Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
O Poder da Corrupção Residente
Wilhelmus à Brakel

Resumo:
Os efeitos do poder extraordinário da corrupção interna são pecaminosos, graves e perigosos, pois a corrupção interna afeta todas as faculdades da alma e do corpo.



O Poder da Corrupção Residente




Por Wilhelmus à Brakel (1635-1711)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra




Set/2019
















A474
     à Brakel, Wilhelmus (1635-1711)       
          O poder da corrupção residente / Wilhelmus
        à Brakel,              
          Tradução e adaptação Silvio Dutra Alves –
     Rio de Janeiro, 2019.     
          35p.; 14,8 x21cm

    1. Teologia. 2. Vida Cristã. 3. Fé. 4. Graça.      
I. Título.
                                                              CDD 252           





A corrupção permanente é a mais poderosa de todas as causas de retrocesso. Na regeneração, Deus concede ao Seu povo vida espiritual, unindo-os a Cristo. Essa vida é predisposta ao crescimento - e de fato cresce. Você poderá observar isso se você comparar sua condição atual com a sua quando foi modificada pela primeira vez.
Como é verdade no reino natural que uma pessoa se torna mais alta e mais forte que outra, o mesmo ocorre no reino espiritual. No reino natural, uma pessoa crescerá até atingir a plena maturidade, e então seu crescimento cessa.
No entanto, no reino espiritual, a perfeição é reservada para a eternidade. Aqui alguém deseja e luta por isso, mas nesta vida ele não alcança isso. No reino natural, uma pessoa amadurecerá de maneira saudável, aumentará sua força e manterá sua força à medida que cresce. Outra pessoa, no entanto, será prejudicada em seu crescimento por muitas provações; e por doenças ou outras ocorrências, ele pode perder sua força. Um homem pode até tornar-se tão fraco quanto uma criança. Esse também é o caso no reino espiritual. O primeiro é como uma planta que amadurece em sua juventude. Ele é como uma luz brilhante que surge até brilhar como o sol ao meio dia. Ele vai de força em força, e floresce como a palmeira e um cedro no Líbano.
Outra pessoa, no entanto, encontra muitas coisas que a impedem, e ela perde sua força. A corrupção habitual, que às vezes ganha muita força, está entre as causas de uma diminuição na força. É isso que agora queremos discutir.
Ela atormenta e entristece os crentes
Essa corrupção interna atormenta e entristece muito os crentes é evidente a partir de:
(1) As queixas dos santos: “Ó SENHOR, por que nos fazes desviar dos teus caminhos? Por que endureces o nosso coração, para que te não temamos? Volta, por amor dos teus servos e das tribos da tua herança.” (Is 63:17); “Mas vejo outra lei em meus membros, lutando contra a lei da minha mente, e levando-me em cativeiro à lei do pecado que está em meus membros. Ó miserável homem que sou!” (Romanos 7: 23-24).
(2) Há textos nos quais os crentes confessam o poder da corrupção interna: “As iniquidades prevalecem contra mim” (Sl 65: 3).
(3) Há textos nos quais os santos oram para serem mantidos longe disso. “Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão.” (Sl 19:13).
(4) Avisos relacionados. "E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, pelo qual sois selados para o dia da redenção" (Ef 4:30); “Mas exortem-se diariamente, enquanto é chamado hoje; para que nenhum de vocês seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3:13).
Não tem domínio sobre os crentes
Como a regeneração é imperfeita, o velho homem sempre permanece presente na pessoa regenerada. O velho homem mantém sua natureza, ignorância, vontade, afetos e deleite no pecado - tudo isso sob o pretexto de ser honesto, prudente e delicioso. Na realidade, porém, o velho homem abomina o que é bom, considerando-o agravante, desvantajoso, desagradável e impossível. É assim que a guerra entre a carne e o espírito é engendrada.
“Porque a carne luta contra o espírito, e o espírito contra a carne; e estes são contrários um ao outro; para que não façais o que quereis” (Gl 5:17). Nesta batalha, às vezes é um quem vence e em outro momento outro. Na medida em que um ganha, o outro perde. O espírito nunca expulsará completamente a carne. "Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus.” (Fp 3:12). Por sua vez, a carne nunca expulsará totalmente o espírito, não terá domínio e triunfará sobre ele. “Sua semente permanece nele ... porque ele é nascido de Deus” (1 João 3: 9); "Porque o pecado não terá domínio sobre vós; porque não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça" (Rom 6:14). Ter domínio é ter prevalecido completamente sobre alguém, para que o conquistado se renda e sujeite-se ao conquistador, prestando-lhe obediência. Isso nunca será o caso aqui. A carne recebe uma medida de força que pode ativar tanto as faculdades naturais da alma quanto os membros do corpo. Isso permite executar seu desejo de uma maneira que não pode ser evitada pelo espírito. No entanto, o homem regenerado nunca pode ser levado ao ponto - nem por um momento - de que ele se sujeitaria à vontade da carne com a finalidade de prestar obediência a ela, de boa ou má vontade. O homem regenerado sempre se oporá, mesmo que seja apenas suspirando contra isso - mostrando assim sua aversão e gritando como se a violência tivesse sido praticada contra ele. Um homem pode conduzir uma criança pelo braço contra sua vontade e fazer com que a criança ande rapidamente a seu lado. A criança vai de fato mover os pés; no entanto, não para caminhar, mas para evitar cair. Cada passo é um ato de resistência. Isso também é verdade quando o espírito é dominado pelo poder da corrupção que habita em nós.
