Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Tiro no pé
Rafael da Silva Claro

Recentemente, temos visto equivocadas ações de boicote e, até, censura. O resultado é o contrário do pretendido, porque a repercussão gera propaganda gratuita e curiosidade.

Boicote, ação legítima, significam algumas, ou muitas, pessoas lançarem mão de sua liberdade e negarem quaisquer transações comerciais com determinada empresa; censura, ação arbitrária, é a análise subjetiva, e política, para julgar se algo é conveniente ao público.

Boicote foi o que aconteceu com o banco Santander de Porto Alegre, no Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira. Uma agência do banco espanhol, resolveu expor obras de “arte”, de gosto duvidosíssimo, que vilipendiava os cristãos e muitos Valores. Até aí tá valendo, é o preço da liberdade. Na arte é assim: quando falta talento, sobra provocação. Os sedizentes artistas retrataram o máximo que suas criatividades podiam conceber: pedofilia, zoofilia e pitadas de blasfêmia. Essa exposição, que estaria restrita ao mau gosto de visitantes voluntários, passou a ter muita audiência.

O boicote surtiu efeito com o encerramento de contas no banco. A exposição viajou ao Rio de Janeiro, onde, a princípio, foi censurada. O resultado dessas e outras tentativas de bloquear essa apresentação, foi a divulgação e reprodução dos itens e do nome Queermuseu, por toda a imprensa. Até quem não quis viu.

Em 2019, na Bienal do Livro, Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella mandou recolher um livro de HQ, cujo único diferencial era um beijo gay. Resultado: o livro, que seria um fracasso de vendas, virou sucesso; o youtuber Felipe Neto arrematou e distribuiu 14.000 livros; o livro esgotou; e a Bienal foi um sucesso, devido a divulgação expontânea.

No ano passado, um deputado do PSL não gostou nada de um quadro exposto a caminho do plenário da Câmara, e arrancou-o. Isso porque o quadro, celebrando o Dia da Consciência Negra, retratava o, segundo o autor, “genocídio da população negra, por policiais”. Resultado: a imprensa repercutiu tanto o caso, que mesmo quem nunca iria ver o quadro, pôde vê-lo reproduzido.

Final do ano passado, o Porta dos Fundos resolveu lançar, no Netflix, um filme de humor, onde alterava a trajetória de personagens bíblicas. Isso feriu suscetibilidades da sociedade, cristãos e um dito grupo Integralista, além de gerar boicotes à Netflix e tentativa de censura ao filme. Foram tantas matérias na imprensa e o assunto ganhou tanto corpo, que tudo isso, claro, gerou curiosidade e o filme bombou.

Agora, em setembro, também na Netflix, o filme Cuties está gerando barulho, porque sexualiza meninas de 11 anos. Isso seria material supostamente artístico para entreter pedófilos. Resultado: um filme que não seria sequer notado deve ter ótima audiência.

Essas obras incomodaram muita gente, mas o melhor era ficar quieto. A propaganda é a arma do negócio. Nesses casos, até a propaganda negativa. Ou por curiosidade, ou para protestar, esses “produtos” viraram sucesso. O que é ruim não tem que ser comentado.












Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 35027


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Borba Gato Rafael da Silva Claro
Crônicas Bozo, o palhaço Rafael da Silva Claro
Artigos Ódio do bem Rafael da Silva Claro
Poesias Você tá lúcido? Rafael da Silva Claro
Crônicas O general e sua esteira Rafael da Silva Claro
Artigos Coragem! Rafael da Silva Claro
Artigos Felipe Neto no Roda Viva?! Rafael da Silva Claro
Crônicas Especialista de Sofá Rafael da Silva Claro
Artigos Rodízio I Rafael da Silva Claro
Artigos Rodízio II Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 81 até 90 de um total de 107.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Quando os fins se tornam meios - Dallagnol Advogados Associados 35028 Visitas
Sonhos Depredados - Ivan de Oliveira Melo 35028 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 35028 Visitas
Amores - Davison Raamos de Almeida 35028 Visitas
NEXUS X COMPLEXUS - orivaldo grandizoli 35028 Visitas
Mosquitos - FERNANDO HORA 35028 Visitas
INCEPTION - DIRCEU DETROZ 35028 Visitas
2 Horas - William Ribeiro da Conceição 35028 Visitas
LÓBULOS - orivaldo grandizoli 35028 Visitas
CONVITE - DIRCEU DETROZ 35028 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última