Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Tiro, porrada e bomba
Rafael S.C.


De última hora, me chamam para assistir a um jogo no Pacaembu. Eu já estava conformado que veria aquele jogo no conforto do meu sofá. Mas amigo serve para te “pôr em fria”. Filas, talvez brigas e tentar comprar ingressos no Canindé. O sossego seria substituído pela aventura. Corinthians e River Plate (Argentina), Taça Libertadores da América, o Timão estava bem. Por que não?

Um amigo pertencia à Gaviões da Fiel e, sem questionar, foi nos guiando até o núcleo nervoso da torcida organizada. A próxima etapa talvez fosse assaltar um banco, mas até ali, por que não? O grande diferencial, até aquele momento, era ficar cantando, pulando e batendo palmas. Lembrando dos tempos de escola, eu jurava que essa parte ficava com as meninas, enquanto eu jogava. Se é para dar uma força ao time, por que não?

A equipe estava perdendo e ficando nervosa. A torcida perdia a paciência e também ficava nervosa, só que a diferença é que enquanto os jogadores apenas tomavam gols e erravam passes, a Gaviões prometia agressão física e ameaçava a equipe de morte. E eu entre os possíveis assassinos.

O clima estava cada vez mais estranho, pesado mesmo. Refletindo, cheguei à conclusão de que aquele não era um dia legal para ver um jogo no meio da Gaviões da Fiel, e que a definição “torcida organizada” era apenas um eufemismo. Mas esse intuito virou uma questão de honra, o desafio da minha vida. E nessa toada fui, chamando a Polícia Militar pra porrada e ameaçando de morte os jogadores e a torcida adversária.

Aquilo tinha virado um barril de pólvora, e alguém acendeu o pavio. Parte considerável da facção desceu e, sem pedir licença, abriu o portão que dava acesso ao gramado. Sem querer, eu estava fazendo parte de uma massa, com o ímpeto dos seguidores de Gengis Khan, ensandecida e sedenta por sangue; ou um bando de fanáticos dispostos a cometer suicídio coletivo. Eu não saí de casa querendo essa experiência.

O dilema estava na mesa: eu poderia agir como alguém que se sentiria arruinado porque perdeu uma partida de futebol e ser temido eternamente por ter uma foto na capa do jornal adentrando o prédio da Polícia Civil; ou fugir dali porque eu sabia que aquilo era apenas um jogo. Pessoalmente, eu tinha muito a perder e precisava manter a ficha limpa. Não tive dúvida, saí daquela arquibancada.

O nosso grupo estava disperso. Meu amigo estava alucinado, querendo invadir o campo. Apesar de ele ser mais alto que eu, puxei-o para fora do estádio. Lá fora, parecia pior: brigas, balas de borracha, bombas, rojão disparado na horizontal, correria e ambulâncias. Clima de guerra no Pacaembu.

O Corinthians perdera de três a um e estava eliminado de mais uma Libertadores. O combo da desgraça estava quase completo, só faltava eu apanhar da Polícia. A partir do momento em que escapei do estádio, quanto mais longe, melhor.

Isso foi um dia comum para uma derrota do Corinthians na Libertadores.


Este texto é administrado por: Rafael da Silva Claro
Número de vezes que este texto foi lido: 33786


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Tiro, porrada e bomba Rafael S.C.


Publicações de número 1 até 1 de um total de 1.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 49957 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 43339 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 42709 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 41199 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 40760 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 40492 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 40436 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 40423 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 40135 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 40133 Visitas

Páginas: Próxima Última