Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
A ESPERADA 7
DE PAULO FOG E IONE AZ
paulo ricardo azmbuja fogaça

Resumo:
UI







                    Glória passa por diversos flash's de luzes, quando entra numa espécie de sala cubo branco, ali uma porta de ouro é aberta e surge ali Lobato.
   - Você?
   - Por favor, me acompanhe.
   - Por que?
   - Se veio até aqui, não vai ser por minha pessoa que há de desistir?
   - Você é mal.
   - Relativo, bom, mal, ruim, melhor, são valores, sentimentos obsoletos agora em sua condição.
   - Como assim?
   - Não percebeu ainda, seu corpo não mais te serve, você já o abandonou em alguma outra sala.
   - O que esta a dizer, eu estou aqui.
   - Seu desejo, vontade, apego por aquele mundo de sistemas caóticos, ainda se sente presa aquele outro plano.
   - Eu morri?
   - Não, posso te garantir que não, sua casca esta sendo muito bem cuidada, acredite.
   - Como sabe de tudo isso e por que devo acreditar em você?
   - Bem, isso eu só posso te dizer que a e sim existe ainda aquele velho e desatualizado livre arbítrio.
   - Onde esta minha vó?
   - Ela virá, acho, bem, melhor, ela já esta aqui.
   - Onde?
   - Cada segundo que perdemos aqui você fica sem ver ela e outra pessoas.
   - Quais pessoas?
   - Vamos, deixe de desconfianças e venha.
   - Tudo bem.
   Glória passa a frente de Lobato e segue para um tipo de campo florido, girassóis, flor do campo, margaridas, logo ela atravessa enormes paredes de samabaias.
   - Que lugar lindo.
   - É o filtro, por assim dizer.
   - Que filtro?
   - Algo que podemos dizer sobre régua moral.
   - Onde vamos parar, há pecados?
   - Depende, tudo se forma ou se aprende por lá onde esteve nem sempre se faz por regra aqui ou em outro plano.
   - Eu quero ver ela.
   - Sei que quer, este amor ou gosto por ela te faz crescer e até tolerar mesmo que contra a ti sobre minha pessoa.
   - Acho que ainda é mal.
   - Sim, posso ser.
   - Por que, o que te faz querer ser mal?
   - A vida, tão somente essa famigerada forma de falsear.
   - Tudo bem, acho que devo respeitar seja lá o que for de seu pensar.
   - Talvez já esteja abrindo os novos horizontes, sabia que tinha algo tão especial em ti.
   - O que quer?
   - Vamos, já estão á nossa espera.
   Glória entra numa carruagem junto de Lobato que bate o sino preso a porta anunciando assim a saída dali.
   A viagem ali dura o que seria por aqui algo em menos de 10 minutos.
   - Chegamos.
   - Onde?
   - Na chave.
   - Chave?
   - Desça, venha ver.
   Glória sai da carruagem e olha a sua frente um pequeno caminho de pedras, ladeando grandes arbustos e cursos de água.
   - O ar daqui é tão diferente.
   - São os primeiros dos tempos.
   Ela anda ali ao lado de Lobato que vai se tornando um garoto nos seus 13 anos em roupas de um filho oligárquico e Glória se torna uma moça eletista em época que se vendia corpos de pessoas que não se igualavam ao que os fazendeiros ditavam ser o certo.
   - O que houve, o que estou fazendo com essas roupas?
   - Acho que já esta decidido sua época, sua visita.
   - Eu, quero ver minha mãe.
   - Eu menti.
   - Sobre?
   - Sua mãe ainda não veio, por que a linha tem de ser feita.
   - Que linha?
   - A sua linha, sua origem.
   - O quê?
   - Você vai ter a oportunidade de corrigir, consertar boa parte de tudo.
   - Como?
   - Quase toda sua história poderá ser contada de uma outra forma.
   - Eu não quero mudar nada em minha vida.
   - Espere, veja, depois você diz o seu veridito final.

              011123..........................





                            Caio acorda sentindo forte dor de cabeça tenta sair da cama quando nota a presença de outra pessoa.
   - Oi.
   - Regina, o que faz aqui?
   - Eu fiquei todo tempo aqui.
   - Por que?
   - De certa forma eu tive culpa e........
   - Não Regina, nós sabemos, os culpados são outros.
   - O Natal só fez o que lhe mandaram.
   - Quem?
   - Olha Caio, agora tenho de ser sincera contigo, muitas coisas nunca lhe serão reveladas.
   - Como assim, quer dizer que vou ser jogado feito de trouxa por todos de sua seita?
   - Sei, eu não vou levar isso a sério, por favor Caio, só quero que saiba, nunca fomos uma seita.


Biografia:
amo ler e escrever mais ainda sempre
Número de vezes que este texto foi lido: 54728


Outros títulos do mesmo autor

Contos REIS LIVRO DOIS P7 paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO DOIS P6 paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO DOIS paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO DOIS P4 paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO DOIS P3 paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO 2 P2 paulo ricardo azmbuja fogaça
Contos REIS LIVRO DOIS paulo ricardo azmbuja fogaça

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 101 até 107 de um total de 107.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
O Desafio do Brincar na Atualidade - Daiane schmitt 17 Visitas

Páginas: Primeira Anterior