Causas pelas quais a corrupção habitual exerce grande força às vezes
Às vezes, a corrupção residente funciona da maneira habitual; isto é, seduzindo e atraindo aquilo que é o mal, impedindo e contaminando o que é bom - o tempo todo resistindo continuamente ao princípio de vida espiritual. Ocasionalmente, porém, receberá maior força e obterá uma vantagem maior sobre o espírito.
Isso pode ser causado por:
(1) Deus retirar Sua influência normal em pequena escala, a fim de provar uma pessoa, humilhá-la, fazer Jesus mais precioso para ela, e fazê-la confiar mais na força do Senhor. Quando isso ocorre, a vida espiritual não pode suportar o grande poder da corrupção interna.
(2) A ocorrência de certas circunstâncias - seja um medo pela vida de alguém ou a perda de honra e pertences - que antes não existia, fazendo com que os desejos fossem despertados e se tornassem capazes de seduzir o homem a cometer certos pecados. Isso pode acontecer por meio de um incidente repentino e inesperado ou pela duração de uma certa situação - e, portanto, resulta na vida espiritual sendo subjugada.
(3) Uma mudança na condição do corpo pela qual uma pessoa se torna mais capaz de um determinado pecado. O corpo vai então ser mais estimulado a se divertir com esse pecado. A condição do corpo irá desencadear muitos pecados, assim acendendo as concupiscências da alma, e a alma, por sua vez, se entregará a suas concupiscências por meio do corpo.
(4) Ao diabo é dada uma medida maior de liberdade pela qual ele agride uma pessoa com novos dispositivos contra essa pessoa que não está nem armada, nem ainda teve alguma experiência. Uma pessoa será prontamente vencida por isso, e a vida espiritual estará tão sujeita que dificilmente se moverá de um jeito ou de outro.
Os efeitos da corrupção interna
Os efeitos do poder extraordinário da corrupção interna são pecaminosos, graves e perigosos, pois a corrupção interna afeta todas as faculdades da alma e do corpo.
Primeiro, ela ativa o intelecto . Essa faculdade é o primeiro e essencial começo da atividade do homem. Os desejos do velho homem já está, no entanto, frequentemente se mexendo desde cedo; eles afetam o intelecto e até o entorpecem.
Portanto, não veremos a pecaminosidade do pecado e suas consequências prejudiciais, nem consideraremos a onisciência, onipresença, bondade e justiça de Deus. Esqueceremos então calmamente o Senhor; ou se o Senhor manifestar a Si mesmo até certo ponto (ou se a nova natureza pela fé se vê na presença de Deus), essa visão não fará impressão nem oferecerá qualquer poder para resistir ao pecado.
Em segundo lugar, até a vontade pode ser agredida. O novo homem abomina o que é mau por causa de sua hostilidade para com a vontade de Deus e encontra prazer naquilo que é bom como agradável a Deus. No entanto, o velho tem vontade contrária a isso. Isso domina tanto a faculdade da vontade que o novo homem não tem o poder de ativar seja sua aversão ao pecado ou seu desejo pela virtude. Mesmo quando, apesar da manifestação veemente da luxúria, o novo homem se manifesta de alguma maneira e se esforça para romper, sucumbirá quando um desejo pecaminoso violentamente atrair a pessoa para a comissão do pecado. O ato em si é então cometido, de modo que parece que a vontade em sua totalidade não tinha outro desejo senão cometer o mal. Mesmo quando não estamos no meio violento de nossa luxúria, frequentemente não se pode tomar uma resolução completa e sincera a partir daquele momento para se afastar completamente desse pecado, nunca cometê-lo novamente, mas estar alerta e combatê-lo com todas as nossas forças. Ocasionalmente, tomaremos essa resolução, mas é débil, superficial, não abrange os próprios recessos do coração - e, portanto, oscila. Sim, devemos nos acusar de não lidar com Deus de maneira correta. No entanto, existe certa retidão, mas sua eficácia é tal que não é capaz de banir a luxúria e assumir sensivelmente o controle de toda a vontade. Tão longe quanto permanecendo firme, há um sentimento adicional de desesperança, sabendo que todas as resoluções anteriores provaram ser infrutíferas.
