Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Cultura do Cancelamento
Rafael da Silva Claro


A cultura do Cancelamento é muito antiga. Parece, mas isso não é novidade, só é mais fácil disseminar e obter maior alcance. Se não é, aqui no Brasil, o caso mais famoso, é um dos mais: Wilson Simonal. O cantor Lobão criou, ou apenas usa, o termo “simonalizar”. Lobão sofreu uma tentativa de cancelamento ou, como ele disse simonalização. Mas, também como ele diz, ele é “insimonalizável”. Cancelamento é sinônimo do neologismo “simonalização.

Wilson Simonal foi cancelado, quando esse conceito nem sequer existia. A história dele foi muito bem contada em excelentes livro e documentário. Dono de um talento sem fronteiras, Simonal foi relegado à condição de pária entre os artistas ou apenas não-pessoa. Um artista badalado foi transformado numa alma penada.

Resumindo sua história, ele deu uma “prensa” num contador que o teria “passado pra trás”. Para isso, contou com os “serviços” de policiais amigos e nada cordiais. Esse foi o estopim para Simonal ser tachado de informante (colaborador) da polícia. Tudo isso em pleno governo militar. Conclusão, ele foi proscrito no auge da popularidade, e um talento raro foi apagado para sempre.

Esse caso, que prova que a “cultura do cancelamento” não é uma novidade digital, embora traga muitas semelhanças (no método) com o que ocorre hoje. Para quem achava que a polarização política já tinha ido longe demais, com vírus de esquerda e remédio de direita, esse é mais um instrumento.

Retratado no livro 1984 (George Orwell), o “cancelamento” era um método de Estado. Consistia em apagar qualquer vestígio da existência do indivíduo que interessasse às autoridades. Hoje, a cultura do cancelamento -que não é apenas uma modinha inofensiva da internet- isola determinada pessoa, mantendo-a afastada de contratos publicitários, lugares e pessoas. Eis, novamente, alguém transformado em pária ou não-pessoa.

Essa nova (antiga) cultura é a atualização da lista negra e do enforcamento. A agonia em praça pública é o destino de quem ousou avançar os limites impostos pela ditadura vigilante e alcagueta do politicamente correto. Se fizer ou falar algo que desagrade patotas organizadas, antes você era cancelado na vida, agora você pode ser bloqueado nas redes sociais.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 174


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios O Médico e o Monstro Rafael da Silva Claro
Crônicas Chevette rodado Rafael da Silva Claro
Crônicas Morcegóvia Rafael da Silva Claro
Artigos Quem procura acha Rafael da Silva Claro
Artigos Cultura do Cancelamento Rafael da Silva Claro
Crônicas Ema ema ema cada um com seus pobrema Rafael da Silva Claro
Crônicas Debate e deporrada Rafael da Silva Claro
Crônicas Corinthians X Palmeiras Rafael da Silva Claro
Resenhas Walter Mercado Rafael da Silva Claro
Artigos Discurso de ódio Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 53.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Amores! - 39755 Visitas
Lamento - FERNANDO 39593 Visitas
Desabafo - 38824 Visitas
viramundo vai a frança - 38156 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 37503 Visitas
Faça alguém feliz - 37041 Visitas
Parabéns, Daniel Dantas! - Carlos Rogério Lima da Mota 36317 Visitas
Vivo com.. - 36289 Visitas
eu sei quem sou - 35211 Visitas
camaro amarelo - 35028 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última