Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Futebol “du bom”
Rafael da Silva Claro



O dia não era ideal para eu pedir para ir ao Pacaembu. Corinthians e Botafogo de Ribeirão Preto, o jogo deveria ser fácil. Mas o clima não estava favorável para mim, que, com 12 anos, estava levando uma bronca histórica por cabular aulas, ter péssimas notas e estar quase perdendo o ano escolar.

Meu cunhado ainda era considerado quase uma visita, no entanto, presenciava o tal sermão inesquecível. Isso já era muito melhor que qualquer partida de futebol. Só mesmo um acontecimento mais inesquecível para suplantar aquilo.

O jogo foi excelente, sem sofrimento. Entretanto, um maluco resolveu acender um baita cigarro (proibido para menores e maiores) perto de mim. A brisa me alimentou (em todos os sentidos) e o efeito bateu em mim. Os gols foram saindo, o sujeito doidão rindo à toa e comemorando com um pequeno intervalo de tempo e eu vomitando, de modo que abriu uma clareira na arquibancada. Se, na televisão, apareceram dois torcedores naquele ponto da arquibancada, eram o “nóia” e eu.

O fumacê era como se eu, com apenas 12 anos, respirasse num escapamento de caminhão soltando puro THC, sem catalisador. Os torcedores, prevendo a overdose involuntária, reprimiram o causador daquela situação. Na verdade, acredito que o que mais os incomodava era o meu vômito, que, espaçoso, ocupava uns nove lugares, e não a chaminé - comparável à Revolução Industrial - que estava em pleno funcionamento ali ao lado.

Eu devo ter sido invejado por quem curtia aquilo. Se eu não houvesse vomitado, provavelmente teriam trocado de lugar comigo. Fui socorrido a tempo, de modo que lembro do gol do... do... teve também aquele do... O que realmente importa é que foi 5 a 0 pro Corinthians.

Aquele dia, cheguei em casa com uma fome incomum - agora sei o porquê. Eu, inocente, só soube tudo o que havia ocorrido bem depois. Seria bem mais legal se eu dissesse que, naquele ano, além de cabular aulas, tirar péssimas notas e perder o ano escolar eu havia me afundado em drogas, com somente 12 anos de idade. A verdade, é que eu gosto muito de estudos e sou radicalmente contra as drogas.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33887


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Eis o malandro na praça outra vez Rafael da Silva Claro
Crônicas São Paulo 467 - “Non ducor, duco” * Rafael da Silva Claro
Ensaios O Novo Normal Rafael da Silva Claro
Ensaios Guia Politicamente Incorreto da Pandemia Rafael da Silva Claro
Ensaios Na pressão Rafael da Silva Claro
Ensaios Nadando de braçada Rafael da Silva Claro
Ensaios Dois Papas Rafael da Silva Claro
Ensaios O Clarividente Rafael da Silva Claro
Ensaios Polícia e ladrão Rafael da Silva Claro
Crônicas Retrospectiva 2020 Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 96.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 48185 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 47796 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 47491 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 47358 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 46850 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 46358 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 46060 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 45831 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 45751 Visitas
Amanhã não saio fico em casa - Martinho do Rio 42667 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última