Em terceiro lugar, essa corrupção interna suscita veementemente os afetos, e uma vez que os afetos tenham sido movimentados, eles não podem tolerar nem consultar nem atraso, mas como loucos eles correrão para executar esse pecado. Eles definem todo o mecanismo das tendências inatas do homem em movimento e conduzirá o homem com uma intensidade insana. Os afetos assim, põe tudo em movimento para a satisfação de nossas concupiscências, e se o novo homem se opuser de alguma forma a isso, ele será agredido com todas as suas forças. Observe isto nas seguintes passagens: “Ao contrário, cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.” (Tiago 1: 14,15); "Abstenham-se de concupiscências carnais, que combatem contra a alma" (1 Pedro 2:11).
Em quarto lugar, tendo o homem interior sido vencido pela corrupção que habita nele, essa corrupção agora permeia os movimentos de alma e corpo. Isso coloca nossos pensamentos em movimento para refletir sobre o pecado em questão e encontrar prazer em tais pensamentos, sabendo que uma coisa dessas nunca acontecerá, poderia acontecer, ou que não desejaríamos cometer a ação. No entanto, alguém despertará suas concupiscências em direção ao cometimento dessa ação. A corrupção permanente também move-nos para a comissão da própria ação. Ativará os membros do corpo e, para esse fim, utilizará os olhos, ouvidos, boca, mãos e pés, e todos os membros envolvidos, na prática de um pecado. Não fica satisfeito por ter cometido o pecado em questão apenas uma vez, mas deseja cometer esse pecado por renovação.
Os crentes cometerão os mesmos pecados novamente
Não há pecado do qual uma pessoa regenerada seja salvaguardada em um sentido absoluto. Ninguém pode dizer: nunca caio nesse pecado. Uma pessoa nunca será libertada da corrupção interna de sua natureza. Sempre impede e contamina o que é bom, sempre desperta luxúria e diariamente faz com que um homem ofenda em muitas coisas, fazendo isso por descuido ou devido à ocorrência repentina de um evento. Às vezes há um pecado muito avassalador, no entanto, que é desencadeado pela disposição do corpo ou porque o corpo é repetidamente estimulado devido à existência de oportunidade contínua para esse pecado. O poder disso é tal que caímos repetidamente nele. Isto pode ser particularmente verdade de um pecado que ocorre em segredo e, portanto, sem o conhecimento de qualquer outra pessoa. Também pode acontecer que alguém caia em um pecado hediondo que é punível pela lei civil, sendo acompanhado com grande ofensa. No entanto, uma queda tão grande geralmente nos leva a ter uma maior aversão por esse pecado do que outros pecados, de modo que não seremos mais tentados por esse pecado por toda a nossa vida. No entanto, pode acontecer - e ocasionalmente acontece - que essa pessoa por renovação cai em tais pecados hediondos, particularmente aqueles pecados que são desencadeados pela disposição do corpo. Isso não se relaciona apenas à comissão renovada deste pecado em sua intensidade predominante antes do arrependimento sincero deste pecado ocorrer (para que seja mais uma continuação do que uma sucumbência); mas também se pode cair de novo neste pecado depois de tê-lo lamentado de uma maneira sincera, tendo recebido Cristo para a reconciliação e tendo tomado uma resolução contra esse pecado. Às vezes, isso ocorre logo depois. Às vezes, pode parecer que esse pecado foi vencido - sim, até mortificado - para que não tenhamos mais medo. E, no entanto, pode acontecer que caímos nele por renovação.
(1) Os exemplos de Abraão, Isaque, Ló e Pedro nos ensinam que há uma queda no mesmo pecado.
(2) A semente de toda corrupção ainda está dentro de uma pessoa - e, portanto, também desse pecado.
(3) Não há promessa na Palavra de Deus de que alguém não caia novamente no pecado em que caiu.
(4) Os crentes são capazes de cair em outros pecados; por que então eles não podem cair no mesmo pecado novamente?
(5) Quando Deus retira Seu Espírito, a vida espiritual fica fraca demais para resistir ao mesmo pecado quando ressurgir. Isto é particularmente verdade quando há todas as oportunidades para isso, o corpo é estimulado e o diabo assalta.
A resposta da pessoa convertida à sua corrupção interna
Objeção: Essa é a verdadeira condição e a vida de uma pessoa não convertida e, portanto, essas pessoas não devem ser consideradas como sendo convertidas.
