Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Quem me representa agora?
(Desconstruindo um conceito do momento)
Roberto Queiroz

Nada é mais falado hoje em dia no Brasil do que representatividade. Por onde quer que se ande, seja lá o que você estiver lendo, assistindo, ouvindo, o tópico do momento é: quem me representa atualmente? E cá entre nós, deveríamos estar menos obcecados com isso. Pois a sensação que eu tenho é: estamos perdendo nossa própria personalidade. E tudo por causa de discussões que mais parecem modismos do que debates temporários.

Sim, isso mesmo que vocês leram. A sensação que eu tenho toda vez que me deparo com uma discussão sobre o tema é a de que a tal da representatividade tem a ver com efemeridade. Em outras palavras: "o que me representa agora não será o mesmo que me representará amanhã. Tudo é tão transitório, tão rápido, enjoa com a mesma facilidade que ganha fãs ao redor do mundo. Prestem atenção antes de dirigirem seus paus e pedras na minha direção.

Já foi tempo em que cultuar Beyoncé era o máximo, mas depois começaram a ficar incomodados com os cabelos lisos da moça. "Ela não tem cabelo crespo; não me representa". Como se as madeixas alisadas da musa do R&B fossem realmente fazer alguma diferença toda vez que ela canta "Crazy in love". Mais parece delírio de obcecados por um comportamento ou ideia fixa.

Outro ponto que me deixou preocupado - este mais recente - foi o retumbante sucesso de Pantera Negra, da Marvel, nos cinemas. Lembro que na sessão que fui assistir várias pessoas de cor saíram da sala de projeção exaltando a tal da representatividade com maior atributo do longa. Honestamente: se Pantera Negra os representa (digo isso aos espectadores da etnia correspondente) vocês gostam mesmo é de serem enganados. Jamais me veria representado por um África onde miséria, pobreza, AIDS e outras mazelas sociais sequer são mencionadas. Mais: todo o continente é vendido como uma mega potência. Demagogia, meus amigos, também tem limite!

A frase "fulano/beltrano/sicrano me representa" tornou-se tão óbvia e muitas vezes sem significado que ganhou ares de clichê. Virou modinha buscar representação em outros. Parece uma versão mais soft de cultos e dogmas religiosos.

Nunca entendi esse desespero da humanidade de precisar de um endosso vindo de fora. Por que não nos bastamos com nossos ideais e convicções? Será pedir demais tocar a vida com nossos próprios passos? E pior: há quem chame de fracos, covardes, àqueles que se encostam nessas estruturas justapostas, sob pena de não serem solidários a nada.

Consigo perfeitamente ser solidário a um dilema sem precisar seguir parâmetros pré-definidos de condutas. O problema real é que nos acostumamos a comprar verdades vindas de fora e isso se transformou numa espécie de modus operandi da sociedade contemporânea. Você precisa comprar, seguir, admirar alguém; do contrário, é visto como esnobe, exibido, melhor do que os demais. Poupem-me. Seguir representações externas não fará de você, meu amigo/minha amiga alguém melhor. No máximo, o transformará numa cobaia de tendências.

E tudo - praticamente tudo - hoje em dia é tendencioso.

Sinto muito por quem segue listas de influência e formadores de opinião. Coitados daqueles que não conseguem enxergar o mundo além da visão de mundo de seus ídolos. Ainda mais ídolos que precisam replicar os gostos, a maneira de se vestir, a fala, até mesmo as poses fotográficas de um mercado pop e cretino e (de novo) tendencioso.

Recentemente rolou uma discussão sobre a ausência de elenco negro na novela da Rede Globo Segundo Sol (pelo fato da trama se passar na Bahia, grande nicho da cultura afro-brasileira). Gozado. A mesma emissora já produziu seriados com elenco eminentemente de cor e mesmo assim foi criticada ou rotulada por alguma outra ofensa ou esquecimento. Até que ponto vai a questão da representatividade? Ela atinge, em algum momento, um nível de satisfação? Ou sempre haverá do que reclamar para que gere um lobby que atenda a determinadas demandas de certos grupos de interesse da sociedade? (Que o digam os segmentos LGBT em voga atualmente!).

Um exemplo melhor de representatividade me pareceu a série Dear White People, da Netflix (quero falar mais sobre ela num próximo artigo), passada numa universidade americana, e que trata da comunidade negra americana brigando pelo seu espaço no campus. Agradou-me, principalmente, o clima de do it yourself do grupo de universitários. Aquela coisa do "quem quer, vai à luta; não fica esperando por líderes e exemplos a serem seguidos".

E nesse ponto chego a um termo que merece ser exposto aqui: vivemos uma crise de identidade muito grande nos últimos anos. E continuamos refém daquela moral de que precisamos de novos líderes, messias, salvadores da pátria. Espero que um dia a sociedade acorde (olha eu e meus devaneios não-alcoólicos de novo!) e tome as rédeas da situação de vez.

Quem sabe assim nos tornemos menos carentes e passemos adiante essa ideia repetitiva de "preciso de alguém que me represente agora, nesse momento"...

Represente a si mesmo. Já passou da hora.

(Nota memoriográfica: o tema do artigo de hoje me fez pensar na época de colégio e naquelas infames eleições para representante de turma, que eu sempre detestei. Em todas as turmas em que eu estudei o representante sempre foi um rapaz ou uma moça que busca privilégios para si mesmo e nada mais. Não vi essa gente lutar por classe estudantil alguma. Por que agora seria diferente?).


Biografia:
Crítico cultural, morador da Leopoldina, amante do cinema, da literatura, do teatro e da música e sempre cheio de novas ideias.
Número de vezes que este texto foi lido: 120


Outros títulos do mesmo autor

Artigos Aconteceu, virou manchete! Roberto Queiroz
Artigos O cinema a partir de suas entranhas. Roberto Queiroz
Artigos Terra de ninguém (e de todos) Roberto Queiroz
Artigos A diva eterna Roberto Queiroz
Artigos Amor em xeque Roberto Queiroz
Artigos J'acuse... Roberto Queiroz
Artigos Marionetes sacanas Roberto Queiroz
Artigos Manda quem quer, obedece quem tem interesse Roberto Queiroz
Artigos Grito de alerta Roberto Queiroz
Artigos Uma nova forma de cutucar, incomodar, agregar Roberto Queiroz

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 116.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2019
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 48508 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 39004 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 32953 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 32022 Visitas
Amores! - 31981 Visitas
Desabafo - 31595 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 31387 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 30764 Visitas
Faça alguém feliz - 30733 Visitas
Vivo com.. - 30376 Visitas

Páginas: Próxima Última