Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Tiro no pé
Rafael da Silva Claro

Recentemente, temos visto equivocadas ações de boicote e, até, censura. O resultado é o contrário do pretendido, porque a repercussão gera propaganda gratuita e curiosidade.

Boicote, ação legítima, significam algumas, ou muitas, pessoas lançarem mão de sua liberdade e negarem quaisquer transações comerciais com determinada empresa; censura, ação arbitrária, é a análise subjetiva, e política, para julgar se algo é conveniente ao público.

Boicote foi o que aconteceu com o banco Santander de Porto Alegre, no Queermuseu: Cartografias da Diferença na Arte Brasileira. Uma agência do banco espanhol, resolveu expor obras de “arte”, de gosto duvidosíssimo, que vilipendiava os cristãos e muitos Valores. Até aí tá valendo, é o preço da liberdade. Na arte é assim: quando falta talento, sobra provocação. Os sedizentes artistas retrataram o máximo que suas criatividades podiam conceber: pedofilia, zoofilia e pitadas de blasfêmia. Essa exposição, que estaria restrita ao mau gosto de visitantes voluntários, passou a ter muita audiência.

O boicote surtiu efeito com o encerramento de contas no banco. A exposição viajou ao Rio de Janeiro, onde, a princípio, foi censurada. O resultado dessas e outras tentativas de bloquear essa apresentação, foi a divulgação e reprodução dos itens e do nome Queermuseu, por toda a imprensa. Até quem não quis viu.

Em 2019, na Bienal do Livro, Rio de Janeiro, o prefeito Marcelo Crivella mandou recolher um livro de HQ, cujo único diferencial era um beijo gay. Resultado: o livro, que seria um fracasso de vendas, virou sucesso; o youtuber Felipe Neto arrematou e distribuiu 14.000 livros; o livro esgotou; e a Bienal foi um sucesso, devido a divulgação expontânea.

No ano passado, um deputado do PSL não gostou nada de um quadro exposto a caminho do plenário da Câmara, e arrancou-o. Isso porque o quadro, celebrando o Dia da Consciência Negra, retratava o, segundo o autor, “genocídio da população negra, por policiais”. Resultado: a imprensa repercutiu tanto o caso, que mesmo quem nunca iria ver o quadro, pôde vê-lo reproduzido.

Final do ano passado, o Porta dos Fundos resolveu lançar, no Netflix, um filme de humor, onde alterava a trajetória de personagens bíblicas. Isso feriu suscetibilidades da sociedade, cristãos e um dito grupo Integralista, além de gerar boicotes à Netflix e tentativa de censura ao filme. Foram tantas matérias na imprensa e o assunto ganhou tanto corpo, que tudo isso, claro, gerou curiosidade e o filme bombou.

Agora, em setembro, também na Netflix, o filme Cuties está gerando barulho, porque sexualiza meninas de 11 anos. Isso seria material supostamente artístico para entreter pedófilos. Resultado: um filme que não seria sequer notado deve ter ótima audiência.

Essas obras incomodaram muita gente, mas o melhor era ficar quieto. A propaganda é a arma do negócio. Nesses casos, até a propaganda negativa. Ou por curiosidade, ou para protestar, esses “produtos” viraram sucesso. O que é ruim não tem que ser comentado.












Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 33847


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas São Paulo 467 - “Non ducor, duco” * Rafael da Silva Claro
Ensaios O Novo Normal Rafael da Silva Claro
Ensaios Guia Politicamente Incorreto da Pandemia Rafael da Silva Claro
Ensaios Na pressão Rafael da Silva Claro
Ensaios Nadando de braçada Rafael da Silva Claro
Ensaios Dois Papas Rafael da Silva Claro
Ensaios O Clarividente Rafael da Silva Claro
Ensaios Polícia e ladrão Rafael da Silva Claro
Crônicas Retrospectiva 2020 Rafael da Silva Claro
Ensaios Espiral do silêncio Rafael da Silva Claro

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 95.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 48104 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 47700 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 47389 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 47276 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 46692 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 46223 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 45966 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 45760 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 45658 Visitas
Amanhã não saio fico em casa - Martinho do Rio 42561 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última