Resposta: Se alguém assim estivesse inclinado a todo tipo de pecado em todos os momentos, e ficaria sem conflitos a esse respeito (não existe conflito entre luz, consciência e luxúria, mas sim entre vontade e vontade, afeto e afeto); e se tudo isso acontecesse sem uma tristeza definhando sob ela - sem procurar, suplicar, clamar por perdão, receber Jesus para santificação e justificação; sem restauração repetida e um andar no temor de Deus - então admitirei que essa pessoa não se converteu. Ele não deve se confortar com sua fraqueza e o fato de que os santos caem em pecado. Onde quer que a verdadeira graça se encontre no coração, porém, e quando essas pessoas entrarem na condição mencionada acima, os seguintes assuntos se manifestarão, mais ou menos:
Primeiro, sua corrupção interna não é tão poderosa em relação a todos os pecados. A razão pela qual os regenerados renunciam a muitos pecados não é porque sua natureza não se inclina para eles, nem devido à ausência de tentação, nem porque eles acham que não há prazer em pecados que afligem - como é verdade na vida dos não convertidos. Em vez disso, eles resistem a outros pecados, oportunidades e estímulos por estarem unidos a Deus; eles temem a Deus e têm amor pela vontade de Deus. Eles portanto, não são vulneráveis a todo tipo de pecado. No entanto, esse pecado em particular tem muito poder. A vida espiritual batalha contra esse pecado (como foi mostrado acima), mas não pode prevalecer. Ele é dominado e levado em cativeiro, mas nunca será dominado e levado à sujeição.
Em segundo lugar, a corrupção interna nem sempre exerce seu poder sobre um dado pecado que assola. A vida espiritual que luta contra isso com frequência tem vantagem, levanta-se de quedas, resiste a tentações, evita oportunidades de pecar, em espírito de oração, agarra-se à força do Senhor e permanece próximo ao Senhor. Assim, procede-se docemente, com cuidado e no temor do Senhor e, assim, é mantido fora desse pecado por um tempo mais ou menos curto, mesmo que ele se manifeste novamente e procure ressurgir.
Terceiro, quando a corrupção interna tem vantagem, o crente não é alegre nem feliz - como uma pessoa não convertida seria quando ela pode se entregar a sua luxúria sem danos ou vergonha. Em vez disso, há muita tristeza e dor. Ele definha e passa a vida com tristeza, pois (devido a esse pecado) deve perder a comunhão com Deus, paz e a garantia sensata de estar reconciliado. Além disso, sua vida espiritual enfraquece e ele não pode glorificar Deus em sua posição na vida. Quanto mais veementemente sua luxúria parece ter livre reinado neste julgamento, mais a tristeza de sua alma é multiplicada. Além disso, quando a tentação é mais veemente, e se ele é impedido de cometer seu pecado, ele não ficará irritado como os não convertidos, mas se alegrará e agradecerá ao Senhor por isso. Assim, descobrimos a distinção entre a comissão do pecado pelo não convertido e o poder da corrupção que habita enquanto ela se esforça com graça no convertido. Adicione a isso o que dissemos no capítulo 14 sobre pecados predominantes e incidentais.
A partir disso, pode-se estar claramente convencido de que o pecado tem domínio sobre ele. Se o pecado ainda tem domínio sobre você, deixe isso convencê-lo de que você ainda está em um estado não convertido e que, se permanecer assim e morrer nessa condição, será condenado eternamente. Que, portanto, incite você a fugir da ira vindoura por um rápido arrependimento e exercício de fé em Cristo - fazendo isso enquanto Ele ainda é oferecido a você e antes que seja tarde demais.
Se você perceber que o pecado não tem domínio sobre você, mas que há vida espiritual em você que luta contra a corrupção residente - mesmo que frequentemente sofra derrota - reconheça a graça de Deus, agradeça por isso, regozije-se com isso e permita que seja um meio de lutar contra a corrupção residente com renovada coragem.
Pois, por um lado , você sente o gosto amargo de ser cativo para pecar; como você vive continuamente em cativeiro, inquieto, triste, e cheio de medo; quando Deus, em cuja comunhão há alegria e vida, se esconde de você. Você prova como é vulnerável a todos os tipos de tentações da carne, do diabo e do mundo; como a disposição habitual da vida espiritual enfraquece; e quão impossível é para você erradicar essa corrupção interna, que tantas vezes floresce e aumenta a força quando a vida espiritual é fraca. Você sente como é incapaz de alcançar o propósito do seu chamado: a glorificação de Deus; e quão medroso você é da morte e da perspectiva de expirar em escuridão e miséria. Por outro lado , você sabe que sua vida espiritual interior anseia por ajuda para ser libertada desta prisão e ser posta em liberdade; e como clama por tal ajuda. Você está familiarizado com a imutabilidade do amor de Deus por você, que pode concluir pela convicção de que o Espírito Santo da graça está dentro de você. Você conhece a plenitude do Senhor Jesus, que está pronto para comunicar-lhe graça sobre graça a partir de Sua plenitude. Você sabe como se volta para você, sendo o templo do Espírito Santo, para purificá-lo e expulsar a habitação da corrupção. Oh, como é delicioso se arrepender! Dá alegria a Deus, ao Senhor Jesus, anjos, ministros, outros crentes, e para você mesmo. O pecado então perderá sua potência, todas as tarefas parecerão mais fáceis para você e você aumentará sua força.
