Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔴 Feiquinius
Rafael da Silva Claro


A expressão “fake news” já gastou, não tem mais efeito. O anglicismo significa “notícias falsas”, mas geralmente é usado em casos que não são notícias, nem falsas.

A expressão é sacada como um coringa ou um “Super Trunfo” para descredibilizar o que não interessa que seja dito: geralmente, por ser uma opinião contrária, desmascarando uma narrativa oficial. Essa estratégia de monopolizar a narrativa e perseguir quem ousa contestar o governo é uma “herança” da União Soviética.

“Fake news” e ‘Rock in Rio’ são marcas; como marcas, cumprem sua função. Então “fake news” não precisa ser notícia nem falsa, e ‘Rock in Rio’ pode ser em Lisboa ou qualquer outro lugar do mundo, nem ter rock.

A “Rede Globo” esperou o “produto” Madonna deixar o país para “vender” um outro “produto”: a inundação do Rio Grande do Sul. Inicialmente, a emissora só faria uma espécie de assessoria de imprensa, reportando a logística governamental. Mas as imagens e a força da internet têm uma capilaridade jamais vista em calamidades brasileiras. Acostumados com a reportagem oficial, o governo e a Globo esqueceram a prioridade da tragédia e começaram a judicializar e perseguir voluntários e tachar as imagens, incômodas para o regime, como “fake news”.

A Globo recebeu uma verba milionária do governo, além disso, está sendo recebida com hostilidade pelos voluntários. Mas não é só isso: está ocorrendo uma migração de anúncios da TV para a internet, então a emissora carioca declarou guerra à rede. E a principal munição é acusá-la de... adivinhe, “fake news”.

Pravda (União Soviética) e Granma (Cuba) são exemplos da imprensa exaltação, que não presta para informar, mas de mero instrumento de propaganda oficial. As Organizações Globo prestaram-se a servir o “regime” melhor que os jornais socialistas e, quase sempre governistas, adiantaram-se, largaram o “jornalismo raiz” e estão exercendo a função de assessoria de imprensa governamental.

Estão tentando vender um Estado provedor e, para isso, é urgente calar quem mostra a realidade. O adesista que concorda com esse controle, está “comprando” algo como um tônico capilar (no século XIX) e adquirindo uma distopia.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 54737


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 O animal do Pânico Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Noite sem fim Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Mensagem para você Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Feiquinius Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 429.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Amores! - 54783 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54782 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54780 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54779 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54779 Visitas
eu sei quem sou - 54778 Visitas
Desabafo - 54777 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54772 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54770 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54770 Visitas

Páginas: Próxima Última