana ou duas, como um passeio. Tem que ser algo para todos e que dure muito... que tal uma piscina?
          A algazarra se estabeleceu. Enquanto minha filha e o namorado pulavam, gritando “piscina, piscina”, minha sogra deu um beijo na testa do meu cunhado, meu filho caçula ficou pulando no sofá e o cachorro rodava atrás do rabo, estragando o tapete.
          Meu cunhado ficou encarregado da construção. Eu bem que fui totalmente contra a idéia, mas sou voto vencido em minha casa. Contratou um grupo de cachaceiros e começaram a cavar. Apenas para encurtar a história, dois meses e quinze mil reais depois, mais exatamente esse fim de semana, inauguramos a piscina. Não sou muito entendido no assunto, mas é a piscina mais horrorosa que já vi. É bem pequena, com horrorosos ladrilhos coloridos. Não tem nada daquelas lajotas azuis ou brancas. São diversas lajotas com o escudo do flamengo, que é o time do meu cunhado. Em volta da piscina, no “deck”, ou melhor “déqui” como ele diz, são metros e metros de lajotas lisas com o escudo do Flamengo. Resultado: ninguém pára de pé à beira da piscina. Se é que posso chamar aquela porcaria de piscina.
     Sexta à noite, depois do trabalho, passei no açougue e comprei carne para um churrasco de inauguração do nosso parque aquático, como diz minha sogra. Será que ninguém percebeu que a piscina é do tamanho de uma banheira?
     Sábado, seis da manhã começaram a bater no portão. Tocaram a campainha, mas não está funcionando. Meio sonolento, atendi. Ao abrir o portão, quase caí para trás. Um mundo de gente me empurrando:
     - E aí, “seu” Nestor! Viemos inaugurar a piscina...
     Eu não conhecia ninguém ali... já foram entrando e se alojando. Ao menos, alguns trouxeram cadeiras de praia.
     TABUF! O primeiro escorregão. Era uma senhora enorme de gorda. O ladrilho rachou onde ela caiu. Uma mulher toda emporcalhada de um óleo avermelhado foi ajudá-la a levantar e também caiu. Uma criança com uma câmara de ar de pneu de caminhão pulou na água. Coloquei a mão na cabeça e tive uma idéia. Sorrateiramente, fui até o canil e soltei o cachorro. Esperava que ele mordesse ao menos um. TABUF! Escutei enquanto caminhava para os fundos da casa.
     Soltei o cachorro e fiquei aguardando sorridente os gritos que coroariam minha vitória. TABUF! Outro tombo...
     Os gritos continuavam, mas nada de pânico. Fui conferir e o desgraçado do cachorro estava nadando na piscina, junto com o povaréu. Fiquei pensando em colocar chumbinho na ração do miserável.
     Resolvido, dirigi-me à casa. Quem tivesse convidado aquele pessoal teria que os colocar para fora. Passei por uma turma na cozinha, preparando sanduíches. Fui direto ao quarto, chamar minha esposa. Ela não estava. Entrei no quarto da minha filha para perguntar pela mãe e encontrei o asqueroso do namorado dela deitado na cama. Ela também não estava. Dei um tapa na cabeça do sujeito e mandei que ele ralasse dali.
     Abri a porta do quarto da minha sogra no exato momento em que ela jogava os pés para o alto, tentando entrar em um maiô pelo menos uns quatro números menor que o dela. O que vi? Nossa! Só de lembrar me arrepio todo! Foi a visão do inferno! Era algo assim como um misto de barriga, bunda, celulites, duas enormes tetas e muitas varizes. Nada arrumado, se é que me entendem. Ah! E um umbigo enooorme. Certamente era do tamanho da piscina.
     Fiquei estático na porta. O terror foi tamanho que o sangue congelou nas minhas artérias. Não conseguia me mexer. Não sei como ela interpretou minha atitude, de ficar ali parado, mas certamente não condizia com a realidade. Me jogou alguma coisa que estava na cabeceira da cama e ficou gritando:
     - Sai daqui, tarado! Pervertido!
     Ainda com os cabelos arrepiados, saí.
     Só nesse momento me dei conta da multidão que circulava pela casa. Um garotinho coberto de óleo e terra, com a mão entre as pernas mijava no canto da parede da sala.
Segurei o garoto pelos ombros:
     - Menino! Você mija na sala da sua casa? Nessa casa tem banheiro, sabia?
     Com a cara assustada ele fez que não. Nem deu tempo de saber não o quê. Um        sujeito de uns dois metros de altura encostou no mesmo canto e começou a urinar.
     Aquilo era demais. Resolvi ir embora de casa. Entrei no quarto e comecei a fazer as malas. Não importava para onde iria. Só queria sair dali. Perdi um tempão procurando as chaves do carro, até que a mulher entrou e avisou:
     - Meu irmão foi com uns amigos comprar cerveja e levou o carro...
     - Mas a padaria é na esquina!
     - Ele foi comprar no mercado, que é mais barato. Aliás, coisa que você devia ter feito ontem.
     Lá fora, agora ouvia um pandeiro e um coro de vozes desafinadas:
     - Minha égüinha pocotó! Pocotó, pocotó, pocotó... TABUF!
     Peguei as malas e sentei na calçada, enquanto esperava o cunhado chegar com o carro. A cada momento chegava uma nova cara. Do lado de dentro do muro, só um som me aprazia: TABUF!
     A noite começou a cair e meu cunhado não chegava. Entrei para ligar para a polícia e dar queixa do roubo do carro, mas havia alguém pendurado no telefone:
     - É! Uma festa! Na piscina, na casa do Filé...
     Filé é o apelido do meu cunhado. Na verdade o apelido era Filão, fui eu quem o colocou. Alguém tirou o aumentativo.
     Tentei usar o telefone, mas o sujeito foi taxativo:
     - Aqui, mermão! Esperei duas horas prá usar o telefone. Agora vê se espera sua vez na fila...
     O pessoal na fila também reclamou. Fila? Foi só aí que eu percebi que tinha fila pro telefone.
     O cheiro de urina na sala estava insuportável.
     Peguei minhas malas e saí portão afora. Fui para a rodoviária e comprei passagem para o primeiro ônibus para fora da cidade. Enquanto me encaminhava para o embarque, um vendedor de loteria tentou me vender um bilhete e dei-lhe uma porrada.
J.Miguel (09/Jan/2005)


Biografia:
"Fazer chorar é fácil; desafio mesmo é fazer rir."
Número de vezes que este texto foi lido: 29215


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Autobiografia J. Miguel
Humor Uma Semana de Cão J. Miguel
Poesias A Oração de Castro Alves J. Miguel
Poesias Uma Noite, A Dor J. Miguel
Artigos Genialidade Óbvia J. Miguel
Poesias Mais Que Sólido J. Miguel
Poesias No Meio, O Medo J. Miguel
Humor Pedido de Amigo J. Miguel
Humor Ganhei Na Loteria! J. Miguel
Humor Vida Amarrada II - Lenda Dupiniquim J. Miguel

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 23.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 33455 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 32636 Visitas
eu sei quem sou - 32403 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 32378 Visitas
camaro amarelo - 32284 Visitas
sei quem sou? - 32237 Visitas
MENINA - 32147 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 32083 Visitas
viramundo vai a frança - 32069 Visitas
A menina e o desenho - 32062 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última