Nota do Tradutor:
O Evangelho que nos Leva a Obter a Salvação
Há somente um evangelho pelo qual podemos ser verdadeiramente salvos. Ele se encontra revelado na Bíblia, e especialmente nas páginas do Novo Testamento. Mas, por interpretações incorretas é possível até mesmo transformá-lo em um meio de perdição e não de salvação, conforme tem ocorrido especialmente em nossos dias, em que as verdades fundamentais do evangelho de Jesus Cristo têm sido adulteradas ou omitidas.
Isto nos levou a tomar a iniciativa de apresentar a seguir, de forma resumida, em que consiste de fato o evangelho da nossa salvação.
Em primeiro lugar, antes de tudo, é preciso entender que somos salvos exclusivamente com base na aliança de graça que foi feita entre Deus Pai e Deus Filho, antes mesmo da criação do mundo, para que nas diversas gerações de pessoas que seriam trazidas por eles à existência sobre a Terra, houvesse um chamado invisível, sobrenatural, espiritual, para serem perdoadas de seus pecados, justificadas, regeneradas (novo nascimento espiritual), santificadas e glorificadas. E o autor destas operações transformadoras seria o Espírito Santo, a terceira pessoa da trindade divina.
Estes que seriam chamados à conversão, o seriam pelo meio de atração que seria feita por Deus Pai, trazendo-os a Deus Filho, de modo que pela simples fé em Jesus Cristo, pudessem receber a graça necessária que os redimiria e os transportaria das trevas para a luz, do poder de Satanás para o de Deus, e que lhes transformaria em filhos amados e aceitos por Deus.
Como estes que foram redimidos se encontravam debaixo de uma sentença de maldição e condenação eternas, em razão de terem transgredido a lei de Deus, com os seus pecados, para que fossem redimidos seria necessário que houvesse uma quitação da dívida deles para com a justiça divina, cuja sentença sobre eles era a de morte física e espiritual eternas.
Havia a necessidade de um sacrifício, de alguém idôneo que pudesse se colocar no lugar do homem, trazendo sobre si os seus pecados e culpa, e morrendo com o derramamento do seu sangue, porque a lei determina que não pode haver expiação sem que haja um sacrifício sangrento substitutivo.
Importava também que este Substituto de pecadores, assumisse a responsabilidade de cobrir tudo o que fosse necessário em relação à dívida de pecados deles, não apenas a anterior à sua conversão, como a que seria contraída também no presente e no futuro, durante a sua jornada terrena.
Este Substituto deveria ser perfeito, sem pecado, eterno, infinito, porque a ofensa do pecador é eterna e infinita. Então deveria ser alguém divino para realizar tal obra.
Jesus, sendo Deus, se apresentou na aliança da graça feita com o Pai, para ser este Salvador, Fiador, Garantia, Sacrifício, Sacerdote, para realizar a obra de redenção.
O homem é fraco, dado a se desviar, mas a sua chamada é para uma santificação e perfeição eternas. Como poderia responder por si mesmo para garantir a eternidade da segurança da salvação?
Havia necessidade que Jesus assumisse ao lado da natureza divina que sempre possuiu, a natureza humana, e para tanto ele foi gerado pelo Espírito Santo no ventre de Maria.
Ele deveria ter um corpo para ser oferecido em sacrifício. O sangue da nossa redenção deveria ser o de alguém que fosse humano, mas também divino, de modo que se pode até mesmo dizer que fomos redimidos pelo sangue do próprio Deus.
Este é o fundamento da nossa salvação. A morte de Jesus em nosso lugar, de modo a nos abrir o caminho para a vida eterna e o céu.
Para que nunca nos esquecêssemos desta grande e importante verdade do evangelho de que Jesus se tornou da parte de Deus para nós, o nosso tudo, e que sem Ele nada somos ou podemos fazer para agradar a Deus, Jesus fixou a Ceia que deve ser regularmente observada pelos crentes, para que se lembrem de que o Seu corpo foi rasgado, assim como o pão que partimos na Ceia, e o Seu sangue foi derramado em profusão, conforme representado pelo vinho, para que tenhamos vida eterna por meio de nos alimentarmos dEle. Por isso somos ordenados a comer o pão, que representa o corpo de Jesus, que é verdadeiro alimento para o nosso espírito, e a beber o sangue de Jesus, que é verdadeira bebida para nos refrigerar e manter a Sua vida em nós.
Quando Ele disse que é o caminho e a verdade e a vida. Que a porta que conduz à vida eterna é estreita, e que o caminho é apertado. Tudo isto se aplica ao fato de que não há outra verdade, outro caminho, outra vida, senão a que existe somente por meio da fé nEle. A porta é estreita porque não admite uma entrada para vários caminhos e atalhos, que sendo diferentes dEle, conduzem à perdição. É estreito e apertado para que nunca nos desviemos dEle, o autor e consumador da nossa salvação.
Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.
Tanto é assim, que para que tenhamos a plena convicção desta verdade, mesmo depois de sermos justificados, regenerados e santificados, percebemos, enquanto neste mundo, que há em nós resquícios do pecado, que são o resultado do que se chama de pecado residente, que ainda subsiste no velho homem, que apesar de ter sido crucificado juntamente com Cristo, ainda permanece em condições de operar em nós, ao lado da nova natureza espiritual e santa que recebemos na conversão.
Qual é a razão disso, senão a de que o Senhor pretende nos ensinar a enxergar que a nossa salvação é inteiramente por graça e mediante a fé? Que é Ele somente que nos garante a vida eterna e o céu. Se não fosse assim, não poderíamos ser salvos e recebidos por Deus porque sabemos que ainda que salvos, o pecado ainda opera em nossas vidas de diversas formas.
Isto pode ser visto claramente em várias passagens bíblicas e especialmente no texto de Romanos 7.
À luz desta verdade, percebemos que mesmo as enfermidades que atuam em nossos corpos físicos, e outras em nossa alma, são o resultado da imperfeição em que ainda nos encontramos aqui embaixo, pois Deus poderia dar saúde perfeita a todos os crentes, sem qualquer doença, até o dia da morte deles, mas Ele não o faz para que aprendamos que a nossa salvação está inteiramente colocada sobre a responsabilidade de Jesus, que é aquele que responde por nós perante Ele, para nos manter seguros na plena garantia da salvação que obtivemos mediante a fé, conforme o próprio Deus havia determinado justificar-nos somente por fé, do mesmo modo como fizera com Abraão e com muitos outros mesmo nos dias do Velho Testamento.
Nenhum crente deve portanto julgar-se sem fé porque não consegue vencer determinadas fraquezas ou pecados, porque enquanto se esforça para ser curado deles, e ainda que não o consiga neste mundo, não perderá a sua condição de filho amado de Deus, que pode usar tudo isto em forma de repreensão e disciplina, mas que jamais deixará ou abandonará a qualquer que tenha recebido por filho, por causa da aliança que fez com Jesus e na qual se interpôs com um juramento que jamais a anularia por causa de nossas imperfeições e transgressões.
Um crente verdadeiro odeia o pecado e ama a Jesus, mas sempre lamentará que não o ame tanto quanto deveria, e por não ter o mesmo caráter e virtudes que há em Cristo. Mas de uma coisa ele pode ter certeza: não foi por mérito, virtude ou boas obras que lhes foram exigidos a apresentar a Deus que ele foi salvo, mas simplesmente por meio do arrependimento e da fé nAquele que tudo fez e tem feito que é necessário para a segurança eterna da sua salvação.
É possível que alguém leia tudo o que foi dito nestes sete últimos parágrafos e não tenha percebido a grande verdade central relativa ao evangelho, que está sendo comentada neles, e que foi citada de forma resumida no primeiro deles, a saber:
“Então o plano de salvação, na aliança de graça que foi feita, nada exige do homem, além da fé, pois tudo o que tiver que ser feito nele para ser transformado e firmado na graça, será realizado pelo autor da sua salvação, a saber, Jesus Cristo.”
Nós temos na Palavra de Deus a confirmação desta verdade, que tudo é de fato devido à graça de Jesus, na nossa salvação, e que esta graça é suficiente para nos garantir uma salvação eterna, em razão do pacto feito entre Deus Pai e Deus Filho, que nos escolheram para esta salvação segura e eterna, antes mesmo da fundação do mundo, no qual Jesus e Sua obra são a causa dessa segurança eterna, pois é nEle que somos aceitos por Deus, nos termos da aliança firmada, em que o Pai e o Filho são os agentes da aliança, e os crentes apenas os beneficiários.
O pacto foi feito unilateralmente pelo Pai e o Filho, sem a consulta da vontade dos beneficiários, uma vez que eles nem sequer ainda existiam, e quando aderem agora pela fé aos termos da aliança, eles são convocados a fazê-lo voluntariamente e para o principal propósito de serem salvos para serem santificados e glorificados, sendo instruídos pelo evangelho que tudo o que era necessário para a sua salvação foi perfeitamente consumado pelo Fiador deles, nosso Senhor Jesus Cristo.
Então, preste atenção neste ponto muito importante, de que tanto é assim, que não é pelo fato de os crentes continuarem sujeitos ao pecado, mesmo depois de convertidos, que eles correm o risco de perderem a salvação deles, uma vez que a aliança não foi feita diretamente com eles, e consistindo na obediência perfeita deles a toda a vontade de Deus, mas foi feita com Jesus Cristo, para não somente expiar a culpa deles, como para garantir o aperfeiçoamento deles na santidade e na justiça, ainda que isto venha a ser somente completado integralmente no por vir, quando adentrarem a glória celestial.
