Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Chevette rodado
Rafael da Silva Claro


Têm acontecimentos que assombram o imaginário familiar, e, mesmo não ocorrendo o pior, nos aconselham a não vacilar e não arriscar, não deixando a negligência, a imperícia ou a imprudência assumir o comando.

Nessa época, GPS era tecnologia da NASA. No máximo, o que tínhamos era um surrado Guia Mapograf, sendo necessário um copiloto consultando o livro. Nesse caso, somente uma bússola poderia nos orientar.

No, quase fatídico, dia saímos, num Chevette, pelo interior de São Paulo. Quem quiser saber o que é um Chevette, é só ir ao Museu do Automóvel. Pois bem, eu pensei que meu cunhado, quem pretendia guiar (ou domar) o veículo, fosse uma espécie de Ayrton Senna, devido a presunção de piloto, mas ele se revelou um Ukyo Katayama, literalmente, Catagrama.

Num episódio onde aconteceu tudo e não aconteceu nada, fizemos as costumeiras orações que, como sempre, foram muito necessárias. Fé em Deus e pé na tábua. Derrubando a lenda de que as rodovias de São Paulo são boas, essa, como exceção, além de mão-dupla, era de pista única, toda esburacada, remendada, cheia de curvas perigosas, mato nas beiradas e tráfego intenso de caminhões. Era quase uma estrada imperial, dessas que Dom Pedro I circulava com seu cavalo (ou burro?). A chuva não era nada, para quem se comparava a um piloto de F1.

Em determinado ponto da viagem, o trânsito estava carregado, mas o comandante queria ultrapassar, de qualquer jeito. Esquecendo-se de que estava conduzindo quatro vidas, lançou mão do estilo “nóis capota, mas num breca”. Explicitando uma, antes, insuspeita inaptidão ao volante, meu cunhado perdeu o comando (que nunca teve) do carro, rodando algumas vezes. Ali, eu percebi como as bailarinas veem o mundo. Nesse dia, eu descobri que a Terra não era plana; porque se fosse, nós despencaríamos no fim dela ou pararíamos na beira do infinito. O transporte foi contido por um amontoado de feno salvador e fofo (não no sentido meigo). Essa desventura faz eu comparar o pretenso ás do volante com o folclórico piloto japonês da Toyota.

Todos sem nenhum arranhão ou concussão e minha sobrinha (quatro anos), no banco traseiro, mantinha um inocente sono, sem se dar conta que estava a bordo de um carrossel com curto-circuito. Nós, os passageiros, pensamos que o motorista esperaria a poeira baixar, mas ele saiu em disparada. Eu já não sabia se estávamos indo ou voltando.

Naquela noite, o, suposto, piloto caiu na real e não dormiu. Eu posso imaginar ele, com os “zóião aberto” na escuridão do quarto, lembrando do risco de morte (ou de vida?) que expôs nós, pessoas de bem, cristãos e pagadores de impostos. Entretanto, ele deve ter ponderado: melhor não fechar os olhos, do que nunca mais abri-los.

Até hoje, como se houvesse uma cruz ou uma capela, ao passar pelo local, lembramos do ocorrido. E por que não recordar de onde, um dia, Deus assumiu a direção de um Chevette. O proprietário daquele carro pode dizer que levou ao pé-da-letra a frase de para-choque de caminhão: comprado por mim, guiado por Deus.


Biografia:
Ensino secundário completo. Trabalhei em várias empresas, fora da literatura. Tenho um blog, onde publico meus textos: “Gazeta Explosiva” Blogger
Número de vezes que este texto foi lido: 204


Outros títulos do mesmo autor

Ensaios Leblon e Vila Madalena Rafael da Silva Claro
Ensaios O Mito de Prometeu Rafael da Silva Claro
Ensaios Pantanal Rafael da Silva Claro
Ensaios Tiro no pé Rafael da Silva Claro
Ensaios Idioma/ Oscar Rafael da Silva Claro
Ensaios Sinecuras 2020 Rafael da Silva Claro
Crônicas Aquecimento Global Rafael da Silva Claro
Ensaios Fake News de qualidade Rafael da Silva Claro
Crônicas Náufragos em SP Rafael da Silva Claro
Ensaios Sleeping Giants Rafael da Silva Claro

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 56.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 68670 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55754 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44467 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44174 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44169 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43788 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 42293 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41423 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41408 Visitas
Amores! - 39953 Visitas

Páginas: Próxima Última