Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
MARCOS 2 NOVEL GLS 18 ANOS
DE PAULO FOG
ricardo fog

Resumo:
BOM

CAPITULO 3



      Bruno acorda ainda em efeito ressaca, olha ao redor, não é o seu quarto, senta na cama tenta se lembrar da noite e nada até sentir o aroma inebriante do café, levanta só ai se dá conta que esta nú.
      - Meu Deus o que fiz e com quem?
      Vai até uma poltrona de couro vermelho recolhe suas roupas e entra no banheiro logo saindo vestido anda pelo corredor e na cozinha encontra Marcos em boxer preta avental com morangos de estampa, as pernas formando 4 enquanto termina de cortar as fatias de pão.
   - Ja acordou hein?
   - Marcos, nossa cara não me lembro que parei aqui.
   - Sim, paramos é meu apartamento.
   - Seu?
   - Sim.
   - Cara bebi demais.
   - Olhe pode ficar tranquilo eu não vou te cobrar.
   - Cobrar o quê?
   - Aliança.
   - Céus.
   Marcos ri olhando para Bruno que ainda esta meio ou bem deslocado.
   - Então você é desses?
   - Como assim desses?
   - Que toma uns tragos, sai com o cara, transa e no outro dia se esquece.
   - Não é bem assim.
   - Então como é, vai senta ai.
   Bruno senta e serve de café, come pão com geléia e toma por ultimo leite morno sem açucar.
   - Nossa você é bem diferente.
   - Como assim?
   - O primeiro cara que toma leite puro após tomar café.
   - Pois é, hábito de criança.
   - Bom, muito bom.
   - Você acha?
   - Sim. Marcelo olha com certa curiosidade ao homem ali na sua, todo despenteado e um sorriso tanto acatado ás vezes.
   - O que será de mim.
   - O que disse?
   - Nada, somente lhe servi de objeto de anseio sexual.
   - Não é bem assim, eu tenho sentimentos.
   - Diz logo que vai sair por aquela porta sem nem ao menos um beijo de despedida.
   Marcelo diz em tom sarrista e logo cai na gargalhada causando um certo desconforto em Bruno.
   - Seu bobo.
   Bruno termina o café, Marcos traz alguns produtos e passa creme de pentear nos cabelos de Bruno depois o escova deixando-o mais apresentável.
   - Agora vamos para sua casa.
   - Por quê?
   - Se esqueceu, hoje começa seu trabalho no escritório.
   - Meu Deus, é mesmo.
   - Vamos já chamei um táxi.
   - Vai comigo?
   - Sim, também tenho negócios por lá perto.
   - Que bom.
   Marcos olha para Bruno totalmente solto do momento que viveram ali.
   - Cara você é um tipo bem peculiar.
   - Por que diz isto.
   - Gosto de ti.
   - Também gosto de você.
   O carro segue até a casa da tia onde Bruno se troca em velocidade acelerada e logo retorna ao veiculo.
   Frente ao escritório Bruno se despde de Marcos que só ai lhe entrega a carteira e o celular dele.
   - Muito obrigado.
   - Pelo quê?
   - Por me fazer companhia.
   - Tá certo.
   - Tchau.
   - Tchau.
   Bruno entra no escritório e pelo relógio na parede chegara 2 minutos ainda a vencer.
   - Vera.
   - Bom dia.
   - Meu que loucura.
   - O que houve?
   - Você nem imagina.
   - O quê me diz?
   - Acabei de vir de um lugar de onde eu não sei.
   - Rapaz tu esta vivendo a vida hein.
   - Pois é.
   - Com certeza tua dama deve ter ficado feliz.
   - Vera.
   - Só quis dizer. Risos.
   Logo Bruno segue para a sala de Olavo que já chegara a mais de 1 hora.
- Bom dia tio.
- Bom dia Bruno, bem vou logo te dizendo, a partir de amanhã você entra ás 9 da manhã.
- Ás 9?
- Sim e com isso você sairá ás 4 da tarde.
- Tudo bem.
- Só mais uma coisa.
- Sim tio.
- Evite papos com esse pessoal e olhe a todos como profissionais.
- Sim dr.
- Bem você vai hoje ficar com o Pietro ele vai te dizer o que fazer.
- Sim dr.
Bruno sai dali e segue para a sala de Pietro, estágiario e este lhe passa alguns documentos que tem de ser arquivados.
- Olhe cara foi o que o dr Olavo deixou para o sr.
- Tudo bem Pietro, vou fazer estou acostumado a trabalhar.
Pietro retorna a sua mesa em suas atividades mais sempre olhando para Bruno que não perde a atenção no trabalho que esta realizando.

04092017 ----------------------------------------------------------------------------------.


Biografia:
escrevo para trazer a tona meus sentimentos anseios desventuras talvez.
Número de vezes que este texto foi lido: 369


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas o perigo existe ricardo fog
Crônicas O QUE VEM A MENTE ricardo fog
Crônicas PAPEANDO ricardo fog
Contos RUA 66 TERROR 4 ricardo fog
Contos rua 66 terror 3 ricardo fog
Contos rua 66 terror 2 ricardo fog
Contos RUA 66 TERROR ricardo fog

Páginas: Primeira Anterior

Publicações de número 61 até 67 de um total de 67.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2017
 
  Textos mais lidos
O Escritor - Isabel Furini 5 Visitas
Triste fim - PAULA INSABRALDI TONEZI 5 Visitas
TREVAS - Ivan de Oliveira Melo 5 Visitas
na poeira do tempo... - natalia nuno 4 Visitas
Avô de saudade - Raphael Menezes Da Silva 4 Visitas
Tantas PERGUNTAS para meia RESPOSTA - Tânia Du Bois 4 Visitas
ave sem ramo... - natalia nuno 4 Visitas
Corvos - Isabel Furini 4 Visitas
QUANDO A REALIDADE ENGOLE A FICÇÃO - DIRCEU DETROZ 2 Visitas

Páginas: Primeira Anterior