A salvação é por graça porque alguém pagou inteiramente o preço devido para que fôssemos salvos – nosso Senhor Jesus Cristo.
E para que soubéssemos disso, Jesus não nos foi dado somente como Sacrifício e Sacerdote, mas também como Profeta e Rei.
Ele não somente é quem nos anuncia o evangelho pelo poder do Espírito Santo, e quem tudo revelou acerca dele nas páginas da Bíblia, para que não errássemos o alvo por causa da incredulidade, que sendo o oposto da fé, é a única coisa que pode nos afastar da possibilidade da salvação.
Em sua obra como Rei, Jesus governa os nossos corações, e nos submete à Sua vontade de forma voluntária e amorosa, capacitando-nos, pelo Seu próprio poder, a viver de modo agradável a Deus.
Agora, nada disso é possível sem que haja arrependimento. Ainda que não seja ele a causa da nossa salvação, pois, como temos visto esta causa é o amor, a misericórdia e a graça de Deus, manifestados em Jesus em nosso favor, todavia, o arrependimento é necessário, porque toda esta salvação é para uma vida santa, uma vida que lute contra o pecado, e que busque se revestir do caráter e virtudes de Jesus.
Então, não há salvação pela fé onde o coração permanece apegado ao pecado, e sem manifestar qualquer desejo de viver de modo santo para a glória de Deus.
Desde que haja arrependimento não há qualquer impossibilidade para que Deus nos salve, nem mesmo os grosseiros pecados da geração atual, que corre desenfreadamente à busca de prazeres terrenos, e completamente avessa aos valores eternos e celestiais.
Ainda que possa parecer um paradoxo, haveria até mais facilidade para Deus salvar a estes que vivem na iniquidade porque a vida deles no pecado é flagrante, e pouco se importam em demonstrar por um viver hipócrita, que são pessoas justas e puras, pois não estão interessadas em demonstrar a justiça própria do fariseu da parábola de Jesus, para que através de sua falsa religiosidade, e autoengano, pudessem alcançar algum favor da parte de Deus.
Assim, quando algum deles recebe a revelação da luz que há em Jesus, e das grandes trevas que dominam seu coração, o trabalho de convencimento do Espírito Santo é facilitado, e eles lamentam por seus pecados e fogem para Jesus para obterem a luz da salvação. E ele os receberá, e a nenhum deles lançará fora, conforme a Sua promessa, porque o ajuste feito para a sua salvação exige somente o arrependimento e a fé, para a recepção da graça que os salvará.
Deus mesmo é quem provê todos os meios necessários para que permaneçamos firmes na graça que nos salvou, de maneira que jamais venhamos a nos separar dele definitivamente.
Ele nos fez coparticipantes da Sua natureza divina, no novo nascimento operado pelo Espírito Santo, de modo que uma vez que uma natureza é atingida, ela jamais pode ser desfeita. Nós viveremos pela nova criatura, ainda que a velha venha a se dissolver totalmente, assim como está ordenado que tudo o que herdamos de Adão e com o pecado deverá passar, pois tudo é feito novo em Jesus, em quem temos recebido este nosso novo ser que se inclina em amor para Deus e para todas as coisas de Deus.
Ainda que haja o pecado residente no crente, ele se encontra destronado, pois quem reina agora é a graça de Jesus em seu coração, e não mais o pecado. Ainda que algum pecado o vença isto será temporariamente, do mesmo modo que uma doença que se instala no corpo é expulsa dele pelas defesas naturais ou por algum medicamento potente. O sangue de Jesus é o remédio pelo qual somos sarados de todas as nossas enfermidades. E ainda que alguma delas prevaleça neste mundo ela será totalmente extinta quando partirmos para a glória, onde tudo será perfeito.
Temos este penhor da perfeição futura da salvação dado a nós pela habitação do Espírito Santo, que testifica juntamente com o nosso espírito que somos agora filhos de Deus, não apenas por ato declarativo desta condição, mas de fato e de verdade pelo novo nascimento espiritual que nos foi dado por meio da nossa fé em Jesus.
Toda esta vida que temos agora é obtida por meio da fé no Filho de Deus que nos amou e se entregou por nós, para que vivamos por meio da Sua própria vida. Ele é o criador e o sustentador de toda a criação, inclusive desta nova criação que está realizando desde o princípio, por meio da geração de novas criaturas espirituais para Deus por meio da fé nEle.
Ele pode fazê-lo porque é espírito vivificante, ou seja, pode fazer com que nova vida espiritual seja gerada em quem Ele assim o quiser. Ele sabe perfeitamente quais são aqueles que atenderão ao chamado da salvação, e é a estes que Ele se revela em espírito para que creiam nEle, e assim sejam salvos.
Bem-aventurados portanto são:
Os humildes de espírito que reconhecem que nada possuem em si mesmos para agradarem a Deus.
