Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔴 Conto de fardas
Rafael da Silva Claro


Era uma vez...

...um protesto de uma turminha do barulho, a fim de aprontar mil e uma confusões, na Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), para impedir a implantação de escolas cívico-militares. Confesso que o protestinho foi engraçado. Tão divertido, que esse tipo de evento merece um registro, digamos, encantado.

Trata-se, claro, de uma massinha de manobra. A tática é simples: algum “guerrilheiro” de mesa de bar arregimenta um exército mirim para servir de bucha de canhão. A proposta é sempre tentadora: um dia sem aula. Isso sempre funciona e evita algumas borrachadas da polícia. Se o potencial militante for convincente, pode garantir uma vaguinha no PSOL; se não, o desavisado estudante um dia descobrirá que perdeu uma parte importante da vida.

A esquerda já usava a estratégia covarde de formar a linha de frente com mulheres, isso evitava confrontos; no entanto, a “infantaria” foi formada por um pelotão infantil. Quase que isso fez um sentido etimológico, entretanto, a esquerda, querendo combatentes inimputáveis, o máximo que conseguiu foi uma galerinha estridente, mas inócua e, não por acaso, emula o crime organizado.

Protestos estudantis tinham sentido durante o governo militar; atualmente, é uma tentativa farsesca de repetir a história, implantar algum sentido à própria existência ou mero sintoma de doutrinação escolar. Se não aprenderam a tabuada do oito, que, pelo menos, aprendam que é muito clichê aquela imagem do estudante depositando uma flor no cano do fuzil.

Quase concluindo, tratando-se de estudantes secundaristas, o resultado teve o impacto de um comercial dos refrescos Tang, do sabão em pó Omo ou do achocolatado Nescau. Sendo mais claro, pareceu uma turminha esperta e “tchaptchura” que acha que vai transformar o planeta. Obviamente, não arrumam a própria cama, largam a toalha molhada no chão e não fecham a tampa da privada, mas querem mudar o mundo.

Com um pisão no chão, a polícia militar espantou os rebeldes de “playground”, que voltaram para a segurança do seio familiar...

...e todos viveram felizes para sempre.



     FIM


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 54768


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 O animal do Pânico Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Noite sem fim Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Mensagem para você Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Feiquinius Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 429.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Amores! - 54782 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54782 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54780 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54779 Visitas
eu sei quem sou - 54778 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54778 Visitas
Desabafo - 54777 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54772 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54770 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54770 Visitas

Páginas: Próxima Última