Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔵 Rosmitter, o boêmio
Rafael da Silva Claro


A Vila Madalena era um bairro histórico e boêmio. No fim dos anos 60, muitos estudantes da USP começaram a moral lá. Assim, o lugar começou a ganhar características contraculturais, alternativas e boêmias. Durante algum tempo, a região caiu no ostracismo, contudo, nos anos 90, o que já foi um bairro residencial ressurgiu como um endereço “obrigatório” para quem procurava um portfólio de barzinhos.

O objetivo era bem capiau: conhecer a mítica Vila Madalena noturna. Surgiu um sujeito que parecia alguém que desceu de um apartamento sobre o boteco. O arquétipo do baluarte daquele bairro antigo só podia ter enxergado um grupo composto por 4 turistas com o potencial de mantê-lo embriagado na faixa (de graça), portanto, 4 vítimas.

Ele apareceu com um copinho americano vazio, e nos fisgou com um papinho sobre música. Hoje, desconfio que foi o Henrique que “deu bandeira”, com seu cabelo comprido. O visual roqueiro “guitarrista de penhasco” atraiu o sósia de Arrigo Barnabé, o músico maldito. Pelo menos, o alcoólatra sem dinheiro não era um “Tom Chupim” (quem surge segurando um violão). Mas não tinha mais volta.

Aquilo só poderia ser mentira, ele se identificou como Mitter. O inédito nome alemão tornava aquela figura europeia incompatível com alguém que “obrigou” 4 jovens a sustentar o alcoolismo daquele sanguessuga da terceira idade.

Tivemos que abastecer o copo do Mitter em troca de um punhado de mentiras. O Mitter deve ter acreditado que era um ótimo papo, pois logo nos interrompia com suas lorotas. Ele dava asas a sua imaginação com aventuras envolvendo Cazuza, Renato Russo e Lô Borges. A quantidade de disparates apenas era interrompida para esvaziar o nosso vasilhame. Assistíamos àquelas cenas quase que às lágrimas.

Como piada interna, aquele chato de plantão recebeu o apelido, não sei o porquê, de Rosmitter. Então, a partir daí, todo estranho que tentava se infiltrar na nossa turma de amigos ganhava a alcunha de “Rosmitter”.

Mitter não era o Arrigo Barnabé, nem músico, mas era maldito.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 54822


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 Que o novo sempre vem Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 O animal do Pânico Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Noite sem fim Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Mensagem para você Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 430.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
AÇÃO DE REPARAÇAO CIVIL EX-DELICTO - francisco carlos de aguiar neto 54887 Visitas
O vovô e a vovó - Helena Regina Santarelli M. de Campos 54843 Visitas
Cata-ventos - Joseph Shafan 54843 Visitas
A LENDA DOS SETE MARES - Saulo Piva Romero 54842 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 54842 Visitas
Pilatos e a imparcialidade - Patrícia 54840 Visitas
Moinhos - Joseph Shafan 54840 Visitas
Como pode? - micro conto - Joseph Shafan 54839 Visitas
Post Mortem - Europa Sanzio 54838 Visitas
Canto da Lira - Joseph Shafan 54838 Visitas

Páginas: Próxima Última