Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O CROCODILO AMÁVEL
n-
SUELI COUTO ROSA

Resumo:
Um conto infantil sobre um crocodilo amável.

O CROCODILO AMÁVEL – um conto infantil

João, um menino de 8 anos, vivia em uma casa em cujo quintal havia um grande lago. Todos os dias João gostava de alimentar os patos, as tartarugas e peixes que ali viviam. João fantasiava que todos aqueles animais do lago eram seus amigos. Até costumava conversar com eles. Esta era sua distração!
Certo dia, bem cedo, ao dirigir-se ao seu afazer de alimentar seus amiguinhos, estranhou a presença de um grande réptil, diferente dos habituais. Apesar da surpresa, repetiu seu dever diário, jogando também comida para ele.    O problema é que não conseguiu saciá-lo de imediato, pois, com sua grande boca, comia todo o alimento de uma só vez. Não sobrou alimento para os seus outros companheiros.
João ficou preocupado porque seus amigos antigos podiam pensar que João não gostava mais deles. Comentou seu sentimento com o novo habitante, o crocodilo. Este ficou envergonhado! Não tinha se dado conta de que comia muito mais que os outros. Percebeu, então que os demais habitantes do lago deviam estar com fome, por culpa dele.
No dia seguinte, João acordou com alguém batendo em sua porta. Era o crocodilo, que queria-lhe pedir desculpas e um favor.
- João, disse o crocodilo, tu poderias conseguir-me um ramo de rosmaninho?
João, assustado perguntou:- Porque queres um ramo de rosmaninho?
O crocodilo respondeu:
-- Adoro o cheiro do rosmaninho quando se mistura nas águas do lago. Chego a perder a fome. Como meus colegas do lago ficaram sem o seu alimento ontem, por minha causa, gostaria de compensá-los com o cheiro de rosmaninho quando fores alimentá-los. Quero que eles sintam que também sou amigo deles e que não tenham medo nem raiva de mim!
João correu para encontrar ramos bem grandes de rosmaninho. Os encontrou e entregou ao seu novo amigo. Este, muito feliz, entrou vagarosamente no lago com vários ramos de rosmaninho na grande boca. Foi nadando sobre as águas, deitando as flores e perfumando o lago com o cheiro doce e suave do rosmaninho!
Depois, esperou que João trouxesse a comida do dia, e pela primeira vez, o crocodilo foi o último a se alimentar!

Sueli Couto Rosa e Maria Augusta Cândido
1918


Biografia:
Socióloga, professora universitária aposentada, escreve poesias, crônicas e contos, aproveitando seu tempo livre.
Número de vezes que este texto foi lido: 33802


Outros títulos do mesmo autor

Poesias O TEMPO SUELI COUTO ROSA
Contos O CROCODILO AMÁVEL SUELI COUTO ROSA
Contos TRÊS MULHERES, TRÊS ESCOLHAS SUELI COUTO ROSA
Crônicas O CORONAVIRUS E OS IDOSOS SUELI COUTO ROSA
Contos A CASA DOS OBJETOS FALANTES SUELI COUTO ROSA
Contos O AMOR EM TEMPOS DE TERREMOTO SUELI COUTO ROSA
Contos O MENINO DA FLORESTA SUELI COUTO ROSA
Poesias TU SUELI COUTO ROSA
Crônicas O SEGUNDO OLHAR SUELI COUTO ROSA
Poesias O ser virtual SUELI COUTO ROSA


Publicações de número 1 até 10 de um total de 10.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 53155 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 44969 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44094 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 42239 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 41629 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 41430 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 41426 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41240 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41035 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 40978 Visitas

Páginas: Próxima Última