Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Conto da semelhança entre os seres
Aquiles Rapassi

Resumo:
mais um escrito da época dos 15 anos, cheio de inocência literária.

As duas alcatéias... Cara a cara....Ou melhor, focinho a focinho.
Rosnavam, salivavam imaginando o gosto da carne de seus semelhantes caninos. A chuva que os ensopava servia como um atenuante para o clima sangrento que as árvores e todos os outros seres ali presentes iriam assistir. As duas facções da mesma classe entretiam um ecossistema confuso. A idéia era de que o espírito selvagem aflorava-se incontrolavelmente.

Os grupos, que se encontravam em divisões de 10 lobos cada, paralisados continuavam a enfrentar-se por olhares e grunhidos. Mesmo a esfera de morte que rondava a bela paisagem não ocultava o detalhe de que nenhuma das partes dava início ao combate. Ainda que a rivalidade era constante, algo os mantinha quietos, sem o mínimo movimento. Alguns uivavam, outros mostravam os dentes. Tudo para que o medo alheio viesse a galope, os tomasse e abatesse. Nesse conflito telepático, os lobos permaneceram horas em meio à chuva.

A coruja continuava com seus olhos esbugalhados para qualquer eventual acontecimento. Era a peregrinação de um pensamento distante. Desistir da posição seria hastear a bandeira branca, da rendição. Inimaginável e insuportável idéia para bravos e fortes animais.
A cada raio de Sol que se despedia da vegetação, a majestosa Lua presenteava a Terra e seus habitantes com um banho de luz prata, brilhante e fascinante. O uivo era o grito solitário de uma alma vagando pela festa no céu dos animais muçulmanos. A 11ª exceção seria a glória maior.



A fome os fazia balançar, piscar. Hipnotizados, ferozes.
Eis que algo muda totalmente a trajetória e linearidade da história. Entre os dois bandos, no espaço pré-guerra, caminhava livremente e com toda a coragem que não lhe é característica uma lebre. Ignorava mal algum, mesmo caminhando pelo vale da sombra. Sentia a divindade a iluminando.

Ninguém a havia notado ainda. Porém, os afiados focinhos detectaram o cheiro bom, de comida. As faces irritadas converteram-se em bobas, infantis. Não sabiam o que fazer.

A lebre, pequena e branca como flocos de neve, sentou. Respirou e começou a cavar.
Era petulância demais. A pobre criatura desrespeitava a cadeia alimentar. Assim mesmo, os lobos não eram dignos de sequer algum sinal de desistência.

Os estômagos tremendo, contraindo-se precisando de alimento. Transpiravam, com a língua para fora, procuravam enganar suas mentes.

Subitamente, assim como um raio atinge seu alvo, um puma, bicho inimigo de todos ali presentes, abocanhou a tenra lebre, correu para os arbustos e desapareceu. Foi-se. Assim, sem mais nem menos. Felino, dourado, esperto e safado! Levou o prato principal da refeição dos lobos.

Apenas uma palavra resumiria o pensamento dos instintivos animais naquele momento: vácuo.
Assim, sem mais motivo ou lembrança para um ataque, um a um, foram-se os caninos. De todos os 20 ali presentes, meia dúzia que trazia o orgulho no pêlo permaneceram raivosos.
Morderam e mataram-se mutuamente. Definharam admirando o brilho da Lua Cheia que contemplava a foice da morte.


Biografia:
aquiles.rapassi@gmail.com
Número de vezes que este texto foi lido: 28743


Outros títulos do mesmo autor

Contos Conto da semelhança entre os seres Aquiles Rapassi
Discursos Discurso de Formatura do 3º ano, 2003 Aquiles Rapassi
Poesias Ode àquela que é nobre Aquiles Rapassi
Crônicas Fui-me embora de Pasárgada Aquiles Rapassi
Poesias Tenha dó! Aquiles Rapassi
Poesias Versos ao Querido Demetrinho Aquiles Rapassi
Poesias Soturno Desencontro Aquiles Rapassi
Poesias De Longa Data, De Nice Aquiles Rapassi
Poesias Vini, Vidi, Vici Aquiles Rapassi

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 31 até 39 de um total de 39.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Contradicionalismo - Roberto Queiroz 28899 Visitas
Vou Roubar - Anderson Luis dos Santos 28899 Visitas
Paradigmas Perigosos - Xiko Acis 28899 Visitas
A ESTRELA QUE NÃO SE APAGA - BENEDITO JOSÉ CARDOSO 28899 Visitas
Saudade Contraditória - Vinícius Luiz 28898 Visitas
Engenharia da Palavra - Ivan de Oliveira Melo 28898 Visitas
O Cintilar da Estrela - Bia Nahas 28898 Visitas
SONETO DA MISTURA - Ivan de Oliveira Melo 28898 Visitas
USE IT - orivaldo grandizoli 28898 Visitas
O Chafariz - JANIA MARIA SOUZA DA SILVA 28898 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última