Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
VER O PESO DA HISTÓRIA
BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Hoje tentei encontrar um marco.
Resolvi sair,
buscar com esperança.
Pois na minha santa ignorância:
Coisa boa iria achar.
Pura fantasia ao primeiro olhar
naquele monumento.

Um ar de espanto,
vou te confessar.
Tomou conta de mim
naquele momento.

A Cabanagem
estava ali tão presente;
mas apagada
bem à minha frente,
se recente de atenção,
para não chorar.

Segui
pela estrada do trem.
Seguindo mais além
o caminho da história.
Um pouco da memória
na próxima estação.
Praça da leitura
sei que iria encontrar.

Na chegada
qual minha surpresa
estava por lá.
O Chapéu do Barata.
Confesso fiquei estático.
Ao ver
o interventor do Pará
tomado pelo descaso;
num espaço
nobre da capital.

Com tanta podridão
que exalava,
abandonado.
Servindo como morada
àqueles moribundos;
sem identidade,
sem noção.
Juro!
Cheguei a passar mal nesta cidade.

Seguindo mais adiante;
o mercado de São Braz .
Com traços arquitetônicos
e influência europeia.
Um passado rico,
hoje tristonho.
A fachada coitada;
pichada,
abandonada,
deteriorada.

Das três lindas peças de Floriano;
inspiradas em elementos neoclássicos.
Resta apenas um vazio negro
do descaso clássico .

À sua frente
o cidadão Lauro Sodré
se assustava;
pensativo,
sentado,
meditando.
Não aguentava mais.

Ao líder republicano
lhe perguntava:
o que estás a pensar ?,
guardava naquela hora
a pergunta que o fez calar.

Caminhando cabisbaixo;
as lágrimas
molhavam a tristeza.
Para não chorar.

Continuei a caminhada
pela antiga estrada.
Passando por Plácido
em Nazaré.
Andando mais um pouco à pé.

Encontrei com Waldemar.
Vi
o quanto estava entristecido
naquele espaço fétido,
mal cuidado
e esquecido.

Ao som do silêncio,
abatido sem dó,
ré mi, fá, sol, lá, si,
se pondo a chorar.
Na pedra do peixe
em frente ao guajará.

Na feira popular do açaí.
Ver o peso da memória;
tanto descaso com a história.
De um pouco que ainda resta
para contar .
À futura geração
um dia poder admirar;
nunca esperei encontrar.


Biografia:
"As obras do artista só têm valor, quando consegue atingir a sensibilidade daqueles que entendem"
Número de vezes que este texto foi lido: 29052


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O PEQUENO EMANOEL BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias PROCLAMAÇÃO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias Narrativas da vida real BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Cordel O DEDO MILAGROSO BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias FINADOS BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias DOIS CORPOS BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias MAR DE FÉ II BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias MAR DE FÉ BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias O LIVRO DA VIDA BENEDITO JOSÉ CARDOSO
Poesias O pitipipiti.. BENEDITO JOSÉ CARDOSO

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 134.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Vivo com.. - 34573 Visitas
eu sei quem sou - 33447 Visitas
camaro amarelo - 33395 Visitas
CÉREBRO HUMANO - Tércio Sthal 33330 Visitas
sei quem sou? - 33264 Visitas
MENINA - 33213 Visitas
A menina e o desenho - 33123 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 33117 Visitas
viramundo vai a frança - 33067 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 32949 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última