Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Década perdida
Frustração da vida contemporânea
FERNANDO

Resumo:
Viver onde saber sempre será pouco e os valores das coisas fúteis valem muito, é atalho da vida depressiva, das frustrações, alguns param no tempo e outros ignoram sua existem e apenas sobrevivem como os jarros de barro, uma aparecia muito bonita aos olhos dos outros e vazia por dentro

Já é dez anos de angústia uma aflição, frustração de não sei o que, uma tortura, meus ouvidos já não aguentam mais de tantos ruídos à noite, a minha audição já não funciona e vem tomando minha atenção cada dia mais é um piso instável, um buraco novo a cada momento, cansado de rastejar de só correr atrás, valor ninguém dá, respeito você não tem, fica debochado e rude e com o tempo, perde a graça de existir, isso não me faz bem, ouvir os outros, não me faz bem. As pessoas não dizem coisas que vão te ajudar e sim o que elas querem e que você viva para agradar e morra sem amar, antes eram apenas dores no peito, virou agressividade, supremacia e arrogância, aliviaram minha dor. Mas morreu a minha essência, não posso mais, isso nunca foi pra mim, não calam a boca quando deveriam , pedem pra calar o tempo todo, é um sufoco. A carne sempre foi mais forte, as estruturas já não existem mais. Fé que merda é essa, ilusão criada, fantasia que te ensinam como o primeiro livro da escola, tem muitas figuras e não aprendemos nada. Porque não aprendemos com aquilo que não existe.
Minha ultima carta, mal lembro quando dei um sorriso de felicidade, o êxtase de estar bem e despreocupado com as coisas ao redor, quero sumir de mim mesmo, de tudo. Eu não queria esta ali, tudo muito rápido e meus sonhos são jogados ao chão e levados pelas águas como a panfletagem de algo qualquer, é uma droga, se ao menos houvesse drogas, ou apenas é só a droga existência, a dependência que elas nos trazem é a de querer viver, continuar o que?
Esqueça as preces elas não são ouvidas, o milagre é todo dia ter saldo na conta e não fazer qualquer dívida. É a vida fúnebre de quem sucumbiu a tolerância, a paciência, ao chamado bom senso.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 28926


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Versículo 9 FERNANDO
Poesias Lamento FERNANDO
Poesias Não sonhei com você FERNANDO
Poesias Rio da morte FERNANDO
Poesias Súplica do tolo FERNANDO
Poesias Grita FERNANDO
Poesias Fantasma da sociedade FERNANDO
Discursos Década perdida FERNANDO


Publicações de número 1 até 8 de um total de 8.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 32712 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 32360 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 31980 Visitas
eu sei quem sou - 31845 Visitas
camaro amarelo - 31775 Visitas
sei quem sou? - 31703 Visitas
MENINA - 31626 Visitas
viramundo vai a frança - 31594 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 31573 Visitas
A menina e o desenho - 31528 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última