Os mansos que se submetem à vontade de Deus e que se dispõem a cumprir os Seus mandamentos.
Os que choram por causa de seus pecados e todo o pecado que há no mundo, que é uma rebelião contra o Criador.
Os misericordiosos, porque dão por si mesmos o testemunho de que todos necessitam da misericórdia de Deus para serem perdoados.
Os pacificadores, e não propriamente pacifistas que costumam anular a verdade em prol da paz mundial, mas os que anunciam pela palavra e suas próprias vidas que há paz de reconciliação com Deus somente por meio da fé em Jesus.
Os que têm fome e sede de justiça, da justiça do reino de Deus que não é comida, nem bebida, mas justiça, paz e alegria no Espírito Santo.
Os que são perseguidos por causa do evangelho, porque sendo odiados sem causa, perseveram em dar testemunho do Nome e da Palavra de Jesus Cristo.
Vemos assim que ser salvo pela graça não significa: de qualquer modo, de maneira descuidada, sem qualquer valor ou preço envolvido na salvação. Jesus pagou um preço altíssimo e de valor inestimável para que pudéssemos ser redimidos. Os termos da aliança por meio da qual somos salvos são todos bem ordenados e planejados para que a salvação seja segura e efetiva. Há poderes sobrenaturais, celestiais, espirituais envolvidos em todo o processo da salvação.       
É de uma preciosidade tão grande este plano e aliança que eles devem ser eficazes mesmo quando não há naqueles que são salvos um conhecimento adequado de todas estas verdades, pois está determinado que aquele que crê no seu coração e confessar com os lábios que Jesus é o Senhor e Salvador, é tudo quanto que é necessário para um pecador ser transformado em santo e recebido como filho adotivo por Deus.
O crescimento na graça e no conhecimento de Jesus são necessários para o nossos aperfeiçoamento espiritual em progresso da nossa santificação, mas não para a nossa justificação e regeneração (novo nascimento) que são instantâneos e recebidos simultaneamente no dia mesmo em que nos convertemos a Cristo. Quando fomos a Ele como nos encontrávamos na ocasião, totalmente perdidos e mortos em transgressões e pecados.
E fomos recebidos porque a palavra da promessa da aliança é que todo aquele que crê será salvo, e nada mais é acrescentado a ela como condição para a salvação.
É assim porque foi este o ajuste que foi feito entre o Pai e o Filho na aliança que fizeram entre si para que fôssemos salvos por graça e mediante a fé.
Jesus é pedra de esquina eleita e preciosa, que o Pai escolheu para ser o autor e o consumador da nossa salvação. Ele foi eleito para a aliança da graça, e nós somos eleitos para recebermos os benefícios desta aliança por meio da fé nAquele a quem foram feitas as promessas de ter um povo exclusivamente Seu, zeloso de boas obras.
Então quando somos chamados de eleitos na Bíblia, isto não significa que Deus fez uma aliança exclusiva e diretamente com cada um daqueles que creem, uma vez que uma aliança com Deus para a vida eterna demanda uma perfeita justiça e perfeita obediência a Ele, sem qualquer falha, e de nós mesmos, jamais seríamos competentes para atender a tal exigência, de modo que a aliança poderia ter sido feita somente com Jesus.
Somos aceitos pelo Pai porque estamos em Jesus, e assim é por causa do Filho Unigênito que somos também recebidos. Jamais poderíamos fazê-lo diretamente sem ter a Jesus como nosso Sumo Sacerdote e Sacrifício. Isto é tipificado claramente na Lei, em que nenhum ofertante ou oferta seriam aceitos por Deus sem serem apresentados pelo sacerdote escolhido por Deus para tal propósito. Nenhum outro Sumo Sacerdote foi designado pelo Pai para que pudéssemos receber uma redenção e aproximação eternas, senão somente nosso Senhor Jesus Cristo, aquele que Ele escolheu para este ofício.


Este texto é administrado por: Silvio Dutra
Número de vezes que este texto foi lido: 103


Outros títulos do mesmo autor

Artigos O Poder da Corrupção Residente Wilhelmus à Brakel
Poesias Os Assaltos de Satanás Wilhelmus à Brakel
Artigos Contentamento wilhelmus à Brakel
Artigos Pacificação Wilhelmus à Brakel
Artigos Retidão wilhelmus à Brakel
Artigos Prudência wilhelmus à Brakel
Artigos A Providência de Deus wilhelmus à Brakel
Artigos Santificação e Santidade Wilhelmus à Brakel
Artigos Humildade e Mansidão wilhelmus à Brakel


Publicações de número 1 até 9 de um total de 9.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 57617 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 53034 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39320 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 34782 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 34148 Visitas
Amores! - 33366 Visitas
Desabafo - 32971 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31764 Visitas
Faça alguém feliz - 31708 Visitas
Vivo com.. - 31409 Visitas

Páginas: Próxima Última