Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
🔵 Serviço obrigatório
Rafael da Silva Claro

Não bastasse o serviço militar obrigatório, eu teria que pagar pelo corte de cabelo. Muitos soldados que entraram no salão do quartel saíram sem a antiga personalidade. Aliás, igual a uma penitenciária, essa é uma das primeiras táticas de enquadramento e colocação na nova realidade. Um método de institucionalização.

Não era justo assistir aos cabelos, caspa, piolhos e seborreia dando adeus, acompanhados de minhas raras e amassadas notas. Além disso, eram varridos para o lixo, juventude, sonhos, rock and roll, viagens, lembranças etc.

Entretanto, ali não havia espaço para sentimentalismo bobo nem apego com uma adolescência irresponsável, sem contas para pagar e saudades do cabelo comprido; eram tempos de mosquetão, projéteis e farda. Ah, e de 15 em 15 dias rapelar a cabeça. Lógico, mesmo que o serviço fosse mal feito, era preciso pagar por isso.

No centro da cidade, ponto de ônibus, chamou a nossa atenção o movimento naquele imóvel comercial. Curioso foi que as pessoas entravam com cabelo e saíam com as madeixas curtas, muito curtas ou raspadas. Parecia óbvio, tudo o que precisávamos era de um ambiente adequado para executar o que seria obrigatório. Mas não no espacinho caro e insalubre do quartel.

Foi com desconfiança e certa timidez que fomos apresentados à escola de cabeleireiros. No começo, foi uma mistura de sensações: o constrangimento por ser um ambiente aparentemente feminino, mas com a recepção de uma bem vinda exceção.

A novidade se tornou a alternativa e a sensação dos militares. O novo endereço era a local obrigatório para honrar o dever nacional. Nossa fiel frequência tornou a ida ao lugar um evento esperado com alguma ansiedade, ou seja, o crescimento da pelagem era praticamente uma contagem regressiva visível para servir de modelo para as alunas. Era realmente empolgante o frisson que aquele “batalhão” causava na escola de cabeleireiros, bem como o cenário da fileira de soldados esperando o início da aula.

Tudo começou com o temor da submissão como cobaias, mas terminou com a economia de dinheiro e a formatura de soldados, cabos e cabeleireiras.







Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 54710


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios 🔴 O animal do Pânico Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Noite sem fim Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Mensagem para você Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 A arte de enganar Rafael da Silva Claro
Crônicas 🔵 Rosmitter, o boêmio Rafael da Silva Claro
Poesias 🔴 Conto de fardas Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴Madonna de areia Rafael da Silva Claro
Ensaios Leite com Pimenta Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 As joias da coroa Rafael da Silva Claro
Ensaios 🔴 Feiquinius Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 429.


escrita@komedi.com.br © 2024
 
  Textos mais lidos
Amores! - 54782 Visitas
Delícias da festa junina - Ivone Boechat 54781 Visitas
DIVINO SER - Ivan de Oliveira Melo 54779 Visitas
eu sei quem sou - 54778 Visitas
Carta para Sophie Scholl - Junho/2024 - Vander Roberto 54778 Visitas
Desabafo - 54776 Visitas
Dores da paixão - Ivone Boechat 54776 Visitas
Leite com Pimenta - Rafael da Silva Claro 54771 Visitas
O que e um poema Sinetrico? - 54770 Visitas
A força do recomeço de empresários atingidos pelas enchentes - Isnar Amaral 54770 Visitas

Páginas: Próxima Última